Que esquilo é mais esperto, o vermelho ou o cinzento? A ciência responde

Um experimento que compara as espécies separadas pelo oceano pode ajudar a explicar uma invasão de esquilos na Grã-Bretanha.

Published 22 de fev de 2018 18:53 BRT, Updated 5 de nov de 2020 04:22 BRST
inteligencia-dos-esquilos
O número de esquilos-vermelhos europeus diminuiu nos últimos anos graças a invasão dos esquilos-cinzentos vindos da América do Norte.
Foto de Konrad Wothe, Minden Pictures, National Geographic Creative

Os esquilos-cinzentos podem não parecer tão inteligentes quando estão freneticamente enterrando suas nozes em locais onde talvez nunca mais sejam encontradas, mas parecem ser mais inteligentes do que os esquilos-vermelhos encontrados do outro lado do oceano.

Desde que os esquilos-cinzentos chegaram ao Reino Unido vindos da América do Norte, há mais de um século, o número de esquilos-vermelhos nativos da Grã-Bretanha começou a diminuir. Agora, os cientistas podem ter encontrado uma pista sobre o porquê: os esquilos-cinzentos são melhores na resolução de problemas quando se trata de comida.

As duas espécies compartilham habitat e fontes de alimentos, ou seja, são concorrentes diretos. E a astúcia dos esquilos cinzentos pode estar ajudando-os a superar seus primos menores e vermelhos, dizem os cientistas da Animal Behaviour.

Descubra por que os esquilos são tão agitados
Saiba o que significa quando os pequenos roedores balançam a cauda, cavam buracos e saem correndo como flechas.

Nas últimas décadas, a situação do esquilo-vermelho se tornou crítica, fazendo com que o Fundo de Sobrevivência do Esquilo-Vermelho projetasse que a espécie pode ser extinta no Reino Unido na próxima década se a tendência não for revertida.

Para descobrir como os esquilos-cinzentos superam seus primos britânicos, a especialista em comportamento de esquilos da Universidade de Exeter, Pizza Ka Yee Chow, estudou os roedores de caudas felpudas no seu campus universitário e na Ilha de Arran, na costa oeste da Escócia. Chow e seus colegas testaram as habilidades de resolução de problemas dos esquilos usando dois testes diferentes, um simples e o outro mais complexo. Os esquilos que passassem nos testes receberiam uma saborosa avelã.

O teste mais fácil exigia que o esquilo abrisse uma tampa de plástico transparente para chegar ao alimento. O teste difícil possuía vários passos a mais, e exigia que o animal ativasse uma alavanca para receber a gostosura.

As duas espécies saíram-se igualmente bem no teste simples, embora tenham usado estratégias diferentes. Os esquilos-cinzentos tentaram solucionar o quebra-cabeça com tentativas curtas e repetidas, muitas vezes alterando suas táticas entre as tentativas. Os esquilos-vermelhos fizeram menos tentativas, mas passaram mais tempo com o quebra-cabeça.

Os esquilos-cinzentos da América do Norte são mais bem-sucedidos ao superar obstáculos para obter comida, de acordo com novas pesquisas.
Foto de Brian Gordon Green, National Geographic Creative

A diferença surgiu no teste mais desafiador. 91% dos esquilos-cinzentos resolverem o problema, enquanto apenas 68% dos esquilos-vermelhos obtiveram êxito. Chow e seus colegas atribuíram a diferença à capacidade do esquilo-cinzento de tentar novas estratégias ao enfrentar a tarefa mais desafiadora.

"Os esquilos de árvore têm uma dieta muito variada e são muito bons em encontrar comida onde quer que seja", diz Thaddeus McRae, especialista em comportamento animal da Universidade de Lee que não estava envolvido no estudo. "Esse tipo de flexibilidade é especialmente importante quando estão competindo contra outras espécies de esquilo, tornando-os muito bem-sucedidos em termos de invasões".

Ao longo do tempo, essa engenhosidade pode ter ajudado os esquilos-cinzentos a encontrar comida melhor e mais nutritiva, dando-lhes vantagem para fazer ainda mais esquilos.

Continuar a Ler

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2017 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados