Fotografia

Como uma incrível foto de tubarão se tornou viral

Um fotógrafo tira uma foto que lança sua carreira – e depois toma vida própria. Segunda-feira, 23 Julho

Por Alexa Keefe
Fotos de Thomas P. Peschak

Durante o Furacão Harvey de 2017, uma foto de um tubarão nadando em uma rua alagada em Houston foi postada no Twitter – e retuitada milhões de vezes. Naquela época, o fotógrafo da National GeographicThomas Peschak recebeu um e-mail com as palavras “Adivinha quem voltou?”

Peschak conhece bem aquele tubarão branco. Ele o fotografou há 15 anos enquanto seguia o cientista Trey Snow em um caiaque amarelo na África do Sul. Desde então, as pessoas têm colocado o tubarão em fotos para criar fotos assustadoras falsas.

Como muitas fotos que chamam nossa atenção, a foto original de Peschak do tubarão resultou de uma combinação de ingenuidade, paciência e acaso.

Em 2003, o cientista marinho Michael Scholl, do White Shark Trust, alertou Peschak sobre um grande número de tubarões circulando pelo litoral mais ao Sul da África do Sul.

O par tentou seguir os tubarões em um barco de pesquisa, mas o barulho do motor alterava o comportamento dos animais. Então, Peschak teve uma ideia. Ele tinha comprado um caiaque recentemente, que seria menos incômodo para os peixes. Por que não tentar acompanhá-los assim?

“Como a ideia idiota era minha, eu pude tentar primeiro”, diz ele.

Lugar certo, hora exata

Funcionou. “Com um GPS instalado no caiaque, pudemos seguir o tubarão até águas rasas e observar seu comportamento natural”, diz Peschak. “Quando isso aconteceu, o fotógrafo em mim despertou novamente”.

Ele passou os próximos meses no barco de pesquisa, esperando por condições calmas para colocar o caiaque na água de novo.

Peschak estava pronto quando o dia chegou. De seu ponto de vantagem, atrelado ao flybridge do barco, ele assistiu pacientemente enquanto Scholl buscava tubarões em Haaibaai, que significa “Baía dos Tubarões”.

Uma linda cena, mas não era suficiente para ele.

“Então encontramos esse tubarão ousado que se aproximou do caiaque por trás e subiu na coluna de água”, disse ele. “Eu só tinha mais seis fotos na minha câmera. Quando a nadadeira dorsal saiu da superfície, o cientista no caiaque olhou para trás, e então, clique”.

“Ao invés do cientista seguir o tubarão, agora o tubarão estava seguindo o cientista, o que era muito mais interessante. Às vezes as melhores imagens são as que não planejamos”.

O meme

A foto, publicada primeiro nos jornais e revistas sul-africanos, imediatamente atingiu o público.

“Eu tive 100 mil visitas no meu site nas primeiras 24 horas, o que, em 2003, era viral”, ele ri. “Eu não esperava que todos fossem achar que era uma foto falsa”

Teorias da conspiração surgiram nos fóruns de discussão, com comentários de pessoas analisando tudo, desde o ângulo das sombras até compararem as ondulações na água dos dois lados do tubarão para determinar se a foto tinha sido clonada.

A atenção foi uma bênção e uma maldição.

A foto colocou Peschak no mapa como fotógrafo, mas, ao invés de abrir os olhos das pessoas sobre como tubarões são incríveis, tudo que as pessoas falavam na época era sobre a foto ser incrível demais para ser de verdade.

“Por um tempo, eu levei o slide original para entrevistas comigo para provar”, diz ele.

Ele notou a ironia quando o tubarão começou a aparecer em vários lugares na internet alguns anos depois – nas ruas de uma cidade de Porto Rico depois do Furacão Irene em 2011, nadando em um shopping do Kwuait após o rompimento de um aquário, e colocando terror nos corações dos moradores de Houston.

No caso do Furacão Harvey, foram os fãs da comunidade online de Peschak que o avisaram. Cada vez que descobrem uma nova foto falsa, “eles ficam mais indignados do que eu”, diz ele.

Continuar a Ler