Quantas aves existem no mundo?

Novo estudo estima que há entre 50 e 430 bilhões de aves na Terra. Entenda o cálculo.

Por Douglas Main
Publicado 28 de mai. de 2021 11:48 BRT
bird-population

Um bando de pombos voando sobre Bushwick, Brooklyn, nos EUA. Mas quantos pombos existem? E por falar nisso, quantas aves existem? Um novo estudo tenta responder.

Foto de George McKenzie Jr

Em um pântano do norte de Everglades em 2015, o biólogo Corey Callaghan observou um enorme bando de andorinhas-das-árvores voando sob o sol da manhã. Enquanto a multidão de aves passava sobre eles, Callaghan e seu parceiro olhavam admirados. Ele ficou imaginando quantas andorinhas havia no bando — e além disso, quantas aves existem no mundo inteiro?

“Foi uma experiência incrível”, comenta Callaghan. Inspirado, ele começou calculando as aves do bando que acabara de testemunhar: mais de meio milhão. Ele chegou a esse número através das fotografias que tirou, contando as aves em diferentes segmentos das imagens e ampliando-as.

Contar todas as aves do mundo seria muito mais complicado, por motivos óbvios, mas, anos depois, Callaghan decidiu ser o primeiro a chegar a um número sólido — ou pelo menos uma aproximação plausível. Em um novo artigo, ele e dois outros pesquisadores da Universidade de New South Wales em Sydney, Austrália, estimam que existam provavelmente entre 50 bilhões e 428 bilhões de aves na Terra.

A amplitude dessa faixa se deve a diversas incertezas — entre elas, a dificuldade de contar bilhões de pequenos animais capazes de voar, os territórios vastos e muitas vezes pouco claros sobre os quais as aves viajam e a falta de dados científicos em diversas áreas do mundo.

O estudo, publicado em 17 de maio na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences, usa uma metodologia única que combina dados coletados por organizações científicas profissionais e cientistas cidadãos, e abrange 92% de todas as espécies de aves do mundo.

Esse estudo é a primeira tentativa de estimar a população mundial de aves, espécie por espécie. Para Callaghan, o trabalho já deveria ter sido feito: “gastamos muito tempo e esforço contando humanos, mas precisamos ter certeza de que estamos monitorando toda a biodiversidade com a qual compartilhamos o planeta Terra”.

Muitos pardais, poucas raridades

De acordo com o artigo, a ave mais abundante do mundo é o pardal-doméstico, com uma população de 1,6 bilhão. Em segundo lugar está o estorninho-malhado (1,3 bilhão), seguido pela gaivota-de-bico-riscado (1,2 bilhão), a andorinha-de-bando (1,1 bilhão), a gaivota-hiperbórea (949 milhões) e o papa-moscas-de-alder (896 milhões).

Os cientistas não ficaram surpresos ao encontrar apenas algumas espécies superabundantes e muitas outras raras, como é o padrão comum na ecologia. No geral, eles estimam que cerca de 1,1 mil espécies de aves — 12% do total mundial — tenham uma população total abaixo de 5 mil indivíduos cada. 

Se uma espécie tem uma população total abaixo de 2,5 mil, ela é classificada pela União Internacional para a Conservação da Natureza como uma espécie ameaçada de extinção.

Essas raridades incluem de tudo, desde os kiwis da espécie Apteryx haastii (população estimada: 377 indivíduos) às águias Nisaetus bartelsi (630) e o falcão Falco araeus (menos de 100). Quanto às andorinhas-das-árvores que ajudaram a despertar a curiosidade de Callaghan, elas contabilizam cerca de 24 milhões, conforme ele descobriu durante o estudo.

Para efeito de comparação, a população mundial estimada de galinhas domésticas é algo em torno de 25 bilhões, tornando-as, de longe, as aves mais abundantes. Mas este estudo tratou apenas de aves selvagens.

Não está claro quantas aves o mundo perdeu nas últimas décadas, mas este estudo ajuda a fornecer uma estimativa para estabelecer uma linha de base. Um artigo de 2019 calculou que a população total de aves reprodutoras adultas na América do Norte diminuiu em 3 bilhões desde 1970.

A novidade deste estudo é a maneira como ele combina dados de ciência profissional e ciência cidadã, de acordo com Lucas DeGroote, pesquisador do Centro de Pesquisa Aviária Powdermill do Museu Carnegie de História Natural.

“É muito ambicioso — é uma tarefa enorme tentar descobrir quantas aves existem no mundo”, afirma DeGroote. “Eles refletiram muito a respeito e tomaram todas as medidas para tornar o estudo o mais preciso possível.”

A fragilidade da natureza

Os pesquisadores usaram estimativas de três conjuntos de dados produzidos por especialistas em todo o mundo para as organizações científicas Partners in Flight, Fundo Britânico para a Ornitologia e BirdLife International. Eles combinaram esses dados com as observações do eBird, o maior banco de dados do mundo coletados por cientistas cidadãos — neste caso, observadores de pássaros amadores.

Os cientistas descobriram que, em muitos casos, a densidade e as estimativas populacionais percebidas pelos profissionais e pelos cientistas cidadãos eram relativamente semelhantes. Eles então estimaram o tamanho da população de outras espécies, algumas das quais careciam de dados profissionais abrangentes, inserindo informações do eBird em um modelo gerado por computador.

Os pesquisadores são os primeiros a admitir que há muita incerteza em suas estimativas. Mas parte da força do estudo é que ele quantifica essa incerteza e fornece uma ampla gama de populações possíveis para milhares de aves, explica Thomas Brooks, cientista-chefe da União Internacional para Conservação da Natureza, que não participou do estudo.

Ken Rosenberg, cientista conservacionista do Laboratório de Ornitologia Cornell, considerou o estudo “uma tentativa ousada”. Mas ele recomenda cautela na interpretação dos dados, devido à variabilidade e incerteza nas estimativas.

“É difícil confiar nos números individuais de cada espécie”, afirma Rosenberg, e mais ainda nas estimativas globais: “foi como se eles lançassem um desafio [para outros pesquisadores] — se não gosta desse número, sugira um melhor”.

Para Brooks, o artigo ilustra o quanto muitas espécies de aves são preciosas e quão perto do limite de serem extintas elas podem chegar se novas ameaças surgirem.

“O estudo nos mostra a fragilidade da natureza — precisamos prestar atenção ao meio ambiente e ao nosso impacto sobre ele”, declara Brooks.

DeGroote concorda. “Para fins de preservação, temos que saber quantos [indivíduos de uma espécie] existem e qual é a tendência. Esta é uma ótima ferramenta para medir populações no futuro.”

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Animais
Doença fúngica fatal se espalha entre cobras na América do Norte
Animais
Como salvar o lobo-vermelho da extinção — pela segunda vez
Animais
Ave ameaçada de extinção se reproduz ‘sem fecundação’, feito inédito na espécie
Animais
Número de aves nas cidades aumentou após ‘lockdowns’ do início da pandemia
Animais
Espécie de abelha não é vista desde 2006 e entra na lista de animais ameaçados

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados