Meio Ambiente

6 aparelhos que mais consomem a energia da sua casa

Descubra onde se escondem os ladrões de eletricidade, os eletrodomésticos ou dispositivos que mais demandam watts - e muitos proprietários nem percebem seus custos.

Por Brian Handwerk

O smartphone usa mais energia do que um refrigerador? O relatório (em inglês) de 2013 do Digital Power Group afirmou que um iPhone médio usa mais eletricidade para carregar bateria, uso de dados e conectividade sem fio do que um refrigerador de tamanho médio.

Mas os requisitos de energia de um iPhone variam drasticamente, dependendo de como ele é usado para vídeo, jogos e outros aplicativos. E as estimativas para o uso de dados de um proprietário médio variam também, de modo que o estudo controverso tem conseguido críticas que reivindicam que a comparação é exagerada. 

Se o uso de energia do seu telefone celular rivaliza com o sua geladeira ou não, as chances são boas de que os ladrões de energia escondidos em sua casa estejam queimando mais energia e dinheiro do que aquele refrigerador – às vezes, muito mais. Aqui estão meia dúzia de dispositivos surpreendentemente poderosos que podem estar aumentando sua conta de energia elétrica.

Decodificadores (set-top boxes)

Estas matrizes eletrônicas familiares ficam na própria televisão ou perto dela para conectar o cabo a nossos sistemas de entretenimento. Mas não são apenas seus relógios que funcionam quando ninguém está assistindo. Esses dispositivos funcionam como minicomputadores que se comunicam com fontes de conteúdo remoto ou gravam programas favoritos enquanto você está fora. Isso significa que eles exigem muita energia.

"O problema com os decodificadores é que eles nunca desligam e quase sempre consomem seus requisitos de energia, mesmo quando pensam que o desligaram", disse Noah Horowitz, cientista sênior do Natural Resources Defense Council (NRDC). "Se você tem um DVR em sua TV principal, e um decodificador normal em uma segunda TV, isso poderia se igualar ao uso de energia de uma nova geladeira".

Em 2010, segundo um estudo da NRDC, os 160 milhões de decodificadores nos EUA consumiram a produção anual de nove usinas de carvão, cerca de 27 bilhões de quilowatts-hora. Isso equivale ao consumo total de eletricidade de todo o estado de Maryland, nos Estados Unidos. Esse tipo de poder custa dinheiro - mais de US$ 3 bilhões por ano em contas de energia elétrica - e a maior parte desse dinheiro é gasto em codificadores que funcionam enquanto ninguém está vendo ou gravando seu conteúdo. "Estamos gastando cerca de US$ 2 bilhões por ano em contas de energia elétrica para carregar decodificadores quando eles não estão sequer em uso", disse Horowitz. 

Marianne DiMascio, do Conselho Americano para um Projeto de Consciência de Padrões de Economia de Energia Eficiente em Aparelhos Eletrônicos (ASAP), afirmou que embora sejam necessários mais ganhos de eficiência, a indústria estabeleceu alguns padrões de eficiência voluntária e fez algumas melhorias recentes. "Hoje você pode pedir ao seu provedor uma caixa de decodificação com classificação ENERGY STAR, e isso ajudará", comentou.

Carregadores de bateria

Muitos dos dispositivos que usamos todos os dias, desde telefones celulares até ferramentas elétricas, funcionam com bateria recarregável. O Departamento de Energia dos EUA estima que cerca de 800 milhões desses dispositivos são vendidos nos Estados Unidos a cada ano, e a fonte final de sua energia é a rede elétrica.

Muitos sistemas de tarifação usam tecnologias ultrapassadas que gastam eletricidade. O estado da Califórnia tem abordado este problema, estabelecendo padrões mais rigorosos de eficiência no estado. Atualmente, o Departamento de Energia dos EUA está trabalhando em seus próprios regulamentos para tornar os dispositivos mais eficientes em termos energéticos. Se os padrões da Califórnia fossem adotados em todo o país, a economia poderia ser enorme, disse DiMascio. "Se melhorarmos os padrões para esses carregadores de bateria e fontes de alimentação externas, poderíamos economizar aos consumidores americanos cerca de US$ 1 bilhão por ano", disse ela.

Enquanto outros produtos oferecem aos proprietários uma chance de realizar suas próprias economias por escolha do produto, ela argumenta, esses dispositivos são um exemplo de onde a regulação desempenha o papel fundamental. "Ninguém neste momento vai sair e comprar um computador ou um telefone celular de acordo com a eficiência do carregador de bateria. Então, nesse caso, as normas estão superando uma barreira do mercado de pessoas que realmente não são capazes de comprar carregadores eficientes para todos esses dispositivos."

Forno de micro-ondas

Você esperaria que seu micro-ondas consumisse mais eletricidade quando está estalando pipoca ou aquecendo sobras de ontem à noite? Mas a verdade é que esses aparelhos consomem a maior parte de sua eletricidade quando estão simplesmente parados em sua cozinha sem fazer nada. "Você só usa um micro-ondas em uma pequena parte do tempo", disse DiMascio. "Mas quando não está em uso, ele está consumindo energia de espera porque está sempre sentado lá pronto para trabalhar."

Um estudo do Projeto de Consciência de Padrões de Aparelhos descobriu que o micro-ondas normal é usado apenas cerca de 70 horas por ano. Durante os outros 99% do tempo, ou 8,69 mil horas, queima até 35 quilowatts-hora em "poder de vampiro" para iluminar o relógio e manter controles de botão eletrônico no modo de espera.

"Há maneiras de reduzir esse poder de espera", acrescentou DiMascio, e o regulamento do Departamento de Energia dos EUA ajuda a fazer exatamente isso. As novas normas em vigor desde 2016 reduzirem esse consumo de desperdício em 75% para a maioria dos fornos de micro-ondas, melhorando a eficiência nas fontes de alimentação, placas de controle e sensores de cozimento.

Sara Mullen-Trento, do Electric Power Research Institute, disse que eletrônicos menores e mais baratos significam que mais funções de espera como as do micro-ondas serão usadas. "Você provavelmente verá esse tipo de tecnologia incorporada para melhorar seus conjuntos de recursos", comentou. "Vemos coisas como uma tela digital em uma máquina de lavar roupa, mas acho que com os produtos eletrônicos vêm desempenhando um papel maior no consumo, também os mais recentes padrões de eficiência têm reconhecido que há um impacto quando você tem dez desses dispositivos em casa. Entretanto alguns desses mesmos recursos podem permitir que você opere um aparelho de uma maneira mais eficiente em termos de energia usando diferentes configurações."

Consoles de jogos

Poderosos consoles de jogos como o Xbox360 e o PlayStation 3 têm importantes recursos de economia de energia, mas também alguns problemas significativos, disse Noah Horowitz.

"Eles possuem um botão liga/desliga, que coloca o console em um modo de espera com menos de um watt de uso de energia, que é o que deve ser - eles funcionam muito bem", afirmou Horowitz. Infelizmente muitos usuários não desligam as unidades ou desligam a televisão, mas deixam o console ligado - um erro caro.

"Se você executar o console 100% do tempo porque você não o desliga, ele poderia custar-lhe 100 dólares (cerca de 320 reais) extras por ano", disse ele. Os consoles hoje são fornecidos com um recurso de desligamento automático que inicia o modo de espera após períodos de inatividade. Unidades mais antigas também têm o recurso, explicou Horowitz, mas exigem que os usuários acessem o menu e certifiquem-se de que o modo de economia de energia do dispositivo está ativado.

Os consoles de jogos também roubam energia quando são usados para transmitir filmes, algo que Sony e Microsoft estão cada vez mais incentivando seus usuários a fazer. "Transmitir filmes em um console como o PlayStation 3 usa o dobro de energia do que se você transmitir o mesmo filme em streaming com um decodificador e cerca de 30 vezes mais energia do que se você passar o filme na Apple TV". O problema, disse Horowitz, é um poder de escala, e é um desafio para os fabricantes de consoles.

"Você gostaria que o console desativasse os recursos não utilizados. Você não precisa desse poderoso processador de jogos quando você está apenas transmitindo um filme, mas agora os consoles não são projetados para diferenciar essas tarefas".

Bombas para piscina

Os cidadãos dos Estados Unidos gostam de ficar frescos em suas piscinas e cavam mais de 150 mil unidades no solo a cada ano, somado a um total que já é mais de 5 milhões. Enquanto alguns lamentam os custos de aquecimento de algumas piscinas, outra maior despesa muitas vezes passa despercebida: a bomba da piscina responde por 70% do uso de energia de uma piscina típica e sete vezes a de um refrigerador.

A bomba mantém a água da piscina circulando e passa através de filtros. Bombas de velocidade única funcionam sempre na mesma velocidade máxima, queimando energia extra. Mas as bombas de várias velocidades podem ser escaladas para cima ou para baixo, conforme necessário, para tarefas como filtragem e limpeza.

O uso de uma bomba certificada ENERGY STAR com velocidades múltiplas ou variáveis pode reduzir o uso de energia em mais de 80% e poupar centenas de dólares por ano. De acordo com as estatísticas da ENERGY STAR, estas bombas irão pagar a si mesmas em cinco anos e salvar os proprietários mais de mil dólares ao longo da vida útil da bomba. Alguns utilitários estão oferecendo incentivos em dinheiro para comprá-las e, na Califórnia, as vendas de novas bombas padrão de velocidade única foram proibidas de forma definitiva.

"Um refrigerador médio usa cerca de 500 quilowatts-hora por ano, enquanto a média da bomba de piscina usa 3,5 mil quilowatts-hora por ano", disse Marianne DiMascio. "Então, nós buscamos obter essas bombas mais eficientes em piscinas."

Publicado em 27 de agosto de 2013.

Continuar a Ler