História

Confira as primeiras images de tumba recém-descoberta no Egito

A sepultura de 3,5 mil anos, encontrada próxima à cidade de Luxor, abriga a família de um ourives real. Quarta-feira, 8 Novembro

Por Christina Nunez

A estátua esmigalhada de um ourives e sua esposa saudava os visitantes que, pela primeira vez, espreitavam o interior de uma tumba descoberta próxima a Luxor, no Egito. 

Encontrada no cemitério de Dra Abul Naga, na margem oeste do rio Nilo, a sepultura, recém-aberta, guarda múmias, estatuetas, cerâmicas e outros artefatos, de acordo com o Ministério de Antiguidades do Egito. O ministro anunciou a descoberta em uma cerimônia especial no último sábado.

Uma das estatuetas representa o ourives, Amenemhat, sentado ao lado da esposa. A figura de um dos filhos aparece logo atrás. Os arqueólogos dizem que a família viveu no Egito durante a 18ª dinastia. 

Outras duas câmaras de sepultamento acomodam várias múmias, sarcófagos, máscaras funerárias esculpidas em madeira e outras duas estatuetas do casal. Os sarcófagos são das 21ª e 22ª dinastia. 

Khaled El-Enany, Ministro de Antiguidades do Egito, contou a repórteres que a tumba não está em boas condições. O conteúdo, no entanto, pode revelar pistas para outras descobertas. Por exemplo, a tumba contém 50 cones funerários – um tipo de cerâmica com relevo – dos quais 40 oferecem evidências de outras tumbas que pertenceram a funcionários de governo, disse o ministro em um comunicado à imprensa.

A busca na tumba também revelou outras câmaras funerárias vizinhas. Em uma delas, equipes encontraram a múmia de uma mulher morta aos 50 anos e os restos de seus dois filhos. Exames iniciais no cadáver mostraram que a mulher provavelmente se acometeu de diversas doenças, inclusive uma infecção bacteriana nos ossos, de acordo com o comunicado do ministro. 

Em abril, uma equipe de arqueólogos egípcios encontrou uma outra tumba no mesmo cemitério. O jazigo continha várias múmias, 10 sarcófagos de madeira e mais de mil estátuas funerárias. O ministro El-Enany comemorou o significado da descoberta pela quantidade de itens encontrados intactos. 

Ambas escavações são próximas ao Vale dos Reis, o refúgio final de alguns dos mais famosos líderes do Egito Antigo, como o jovem Tutancâmon. A cidade de Luxor fica à leste do Nilo, e egípcios das elites eram enterrados na margem oeste como um sinal de reverência.

—Sarah Gibbens contribuiu para essa reportagem.

Continuar a Ler