Lobo em extinção foi em busca de companheira, mas muro na fronteira EUA-México o impediu

As dificuldades de um lobo cinzento mexicano chamado sr. Goodbar mostram a grave ameaça representada pelo muro na fronteira EUA-México.

Publicado 28 de jan. de 2022 10:25 BRT
The border wall prevented this wolf from migrating south

Um lobo cinzento mexicano na clareira da floresta. Esses animais ameaçados de extinção já vagaram amplamente pelo que hoje é o sudoeste dos EUA e o norte do México.

Foto de Claudio Contreras, Nature Picture Library

No final de 2021, um lobo cinzento mexicano ameaçado de extinção partiu em uma jornada épica.

Meses antes, o macho, conhecido como sr. Goodbar, havia deixado sua matilha no leste do Arizona em busca de seu próprio território e uma companheira. Ele seguiu para o sul e leste, através do deserto de Chihuahuan, uma vasta extensão biodiversa de pastagens e matagais intercalados com cadeias de montanhas e vales.

O canino esguio, com menos de dois anos e ostentando uma mistura de pelo marrom e prateado, passou pelos arredores de Las Cruces, Novo México, em 22 de novembro. A terra é aberta e salpicada de creosoto, yucca e cactos. Diante dele havia picos distantes, incluindo vulcões extintos e crateras das montanhas East Potrillo, cuja ponta sul quase chega à fronteira mexicana. Guiado por instinto através do antigo território de sua espécie, ele seguiu naquela direção.

Mas ele logo se viu em um impasse desconcertante: a fronteira EUA-México. Apenas um ano antes, o terreno estava aberto, exceto por uma pequena barreira de veículos, uma espécie de cerca baixa e porosa destinada a impedir carros e caminhões de travessias ilegais. Mas agora ele se encontrou bloqueado por uma parede de 9 metros de altura, composta de vigas de aço maciças separadas por aberturas de 10 centímetros, admitindo apenas o menor dos animais.

A maior parte da fronteira do Novo México agora é ladeada por essa cerca, construída de 2018 a 2020 sob o governo de Donald Trump, um fato não compreendido para Goodbar, que simplesmente continuou se movendo para o oeste. Ao todo, ele passou quase cinco dias migrando ao longo da parede, às vezes mudando brevemente de direção, presumivelmente tentando seguir para o sul contornando o obstáculo. Por fim, cerca de 37 quilômetros a oeste de onde o encontrou, ele desistiu e voltou para o norte.

O caminho do lobo, rastreado por uma coleira GPS afixada pelo Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA, está entre as primeiras provas concretas de que o paredão altera o movimento da vida selvagem e de vida livre, diz Michael Robinson, defensor de lobos do Center for Biological Diversity, um grupo ambientalista com sede no Arizona.

“Não fiquei surpreso com o que aconteceu, porque havíamos previsto”, diz Robinson. “Mas fiquei chateado.”

As dificuldades do sr. Goodbar confirmam o que os conservacionistas e cientistas vêm alertando há anos: que os movimentos de todos os grandes animais serão interrompidos pelo muro da fronteira. Isso inclui não apenas lobos, mas animais ameaçados de extinção como a antilocapra americana, jaguares, jaguatiricas e carneiros selvagens, e espécies mais comuns, como leões da montanha, linces, veados-mula e muito mais.

O estudo de caso do lobo “é um dado extremamente importante”, diz Myles Traphagen, biólogo da Wildlands Network, um grupo apartidário dedicado à preservação de corredores de vida selvagem. Primeiro porque mostra que “o muro da fronteira está colocando em risco a recuperação de uma espécie ameaçada.”

“Pense em todos os outros animais [que isso afeta] e eventos diários que ocorrem que não podemos ver”, diz ele.

O Serviço de Pesca e Vida Selvagem afirma que o lobo mexicano pode se recuperar sem que indivíduos viajem entre os dois países, disse Aislinn Maestas, porta-voz da agência FWS, à National Geographic.

Os modelos biológicos empregados pela agência supõem que haverá “conectividade limitada entre as populações dos EUA e do México devido à distância entre as populações, à presença de uma fronteira internacional e à maior taxa de mortalidade observada com lobos dispersos”. Ainda assim, os cientistas estimam que um lobo possa se dispersar para a outra população uma vez a cada 12 a 16 anos— mas esses cálculos foram feitos antes que o muro fosse planejado ou construído.

“A dispersão bem-sucedida entre as populações tem o potencial de beneficiar a genética populacional, mas a recuperação do lobo mexicano pode ser alcançada sem uma dispersão bem-sucedida, pois estamos utilizando liberações do cativeiro para atender às necessidades genéticas”, diz Maestas. O serviço regularmente introduz lobos recém-nascidos, nascidos em cativeiro – como o sr. Goodbar – em tocas de lobos selvagens, estratégia que tem seus críticos e apoiadores.

Espécie ameaçada

Os lobos cinzentos mexicanos, uma subespécie do lobo cinzento , são protegidos pela Lei de Espécies Ameaçadas dos EUA. Esses predadores são um pouco menores que os lobos cinzentos e já se espalharam amplamente pelo Arizona, Novo México, Texas e norte do México. Mas o animal foi alvo do governo dos EUA em virtude da indústria pecuária. Os últimos lobos mexicanos reprodutores foram eliminados dos Estados Unidos na década de 1930. Em 1976, eles foram listados sob a Lei de Espécies Ameaçadas, que reverteu os esforços de longa data para eliminá-los.

No ano seguinte, o governo contratou um caçador de lobos, Roy McBride, que já havia matado os animais, para capturar vivos os últimos lobos no norte do México. Três animais que ele capturou e outros quatro já em cativeiro, totalizando sete, foram criados em cativeiro. A partir de 1998, seus descendentes foram soltos nas selvas do leste do Arizona e oeste do Novo México. Em março de 2021, foi estimado que 186 animais vivessem nos dois estados, um aumento de 14% em relação ao ano anterior. Outras duas dúzias de lobos vivem em uma pequena população no norte do México. Ainda assim, a diversidade genética da população é perigosamente baixa, diz Robinson.

De preferência, os lobos das duas populações poderiam naturalmente se alcançar e cruzar, o que beneficiaria a espécie como um todo, ampliando o pool genético. Para fazer essa jornada, no entanto, eles enfrentam muitos obstáculos, como a Rodovia Interestadual 10, que Goodbar já cruzou duas vezes. (Um lobo mexicano foi morto por um carro ao longo da interestadual em fevereiro de 2021.)

Mas o muro fronteiriço recém-construído não permite tal passagem. Isso é prejudicial para animais de grande variedade, como lobos, cuja capacidade de migrar é “crucial para sua viabilidade genética em longo prazo”, diz John Linnell, biólogo do Instituto Norueguês de Pesquisa da Natureza que estuda interações entre predadores, como lobos e humanos.

Como a parede interfere diretamente no movimento de lobos mexicanos, normalmente violaria a Lei de Espécies Ameaçadas. Mas o Real ID Act de 2005 dá autoridade ao chefe do Departamento de Segurança Interna para anular esta lei e dezenas de outras. A Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA não responderam ao pedido de comentário da National Geographic. 

Além disso, os 168 quilômetros do muro do Novo México são apenas uma pequena parte dos mais de 725 quilômetros de muro construídos sob o governo Trump. Mais de 354 quilômetros do novo muro se estendem ao longo da fronteira com o Arizona, 193 quilômetros na Califórnia e 27 quilômetros no Texas, diz Traphagen.

A construção do muro de fronteira cessou, embora a Alfândega e Proteção de Fronteiras tenham anunciado em 20 de dezembro  que estarão “fechando pequenas brechas” no muro, embora não esteja claro no que isso implica. Vários grupos ambientais e tribais processaram o governo federal para interromper a construção, tentativas que falharam em sua maioria.

Jornada solitária

O sr. Goodbar está agora na Floresta Nacional de Gila, perto de onde começou sua jornada. Não se sabe se ele aparecerá novamente em um novo território ou se tentará se estabelecer num lugar perto de sua área de origem.

Em 2017, dois lobos cruzaram os Estados Unidos vindos do México. Um passou sem problemas pela fronteira quase no local exato em que Goodbar tentou e não conseguiu passar. O outro era a mãe de Goodbar: a fêmea seguiu para o norte perto de Douglas, Arizona, passando por San Bernardino Valley, um ponto de acesso mundial para a diversidade de abelhas , que agora também está bloqueado por um novo muro. Ela foi capturada no Arizona por causa de reclamações de um fazendeiro e deu à luz em cativeiro ao sr. Goodbar no Sedgwick County Zoo, no Kansas, que deu o nome ao lobo.

Conservacionistas e cientistas pedem mais ações para lidar com a situação de animais fronteiriços como esses lobos, enfatizando que o muro fragmenta seriamente as populações e bloqueia antigas rotas de migração. “Este é um evento que acredito precisar de muito mais atenção”, diz Traphagen. "Isto é apenas o começo."

Robinson adorava visitar a área onde o sr. Goodbar tentou passar, seguindo os passos de inúmeros animais presentes e passados.

“É uma paisagem sublime, comovente, cheia de vida”, diz. Mas a barreira de 9 metros cortando a paisagem mudou sua experiência.

“Parte meu coração chegar até a parede”, diz ele.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Animais
Por que estas minúsculas suculentas são cobiçadas pelo crime internacional
Animais
Populações de girafas crescem e trazem nova esperança aos cientistas
Animais
Doença fúngica fatal se espalha entre cobras na América do Norte
Animais
Como salvar o lobo-vermelho da extinção — pela segunda vez
Animais
Ave ameaçada de extinção se reproduz ‘sem fecundação’, feito inédito na espécie

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados