Tudo o que já sabemos sobre o novo coronavírus

Nosso conhecimento sobre a Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, está evoluindo diariamente — mas veja informações importantes que já possuímos.

Monday, April 6, 2020,
Por Diana Marques, Amy McKeever, Kelsey Nowakowski
Da mesma forma que os outros coronavírus, o SARS-CoV-2 é esférico e possui proteínas de espícula ...

Da mesma forma que os outros coronavírus, o SARS-CoV-2 é esférico e possui proteínas de espícula que se assemelham a uma coroa.

AINDA HÁ MUITO a aprender sobre a doença que matou milhares de pessoas e está mudando a vida de todos durante esta pandemia. Mas sabemos algumas informações básicas importantes sobre a Covid-19 e o novo coronavírus — o SARS-CoV-2 — que causa a doença.

Os coronavírus são uma família numerosa, mas apenas sete deles infectam humanos. Quatro tipos causam doenças mais leves, como o resfriado comum, enquanto outros coronavírus causam impactos muito mais devastadores, incluindo doenças como a SARS, MERS e agora a Covid-19. Os coronavírus podem ser zoonóticos, ou seja, transmitidos de animais para humanos. Assim como seus parentes, a Covid-19 consiste principalmente em uma doença respiratória que começa nos pulmões, causando sintomas semelhantes à pneumonia, mas que também pode causar uma resposta exacerbada em todo o corpo.

O vírus se propaga principalmente por meio de pequenas gotículas respiratórias

Da mesma forma que outras doenças respiratórias, a Covid-19 é transmitida por meio de pequenas gotículas — saliva ou muco — que uma pessoa infectada expele ao tossir, espirrar ou conversar. Essas gotículas podem percorrer cerca de um a dois metros e, por períodos que variam de quatro a 48 horas, podem ser uma fonte de contágio, dependendo da superfície. (O vírus também pode se propagar por meio da ingestão acidental de matéria fecal ou aerossóis, partículas minúsculas que são prejudiciais principalmente em contextos clínicos.)

O vírus permanece por mais tempo em superfícies

Você pode evitar contrair o vírus mantendo-se a cerca de dois metros de distância de outras pessoas e lavando as mãos com água e sabão por mais de 20 segundos. Desinfetantes com pelo menos 60% de álcool em volume também podem matar o vírus em superfícies de plástico e aço inoxidável.

Os coronavírus receberam esse nome devido à sua estrutura de espícula.

Da mesma forma que os outros coronavírus, o SARS-CoV-2 é esférico e possui proteínas de espícula que se assemelham a uma coroa.

Essas espículas ajudam o vírus a se prender nas células, permitindo invadi-las.

Ao entrar no corpo humano através dos olhos, boca ou nariz, o vírus busca células que possuem suas portas favoritas — proteínas denominadas receptores. Se o vírus encontrar um receptor compatível, poderá invadir e começar a se replicar. Para o SARS-CoV-2, esse receptor fica nas células pulmonares e no intestino.

A idade parece contribuir para o agravamento da doença.

Atualmente, é possível que crianças com Covid-19 tenham menos chances de precisar de cuidados intensivos. Elas também apresentam taxas de mortalidade mais baixas que os adultos. A diferença observada em termos de agravamento da doença ainda não está totalmente esclarecida.

Não existe um único sintoma que confirme o diagnóstico, mas alguns são mais comuns.

Pessoas com condições crônicas têm uma taxa de mortalidade maior.

A Covid-19 representa uma ameaça particularmente séria para pessoas com condições pré-existentes, como doenças cardiovasculares, diabetes, doenças pulmonares crônicas, pressão alta e câncer.

Há um exame disponível para detectar a presença do vírus.

Amostras de esfregaço retiradas do nariz ou da boca são analisadas quanto à presença de material genético do vírus. Os pesquisadores também estão desenvolvendo protocolos para testes que utilizam amostras de sangue.

Pode levar pelo menos um ano até que uma vacina esteja pronta para ser oferecida à população.

Para desenvolver imunidade, as vacinas podem conter vírus inativos ou enfraquecidos, proteínas virais ou material genético viral. A melhor estratégia a ser utilizada contra o SARS-CoV-2 ainda está sendo estudada.

Continuar a Ler