O que são NFTs e como eles funcionam?

Desde o impacto ambiental até como os golpistas estão lucrando. Aqui está o que você deve saber sobre tokens não fungíveis.

Por Michael Greshko
Publicado 23 de jan. de 2023, 10:36 BRT
Pessoas observam a exposição Machine Hallucinations – Space: Metaverse, uma instalação imersiva do artista de mídia Refik ...

Pessoas observam a exposição Machine Hallucinations – Space: Metaverse, uma instalação imersiva do artista de mídia Refik Anadol, em uma feira de arte digital em Hong Kong, em 2021. A instalação foi cunhada como um NFT e leiloada online na Sotheby's por cerca de US$ 2,3 milhões.

Foto de Tyrone Siu Reuters

Nos últimos anos, um novo formato de arquivo digital prometeu revolucionar a forma como as coisas podem ser compradas e vendidas pela Internet: o “token não fungível”, ou na abreviação em inglês, NFT. Como o interesse em NFTs – essencialmente recibos ou assinaturas de ativos digitais – continua a aumentar em todo o mundo, artistas e editores começaram a experimentar a tecnologia.

Quer saber mais sobre NFTs? Confira logo abaixo.

O que são NFTs?

Para entender os NFTs, é útil entender sua tecnologia subjacente: o blockchain.

Blockchains são protocolos de computador projetados para fazer com que muitos computadores concordem com a mesma sequência de transações sem confiar uns nos outros. Em vez de usar terceiros para verificar as transações, os blockchains contam com incentivos econômicos e criptografia para tornar a falsificação de uma transação cara e fácil de detectar. Essa configuração destina-se a permitir que as redes de computadores mantenham bancos de dados de forma descentralizada, redundante e pública.

A manutenção exaustiva de registros de blockchain significa que os aplicativos criados sobre eles podem criar trechos de código que podem ser rastreados como entidades distintas e transferidos de usuário para usuário. Esses “tokens” podem se tornar “não fungíveis”, onde um não pode ser trocado por outro.

GettyImages-1321770144

Várias telas exibem imagens NFT durante uma prévia para a imprensa de um leilão NFT de junho de 2021, na Sotheby's, no Reino Unido. O NFT da imagem central, uma variante rara dentro da coleção CryptoPunksfoi vendido por mais de US$ 11,7 milhões.

Foto de Cindy Ord Getty Images

A ideia é que os NFTs criem escassez de objetos digitais, permitindo um novo tipo de propriedade digital rastreável. Em princípio, um ativo digital, como uma imagem ou vídeo, pode aparecer várias vezes na Internet, mas apenas algumas instâncias dele – ou talvez apenas uma – teriam a proveniência de um NFT. (A Walt Disney Company, proprietária majoritária da National Geographic Media, vende NFTs. A National Geographic Media fez parceria com a plataforma NFT Snowcrash para fazer o mesmo.)

É importante ressaltar que os NFTs não mantêm necessariamente os dados do ativo em si (embora alguns o façam), nem transferem necessariamente os direitos autorais. Na maioria das vezes, um NFT contém um URL vinculado ao ativo, que é armazenado em uma rede de computadores separada.

Nos últimos dois anos, os NFTs chamaram a atenção pelas vastas somas de dinheiro que atraíram: como itens colecionáveis, como investimentos especulativos e como demonstrações de riqueza. Em março de 2021, o artista digital Beeple vendeu um NFT por US$ 69 milhões em leilão para uma empresa de investimentos que buscava promover a arte digital

O Bored Ape Yacht Club, uma coleção NFT que retrata uma série de 10 mil primatas de desenhos animados, disparou em valor no início de 2022 após uma série de promoções de celebridades. Esses NFTs agora são vendidos por dezenas de milhares de dólares.

No final de 2022, as vendas de NFT do ano totalizaram mais de US$ 11 bilhões – mas, durante esse período, o mercado foi extremamente volátil. Medido em dólares, o volume de vendas do marketplace NFT OpenSea caiu mais de 95% de janeiro de 2022 a novembro de 2022, segundo dados compilados pela empresa Dune Analytics. O mercado mais amplo de NFTs e os ativos relacionados conhecidos como criptomoedas (moedas digitais que os blockchains tornam escassas e, portanto, negociáveis) sangraram US$ 2 trilhões em julho de 2022, depois de subir para US$ 3 trilhões oito meses antes.

À esquerda: No alto:

Um visitante da Sotheby's olha para a exibição Creation of My Metaverse (Between this World and the Next), uma obra de arte digital apoiada por NFT de Serwah Attafuuah. A obra foi vendida por mais de US$ 25 000 em um leilão de junho de 2021.

Foto de Tristan Fewings Getty Images for Sotheby's
À direita: Acima:

Em fevereiro de 2022, a startup Neon estreou a primeira máquina de venda automática NFT do mundo na cidade de Nova York, Estados Unidos. No final do verão, a máquina – que distribuía os códigos de ativação NFT – fechou e a Neon saiu dos NFTs .

Foto de Michael M. Santiago Getty Images

Como os NFTs podem ser usados?

Há quem argumente que os NFTs fornecem um novo modelo de receita para os artistas, permitindo que eles vendam fotos, vídeos e outros ativos digitais como colecionáveis ​​online ou obras de arte. Eles também podem atuar como ferramentas de arrecadação de fundos, com a Ucrânia levantando dezenas de milhões de dólares em leilões NFT no ano passado para apoiar seu esforço de guerra contra a Rússia.

Ao contrário dos arquivos digitais padrão, os NFTs podem conter pequenos programas de computador chamados “contratos inteligentes”, que às vezes podem emitir royalties para o artista original de um NFT quando o NFT é revendido. Como os NFTs são únicos e transferíveis, eles também podem funcionar como ticketscredenciais de associação ou até mesmo registros para créditos de carbono. Os videogames baseados em blockchain, como Axie Infinity, usam NFTs como personagens e itens do jogo que os jogadores podem possuir (e até mesmo pagar a outros jogadores para ganhar).

Alguns artistas esperam que os NFTs – e a cena artística que eles criaram – possam abalar os modelos de negócios tradicionais das indústrias criativas, dando aos artistas oportunidades mais lucrativas e igualitárias. Os artistas já estão usando NFTs para ajudar a organizar coletivos de fãs e patronos chamados de organizações autônomas descentralizadas, ou DAOs, na sigla em inglês.

Em sua forma mais otimista, os defensores do NFT argumentam que a tecnologia poderia sustentar as identidades das pessoas dentro de um “metaverso”. De acordo com essa visão, as pessoas usarão “avatares” virtuais para trabalhar e se divertir em muitos espaços digitais interoperáveis. Assim como possuímos itens únicos no mundo real, os proponentes imaginam que os NFTs atuariam como ações para os equivalentes do metaverso.

Além da propriedade digital, a natureza descentralizada dos NFTs significa que eles podem ser usados ​​para ajudar a proteger arquivos digitais contra adulteração ou rastrear a cadeia de custódia dos arquivos. Em junho, o Starling Lab, um grupo de pesquisa cofundado por Stanford e pela USC Shoah Foundation, apresentou um dossiê ao Tribunal Penal Internacional que usava NFTs e tecnologias relacionadas para arquivar registros de ataques militares russos a escolas ucranianas.

Quais as críticas contra os NFTs?

Assim como os NFTs atraíram uma comunidade fervorosa de apoiadores, eles também atraíram críticas consideráveis.

Por um lado, muitos usos propostos de NFTs não exigem NFTs para funcionar (por exemplo, associações de clubes) ou ainda não foram realizados. Como resultado, alguns críticos veem a proliferação dos NFTs como nada mais do que uma “corrida do ouro” que tem pouco a ver com a tecnologia subjacente.

Há também preocupações técnicas. Se um dos casos de uso mais otimistas dos NFTs, um “metaverso” interoperável, é tecnicamente viável é uma questão de debate. E se você já clicou em um link corrompido de site, sabe que é difícil manter um ativo digital online. Os NFTs geralmente não contêm ativos digitais, portanto, com frequência, qualquer NFT será tão estável quanto o computador (ou rede) que armazena o arquivo do ativo. Mesmo que o computador que armazena o ativo seja mantido adequadamente, é difícil evitar a “podridão de bits” ou a tendência dos dados de se degradar com o tempo. Em resposta, os desenvolvedores estão criando maneiras de armazenar arquivos em um formato descentralizado e redundante.

Como outras tecnologias incipientes, os NFTs também atraíram muitas pessoas mal-intencionadas. Os golpistas inflaram os preços dos NFTs por meio de golpes de autonegociação, cunharam e venderam montes de NFTs com base em arte roubada. Com uma regularidade alarmante, os projetos NFT surgem, prometem aos compradores uma visão empolgante de longo prazo e, em seguida, fecham e fogem com o dinheiro dos compradores. O esquema é tão comum que existe um termo para isso: “puxar tapete”.

Os golpistas tiveram alguma ajuda do próprio blockchain. Ladrões de NFT usam regularmente ataques de phishing e outros métodos para induzir as pessoas a esvaziar suas carteiras digitais. Somente em 2022, mais de US$ 100 milhões em NFTs foram roubados. Mas como as transações NFT são descentralizadas por design, as transferências ilícitas não podem ser revertidas por terceiros.

Além disso, os NFTs foram criticados por sua pegada de carbono. A maioria depende direta ou indiretamente da blockchain Ethereum, que era um devorador de energia até recentemente. Em um dia de janeiro de 2022, por exemplo, uma estimativa de emissões de Ethereum excedeu 300 libras de CO2 para uma transação média. Isso é como colocar fogo em mais de 16 galões de gasolina.

Em setembro de 2022, no entanto, a Ethereum mudou para uma arquitetura de “prova de participação”, que reduziu seu uso de energia e emissões de CO2 em mais de 99,9%. O Crypto Carbon Ratings Institute, uma empresa de análise alemã, estima que a eletricidade para uma transação Ethereum agora chega a 0,0063 quilowatts-hora, ou aproximadamente 3 gramas de CO2.

Embora o uso de energia dos NFTs tenha diminuído drasticamente, eles são uma rampa de acesso para muitas pessoas no espaço mais amplo da “cripto”. Por si só, o Bitcoin, blockchain mais conhecido, gera milhões de toneladas de CO2milhares de toneladas de lixo eletrônico a cada ano.

Qual é o futuro dos NFTs?

Atualmente, os NFTs encontram-se presos em um “inverno criptográfico”, um mercado de criptomoedas profundamente cético que esfriou desde os picos do início de 2022. Após bilhões de dólares em perdas e roubos, e o colapso de algumas das maiores empresas de criptomoedas, os reguladores de todo o mundo estão trabalhando em como classificar e tributar os ativos.

E, no entanto, os NFTs permaneceram por aí. Talvez, como o crash das pontocom no início dos anos 2000, muitas startups de NFT irão definhar sob o intenso escrutínio do mercado – e as poucas que sobreviverem irão refazer o mundo digital.

A National Geographic entrará no mercado NFT com uma coleção por tempo limitado de 16 fotógrafos. Confira a coleção Nat Geo Genesis NFT ao vivo aqui.

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2023 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados