CONTEÚDO PAGO POR Turismo no Chile

EXPERIENCIE O CHILE: PLAYGROUND NATURAL

Dos desertos do extremo norte até a extremidade da América do Sul e além, o Chile é um playground natural para todos explorarem.

KRISTA ROSSOW

Foto de Beth Wald

Noites Incrivelmente Estreladas

O deserto de Atacama do Chile é uma meca para os observadores de estrelas. A ausência de poluição luminosa e o ambiente árido, um dos mais secos do planeta, tornam o céu inacreditavelmente limpo. Grandes fãs da astronomia podem visitar um dos observatórios de nível internacional da região, como o ALMA, o maior telescópio de rádio do mundo. Os novatos na exploração do reino celeste têm várias opções perto da cidade de San Pedro de Atacama para uma noite de observação de estrelas guiada por especialistas.

Foto de Babak Tafreshi/National Geographic

Beleza Árida

Os visitantes de San Pedro de Atacama podem se aventurar em uma viagem de um dia ao Salar de Talar, um esplêndido plano de sal cercado por enormes vulcões, perto da fronteira da Argentina. A quase 4.000 metros de altitude, a paisagem desértica remete a um arco-íris de matizes geológicos, com tons de céu azul e lagos azul-turquesa. Uma exploração mais profunda dos sopés dos Andes chilenos agradará os observadores da vida selvagem em Laguna Chaxa. Parte da Reserva Nacional de Los Flamencos, abriga não só o homônimo flamingo, mas também o tuco-tuco, a raposa andina e o evasivo puma.

Foto de Sérgio Pitamitz/National Geographic

Pouso Lunar

Caminhar pelo Vale da Lua do Atacama, com suas formações rochosas acidentadas varridas pela areia, é quase como caminhar sobre a nossa lua. Ironicamente, as condições severas do Atacama têm sido usadas por cientistas e engenheiros da NASA como um cenário substituto para testar tecnologia e equipamentos para uso em Marte. Embora os visitantes possam não sentir que estão no planeta Terra, o deserto acena como um playground com vários terrenos perfeito para exploração de carro, a pé, por bicicleta ou a cavalo. Não se esqueça de ver o fabuloso pôr do sol.

Foto de Alex Saberi/National Geographic

Sentinelas Antigos

A Ilha de Páscoa, ou Rapa Nui, fica a mais de 3.700 quilômetros do Chile continental no Oceano Pacífico. O Parque Nacional Rapa Nui protege quase metade da ilha, famosa por seus moais, estátuas de pedra monumentais esculpidas pelo povo Rapa Nui. Um moai solitário fica na entrada da área de Ahu Tongariki, a maior ahu, ou plataforma cerimonial, da ilha, com 15 moais em sequência. Os visitantes da Ilha de Páscoa podem visitar este local na costa sudeste por meio de passeio guiado, carro alugado ou até mesmo bicicleta.

Foto de Keith Ladzinski/National Geographic

Paisagens Ativas

Villarrica é um dos vulcões que serve como um cenário perfeito para explorações do Lake District do Chile. Este vulcão muito ativo ergue cinzas e, ocasionalmente, lava, mas com um guia e equipamento adequado, a cratera é normalmente acessível para aqueles que desejam fazer uma caminhada de quatro a seis horas até o cume para dar uma olhada dentro da cratera com lava fundida. As atividades nas proximidades incluem passeios de barco e pesca nos diversos lagos.

Foto de Mike Theiss/National Geographic

Área de Ecoturismo

A Reserva Biológica Huilo-Huilo é uma fatia de 100 mil hectares de paraíso situada no sul dos Andes chilenos. Esta reserva privada na encosta leste do estrato vulcão composto Mochu-Choshuenco protege o ecossistema único da floresta tropical temperada de Valdivian. Os ecoturistas têm muitas opções de hospedagem, restaurantes e atividades ao seu alcance. Os visitantes podem facilmente se deleitar com as antigas florestas decoradas por rios, lagos e cachoeiras alimentados por geleiras. Uma curta caminhada de 30 minutos leva a La Leona, uma cachoeira no rio Fuy, que também pode ser visitada com um bote ou caiaque.

Foto de Jonathan Irish/National Geographic

O Playground da Natureza

A região da Patagônia do Chile abriga mais de uma dúzia dos mais de 40 parques nacionais do país, incluindo Torres de Paine, com seu famoso maciço de granito de cair o queixo cercado por lagos brilhantes alimentados por geleiras. O parque é um playground para os amantes da natureza que podem experimentar sua beleza incomparável de carro, barco, a cavalo ou a pé, com opções que abrangem todos os orçamentos. Observe guanacos e veados huemul, condores andinos girando em torno de pináculos rochosos, e talvez veja um puma.

Foto de Michael Melford/National Geographic

Caminhada no Gelo Antigo

Os visitantes do Parque Nacional Torres del Paine não vão querer perder a oportunidade de ver a beleza azul intensa do Glacier Grey, parte do imenso campo de gelo do sul da Patagônia. O gelo esculpido em azul profundo pode ser alcançado de várias maneiras. Observe a face da geleira em um barco que passeia pelas formações de gelo no Lago Grey. Vá até a geleira a pé em uma caminhada de um dia ou como parte de um circuito de vários dias. Os mais aventureiros podem alugar um guia para caminhar pelo gelo antigo.

Foto de Michael Clark/National Geographic

Viagem em Alta Adrenalina

Amantes de caiaque e rafting testam suas habilidades no rio Futaleufú, no norte da Patagônia. Originado do derretimento de neve glacial na Argentina, este rio azul-turquesa intocado atravessa a fronteira do Chile e corre através de dramáticos cânions de granito. As corredeiras de águas brancas Classe IV e V atraem canoístas de todo o mundo para uma experiência incomparável e um cenário espetacular. Aproveite a beleza do Futaleufú (“grande rio” na língua indígena de Mapundungún) sem uma injeção de adrenalina ao optar por pesca com mosca, caminhadas ou passeios a cavalo.

Foto de Skip Brown/National Geographic

Caminhos Pouco Explorados

A vastidão do campo de gelo da Patagônia do Sul, o maior campo de gelo no hemisfério sul além da Antártica, pode ser contemplada dos picos da Cordilheira Sarmiento, localizada ao sul de Torres de Paine e a oeste de Puerto Natales. Os montanhistas intrépidos dispostos a explorarem essa região remota encontrarão picos de montanhas intocados e vistas impressionantes quando o clima, infamemente nublado, está bom. Aqui, dois alpinistas chegam ao cume do segundo pico mais alto, Cerro Trono, a 1.879 metros. Para acessar a região mais facilmente, escolha uma rota marítima em um cruzeiro pelos fiordes.

Foto de Gordon Wiltsie/National Geographic

Grandeza Glacial

Os turistas nos barcos parecem minúsculos perante a Geleira Garibaldi enquanto assistem ao descolamento do gelo. Esta geleira de maré, uma das muitas no Parque Nacional Alberto de Agostini, emerge e recua lentamente, enquanto corrói o vale em forma de U. Indicada como Reserva da Biosfera pela UNESCO, as montanhas dramáticas do parque exibem cachoeiras, florestas suspensas e geleiras turquesa aninhadas em seus vales. Esta região de Tierra del Fuego, na extremidade sul do continente sul-americano, é melhor explorada pelo mar, de onde podemos ver os últimos picos da cordilheira dos Andes desvanecendo no oceano como ilhas montanhosas.

Foto de Jeff Mauritzen/National Geographic

Atravesse o Continente Branco

Embora a Antártica não seja de propriedade de nenhum país, o Chile governa um território que cobre o braço do continente, estendendo-se em direção à Passagem de Drake e à América do Sul. Várias espécies de pinguins, incluindo gentoos, se reproduzem no Continente Branco. Navegar pelas águas cobertas por icebergs é como navegar pela galeria de arte da natureza em constante mudança.

Foto de Ronan Donovan/National Geographic

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2017 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados