Animais

Parasita da areia do gato está destruindo a foca mais rara da Terra

A toxoplasmose, doença lançada no ambiente a partir das fezes dos gatos, está atingindo a foca-monge-do-Havaí com bastante intensidade.Wednesday, July 18, 2018

Por Annie Roth
Foca-monge-do-Havaí RT10 com seu terceiro filhote no litoral Norte de Oahu, em 2017.

Em maio, duas focas-monge-do-Havaí foram encontradas mortas em uma praia de Oahu. As duas eram fêmeas e uma estava grávida. Depois da necropsia, veterinários determinaram que os dois animais morreram de toxoplasmose, uma doença potencialmente fatal que atinge gatos domésticos.

Para a veterinária Claire Simeone, as mortes dessas focas confirmam uma suspeita sobre a doença.

“As fêmeas parecem ter mais chances de morrer desta doença, de um ponto de vista conservacionista, isso é preocupante”,  diz Simeone, diretora do hospital Ke Kai Ola para focas-monge-do-Havaí.

As focas, conhecidas dos pesquisadores da Administração Oceânica Atmosférica Nacional dos Estados Unidos como RK60 e RT10 não são as primeiras focas-monge-do Havaí a sucumbir à doença. Onze mortes de focas foram ligadas à doença desde 2001, mas Simeone diz que o verdadeiro impacto pode ser muito maior.

Com apenas cerca de 1,3 mil focas-monge-do-Havaí na Terra, perder um indivíduo – principalmente fêmeas com filhotes – é um golpe esmagador, diz Simeone.

E pode ser apenas o início do problema em termos de impacto à vida marinha.

O parasita unicelular Toxoplasma gondii, que causa a toxoplasmose, se tornou comum entre mamíferos marinhos, devido em grande parte ao número crescente de gatos selvagens que vivem perto de bacias hidrográficas. Apesar de muitos animais contraírem o parasita – inclusive metade da população humana mundial em algum momento – se livram da infeção sem grandes problemas, a doença é particularmente letal à criaturas marinhas.

Agora, especialistas em mamíferos marinhos estão pedindo para as comunidades do Havaí para cuidarem de suas populações de gatos.

Do gato ao mar

Qualquer animal de sangue quente pode pegar toxoplasmose, mas apenas gatos podem espalhar a doença. Gatos também são os únicos animais conhecidos por serem portadores da forma infecciosa do parasita.

Gatos infectados introduzem o parasita no ambiente através das fezes. Um gato infectado com toxoplasmose pode defecar bilhões de ovos, ou oocistos, ao longo de sua vida.

A chuva leva os oocistos para os rios que vão parar no mar. Uma vez que chegam lá, os oocistos entram na cadeia alimentar marinha até que encontram um animal para infectar – e só é preciso um ovo para iniciar o ciclo.

Uma vez que chega ao hospedeiro, os parasitas entram nas células do trato digestivo e se multiplicam até que as células se rompem. O exército de parasitas, então, vai para o fígado, cérebro e tecido muscular, criando cistos e inflamação.

Como a doença se manifesta varia muito de acordo com a espécie. Em focas-monge, a toxoplasmose pode enfraquecer o sistema imune e causar falência dos órgãos. Em lontras, a doença pode levar a infecções cerebrais que matam o hospedeiro rapidamente.

Uma vez que os oocistos entram no ambiente, não há nada que possamos fazer para removê-los. “Eles são durões”, diz Patricia Conrad, professora de parasitologia na Escola de Medicina Veterinária na University of California, Davis.

“Pode coloca-los na água sanitária por anos, tirá-los, lavá-los e os parasitas ainda se desenvolvem”.

Surto no oceano

Cientistas identificaram a toxoplasmose – que acreditavam ser uma doença de animais terrestres – em baleias, golfinhos, lontras e outras criaturas marinhas nos últimos anos.

Em 2013, cientistas estimaram que pelo menos metade das lontras macho da Califórnia tinham a doença. E, no mês passado, pesquisadores do Sul do Chile reportaram encontrar patógenos em 77% das lontras de rio da região.

“A toxoplasmose está no nosso radar desde o início dos anos 2000, no entanto, nosso nível de preocupação realmente aumentou nos últimos anos”, diz Michelle Barbieri, veterinária de animais selvagens que é chefe do Programa de Recuperação de Focas-Monge-do Havaí da NOAA.

“Um dos motivos de estarmos mais preocupados é porque não temos boas ferramentas para mitigar. Se uma foca engolir um anzol, normalmente podemos consertar, mas com toxoplasmose, é muito mais difícil”, diz Barbieri.

Barbieri diz que a maioria das focas-monge-do-Havaí infectadas com toxoplasmose morrem antes que a equipe possa ajudá-las. Como resultado, a doença se tornou a maior causa de morte por doença da espécie. Encontradas apenas no Havaí, focas-monge-do-Havaí são uma das espécies de mamíferos mais ameaçadas do mundo.

Focas-monge-do-Havaí foram caçadas até serem quase extintas durante o século XIX e início do século XX e a população ainda não se recuperou. Doenças, pequena variabilidade genética e interações com equipamentos de pesca estão entre as maiores ameaças que essas focas enfrentam hoje. A toxoplasmose é incurável, mas não é inevitável.

“Apesar de não sabermos até que ponto essa doença está impactando os mamíferos marinhos, sabemos como interromper o ciclo de vida do parasita que causa a doença”, diz Angela Amlin, coordenadora do programa de focas da NOAA.

ver galeria

Isso significa manter gatos domésticos dentro de casa e castrar os de rua, diz ela. A Hawaiian Humane Society estima que haja 350 mil gatos de rua só em Oahu, muitos deles são alimentados por humanos. Há uma lei que exige os donos de animais de estimação a castrarem seus gatos e cães, mas é difícil de acompanhar.

O governador do Havaí, David Ige, recentemente adicionou gatos de rua à lista estadual de espécies invasivas, citando seu impacto sobre os pássaros, mamíferos e répteis ameaçados da ilha.

“O problema é evitável? Sim, mas é fácil de evitar? Não necessariamente”, diz Amlin. “É difícil descobrir o que fazer quando temos tantos gatos no terreno, e temos opiniões fortes diferentes sobre como lidar com isso.”

Conrad, o parasitologista veterinário, diz que a melhor coisa que os donos de animais de estimação podem fazer é manter seus gatos dentro de casa. “Gatos são mantidos dentro de casa para viverem mais e com mais saúde, há muitos dados sobre isso. Se perdermos as focas-monge, nós as perderemos para sempre”.

Continuar a Ler