Microdoses de psicodélicos podem melhorar saúde mental? O que diz a ciência

Tomar pequenas doses de drogas como psilocibina, LSD e ayahuasca é cada vez mais popular. Mas os benefícios da microdosagem de psicodélicos para a saúde mental ainda são estudados.

Publicado 22 de fev. de 2022 09:21 BRT
Many people are microdosing psychedelic drugs to boost their mood or mental health. Does the evidence ...

Uma seleção de "cogumelos mágicos" – fungos contendo a psilocibina do composto psicodélico – é exibida no bairro de Hollywood Hills, em Los Angeles, Califórnia. Embora a psilocibina seja ilegal na maioria dos casos, um número crescente de pessoas usa pequenas quantidades da droga, a chamada microdose, para aliviar ansiedade, depressão e outras condições de saúde mental.

 

Foto de Michael Christopher Brown

Quando Jaclyn Downs, uma nutricionista de 43 anos em Lancaster, Pensilvânia, EUA, se deparou com o conceito de microdose de psilocibina – a ingestão de uma pequena quantidade de um psicodélico para um efeito sutil –, ela imediatamente lembrou de um incidente na faculdade quando uns amigos fizeram chá com 'cogumelos mágicos'. Downs tomou apenas um gole, mas passou o resto da noite se sentindo conectada, pacífica e presente. Olhando para trás, ela percebeu que o que tinha experimentado era uma microdose.

Há três anos, Downs começou a tomar microdoses para se preparar para certas situações, como quando quis ficar acordada até tarde em um evento social que ela gostava. A droga acalmou a sua angústia e fez dela uma melhor conversadora, diz. 

Seis meses atrás, ela começou uma rotina mais estruturada, tomando um extrato de microdosagem de psilocibina a cada três dias. Isso a tornou mais calma e receptiva, diz ela, especialmente quando suas filhas de seis e nove anos brigam ou a pressionam com os seus pedidos. 

"Antes eu era mais reativa – ficando brava ou irritada –, mas agora respondo mais tranquilamente", diz Downs. "A atmosfera geral da nossa casa é mais positiva."

Nos últimos anos, as drogas psicodélicas passaram de um assunto tabu para um tópico que ganha cada vez mais aceitação na sociedade. Os psicodélicos estão até encaminhados para aprovação médica geral, tendo sido designados como uma "terapia inovadora" pela Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA, na sigla em inglês).

Diana Bui, Wendell Phipps e Carlyn Hope Davis foram caminhar na área da Pacific Palisades depois de uma microdosagem e, em seguida, optaram por patinar em seu local favorito na Venice Beach.

Mas muita gente intrigada com a promessa dos psicodélicos – uma categoria que inclui psilocibina, dietilamida de ácido lisérgico (LSD), ayahuasca, mescalina e outras substâncias que alteram a consciência – está ansioso para colher os benefícios sem ter que tomar uma dose forte o suficiente para provocar uma viagem de horas pelo buraco do coelho.

Cada vez mais pessoas consomem microdoses

Um número crescente de pessoas está se voltando para a microdosagem, ingerindo regularmente de 5 a 10% a quantidade que gera alucinações. Elas buscam aumentar o bem-estar, melhorar o trabalho ou diminuir a depressão e outros demônios psicológicos sem desencadear os efeitos completos da droga.

Mas especialistas dizem que há poucas evidências científicas até agora para apoiar a abordagem.

"Até onde sabemos, não há muitos riscos associados à microdosagem. Mas não está claro, além dos depoimentos dos usuários, que há benefícios", diz John Krystal, presidente de psiquiatria da Escola de Medicina de Yale, nos EUA, que acompanhou de perto a pesquisa.

Uma das principais razões disso é que a microdosagem, como feita na vida real, é desafiadora para estudar. Os usuários geralmente consomem uma dose por uma ou duas manhãs, pulam a próxima uma ou duas, e repetem esse regime por meses ou anos.

Como os psicodélicos são ilegais, a lei dos EUA proíbe pesquisadores de oferecê-los às pessoas para seguirem esse cronograma em casa. Eles podem fornecer a droga e supervisionar os usuários dia após dia em um laboratório, mas isso não é prático, diz Albert Garcia-Romeu, pesquisador do Centro de Pesquisa da Psicodelia e da Consciência do Centro Médico Johns Hopkins Bayview, em Baltimore, nos EUA.

Muitas pessoas que consomem microdoses o fazem através de alimentos ou chás contendo drogas psicodélicas, que podem desencadear emoções agradáveis e prazerosas. Aqui, um padeiro borrifa biscoitos com uma microdose de uma bebida psicodélica que contém MDMA — também conhecido como ecstasy ou Molly — bem como LSD e 2C-B, uma droga sintetizada pela primeira vez na década de 1970.

Isso representa um problema tanto para os cientistas quanto para os consumidores. Quando os usuários ativos respondem questionários sobre suas experiências para pesquisas observacionais, os cientistas não podem ter certeza de que cada pessoa está tomando a mesma quantidade. Afinal, não há produtos padronizados que uma pessoa possa pegar na farmácia local.

É especialmente desafiador para alguém determinar uma microdose exata de psilocibina a partir de um lote de cogumelos secos ou um selo de LSD, diz Jerome Sarris, diretor executivo do Instituto Psyche em Melbourne, Austrália.

Cogumelos, LSD e psilocibina: um fenômeno crescente

Ninguém sabe quantas pessoas nos EUA consomem atualmente microdoses, embora a popularidade pareça estar crescendo. Uma análise em 2018 de um grupo de discussão do Reddit dedicado à microdosagem registrou 27 mil assinantes; no início de 2022, o grupo já tinha 183 mil.

Em uma recente conferência de negócios focada em drogas psicodélicas em Miami, quando os membros da audiência foram perguntados quantos atualmente consomem microdoses, centenas de mãos se levantaram.

Alli Schaper é co-fundador e CEO da Supermush, uma companhia que vende vários sprays bucais feitos de cogumelos não psicodélicos chamados cordyceps. Aqui, Schaper relaxa na sua casa na Marina Del Rey, Los Angeles, depois de tomar uma microdose de psilocibina.

"Quando se tornou popular, há cerca de uma década, a microdosagem era silenciosa, e os empreendedores de tecnologia e os empresários eram os principais usuários", diz Steven Holdt, 24 anos, fundador do Tune In Psychedelics, uma app que permite os usuários rastrear os seus horários de dosagem e registar os efeitos das drogas para o conhecimento próprio.

Nos últimos anos, uma ampla gama de pessoas pulou a bordo, diz Holdt, graças a podcasts sobre o tema, artigos em jornais tradicionais e o popular livro da escritora Ayelet Waldman, A Really Good Day (Um dia muito bom, em tradução livre), que conta como a microdosagem de LSD a salvou de uma depressão intratável.

Erica Zelfand, médica naturopata em Portland, estado americano de Oregon, diz que dezenas de pacientes consomem microdose hoje em dia, principalmente em uma tentativa de superar a depressão ou algum transtorno de déficit de atenção. Zelfand apoia os esforços, mas deixa claro que eles são ratos de laboratório em um grande experimento.

"Eu deixei eles saberem que ainda não temos a pesquisa. E especialmente não sabemos os riscos a longo prazo", diz ela. Para ajudar a construir um corpo de conhecimento, ela incentiva os pacientes a relatarem as experiências em sites de pesquisa de fonte coletiva, como microdose.me ou microdosingsurvey.com.

O Hillbilly é uma das variedades mais comuns de cogumelo mágico. O gigante pan-tropical psicodélico cresce selvagem em estados que revestem a Costa do Golfo, e é encontrado na América Central e do Sul, caribenho e sudeste da Ásia. Este foi cultivado nas Colinas de Hollywood de Los Ángeles.

É melhor consumir doses altas ou baixas?

Nenhum dos estudos atuais sobre microdosagem atinge padrões que permitam aos cientistas tirar conclusões firmes. Mas os resultados de trabalhos recentes usando uma única dose alta do psicodélico iluminaram o potencial de saúde mental dessas drogas há muito evitadas.

Uma potente dose de psilocibina sintética, juntamente com apoio psicológico, melhorou a depressão resistente ao tratamento, de acordo com resultados inéditos de um estudo randomizado de mais de 200 pessoas divulgado em novembro pela farmacêutica Compass Pathways, cuja formulação proprietária é uma terapias inovadoras designadas pela FDA.

E em maio de 2021 os cientistas relataram na revista Nature que uma alta dose de MDMA (também conhecida como Molly ou Ecstasy, que não é um psicodélico clássico, mas produz um efeito semelhante) diminuiu muito o transtorno de estresse pós-traumático grave (TEPT).

Mas esses resultados não podem ser generalizados para todos os microconsumidores, diz Matthew Johnson, diretor interino do Centro Johns Hopkins, que realizou inúmeros estudos sobre psicodélicos de alta dose.

Microdoses e placebos

Uma revisão de pesquisas psicodélicas publicadas por Sarris em janeiro de 2022 ressaltou os problemas enfrentados por estudos que buscam descobrir os efeitos das doses baixas e altas de uma droga psicodélica: são poucos os grandes ensaios randomizados feitos em humanos.

Os estudos de medicamentos em pessoas normalmente começam com o que é conhecido como um ensaio clínico de fase um, projetado para determinar níveis de segurança e tolerabilidade em um pequeno número de pessoas.

Tal estudo ainda não foi realizado para microdosagem, embora a fabricante de medicamentos Diamond Therapeutics tenha anunciado em novembro que está prestes a embarcar em tal ensaio, aumentando minuciosamente a quantidade de psilocibina até que a microdose ideal, que causa efeitos positivos com o menor número de negativos, seja encontrada.

Depois de tomar uma microdose e dar um passeio nas colinas próximas, Colin Benward senta-se a meditar ao pé do seu altar na sua casa em Topanga Canyon, Los Angeles.

Um punhado de estudos de laboratório que incluíram um pequeno número de pessoas saudáveis tenta descobrir os efeitos da microdosagem depois de uma ou algumas doses.

Uma revisão de 2020 publicada na Therapeutic Advances in Psychopharmacology contou 14 desses pequenos estudos experimentais, com a maioria concluindo que a microdosagem de LSD ou de psilocibina produz mudanças positivas sutis nas emoções e nos processos de pensamento envolvidos na resolução de problemas.

Os revisores observaram que alguns usuários se sentiam ansiosos ou excessivamente eufóricos. Como todos os estudos foram feitos em indivíduos saudáveis, não se sabe se a microdosagem pode beneficiar consistentemente pessoas preocupadas com questões de saúde mental.

Um estudo europeu com 30 pessoas publicado em abril de 2021 descobriu que pessoas que fizeram microdosagem de psicodélicos por várias semanas ficaram mais admiradas ao ver vídeos e obras de arte do que durante as semanas em que tomaram um placebo.

Mas o estudo faliu porque muitas pessoas foram capazes de descobrir o que estavam tomando com base em efeitos colaterais, como o aumento da sudorese, de modo que os pesquisadores não foram capazes de separar as experiências reais das expectativas das pessoas.

Efeito placebo?

Estudos maiores têm perguntado principalmente aos usuários atuais sobre as suas experiências. Um deles atingiu mais de mil consumidores que relataram aumento de energia, melhores resultados de trabalho e humor mais positivo. Outro comparou 4 mil usuários com um grupo semelhante de não usuários e descobriu que entre as pessoas com problemas prévios de saúde mental, aqueles que consumiram microdoses relataram níveis mais baixos de ansiedade e depressão.

Mas, além da questão dos usuários tomarem doses não padronizadas, os participantes já consumiam microdoses antes do início dos estudos, por isso podem ter sido tendenciosos. "Temos que ser cautelosos em não exagerar nos relatórios retrospectivos encorajadores que apareceram na literatura", diz Krystal, de Yale. "A preocupação com as experiências em primeira pessoa é que muitas vezes há um enorme potencial para efeitos placebo colorirem a interpretação."

Na verdade, o melhor estudo da microdosagem até o momento mostra exatamente esse efeito. Trata-se de uma "iniciativa de ciência cidadã" que envolveu cerca de 200 usuários de microdoses de LSD e psilocibina.

Alguns dos participantes foram escolhidos aleatoriamente por cientistas do Imperial College London para trocar as suas drogas por placebos, com nenhum dos grupos sabendo ao certo qual das duas opções estavam recebendo.

Após um mês, todos foram pesquisados sobre bem-estar, satisfação com a vida, cognição e outros fatores. Os resultados psicológicos melhoraram significativamente para as pessoas que tomam os psicodélicos – mas também para aqueles que receberam placebos.

Um vaso de barro mostra as muitas formas do cogumelo Hillbilly. Os efeitos psicodélicos desses fungos podem entrar em ação tão rapidamente quanto 15 a 30 minutos após uma microdose, atingir o pico em 60 a 90 minutos e a maioria desaparecer após cerca de seis horas.

Essa foi uma maneira inteligente de estudar um grande número de consumidores de microdoses no atual ambiente regulatório, diz Garcia-Romeu, que ajudou a revisar a pesquisa para a revista eLife. O fato de tantos tomadores de placebo relatarem benefícios "coloca em questão todo o fenômeno da microdosagem", diz ele.

No entanto, exames de imagem deixam claro que alguma coisa está acontecendo.

Em um desses exames de imagem, 20 pessoas saudáveis passaram por uma ressonância magnética funcional horas depois de tomar uma microdose de LSD ou placebo. A amígdala, considerada o centro de emoção do cérebro, mudou a forma de interagir com outras regiões cerebrais nos usuários, indicando o potencial para regular melhor as emoções negativas, diz a coautora do estudo Katrin Preller, neuropsicóloga da Universidade de Zurique.

De fato, os cérebros que experimentaram uma melhoria na conectividade também relataram, subjetivamente, se sentirem mais otimistas, diz Preller.

Outro estudo utilizou eletroencefalografia (EEG) para medir a atividade cerebral em 22 microconsumidores de LSD e documentou mais atividade no cérebro do que normalmente ocorre durante o repouso, algo também visto com uma alta dose psicodélica.

Quais são os efeitos das microdoses?

Apesar da escassez de pesquisas, as pessoas estão se voltando para microdoses por uma variedade de razões. Holdt diz que a microdose da psilocibina ajuda-o a se divertir junto com outras pessoas. Ele sofre de ansiedade social, então sem as drogas a sua mente fica repensando todas as coisas que ele poderia dizer ou fazer.

"A microdosagem me ajuda a parar esse monólogo interno para que eu possa estar mais confortável e presente", diz. Ele teve o mesmo efeito usando doses altas de psicodélicos, que experimentou pela primeira vez no ensino médio, mas diz que os efeitos mais sutis da microdosagem facilitam a incorporação na vida cotidiana.

"Você não precisa tirar um dia de folga do trabalho ou ter alguém te observando [para garantir que a viagem não fique feia]", diz ele.

Muitos microconsumidores acham que isso os ajuda com o trabalho. Dusty, um engenheiro de áudio de 40 anos da Filadélfia (que pediu que apenas seu apelido fosse usado), diz que o pequeno pedaço de LSD que ele toma uma vez por semana aumenta a sua produtividade, desejo de colaborar e criatividade no trabalho.

Por exemplo, ao configurar sistemas de som para shows ao vivo, "há um milhão de pequenos problemas que você precisa resolver todos os dias, e nem sempre há um bom roteiro", diz ele. Nos dias em que ele consome microdoses, ele nota que tem "um pouco de excitação extra para resolver um problema que leva a soluções de longo prazo, em vez de apenas fazê-lo funcionar por enquanto".

Outros consomem microdoses para auto-tratar condições de saúde mental. Karen Gilbert, uma enfermeira aposentada de 69 anos de Lopez Island, estado americano de Washington, espera que a microdosagem da psilocibina, que ela começou em novembro, possa ajudá-la com a depressão que sofre há mais de duas décadas.

Gilbert, uma das pacientes da Zelfand, diz que notou uma diferença quase imediatamente. "Pela primeira vez em muito tempo estou animada com os projetos que quero fazer, que estão se sentindo como oportunidades e não obrigações", diz ela.

Zelfand experimentou a microdosagem algumas vezes, mas não gostou dos efeitos. "Eu não me sinto bem quando faço isso. Parece que me deixa um pouco nervoso", diz ela.

A microdose têm efeitos negativos?

Alguns pacientes da Zelfand tiveram experiências indesejadas semelhantes. Pessoas com transtornos gerais de ansiedade e, especialmente, transtorno bipolar provavelmente devem evitar a microdosagem porque pode levar a agitação ou a mania, diz ela.

Os especialistas também temem que a consumir microdoses regularmente por um longo período de tempo possa teoricamente enfraquecer as válvulas cardíacas, como os danos causados pelas drogas dietéticas phentermine e fenfluramina (Phen/Fen) na década de 1990. Tanto o Phen/Fen quanto os psicodélicos atuam em um dos receptores de serotonina do corpo, conhecido como 5-HT2B, diz Garcia-Romeu, da Johns Hopkins.

Embora a microdosagem se mostre segura e eficaz, alguns especialistas temem que o uso recreativo generalizado possa torná-la inútil mais tarde na vida – caso ela resulte valiosa para propósitos importantes de saúde mental – e as pessoas se tornem tolerantes a ela após o uso frequente.

"Se introduzirmos mais desses tipos de substâncias, isso pode diminuir sua eficácia terapêutica quando realmente precisamos delas para a medicina, como para o aliviar o sofrimento em situações terminais", diz Conor Murray, neurocientista da Universidade da Califórnia em Los Angeles que conduziu a pesquisa do EEG.

E embora eles não desencadeiem os mesmos pensamentos e imagens loucas que tomar altas doses dessas mesmas drogas, alguns microconsumidores relataram algum prejuízo, diz Johnson. "Se esse for o caso, pode ser difícil dirigir, cuidar do bebê ou tomar decisões importantes no trabalho."

Além disso, os psicodélicos são ilegais, o que significa que não há controle de qualidade no fornecimento. Além disso, "as pessoas perderam seus empregos porque estão consumindo microdoses e até podem ser e são de fato presas", diz Garcia-Romeu.

Mas mesmo aqueles que estão preocupados com o uso crescente de psicodélicos dizem que a microdosagem pode, eventualmente, ser benéfica para algumas pessoas. Johnson, da Johns Hopkins, acha que a depressão pode ser aliviada pela microdosagem – embora ele esteja muito mais animado com a perspectiva de que uma pessoa possa ter mais alívio depois de uma ou duas sessões com uma dose alta, algo que a sua pesquisa procura confirmar.

Podem as microdoses ajudar a entender a mente?

Krystal acredita que até sabermos mais sobre a microdosagem, as pessoas devem evitá-la. "No momento, isso só deve ser feito no contexto da pesquisa experimental", diz ele. "Lá, em um ambiente protegido, os dados gerados podem ajudar a compreender essas doses e medicamentos."

Estudos adicionais de microdosagem também podem produzir insights sobre os nossos cérebros. Por exemplo, os especialistas não entendem completamente o papel de outro receptor de serotonina ativado por psicodélicos, o 5-HT2A, diz Johnson. 

"Temos muito a aprender [sobre esse receptor]. Está envolvido com experiências místicas de ocorrência natural, como experiências de quase morte, até mesmo encontros de abdução alienígena?", questiona. "Como podemos usar pesquisas de microdosagem para entender mais sobre a natureza da mente humana?"

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Ciência
Novos medicamentos antivirais podem mudar o rumo da pandemia
Ciência
Novos medicamentos identificados como possíveis ferramentas contra a covid-19
Ciência
Fungo super-resistente a medicamentos se prolifera em hospitais afetados pela covid-19
Ciência
A maneira como você pensa na dor física pode piorá-la
Ciência
Por que a demora em desenvolver tratamentos para covid-19

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados