A elefante Happy não é uma pessoa, decide o mais alto tribunal de Nova York

Decisão rejeitou um esforço para mover a elefante do Zoológico do Bronx para um santuário, e encerrou o caso de direitos dos animais que mais avançou na história judicial dos EUA.

Por Rachel Fobar
Publicado 1 de jul. de 2022 14:15 BRT
Happy, uma elefante do Zoológico do Bronx

A última tentativa de declarar Happy, uma elefante do Zoológico do Bronx, legalmente como pessoa e ter direito à liberdade foi rejeitada.

Foto de Bebeto Matthews AP (272016)

Happy, uma elefante asiática de 51 anos, do Zoológico do Bronx, não é uma “pessoa”, decidiu o mais alto tribunal de Nova York, nos Estados Unidos, encerrando um caso que obrigou os tribunais e o público a refletir sobre quais direitos a sociedade humana deve a animais altamente inteligentes. A decisão do tribunal, com o placar de 5 a 2, em 14 de junho, significa que Happy não tem direito fundamental de liberdade corporal ou de prisão.

No ano passado, o Tribunal de Apelações de Nova York concordou em ouvir o caso apresentado pelo Projeto Direitos Não-humanos (NhRP, em inglês), uma organização de direitos civis dos animais com sede na Flórida. O grupo argumentou em 18 de maio que Happy deveria ser reconhecida legalmente como pessoa e enviada para um santuário. Este foi o quarto tribunal que o NhRP argumentou antes de Happy, e é a corte mais alta que um caso de direitos dos animais alcançou nos Estados Unidos.

Personalidade é uma designação legal que indica que uma entidade tem capacidade para direitos ou responsabilidades. Corporações, corpos d'água e outros animais em países ao redor do mundo foram reconhecidos como pessoas. Nos EUA, não existe designação específica para animais não humanos. Nos EUA, animais são coisas. 

A decisão mantém o ponto de vista, explicando que, independentemente da inteligência de um elefante, o habeas corpus – ou o direito à liberdade após uma detenção ilegal – se aplica apenas a seres humanos. “Embora ninguém conteste as impressionantes capacidades dos elefantes, rejeitamos os argumentos do peticionário de que ele tem o direito de buscar o recurso de habeas corpus em nome de Happy”, escreveu a juíza Janet DiFiore. “Habeas corpus é um veículo processual destinado a garantir os direitos de liberdade de seres humanos que são ilegalmente restringidos, não animais não humanos.”

Em uma opinião divergente, o juiz Rowan Wilson contestou a noção de que o habeas corpus se aplica apenas a humanos, argumentando que o mandado foi “utilizado vigorosamente para contestar a detenção de escravos quando, sob a lei, eles eram considerados bens móveis”.

Em comunicado, o NhRP aplaudiu “os poderosos dissidentes” como uma “tremenda vitória” na luta pelos direitos dos animais, mas o grupo lamentou o fato de Happy não ser transferida para um santuário. “Esta não é apenas uma perda para Happy, cuja liberdade estava em jogo neste caso, e que permanece presa em uma exposição do Zoológico do Bronx. É também uma perda para todos que se preocupam em defender e fortalecer nossos valores e princípios de justiça mais queridos –  autonomia, liberdade, igualdade e justiça – e garantir que nosso sistema legal esteja livre de raciocínio arbitrário e que ninguém tenha direitos básicos negados simplesmente porque de quem são”, diz a nota.

Representantes do Bronx Zoo não responderam imediatamente a um pedido de comentário.

Steven Wise, fundador e presidente da NhRP, disse à National Geographic no ano passado que Happy é uma “elefante deprimida”, acrescentando que “os elefantes evoluíram para se mover — Happy apenas fica lá”. Ele argumenta que Happy deveria ser enviada para um santuário credenciado para ficar com outros elefantes, em um ambiente maior e mais natural do que seu atual recinto de um hectare, onde ela mora sozinha. Como criaturas sociais e inteligentes, os elefantes precisam de companhia, ele explica, não de “confinamento solitário”.

Happy mora no Zoológico do Bronx, credenciado pela Associação de Zoológicos e Aquários, há mais de 40 anos. Em um e-mail para os apoiadores do NhRP, em 2019, o diretor do zoológico James Breheny escreveu: “Happy não está definhando. Ela está bastante satisfeita e é avaliada frequentemente pelas pessoas que a conhecem melhor, incluindo os veterinários que cuidam dela há anos, bem como os tratadores que interagem com Happy por horas todos os dias.”

O zoológico também responde que Happy não está sozinha porque ela vive ao lado de Patty, a outra elefante do zoológico, que está separada dela por uma cerca. Elas têm “contato”, disse o zoológico, em um comunicado de 2020 . As duas elefantes podem ver e, ocasionalmente, tocar uma à outra de seus recintos separados. Mas as tentativas de abrigá-las juntas não foram bem sucedidas. “Nenhum animal estava confortável na companhia do outro, e ambos os elefantes experimentaram níveis de estresse diferentes, mas óbvios”, escreveu Breheny em 2019. Ele também disse a um repórter que as duas eram “como irmãs que não querem compartilhar o mesmo espaço".

Embora haja um punhado de elefantes solitários nos EUA, o NhRP escolheu representar Happy em parte por causa de seu papel fundamental em ajudar os cientistas a entender a cognição da espécie. Em 2005, ela se tornou o primeiro elefante a passar no teste do espelho para inteligência animal. Os pesquisadores marcaram um “X” branco na testa de Happy e, quando ela se viu no espelho, tocou repetidamente a marca com a tromba, indicando que reconheceu o reflexo no espelho como ela mesma, algo que poucas espécies podem fazer.

A National Geographic Society apoia o Wildlife Watch, nosso projeto de reportagem investigativa focado em crimes e na exploração da vida selvagem. Leia mais histórias do Wildlife Watch aqui e envie dicas, comentários e ideias de histórias para NGP.WildlifeWatch@natgeo.com. Saiba mais sobre a missão sem fins lucrativos da National Geographic Society em natgeo.com/impact.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Animais
Elefantes de zoológicos de beira de estrada sofreram por anos antes de morrer
Animais
Lagarto revela como zoológicos podem, sem querer, estimular tráfico de animais
Animais
Zoológico de 'Máfia dos Tigres' reabre com multidões – felinos correm risco de contaminação
Animais
Como matar vida selvagem tornou-se um jogo nos Estados Unidos
Animais
Namíbia está capturando elefantes selvagens para venda internacional

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados