Nova Zelândia

7 formas de viajar para fora como um local

Siga estas dicas para tornar as suas férias em lugares estrangeiros mais interessantes e enriquecedoras.

Por Aziz Abu Sarah

"Como posso fazer com que minha viagem seja mais interessante?" – Essa é uma pergunta que sempre me fazem por eu ser um educador cultural que conduz viagens ao redor do mundo. E a verdade é que a resposta está dentro de nós que, como viajantes, temos a chance de explorar a diversidade que cada país oferece. Mesmo os destinos mais visitados podem trazer experiências extraordinárias quando você vai além dos pontos de turismo, museus e monumentos típicos. Eu fundei minha própria empresa de viagens para mostrar aos turistas que nenhum lugar é homogêneo e que nenhum destino tem uma única narrativa. Aqui estão algumas dicas que eu tenho para ir mais fundo em uma viagem.

Permita-se ficar perdido

Na minha primeira viagem a Tóquio, subi em um trem e saí do centro da cidade para explorar os subúrbios. Acabei em uma área desconhecida, caminhando sem mapa ou agenda. Eventualmente, encontrei-me em um bar que parecia ter saído dos anos 40. A maioria dos clientes eram mais velhos e ninguém falava inglês. Mas de alguma forma, duas horas depois, acabei vestindo roupas japonesas tradicionais, cantando karaokê e dançando com pessoas que tinha acabado de conhecer, comunicando-me de muitas maneiras além das palavras de nossas tão diferentes línguas.

Use a alimentação como janela para a diversidade cultural

Passei por lugares do cenário gastronômico de Bogotá com a ajuda de minha amiga Maria, guia especializada em comes e bebes. Descobri a diversidade do clima e da terra da Colômbia. Ela fez sobremesas de frutas antes de nos dirigirmos a um bar de salsa local. Existem muitas empresas locais em todo o mundo que oferecem experiências tão saborosas, como o Authenticook (em inglês), na Índia, que liga os viajantes aos anfitriões locais para uma refeição caseira. Ou encontre um tour de degustação, como com Frying Pan Adventures (em inglês), em Dubai, provando a culinária multicultural da cidade dos expatriados.

Descubra onde os locais se divertem

Pegue uma revista da região ou confira as placas nos cantos das ruas para encontrar exposições de arte, festivais de música ou outros eventos. Se você gosta de esportes, investigue onde os residentes praticam exercícios ou se juntam para uma partida. Alguns anos atrás, ao visitar a Tunísia, vi um grupo de caras jogando futebol na praia. Eu me aproximei deles e perguntei se eu poderia me juntar, e eles me receberam. Depois disso, fui para o café favorito do time e acabamos trocando uma ideia sobre a Revolução da Tunísia, entre outros assuntos. Pular diretamente para atividades e eventos ajuda a começar a conversa com os moradores da área.

Vá além das cidades mais populares

Saia dos centros urbanos para explorar lugares menores, como aldeias e subúrbios, e encontre os tesouros escondidos de muitos países, com experiências culturais únicas, belas paisagens e interações poderosas. Perto de Hoi An, no Vietnã, fui hospedado por um fazendeiro de 90 anos que compartilhava seu trabalho e suas histórias de vida, como esconder pessoas em sua casa durante a guerra. Existem muitas opções para visitar essas aldeias. Por exemplo, na Tailândia, você buscar o Local Alike (em inglês), empresa que ajudou a estabelecer experiências para viajantes em mais de 70 aldeias em todo o país.

Procure grupos que devolvem algo à sociedade

Algumas organizações oferecem um valor educacional único que você não encontrará sozinho. Quando visitei o Egito, queria ver o país além das pirâmides, mas não sabia exatamente o que estava procurando. Então, fiz uma turnê com uma organização sem fins lucrativos para aprender sobre um bairro do Cairo apelidado de Garbage City. Deixados para trás na coleta de lixo da cidade, os moradores tomaram as rédeas do problema, coletando o lixo e reciclando cerca de 85% dele. Essa área tem um dos programas de reciclagem mais bem-sucedidos do mundo. Para encontrar programas fora da caixinha, o site Visit.org (em inglês) pode conectá-lo a centenas de Ongs que oferecem visitas locais em todo o mundo. Se você for para a Ásia, experimente a Backstreet Academy (em inglês) para experiências únicas em 11 países diferentes da região.

Peça sugestões aos locais

Deixe a timidez de lado! A minha melhor experiência gastronômica em Osaka aconteceu quando eu pedi estranhos para me levar ao seu restaurante favorito, e eu bancaria o jantar. Acabei em um izikaya, um tipo de restaurante pequeno, como um bar, de apenas nove assentos. Esta foi, de longe, a melhor refeição que tive no Japão e certamente uma das experiências mais autênticas que vivi. Gostei também de uma experiência semelhante em Curitiba, no Paraná, em que perguntei a um grupo local onde jantar na capital paranaense. Em vez de indicar um restaurante qualquer, eles me convidaram para se juntar a eles. Eu ainda sou amigo da turma.

Obtenha informações com mais de um guia turístico

A maioria das cidades do mundo, de Jerusalém a Belfast, Istambul a Washington D.C., são multiculturais e diversas. Mas se você receber toda informação sobre a cultura e a história dessa cidade de apenas um guia turístico, é provável que perca a riqueza do destino. Imagine, por exemplo, visitar Belfast com guias católicos e protestantes, discutindo as diferentes narrativas históricas, culturais e políticas da Irlanda do Norte. Quando eu co-fundei minha empresa de turismo Mejdi, estávamos determinados a usar vários guias turísticos de diferentes origens em cada turnê, para que os visitantes pudessem entender a complexidade de cada local.

Nascido em Jerusalém, o explorador emergente da National Geographic Aziz Abu Sarah é um educador cultural, liderando viagens multiculturais ao redor do mundo com sua empresa turística Mejdi Tours (em inglês). Ele também conduz expedições National Geographic para a Terra Santa (em inglês). Encontre-o no Twitter @AzizAbuSarah.

Continuar a Ler