História

Tubarões pré-históricos se alimentavam de répteis voadores, revela fóssil encontrado

O osso de uma asa de Pteranodonte que cruzava os céus 83 milhões de anos atrás mostra que a criatura encontrou o seu destino na boca de um predador marinho.Wednesday, October 10, 2018

Por John Pickrell
Nesta ilustração, um Pteranodonte se torna presa do antigo tubarão Squalicorax kaupi.

Uma série de marcas de mordidas em um osso da asa de um pterossauro revela que ele provavelmente virou refeição de grandes peixes predatórios, incluindo um  tubarão pré-histórico chamado Squalicorax.

O fóssil de 83 milhões de anos, encontrado em 2014 em um sítio paleontológico no Alabama, EUA,  complementa a crescente evidência de que essas estranhas maravilhas com asas às vezes viravam petiscos para dinossauros, parentes pré-históricos de crocodilos e grandes peixes. Afinal, os pterossauros não eram apenas bolsas de ossos e pele de couro, como as pessoas podem supor.

“Os pterossauros em geral tinham muita carne em seus esqueletos", afirma Michael Habib, especialista da Universidade do Sul da Califórnia que não estava envolvido na  última descoberta. “Eles não eram os animais magros frequentemente retratados em filmes e na arte. Os músculos envolvidos em seu voo, em particular, teriam servido uma grande refeição".

O osso de asa mastigado desse pterossauro, um Pteranodonte, sugere que ele tinha uma envergadura de aproximadamente 4,5 metros. Mas o peso do animal era apenas de 27 a 41 kg, o que teria feito dele uma presa fácil para um grande peixe ósseo ou um Squalicorax, um tubarão extinto que alcançou até aproximadamente 4,5 metros de comprimento.

E, de acordo com o novo estudo, publicado na revista Palaios, as marcas no osso antigo combinam bem com os dentes espaçados de dois peixes fósseis: o Squalicorax e uma espécie semelhante à barracuda, de aproximadamente 1,2 a 1,8 m de comprimento chamado Saurodon.

Uma imagem do osso de Pteranodonte pareado com as mandíbulas de fóssil do antigo peixe ósseo Saurodon leanus.

“Isso foi incomum, porque ele mostrava o que nós interpretamos como marcas de mordida de dois grupos de animais diferentes”, diz o autor principal Dana Ehret, um paleontólogo do Museu do Estado de Nova Jersey em Trenton.

“Essa é uma descoberta muito empolgante, porque traços de alimentação em ossos de pterossauros são raros”, acrescenta Habib.

Tantos tubarões

Enquanto estava preparando o fóssil na Universidade do Museu do Alabama, o coautor de Ehret e então aluno de pós-graduação, T. Lynn Harrel, estava inicialmente preocupado pela possibilidade de ter danificado o osso ao remover o giz da superfície. Mas logo ficou claro que uma série de sulcos paralelos mais escuros era, ao contrário, evidência de um predador.

“Ele pensou que eu ia ficar furioso com ele”, diz Ehret. “Mas, conforme ele o preparava, ele reconheceu que havia quatro [marcas] paralelas umas às outras, e que elas representavam um traço de alimentação”.

Para investigar melhor, o par começou a pegar mandíbulas do fóssil de vários peixes carnívoros da coleção do museu para compará-las com as marcas. Eles perceberam que os sulcos escuros e que as marcas de arranhadura serrilhada mais sutis se alinhavam quase que identicamente aos dentes de SaurodonSqualicorax.

Muitos fósseis do Cretáceo Superior do Alabama parecem ter sido mordidos por tubarões, inclusive tartarugas e dinossauros marinhos, que são frequentemente “cobertos por marcas de predação”, diz Ehret. Partes do Alabama foram, então, submersas por águas rasas, mornas que geralmente eram o portão para o Mar Interior Ocidental, um corpo de água maciço que corria para o centro da América do Norte, dividindo o continente em dois.

Com base no registro fóssil, essa região altamente produtiva estava repleta de tubarões: “Eu nunca vi tantos dentes de tubarões, e já realizei coletas no mundo todo”, diz Ehret. “Era tão abundante com diferentes tubarões”.

Descobrindo o dente

O Pteranodonte também habitou esse ambiente costeiro durante o Cretáceo Superior, vivendo da caça de peixes menores nas águas repletas de tubarões. Os pterossauros podiam voar, mas sendo menos dinâmicos do que as aves, eles provavelmente não pousavam na superfície por muito tempo, acrescenta Habib. Algumas espécies, incluindo o Pteranodonte, provavelmente não mergulhavam na água em busca de presas.

“Eles podiam sair rapidamente da superfície. Mas esses pterossauros mergulhadores poderiam ficar vulneráveis aos tubarões logo depois de entrarem na água", diz ele.

É certamente plausível que um peixe predatório saltasse da água para capturar esse Pteranodonte ou pegasse um deles na superfície, diz Ehret, muito embora seja difícil de ter essa certeza com base em apenas um osso. Também é possível que o animal tenha morrido próximo da costa e servido de alimento ao ser levado para o mar.

Os mistérios subsistem em parte porque os pterossauros com esse tipo de traços de alimentação são muito raros, diz Mark Witton, um especialista em pterossauros da Universidade de Portsmouth no Reino Unido. Os animais tinham ossos frágeis, preenchidos com ar que mais provavelmente teriam se quebrado sob a força de uma mordida de tubarão.

“O registro é pequeno, mas está crescendo”, diz Witton, que é coautor com Habib em um trabalho futuro sobre uma vértebra de Pteranodonte com um dente cravado nela de um tubarão ainda maior chamado tubarão-ginsu (cretoxyrhina), que alcançava até aproximadamente 7,00 metros de comprimento.

Das mais de 1,1 mil espécies conhecidas de Pteranodontes, Witton estima que talvez meia dúzia tenha evidência de mordidas de tubarão, a maioria não foi estudada em detalhes.

Ele elogia o trabalho mais recente de Ehret e Harrel porque eles “foram à cidade para demonstrar o que a identificação dos animais [predatórios] era ... É bom saber quais espécies estavam interagindo dessa forma”.

Continuar a Ler