Hotel espacial de luxo promete receber visitantes a partir de 2022

Startup norte-americana pretende lançar o estabelecimento na órbita da Terra nos próximos anos. Interessados terão que desembolsar alguns milhões de dólares para a aventura extraterrestresegunda-feira, 9 de abril de 2018

Por Elaina Zachos
Um nascer do sol sobre o planeta azul capturado da Estação Espacial Internacional.

Diante de todos os acontecimentos recentes aqui na Terra, você já pensou em se mudar para o espaço? Bem, por alguns milhões de dólares, é possível você entrar em uma lista que estará sendo feita nos próximos quatro anos.

A Orion Span, startup de tecnologia espacial baseada em Houston, nos Estados Unidos, anunciou planos de lançar o primeiro hotel espacial de luxo na órbita da Terra até 2021. A empresa diz que a já batizada Estação Aurora estará pronta para receber visitantes no ano seguinte.

O preço de um bilhete para uma estadia de 12 dias será de US$ 9,5 milhões por pessoa, o que representa US$ 791.666 por noite (cerca de R$ 2,7 milhões).

Futuros astronautas

A Orion Span ainda precisa contratar um provedor de lançamento para colocar os futuros visitantes - e também a estação - em órbita. No passado, cidadãos particulares foram enviados para a Estação Espacial Internacional (EEI) com bilhetes de ida e volta de US $ 20 a 40 milhões. Mas, de acordo com Frank Bunger, fundador e CEO da empresa, as viagens da Orion Span são menos caras devido à queda dos preços de lançamento. Neste momento, futuros astronautas podem fazer um depósito reembolsável de US$80 mil para estadias futuras.

"Após o lançamento, a Estação Aurora entra em operação imediatamente, trazendo os viajantes ao espaço mais rapidamente e a um preço mais baixo do que até então visto", disse Bunger em um comunicado.

"Nosso objetivo é fazer o espaço acessível a todos e de forma crescente gerar valor maior a um custo menor ".

O hotel, que está previsto para lançamento a cerca de 320 km da superfície da Terra, terá o tamanho da cabine de um grande jato privado. Representantes da empresa afirmam que serão cerca de 13 m de comprimento por 4 m de largura, com um volume pressurizado de 160 m³. Em comparação, a Estação Espacial Internacional é muito maior, com 109 m de comprimento, um volume interno pressurizado de 915 m³, e está localizado a 400 km acima da Terra.

Concluída, a Estação Aurora será totalmente modular e hospedará seis pessoas de cada vez, com suítes privadas para duas pessoas. Quatro dessas pessoas serão convidadas e dois serão tripulantes, provavelmente ex-astronautas, diz a empresa. Com a ajuda de engenheiros que trabalharam na EEI, o hotel está atualmente em construção em Houston, enquanto a Orion Span desenvolve software para ele em San Francisco.

A bordo da estação, os viajantes se movimentarão livremente sob gravidade zero, enquanto orbitam o planeta a cada 90 minutos. Eles podem apreciar a vista, que inclui cerca de 16 amanheceres e entardeceres a cada 24 horas, através das muitas janelas da estação e obter uma experiência de realidade virtual no "holodeck" da embarcação. Os hóspedes também terão a oportunidade de participar de experimentos de pesquisa, como o cultivo de plantas comestíveis - que podem ser levadas para casa como lembranças - e a transmissão ao vivo de pessoas em casa por meio da Internet de alta velocidade sem fio.

"Não estamos vendendo um equivalente a vamos-para-a-praia no espaço", diz Bunger à Bloomberg. " Nós estamos vendendo a experiência de ser um astronauta."

Historicamente, os viajantes espaciais começam os preparativos com 24 meses de antecedência, mas Bunger diz que a Orion Span reduziu essa orientação para três meses. A Certificação de Astronauta da Orion Span incluirá uma versão condensada do treinamento online e presencial nas instalações da empresa em Houston, com certificação final a bordo da Estação Aurora.

Ao retornar à Terra, os convidados "serão tratados com status de boas-vindas a um heroi", diz a empresa.

Oportunidades empresariais

O Orion Span provavelmente atenderá a turistas espaciais privados, bem como agências espaciais do governo, diz Bunger. Um empreendedor em série e ex-engenheiro de software, Bunger trabalhou em outras startups no passado, além da equipe Orion Span para sete pessoas. Combinados, os membros da equipe têm mais de 140 anos de experiência no espaço.

A Orion Span não é a primeira a olhar para o céu em busca de oportunidades empresariais. Planos foram anunciados recentemente para um hotel de quatro quartos na EEI, que custaria US$ 40 milhões por pessoa. A  Axiom Space, baseada no Texas, tem planos de levar turistas à EEI até o próximo ano e lançar uma estação espacial comercial até 2024. A Virgin Galactic, que disse que iniciaria voos espaciais suborbitais em 2009, está planejando cobrar US$ 250 mil por futuras viagens extraterrestres.

"A comercialização é uma perspectiva empolgante, mas será um exercício para determinar quais ideias são reais", diz Phil Larson, assistente de reitor e chefe de gabinete da Faculdade de Engenharia e Ciência Aplicada de Boulder da Universidade do Colorado, à Bloomberg. Anteriormente, Larson atuou na equipe SpaceX de Elon Musk e no Escritório de Política Científica e Tecnológica da Casa Branca de Obama.

Se a Estação Aurora for bem sucedida, a empresa quer lançar módulos idênticos e construir uma estação espacial privada. A longo prazo, a visão é vender o espaço.

"Mais tarde, vamos vender módulos especificados como os primeiros condomínios do mundo no espaço", acrescenta Bunger. "Os futuros proprietários da Aurora poderão morar, visitar ou sublocar seu condomínio espacial."

Continuar a Ler