Campeão da Terra 2022 mobiliza comunidades em favor das florestas andinas da América do Sul

Constantino Aucca Chutas é peruano e foi premiado pelo Pnuma na categoria Inspiração e Ação. Juntamente com comunidades nativas, ele plantou mais de 3 milhões de árvores e protegeu e recuperou 30 mil hectares de terra na área.

Constantino Aucca Chutas é biólogo, co-fundador e presidente da Associação Andina de Ecossistemas (Ecoan) e co-fundador da Acción Andina. Ele foi recentemente reconhecido como Campeão da Terra 2022 pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma).

Foto de DIEGO ROTMISTROVKSY MANDATORY CREDIT FOR PHOTOGRAPHS © UNEP, IMAGES AND BROLL SELECTION
Por Redação National Geographic Brasil
Publicado 5 de dez. de 2022 14:20 BRT

Constantino Aucca Chutas é biólogo, co-fundador e presidente da Associação Andina de Ecossistemas (Ecoan) e co-fundador da Acción Andina. Ele foi recentemente reconhecido como Campeão da Terra 2022 pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) por testar engenhosidade e ambição para proteger o meio ambiente e reverter a degradação do ecossistema.

Premiado na categoria Inspiração e Ação, o peruano homenageia seu sobrenome e seus antepassados: Aucca significa guerreiro, e de seu sangue brota a história mais antiga dos agricultores. Agarrado a seus valores e convicções, o Campeão da Terra 2022 inspira as comunidades a defender e promover um modelo de reflorestamento comunitário administrado por habitantes locais e nativos.

Desde a fundação da organização, em 2000, ele plantou mais de 3 milhões de árvores no Peru e protegeu e restaurou 30 mil hectares de terra nas florestas andinas da América do Sul. Seu conselho: escute, seja encorajado, tente, faça e continue fazendo.

Qual foi a categoria que o reconheceu como Campeão da Terra que o inspirou em nível pessoal a agir em prol do planeta?

Eu venho de uma família de camponeses. Perdi meu pai muito jovem, e para trabalhar e sustentar cinco irmãos com uma mãe viúva aos 14 anos, a primeira coisa que enfrentei foi muito racismo, muita discriminação. Ninguém daria emprego a um indígena. Eu tentei corrigir esse cenário, mudar meu sobrenome para espanhol, e quando minha mãe descobriu, ela falou com meu avô, que me chamou e disse: 'o que você está fazendo? Você sabe que para proteger esse sobrenome, muitas pessoas morreram? Meu pai, meu avô, todos eles lutaram para salvar esse sobrenome. Seu sobrenome é Aucca, que significa guerreiro. Então, vá lutar, lute por nós. Temos trabalhado como capatazes para os espanhóis, até mesmo tratando mal nosso povo para nos fazer parecer bem ao patrão, o que até hoje não conseguimos superar. Seu segundo sobrenome é Chutas, que significa "grande coração, portanto, tente ir em frente e lutar".

A vida continuou até que cheguei à universidade e encontrei uma querida, filha de um fazendeiro que me convidou para visitar sua propriedade. Uma vez lá, a avó me perguntou qual era minha graça, ou seja, meu sobrenome. Respondi: Constantino Aucca Chutas, e então ela me perguntou se eu conhecia Francisco Chutas. Eu disse a ela que ele era meu avô e ela respondeu: "bom cholo, bom capataz". A avó da minha amante me disse que, em compensação pelo trabalho dos cholos, eles nos deram um pedaço de terra para que pudéssemos desenvolver nossa aldeia, chamada Chutas Pampa. 

Foi pior que um banho frio. Voltei à casa do meu avô e pedi-lhe que me contasse a história novamente. Foi então que ele me disse que o sonho de toda a família era ver uma Aucca fazendo grandes coisas, e melhor se fosse para a Terra, para a Pachamama.  A partir daí, prometi-lhe que não iria parar. 

Premiado na categoria Inspiração e Ação, o peruano homenageia seu sobrenome e seus antepassados: Aucca significa guerreiro e de seu sangue flui a história dos agricultores.

Foto de DIEGO ROTMISTROVKSY MANDATORY CREDIT FOR PHOTOGRAPHS © UNEP, IMAGES AND BROLL SELECTION

E qual foi o significado de ‘não parar’?

Enquanto as pessoas aproveitavam seus fins de semana, suas férias, eu ia para o campo. Estava na floresta, em contato com os agricultores. Falava com os idosos e os camponeses; essa foi minha melhor escola. Lembro que eu estava atravessando uma montanha de 4600 a 4800 metros acima do nível do mar, e um dos agricultores me disse que a montanha à minha frente, Salcantay (Montanha Demônio), tinha neve há 30 anos, mas agora não havia mais nenhuma. “Será que fizemos algo errado?”, perguntou-me o velho e atribuiu a ausência de neve à raiva da Mãe Terra.

Interiormente eu estava me questionando: ‘como é que todos aqueles que vão a reuniões mundiais, os especialistas internacionais, não têm estes conceitos?’. Isto é o que eles devem ter: resiliência para reconhecer que estamos ferindo a Terra.

Percebi que um dos piores males era o desmatamento, e a partir daquele momento propus lançar uma poderosa mensagem ao mundo: vamos plantar árvores. E em um único dia plantamos 57 mil.

Desde o desmatamento até a restauração das florestas andinas

A região andina é dotada de uma alta diversidade de ecossistemas resultantes da interação de processos biofísicos em escalas continentais, sub-regionais e locais. Dentro dela, 133 ecossistemas são reconhecidos nos Andes do Norte e Central, compreendendo ecossistemas florestais e não florestais que funcionam sob sistemas bioclimáticos que vão desde xéricos até pluviais. 

As florestas andinas mantêm a biodiversidade, capturam e conservam o carbono, regulam e asseguram o abastecimento de água.

A Ecoan mobilizou milhares de pessoas em Cusco para proteger e restaurar as antigas florestas de polylepis, que antes dominavam os altos Andes. Crescendo até 5 mil metros acima do nível do mar. Mais alta que qualquer floresta do mundo, estas árvores "nebulosas" desempenham um papel vital no combate à mudança climática e à perda de biodiversidade.

No entanto, hoje, das vastas áreas dos Andes que antes estavam cobertas de polylepis, apenas 500 mil hectares permanecem de pé. A razão: décadas de desmatamento para lenha, pastagem de gado, exploração madeireira, mineração e estradas. A perda dessas florestas de montanha afeta a escassez de água, a vida e a subsistência de milhões de pessoas.

As florestas andinas mantêm a biodiversidade, capturam e conservam o carbono, regulam e asseguram o abastecimento de água.

Foto de DIEGO ROTMISTROVKSY MANDATORY CREDIT FOR PHOTOGRAPHS © UNEP, IMAGES AND BROLL SELECTION

Qual é a situação atual das florestas andinas diante da mudança climática?

Quando falamos de mudança climática, não se trata de uma questão específica e focalizada. Em 500 d.C., o clima mudou por cinco anos: muito quente, e uma seca total dizimou as culturas ao longo da Orla do Pacífico. Foi uma catástrofe, várias culturas desapareceram. Durante cinco anos não houve água, não houve agricultura, várias florestas secaram e os remanescentes que permaneceram subiram os altos Andes em dor para sobreviver. Foi isto que deu origem à grande cultura inca. 

Não tente acelerar o processo e aprender com a dor. As velhas culturas passaram por ele. Elas reagiram com resiliência. Sem água, o que fazemos? Aquedutos. Quando você chega ao Vale Sagrado pode vê-los. Eles ainda funcionam como funcionavam há milhares de anos. 

Os incas foram sábios. Diante da escassez de alimentos, idealizaram reservatórios, e, além disso, para enfrentar as mudanças climáticas, promoveram o reflorestamento em larga escala. Lendo toda essa história, posso responder como o fizeram: todos juntos, em trabalho comunitário, praticando os princípios ayni e minka, que professam o bem comum, o trabalho em equipe. 

Minha mensagem é que recapturemos essa sabedoria ancestral. Não é nada de novo, não a inventei. Se a história nos ensinou isso, ela é aprovada e está funcionando, por que não a revivemos? 

Uma vez, na América do Sul, éramos o maior império, unidos por uma cultura, a cultura inca. Foi a primeira vez que todos nós nos reunimos. Outra vez que nos reunimos foi para nos libertarmos do jugo espanhol, para buscar nossa independência. Agora, estamos nos reunindo pela terceira vez. Por quê? Para proteger uma pequena árvore.

Como você passa da conversa à ação?

Não vou me sentar em minhas mãos ou assistir a todas as reuniões mundiais para beber um pisco sour. Algo tem que ser feito e tem que ser feito em grande escala, não plantando 100 ou 1000 arvorezinhas e tendo nossa foto tirada para dizer que resolvemos o problema da mudança climática. 

Ajudei a plantar seis milhões de árvores, e você sabe qual é a melhor resposta dos meus filhos? "Pai, você ainda não fez nada. Você está fazendo isso por outros, mas não por nós. Portanto, ainda tem um longo caminho a percorrer". Precisamos de mais tempo para continuar fazendo mais e completar a tarefa, que para essas crianças (que simpático da parte delas dizer isso) ainda não é nada. 

Alguns acreditam que as mudanças climáticas afetam apenas determinados lugares e comunidades. Mas seus efeitos regionais e globais já estão sendo sentidos. Como isso está afetando a América do Sul?

As mudanças climáticas não vão atingir apenas o Peru, vão atingir todo os Andes. Infelizmente, na análise, todo o continente dos altos Andes aparece em vermelho. Não sei quantas reuniões da COP (Conferência das Partes) vamos precisar para agir. Muitos acreditam que após a 500ª reunião vamos decidir. Eu me pergunto: haverá um planeta até a COP 500? Por que não tomamos medidas agora? São dois graus que o planeta nos pede.

Em resumo, as mudanças climáticas não vão diferenciar ninguém, vão atingir a todos. Precisamos de mais líderes, mais aliados, e eu lhes peço que vão em frente, que se encontrem com bons aliados, com bons doadores, mas não apenas para dar-lhes os recursos, mas também para proteger vocês, porque o mundo está se tornando cada vez mais violento, e nós temos que estar unidos.

A Associação Ecossistemas Andinos mobilizou milhares de pessoas em Cusco para proteger e restaurar as antigas florestas de polylepis que antes dominavam o alto dos Andes.

Foto de DIEGO ROTMISTROVKSY MANDATORY CREDIT FOR PHOTOGRAPHS © UNEP, IMAGES AND BROLL SELECTION

Em sua mensagem, você diz que as árvores devem ser plantadas para preservar o ecossistema porque sem elas não haverá água. Por que é importante preservar o ecossistema e por que é importante plantar árvores?

Um dia estávamos plantando milhares de árvores, e vários meios de comunicação internacionais chegaram e perguntaram: “Por que vocês estão fazendo isso?”. Uma das mulheres da comunidade respondeu: "Para a água, porque água é vida, é a economia da família e é o futuro das crianças".

Quando fui à Argentina, procurei as comunidades nativas. Fui com os gaúchos, com os tropeiros e eles fizeram o mesmo grito "água e solo". 

No Equador, todos os indígenas quichua lhe dizem que lhes falta água. Eu vou para a Bolívia, em Cochabamba, e também não há água. No Chile, há belas represas, como no Peru, belos cimentos, mas não há água. Assim, a figura da conservação, que para mim costumava ser uma espécie, foi transformada em ecossistemas.

Então surgiu o conceito de complementar a biodiversidade, e acrescentamos a ela a cultura.

Como mobilizar tantas pessoas para uma causa comum como a Mãe Terra?

Primeiro, com respeito. Segundo, com diálogo, ou seja, tentando falar pelo menos um pouco de sua língua. Terceiro, pela escuta, e quarto, pela aprendizagem. Não pense que porque você vem da cidade e tem um diploma, você sabe todas as respostas. 

Envolva-os, dê-lhes trabalho, responsabilidades e você verá a resposta. O objetivo não é apenas plantar. Ação Andina não é apenas um programa para plantar mudas. Estamos criando novas áreas dentro do programa, como o monitoramento, porque muito dinheiro é gasto no plantio, por exemplo, de pinheiros, eucaliptos e ciprestes, e não com espécies nativas.

Precisamos de programas sinceros, de médio a longo prazo, como a Ação Andina. Cada vez mais comunidades estão olhando para nós porque sabem que não vamos abandoná-los a curto prazo.

Como um Campeão da Terra, qual é a sua mensagem para as gerações mais jovens que lutam para reverter a crise climática?

Eu sempre digo a todos para não terem medo, não coloquem barreiras. Seja ousado, seja inovador, consiga aliados, consiga amigos que lhe protejam. 

Peço a vocês que cometam erros, que falhem para que possam aprender com seus erros. Você pode falhar dois anos, mas não no terceiro ano. O fracasso não é uma fraqueza, é um acúmulo de experiências. Então, ouse, faça, e, no final, aproveite o que você está fazendo. Esse é o meu grande conselho.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Meio Ambiente
As 3 regiões com mais terremotos do mundo
Meio Ambiente
O que é um terremoto?
Meio Ambiente
Conheça as 5 áreas úmidas mais importantes do mundo
Meio Ambiente
Quais as consequência da perda de áreas úmidas para o meio ambiente
Meio Ambiente
3 ações para ajudar a conservar as áreas úmidas do mundo

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados