O lado obscuro da terapia com golfinhos

Indústria controversa alega que golfinhos ajudam no tratamento do autismo e outros transtornos, mas até mesmo defensores afirmam que não há dados científicos para comprovar a alegação.

Publicado 22 de ago. de 2021 07:00 BRT
dolphin therapy 1

Os programas de terapia assistida com golfinhos têm como premissa a ideia de que passar algum tempo com golfinhos pode ajudar a tratar uma série de problemas de saúde humana. Na foto, Leonardo Araujo, de 12 anos, nada com botos-cor-de-rosa no norte do Brasil.

Foto de Ricardo Moraes

Kamin Bode tem lembranças embaralhadas das semanas posteriores ao acidente de carro. Quando ela reflete sobre aquele trágico dia em agosto de 2015, ela se recorda de andar de um lado para o outro diante da unidade de terapia intensiva onde seu filho Zachary, de seis anos, estava em coma.

A babá que cuidava de seu filho estava dirigindo o carro e morreu logo após o acidente. Seu exame de sangue mostrou evidências de uso recente de drogas, de acordo com a Patrulha Rodoviária da Flórida.

Bode conta que teve lampejos incessantes de um acidente ocorrido quatro anos antes em que um motorista embriagado a deixou em coma por três semanas. Isso não vai se repetir em minha família, havia pensado. Tudo ficaria bem — tinha que ficar.

Mas, passados dias, pouco mudou para Zachary. Ele fez sete anos na UTI cercado por bipes e assobios de máquinas. Para Bode, era difícil permanecer otimista: “depois que você se sente vitimizada, é difícil escapar dessa sensação”, explica ela.

Como policial, Bode fora treinada para manter a calma em situações difíceis. Nos 15 anos em que atuou em Michigan, dois de seus parceiros foram baleados durante operações policiais. Um deles morreu. Ansiosa por um recomeço, ela se mudou para o sul com Zachary na metade de 2015. Fazia apenas seis semanas que ela havia assumido um novo cargo no departamento de polícia de Ocala, na Flórida, quando seu mundo implodiu.

Agora ela não sabia mais se ou quando sua vida voltaria ao normal. Cerca de duas semanas após o acidente, Zachary abriu os olhos, mas ainda não parecia estar ciente do que se passava à sua volta. Ele não conseguia falar ou mover seus membros. Os colegas de trabalho de Bode arrecadaram fundos para ajudar com as despesas médicas. Um deles, Dan Pope, ofereceu-se para cortar a grama enquanto ela estava no hospital.

Zachary Bode não consegue falar ou mover seus membros desde seu acidente de carro em 2015. Sua família recorreu à terapia com golfinhos para ajudar em sua recuperação.

Foto de KAMIN BODE (Cortesia)

Finalmente, naquele outono, Bode trouxe o filho para casa, embora ele ainda não conseguisse falar ou se mover e precisasse de ajuda em todas as atividades diárias. Ela se dedicou a uma rotina diária: alimentação, banho, medicação e transporte de Zachary a suas inúmeras consultas. A vida trouxe alegrias — Bode e Pope se apaixonaram e mais tarde se casaram — mas Zachary não apresentou nenhuma melhora significativa no restante daquele ano ou nos anos seguintes.

Talvez a ajuda que Zachary tanto precisava não estivesse na medicina tradicional, cogitaram Bode e Pope. Para estimular o relaxamento dos músculos tensos, eles o levaram a um acupunturista. Foram até mesmo ao México para que Zachary pudesse receber polêmicas infusões de células-tronco neurais fetais. Pagaram muitos dos tratamentos com suas economias e alguns com doações, mas o quadro do menino permaneceu praticamente inalterado.

Então, no 1o semestre de 2019, quando Zachary tinha 10 anos, Bode ouviu falar dos golfinhos. O acupunturista de Zachary comentou que sua filha (que também sofreu uma lesão cerebral) tentou um programa de terapia com golfinhos em Freeport, Bahamas e obteve “resultados incríveis”.

A terapia assistida com golfinhos foi promovida pela primeira vez no início da década de 1970 pela antropóloga educacional Betsy Smith, após perceber que golfinhos selvagens agressivos pareciam surpreendentemente dóceis e curiosos perto de pessoas com deficiências físicas e mentais, como seu irmão. Os golfinhos se aproximaram deles — embora ninguém os estivesse alimentando ou oferecendo outros incentivos, conta ela.

Smith, atualmente aposentada da Universidade Internacional da Flórida, conta que as interações pareciam alegrar e motivar as pessoas a obedecer às indicações dos terapeutas. Ela começou a oferecer sessões gratuitas e solicitou uma pesquisa científica rigorosa para estudar os possíveis benefícios dessa abordagem em longo prazo.

Passados cinquenta anos, nenhuma pesquisa encontrou efeitos terapêuticos significativos. No entanto existem atualmente programas em todo o mundo que oferecem sessões para tratar todo o tipo de males, como autismo e depressão e para oferecer assistência a vítimas de derrames. Nos últimos anos, surgiram também programas pagos de certificação e educação continuada para profissionais do setor. Smith não é mais uma defensora, e muitos outros críticos, como Lori Marino, neurocientista de Utah, e Toni Frohoff, bióloga de animais silvestres da Califórnia, preocupam-se com o fato de que a terapia assistida com golfinhos, na melhor das hipóteses, proporciona uma experiência nova e divertida aos pacientes e, na pior das hipóteses, coloca em risco a saúde e a segurança dos animais e das pessoas que recorrem a eles.

Esses programas estão “se aproveitando de crianças e animais vulneráveis e lucrando com eles”, afirma Smith.

Semanas antes do acidente de Zachary, Kamin Bode comemorou com ele seu novo emprego no departamento de polícia de Ocala, na Flórida.

Foto de KAMIN BODE (Cortesia)

Instalações nos Estados Unidos, Caribe, Turquia, Egito, Indonésia, China e outros locais oferecem vários tipos de sessões, que podem incluir nadar com golfinhos, alimentá-los, observá-los de um cais ou barco e tocá-los. Treinadores de golfinhos e diversos tipos de terapeutas conduzem as sessões, geralmente segurando o paciente na água enquanto o golfinho se aproxima ou facilitando as interações. Alguns programas alegam que crianças com transtorno do espectro do autismo que não falavam, começaram a articular suas primeiras palavras após a terapia assistida com golfinhos, embora nenhuma das seis instalações procuradas por mim tenha encontrado uma família disposta a confirmar tal resultado. Um pacote básico, com direito a passar uma hora por dia com golfinhos durante quatro ou cinco dias, custa cerca de US$ 6 mil.

A grande inteligência e aparência amigável dos golfinhos estimularam a noção de que cetáceos podem ajudar humanos — e gostam de fazer isso. Mas alguns defensores da terapia assistida com golfinhos, até mesmo alguns operadores de instalações, reconhecem que nenhum estudo científico convincente comprova a eficácia da terapia com golfinhos. Ainda assim, alegam que as sessões parecem ajudar algumas pessoas. “Há apenas evidências informais e nenhuma forma de mensurar sua eficácia”, declarou Kat Perry, dona e administradora da Integrative Intentions, que oferece sessões de terapia assistida com golfinhos nas Bahamas.

“Os golfinhos apresentam inúmeros comportamentos na interação com as pessoas”, comenta Frohoff, bióloga comportamental e de animais silvestres que visitou mais de dez instalações de terapia assistida com golfinhos e fundou a TerraMar Research, organização sem fins lucrativos de proteção animal com sede na Califórnia. “Esses animais possuem uma capacidade incrível de sentir emoções com base em sua neurobiologia, como alegria, medo e sofrimento, que são equiparáveis, se não superiores às nossas emoções”, afirma ela. “Testemunhei pessoalmente golfinhos socorrendo pessoas que estavam com dificuldade para nadar no oceano.”

Mas não há evidências de que os golfinhos sejam mais dóceis com pessoas com deficiências ou outros transtornos — uma premissa central desses programas de terapia, observa Frohoff. “É uma projeção do que se deseja.”

Golfinhos treinados em cativeiro não são animais domésticos, e interações próximas entre eles e os humanos podem — e têm — resultado em doenças ou lesões em ambos. Relatos publicados em artigos revisados por pares indicam que golfinhos já morderam pessoas, as atacaram e golpearam com suas caudas. Até mesmo treinadores profissionais de golfinhos foram atacados, golpeados, mordidos ou mantidos presos no fundo de um tanque.

Não há um histórico detalhado de pessoas feridas durante as sessões de terapia com golfinhos, pois não há um levantamento abrangente desse tipo de evento devido à falta de regulamentação e de manutenção de registros. “Não são coletadas nem armazenadas informações sobre lesões em nosso banco de dados” em nenhum programa em que golfinhos nadem com humanos, declarou R. Andre Bell, porta-voz do Serviço de Inspeção de Zoossanitária e Fitossanitária do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, órgão responsável pelo monitoramento de instalações de animais em cativeiro nos Estados Unidos.

Disposta a tentar de tudo

Bode não sabia ao certo como passar algum tempo com golfinhos poderia ajudar a curar seu filho. “Não acredito necessariamente em tudo que ouço, e meu marido é bombeiro e guarda-florestal, então somos cautelosos”, conta ela. Ainda assim, ela estava disposta a tentar de tudo — desde que não agravasse a situação de Zachary.

Uma alegação feita pelos defensores da terapia com golfinhos é que os pulsos de ultrassom provenientes dos estalidos da ecolocalização dos animais poderiam alterar as células, as ondas cerebrais e os tecidos humanos. Outra é que, de maneiras não compreendidas, os golfinhos se comunicam intrinsecamente com pessoas com dificuldades de comunicação (nenhuma evidência confirma nenhuma das alegações).

Bode pesquisou o programa de terapia com golfinhos da Integrative Intentions, recomendado pelo acupunturista de Zachary. Ninguém da empresa sediada no Novo México prometeu a Bode resultados específicos, mas a Integrative Intentions afirma em seu site que o programa tem “potencial para ser uma experiência bastante transformadora”.

A instalação cobra pelas interações com cerca de doze golfinhos, em sua maioria, criados em cativeiro, de propriedade de uma empresa nas Bahamas que também os utiliza como atração para turistas que desejam nadar com golfinhos. Eles são mantidos em um recinto na instalação Sanctuary Bay. A Integrative Intentions tinha uma vaga para julho de 2019. Custaria US$ 4.500 por cinco dias de tratamento — sem incluir a passagem aérea, hospedagem ou alimentação da família. Não havia cobertura de seguro para as sessões, mas os organizadores ajudaram Bode a financiar o pagamento.

Ela admite que não esperava nenhum milagre: apenas que a interação com os golfinhos ajudasse seu filho a “se curar emocionalmente”. O programa também ofereceu sessões diárias de terapia craniossacral dentro e fora da água, o que, segundo entendeu Bode, incluiria toques leves de terapeutas em seu filho para estimular a circulação do fluido cérebro-espinhal e relaxar seu corpo. Os golfinhos, disseram-lhe, complementariam esse serviço.

“Não há garantia”, adverte Perry, proprietária da Integrative Intentions. “Ajudamos os corpos a retornar à homeostase”, promovendo sua autocorreção. “Não somos curandeiros. Somos apenas facilitadores.”

“Fiquei um pouco cética no primeiro dia, não vou mentir”, revela Bode, quando ela, Zachary e Pope chegaram a Freeport. “Meu lado policial assumiu, fiquei observando, ainda reticente.”

Nas sessões de terapia assistida com golfinhos conduzidas pela Integrative Intentions nas Bahamas, os participantes interagem em um recinto com golfinhos-nariz-de-garrafa, alugados de uma empresa que também os utiliza como atração para turistas que desejam nadar com golfinhos.

Foto de of Integrative Intentions International

De um cais próximo, Bode assistiu ao primeiro encontro de Zachary com golfinhos e ficou surpresa ao perceber como os golfinhos-nariz-de-garrafa interagiam com seu filho. “De algum modo, há uma conexão. Eles olham diretamente nos olhos”, conta ela.

Zachary boiava na água com a ajuda de um terapeuta quando um dos cetáceos com cerca de 180 quilos se aproximou. Vários outros logo o seguiram. Ela temia que pudessem mastigar seu tubo de alimentação ou a bomba de medicação, mas essas preocupações logo se dissiparam com os movimentos delicados e deliberados dos golfinhos em torno de Zachary, lembra ela.

“Os terapeutas de fato tentam estimular a movimentação do fluido cérebro-espinhal e a liberação craniossacral e outros aspectos — os golfinhos pareciam estar ali para ajudar”, afirma Bode. “Acho que o momento mais impressionante foi quando um golfinho tocou a cabeça do meu filho, olhou para o tubo de alimentação e a bomba e tocou a barriga dele — e ele tem problemas gastrointestinais.” O golfinho também tocou seu quadril esquerdo, onde havia se ferido. “Como saberia disso? Foi uma loucura!”

No segundo dia, Bode se juntou a Zachary na água. Com ela ali, ele relaxou e soltou um ronco do fundo da garganta, que significa que está se sentindo calmo ou feliz, explica ela.

Quatro golfinhos interagiram com Bode e Zachary. “Dá para sentir as intenções enquanto está dentro da água”, prossegue ela. “Não sei como explicar sem parecer esquisito... você simplesmente sabe que não vão machucá-lo. Eles olham fixamente em seus olhos. Não desviam o olhar.”

Depois de cinco dias nas Bahamas em 2019, Bode afirma que notou mudanças em Zachary, mudanças duradouras. “Ele não fica tão frustrado quanto antes. Ao observá-lo, parece haver algo diferente em seus olhos”, disse ela meses após a viagem, acrescentando que o quiroprata e terapeuta ocupacional de Zachary também notou. “Ele ainda se frustra, mas demora um pouco mais para ficar assim.” Ele parece mais feliz, observa ela. “Está sempre rindo e sorridente.”

Outra mãe, Jennifer Lansink, também notou diferenças em sua filha, Teal, após diversas sessões de verão na Integrative Intentions. Teal nasceu prematura, apresenta retardo no desenvolvimento e seus músculos ficam tão tensos que a impedem de andar sem assistência, explica Lansink. Mas ela riu e parecia feliz quando um golfinho tocou em seus pés pela primeira vez. E, no caminho de volta após a segunda visita, quando Teal tinha três anos, ela ficou em pé sem assistência pela primeira vez. “Ver sua filha em pé sem nunca ter feito isso...” disse Lansink, com a voz embargada.

Lansink conta que Teal apresentou outros progressos. “Ela não forma palavras lógicas, mas cada vez mais se expressa verbalmente, manifestando opiniões e frustrações com mais sons e sons mais longos”. A terapia com golfinhos e craniossacral não é a única responsável por essas melhorias, admite ela — Teal também fez terapia ocupacional e fisioterapia em casa — mas sua mãe acredita que as sessões com golfinhos foram fundamentais.

‘As pessoas querem acreditar que isso funciona’

Antes da pandemia do novo coronavírus interromper a vida normal, pôneis embarcavam em aviões para servir de animais de apoio emocional; lhamas passeavam por lares de idosos; cães de terapia percorriam as enfermarias de tratamento de câncer infantil. Durante as medidas de restrição da pandemia, os cães de terapia até passaram à plataforma Zoom — supostamente oferecendo entretenimento virtual e alívio emocional.

“As pessoas querem acreditar que isso funciona”, afirma Hal Herzog, psicólogo, professor emérito da Universidade do Oeste da Carolina, em Cullowhee, Carolina do Norte, que estuda as relações entre humanos e animais. Não é de se admirar que algumas pessoas atribuam aos golfinhos habilidades semelhantes — sobretudo devido ao mito, reforçado por Flipper, personagem de Hollywood na década de 1960, retratado por diversos golfinhos-nariz-de-garrafa, de que esses animais estão sempre animados e dispostos a compartilhar o tempo com humanos. O formato físico da mandíbula desses animais reforça essa noção: parecem estar sempre sorrindo.

Contudo, como aponta Herzog, há uma diferença entre intervenções assistidas com animais e terapia assistida com animais“Intervenção é quando uma pessoa está em um hospital e recebe a visita de um cão de terapia, o que promove uma sensação de bem-estar”, observa ele. Mas terapia busca “um efeito no tratamento do transtorno em longo prazo. E acredito que é nesse ponto em que há uma superficialidade.”

Simplesmente não existe comprovação científica de nenhuma terapia assistida com animais , afirma ele.

Lori Marino, neurocientista especialista em comportamento e inteligência animal e presidente da Whale Sanctuary Project — organização sem fins lucrativos com sede em Utah que busca instituir um santuário à beira-mar para baleias e golfinhos provenientes de parques marinhos — publicou diversos artigos em periódicos analisando os estudos existentes de terapia assistida com golfinhos. Ela afirma que não há evidências claras de benefícios à saúde e que as pesquisas que detalham os supostos benefícios são incompletas. Não consideram fatores ambientais que podem causar alterações comportamentais nos pacientes, como o efeito relaxante da água, as demais terapias que os pacientes podem estar recebendo, ou simplesmente a influência de estar em uma situação nova, conta ela.

“Para mim, a própria alegação de que as famílias estão recebendo terapia é fundamentalmente imoral”, adverte Marino. “Estou ciente das alegações de que há mudanças permanentes, ou algum tipo de mudança real na cognição e nas relações sociais e assim por diante, mas não há evidência disso.”

Em um de seus estudos publicados que criticam a prática, ela acrescenta que há também o risco de que o preço “possa obrigar pacientes e suas famílias a escolher entre a terapia do golfinho e opções de tratamentos empíricos mais eficazes”.

O mais importante, segundo Marino, é “que é preciso saber que há riscos”.

Como os golfinhos não são domesticados, eles não perdem suas características selvagens e seu comportamento é difícil de prever ou controlar, alerta Toni Frohoff, também afiliada à Whale Sanctuary Project. “Até mesmo após gerações de servidão aos humanos, os elefantes-asiáticos não são considerados domesticados”, ressalta ela. “A domesticação é um processo muito deliberado e seletivo de reprodução, e atualmente não existem golfinhos domésticos.”

Por que não usar animais domésticos mais seguros? indaga Naomi Rose, cientista de mamíferos marinhos da organização sem fins lucrativos Animal Welfare Institute, localizada em Washington, D.C. “Tudo que pareça diferente aos olhos de uma criança pode funcionar. É por isso que cabras e ovelhas podem causar algum resultado”, sugere ela.

Golfinhos no trabalho

Frohoff destaca que, embora pareça que os golfinhos gostam de interagir com as pessoas, sua participação se deve ao medo da punição. Se os golfinhos resistem a se apresentar ou interagir com pessoas, reitera Frohoff, normalmente são isolados. Não é necessariamente uma punição — seus cuidadores podem estar preocupados que os animais estejam doentes — mas, para essas criaturas altamente inteligentes, o isolamento pode ser considerado um castigo, afirma ela.

Viver em tanques ou em pequenos recintos pode induzir a comportamentos obsessivos, como nadar constantemente em pequenos círculos, indicando sofrimento mental. O estresse também pode enfraquecer seu sistema imune, o que é especialmente problemático para animais como os golfinhos que interagem regularmente com humanos e são vulneráveis a muitas das mesmas infecções nas vias aéreas superiores.

Em alguns programas de terapia, parece que os golfinhos são adestrados para interagir com as pessoas de forma oposta a seus comportamentos naturais. Esses sinais ambíguos aumentam as chances de falhas de comunicação e violência.

Por exemplo, um vídeo promocional da Sealanya Seapark & Dolphinpark, instalação localizada na Turquia, mostra um golfinho de boca aberta e um menino com transtorno de espectro autista acariciando seus dentes e língua em uma aparente aula de anatomia.

Geralmente, quando um golfinho abre a boca assim, é para sinalizar raiva e agressão — semelhante a um homem fechando o punho, explica Rose, que analisou o vídeo para a National Geographic. Se o animal tivesse aberto a boca espontaneamente, o treinador provavelmente teria afastado a criança para minimizar o risco de ferimentos, pondera ela. Mas, em vez disso, no vídeo, um treinador na altura do joelho pede ao golfinho para abrir a boca e mantê-la aberta — transformando um comportamento que normalmente significa “afaste-se” em um truque “amigável” (a Sealanya não respondeu aos pedidos de comentários).

A maioria dos programas de terapia com golfinhos depende de golfinhos em cativeiro, mas alguns poucos locais levam os clientes para nadar com os animais soltos na natureza. Ainda assim, existe perigo em lidar com golfinhos selvagens acostumados a interagir com humanos. Se nadarem perto de barcos esperando receber alimentos e não os receberem, podem se tornar agressivos, mordendo ou batendo em pessoas na água, em ataques de retaliação. Além disso, alimentar golfinhos aumenta as chances de filhotes aprenderem a esperar alimento em vez de aprenderem a caçar.

Nos Estados Unidos, a Lei de Proteção de Mamíferos Marinhos proíbe assediar, ferir, matar ou alimentar golfinhos selvagens, comportamentos sujeitos à multa ou prisão.

Fonte de esperança e fé

Deena Hoagland, proprietária da Island Dolphin Care, instalação com sede em Key Largo, Flórida, admite prontamente que nenhum estudo científico comprova a eficácia da terapia assistida com golfinhos. No entanto ela aponta para seu próprio filho, Joe (a razão pela qual fundou a Island Dolphin Care) como exemplo do que a exposição aos golfinhos é capaz.

Quando criança, Joe sofreu um grave derrame que limitou severamente suas capacidades. Disseram que ele nunca se sentaria ou andaria sozinho. Mas depois de anos interagindo com golfinhos em programas criados por ela, ela afirma que ele melhorou além de todas as expectativas. “Nunca darei falsas esperanças, mas sempre digo: ‘nunca diga nunca’, pois me disseram nunca”, afirma ela.

“A mão do meu filho sempre ficava com o punho fechado, ele não conseguia articular separadamente os dedos, então eu lhe disse que, se pudesse abrir a mão e girar o pulso, eu colocaria um peixe nela e ele alimentaria um golfinho.” Foi “uma motivação enorme para ele”, lembra ela.

Joe atualmente tem 30 anos, está casado e trabalha como treinador de animais na Island Dolphin Care, fechada devido à pandemia. “Estamos empenhados em manter nossos golfinhos e funcionários protegidos contra o novo coronavírus, ao mesmo tempo em que não contribuímos para sua disseminação”, afirma Hoagland.

Depois que Bode e Pope retornaram de sua viagem às Bahamas em 2019, a família imediatamente começou a economizar dinheiro para futuras sessões de golfinhos para Zachary, mas a pandemia frustrou seus planos de voltar em 2020. A Integrative Intentions ofereceu sessões na metade deste ano, mas Bode disse que o risco, ao menos para sua família, é muito grande.

Continuar a Ler

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2017 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados