Fotógrafos do urso faminto falam o que teriam feito diferente

O vídeo que se propagou no mundo inteiro trouxe mais críticas – e elogios – do que imaginavam. Mas os dois dizem estar mais energizados do que nunca.

Por Sarah Gibbens
Publicado 25 de jan. de 2018 18:00 BRST, Atualizado 5 de nov. de 2020 03:22 BRT
Urso-polar faminto em terra sem gelo
Este é o retrato de um urso-polar faminto. Ele foi avistado pelo fotógrafo da National Geographic Paul Nicklen na Ilha Somerset, no Arquipélago Ártico Canadiano. O urso desapareceu depois que as imagens foram feitas, tornando impossível dizer o que realmente aconteceu com ele.

Quando os fotógrafos e cineastas da vida selvagem, Paul Nicklen e Cristina Mittermeier, viram um urso polar morrendo de fome no norte do Canadá no verão passado, eles fizeram um vídeo que poderia chamar a atenção do mundo à ameaça das mudanças climáticas. Pelo menos era isso o que esperavam.

Mas não previram que o vídeo, lançado no mês passado, atingisse dezenas de milhões de pessoas em todo o mundo. Ou que muitas das reações seriam tão desagradáveis.

As plataformas de mídia social encheram-se de apoio ao trabalho de Nicklen e Mittermeier, aplaudindo seus esforços por mostrar os danos causados pelas mudanças climáticas em um caso real e dramático. Mas essas mesmas plataformas explodiram com acusações de que os dois fotógrafos, e a National Geographic, exageraram no que pode ser dito sobre o vínculo entre as mudanças climáticas e a situação desde urso em particular.

Outros questionaram por que os fotógrafos não interferiram para salvar o animal. (Mittermeier rapidamente escreveu um texto para explicar por que tentar ajudar seria inútil).

Quando encontramos Mittermeier e Nicklen para perguntar sobre suas experiências no mês após o vídeo ter viralizado, os colaboradores da National Geographic nos contaram como a experiência os destruiu e aprofundou seu compromisso com a fotografia de conservação.

Como foi ver seu vídeo se tornar uma sensação global?

Cristina Mittermeier: As pessoas estavam nos parando no aeroporto. Uma senhora correu até nós para agradecer. Como fotógrafo, você não espera tirar uma imagem icônica e não ter repercussões em torno dela. Mas me surpreendeu um pouco.

Como mulheres, lutamos para encontrar nosso lugar em uma profissão dominada pelos homens, então essa é certamente uma grande validação. Obter o reconhecimento me permite ter uma plataforma maior para falar.

Em algum momento, eu entrei em um tufão sem controle. [Nos dias seguintes] eu tive que fazer um discurso, e essas vozes estavam atrás da minha cabeça, foi difícil me concentrar. No início, eu tentei responder comentários, mas então a barragem de acontecimentos estourou.

Paul Nicklen: Estávamos em Nairóbi na semana passada, quando alguém nos parou e agradeceu pelo urso. Em Ruanda, com os gorilas, uma mulher do nosso hotel nos agradeceu.

Em algum momento você percebe que não é apenas um buraco-negro de comentários, é um debate. Você percebe que há uma grande discussão acontecendo.

Algumas pessoas me disseram que não conseguiam sair da cama. Elas estavam tão deprimidas. Algumas pessoas me disseram que estavam incrivelmente irritadas. É como se o vídeo fosse um tapa na cara. A raiva veio de todos os tipos diferentes de demografias, e parte dessa raiva foi direcionada a nós. Você vê isso o tempo todo com fotógrafos de guerra. Muitas vezes, é muito mais fácil atirar no mensageiro do que olhar no espelho e processar sua própria culpa.

Olhando para o passado, o que você teria feito diferente?

CM: Cometemos o erro de não contar a história completa, e uma boa história precisa de um bom final.

Estávamos de pé nesta pequena casa, numa cabana de pescadores sazonais. Estávamos escondidos para que o urso polar não pudesse nos ver, e quando nos aproximamos cada vez mais, ele levantou a cabeça, pulou na água e saiu nadando. Paul estava realmente preocupado que ele desperdiçasse a energia e morresse, mas ele estava flutuando e parecia estar mais confortável na água. Ele simplesmente se afastou e virou a esquina. Nunca mais o vimos.

Você recebeu algumas críticas de pessoas que disseram que este urso não era uma indicação de mudança climática. Como a comunidade científica respondeu ao vídeo?

PN: Os principais cientistas do urso polar apareceram e disseram que não estamos errados. Nós nunca dissemos que isso foi culpa da mudança climática, tudo o que estamos dizendo é que a mudança climática causará algo semelhante nos próximos 100 anos ou 30 anos, ou 10 anos. O fato de ter tido tanto apoio é impressionante, mas, infelizmente, os trolls falam mais alto.

Como a fotografia ajudou a ilustrar sua mensagem com tanta eficácia?

PN: Minha conclusão depois disso foi que precisamos fazer o mundo conversar sobre isso, e a ciência obviamente não está fazendo isso. A ciência é o fundamento, mas precisamos da conexão emocional. Eu sabia que atingiria as pessoas em seu coração e provocaria uma resposta.

CM: Desde o início dos tempos, os seres humanos transmitem informações e conhecimentos através da narração de histórias. Somos programados para simpatizar com histórias. Todos nós adoramos. Eu acho que o lugar onde falhamos no movimento de conservação é que nos concentramos muito na ciência, e não acho que comunicamos a urgência do que estava acontecendo.

Apenas relatar fatos para as pessoas não inspira ninguém, mas se você lhes contar uma história que mostre os tópicos em comum com a humanidade, as pessoas entendem. As pessoas têm empatia, você tem que contar histórias que pareçam familiares e pessoais para as pessoas.

Em entrevistas sobre o vídeo, você implicou que a caça dos Inuit poderia afetar as populações de ursos polares. Eles responderam de forma defensiva. Essa relação foi reparada?

CM: A parte mais dolorosa de toda a experiência foi a reação dos Inuit. Eles sentiram que eu estava ameaçando seus direitos de caça. Meu objetivo é recuperar sua confiança e respeito.

O que vem a seguir para você e para  Sea Legacy, sua organização de conservação?

CM: O mundo é um grande oceano, e há muitos problemas. Para mim, estou muito interessado na igualdade de gênero nas pescarias. 50% da força de trabalho na pesca são mulheres, mas não vemos seu trabalho.

[Sea Legacy] está procurando soluções inovadoras. Temos um grupo massivo de seguidores nas redes sociais, então vimos milhares de pessoas com medo e raiva e querendo soluções tangíveis.

PN: Essa reação apenas me energizou. No início fiquei triste e assustado com tais comentários dolorosos, mas depois os aceitei e os abracei. Eu acho que estamos no caminho certo, e nós vamos fazer mais.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Meio Ambiente
Como salvar as alpacas das mudanças climáticas na altitude peruana
Meio Ambiente
A vez dos carros elétricos finalmente chegou?
Meio Ambiente
Número pouco conhecido pode reformular nosso futuro climático
Meio Ambiente
Os desafios climáticos de Joe Biden em um Estados Unidos prestes a mudar
Meio Ambiente
Vórtice polar aumenta a probabilidade de um inverno rigoroso no Hemisfério Norte

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados