Coruja-das-torres

Por JOEL SARTORE, NATIONAL GEOGRAPHIC PHOTO ARK
Coruja-das-torres, Tyto alba tuidara, olha para a câmera no Jardim Zoológico de Brasília.

Coruja-das-torres, Tyto alba tuidara, olha para a câmera no Jardim Zoológico de Brasília.

Foto de Joël Sartore NATIONAL GEOGRAPHIC PHOTO ARK

Nome comum: Coruja-das-torres

Nome científico: Tyto alba

Tipo: Ave

Dieta: Carnívora

Expectativa média de vida na natureza: 4 anos

Tamanho: Cerca de 30 centímetros

Peso: Cerca de 450 gramas

Com seu chirriado estridente, olhos escuros e penas brancas reluzentes no rosto, uma coruja-das-torres poderia tranquilamente se passar por um fantasma voando silenciosamente pelo céu noturno.

De fato, muitas culturas associam a coruja-das-torres à superstições. Na Inglaterra, onde costumam viver em cemitérios, ao voarem em redor da casa de uma pessoa acamada, essas aves simbolizam que a morte se aproxima. O povo zapoteca do México também considerava a coruja-das-torres como um presságio fatal, e os  antigos egípcios acreditavam que as corujas-das-torres habitavam “o reino da morte”, provavelmente devido a seus hábitos noturnos.

Mas também é verdade que, por serem predadoras de pragas agrícolas, como ratos e camundongos, as corujas-das-torres são animais fundamentais para seus ecossistemas. É uma das espécies de aves mais comuns na Terra, com 10 subespécies habitando todos os continentes, exceto a Antártida.

As corujas-das-torres não migram. Em vez disso, prosperam o ano todo em vários ambientes, como em planícies abertas, terras agrícolas e desertos. Fazendo jus ao nome corujas-das-torres, podem utilizar edifícios isolados como poleiros durante o dia e se sentem em casa vivendo entre as pessoas nas cidades e subúrbios.

Coloração

As cores de suas costas e asas variam de tons claros e amarelos a dourados e cinzas, permitindo que se camuflem em diversos tipos de habitats. Suas partes inferiores podem ter coloração vermelha ou branca; corujas com barrigas de cor branca podem refletir o luar e atordoar os roedores, tornando-os uma presa fácil. Em um estudo, ratos-do-mato permaneceram por mais tempo atordoados na presença de corujas de barriga de cor branca do que de cor vermelha.

Alguns indivíduos possuem coloração malhada no peito, especialmente entre as fêmeas. Os machos tendem a preferir fêmeas malhadas, talvez porque seja um indicativo de saúde: fêmeas com mais manchas podem ter menos parasitas.

Predadores perfeitos

Os corpos das corujas-das-torres são aptos para a predação, as cabeças com formato semelhante ao de um coração canalizam o som em seus ouvidos, alertando-as para os farfalhares de pequenos mamíferos, cobras, peixes e insetos. Os olhos das corujas-das-torres são duas vezes mais sensíveis à luz que os nossos, dando-lhes uma visão noturna superior. Além disso, elas balançam a cabeça lentamente para aumentar sua percepção de profundidade.

Ao se aproximar de uma presa, as penas felpudas nas asas da coruja-das-torres e suas patas permitem que ela desça sem fazer barulho e agarre o animal com suas garras fortes. A envergadura de 90 centímetros também é enorme em relação ao seu peso de 450 gramas, que permite que elas flutuem silenciosamente pelo ar em vez de bater as asas.

Como muitas corujas, as corujas-das-torres engolem a presa inteira e depois regurgitam tecidos resistentes como pele e osso no que é chamado de pelotas de coruja.

Acasalamento e reprodução

As corujas-das-torres começam a se reproduzir com cerca de 1 ano de idade. Durante o cortejo,  os machos realizam exibições elaboradas, incluindo voo de mariposa, uma extenuante façanha física em que um macho revoa e balança as patas na frente da fêmea.

Cerca de 75% dos pares de acasalamento permanecem juntos por toda a vida, mas se separam se não estiverem produzindo um número suficiente de filhotes. Às vezes, machos e fêmeas terão mais de um parceiro. (Relacionado: “Por que as corujas se divorciam?”)

As corujas-das-torres podem se reproduzir o ano todo, produzindo uma ou duas ninhadas por ano que variam em tamanho de três a 11 ovos, dependendo da disponibilidade de presas. As aves preferem construir seus ninhos nas árvores em áreas abertas como campos e pântanos, onde podem caçar com mais facilidade.

A fêmea põe seus ovos com dois a três dias de intervalo para que os filhotes não eclodam todos de uma vez, incubando-os por cerca de 30 dias. O macho traz a comida da fêmea chocadeira e continua fazendo isso depois que os filhotes eclodem; a fêmea divide a carne em pedaços menores para os filhotes.

Com 2 semanas de idade, eles são capazes de engolir presas inteiras. Com cerca de 8 semanas, os filhotes emplumam, contudo permanecem com os pais até cerca de 15 semanas de idade, enquanto seus genitores continuam a alimentá-los.

Estado de conservação

As populações globais de corujas-das-torres variam entre quatro milhões e cerca de um bilhão de indivíduos, de acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza.

Embora sejam estáveis, as populações devem ter seus habitats e presas protegidas para permanecer nessa condição, além de fornecer ninhos artificiais em áreas onde houve desmatamento.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Animais
Cacatuas selvagens aprendem a abrir lixeiras umas com as outras
Animais
Escorpião
Animais
Abelha
Animais
Orca
Animais
Joaninha

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados