Turismo

Por dentro do mundo controverso do turismo em favelas

Cerca de um quarto da população urbana mundial vive nestas áreas, gerando um tipo de turismo específico em países como Brasil, Índia e Filipinas. Segunda-feira, 30 Abril

Por Christine Blau
Fotos de Hannah Reyes Morales

Centenas de favelas espalham-se pelas margens de rios, por trilhos de trem e lixões na capital das Filipinas, Manila. A cidades é uma das mais povoadas do mundo: são 12 milhões de habitantes. Um quarto deles é de moradores de favelas.

Manila é a representante verdadeira de um problema global. Segundo as Nações Unidas, cerca de um quarto da população urbana mundial vive nestas áreas marginalizadas, e esse número está aumentando rapidamente.

Uma rica herança cultural leva os visitantes a Manila, mas alguns turistas sentem-se obrigados a deixar a segurança dos locais do centro histórico para conhecer as regiões onde a desigualdade impera. Operadores de turismo nas Filipinas, bem como em lugares como o Brasil e a Índia, responderam oferecendo “turismo em favelas”, que leva estrangeiros por seus distritos mais pobres e marginalizados.

O turismo em favelas desencadeia um debate considerável em torno de um dilema moral desconfortável. Não importa o nome que se usa – favelas, passeios de realidade, turismo de aventura, turismo de pobreza –, muitos consideram a prática como pessoas privilegiadas tentando lucrar com a desigualdade social. Outros argumentam que esse tipo de turismo aumenta a conscientização e fornece numerosos exemplos de retribuição para as comunidades locais. Os turistas devem simplesmente manter os olhos fechados?

Apresentando a pobreza

O plástico chega de toda a Índia aos becos escuros e barracos de papelão de Dharavi, em Mumbai, a segunda maior favela do continente asiático (depois da cidade de Orangi, no Paquistão) e a terceira maior favela do mundo. Transportados pela empresa Reality Tour and Travel, os turistas veem uma próspera indústria de reciclagem que emprega cerca de dez mil pessoas que derretem, remodelam e moldam o plástico descartado. Eles param para ver os dhobiwallahs, ou lavadores, esfregarem lençóis dos hospitais e hotéis da cidade em uma lavanderia ao ar livre.

Em uma análise do TripAdvisor, um participante americano recentemente apreciou o foco na comunidade. "Foi ótimo ouvir sobre a economia, educação e subsistência dos moradores", escreveu ela. “O grupo de turistas não permite fotografia ou compras, o que eu acho realmente importante. Não senti que era explorador, parecia educacional ”.

Um viajante de Londres comentou sobre a extremidade da cena. "Tive que parar depois de cerca de 20 minutos, devido à natureza dominadora dos arredores. O passeio não é para os mais sensíveis. Eu teria gostado de mais algumas declarações no site para nos avisar sobre a natureza do passeio. " Outro convidado do Reino Unido expressou desapontamento com a chamada refeição em família. “Isso foi na casa de um dos guias e, enquanto sua mãe fazia uma refeição deliciosa no almoço que comemos na casa dela, ela não comeu conosco, então não era exatamente o que eu esperava de um almoço em família (ou as fotos promovendo tal ato no site)”.

A empresa espera desafiar a percepção estereotipada das favelas como lugares desesperados habitados por pessoas sem esperança. O passeio apresentou moradores de favelas como pessoas produtivas e trabalhadoras, mas também contentes e felizes. Analisando mais de 230 resenhas sobre a empresa em um estudo, Melissa Nisbett, do King's College London, percebeu que, para muitos visitantes de Dharavi, a pobreza era praticamente invisível. “Como mostram as análises, a pobreza foi ignorada, negada, esquecida e romantizada, mas, além disso, foi despolitizada”. Sem discutir a razão pela qual a favela existe, a excursão descontextualizou a situação dos pobres e parecia apenas empoderar as pessoas erradas, os visitantes privilegiados, ocidentais, de classe média.

Com boas intenções, a empresa afirma que 80% dos lucros beneficiam a comunidade por meio dos esforços de sua ONG, que trabalha para fornecer acesso a serviços de saúde, organizar programas educacionais e muito mais. O co-fundador, Chris Way, falou à National Geographic depois que sua empresa cresceu em popularidade com o filme Quem quer ser um milionário?. "Tentamos ser o mais transparentes possível em nosso site, o que alivia o medo de muitas pessoas." Way não recebe salário pelo trabalho.

Não há duas cidades iguais

Outras cidades adotam abordagens diferentes para o turismo em favelas. No início dos anos 1990, sul-africanos negros começaram a oferecer visitas a seus municípios, áreas marginalizadas e segregadas racialmente onde eram forçados a viver, para ajudar a aumentar a conscientização global sobre violações violentas dos direitos humanos. Em vez da exploração infligida por pessoas de fora, as comunidades locais adotaram o turismo de favelas como um veículo para resolver sozinhos as questões de seus bairros tradicionalmente negligenciados.

Alguns passeios gratuitos a favelas no Rio de Janeiro forneceram uma opção acessível para as multidões que se infiltraram na cidade durante a Copa do Mundo e as Olimpíadas, enquanto a maioria das empresas continua cobrando. O gerente de turismo Eduardo Marques, da Brazilian Expeditions, explica o diferencial de sua empreitada:  “Trabalhamos com alguns guias locais ou freelancers, e durante o passeio paramos em pequenos negócios locais e oferecemos apresentações de capoeira que apoiam os moradores da favela. Nós não escondemos nenhuma informação de nossos visitantes. A vida real é apresentada a eles.”

Em Manila, a Smokey Tours conectou os turistas com a realidade que os habitantes de um aterro da cidade enfrentam em Tondo (até 2014, quando foi fechado) para contar suas histórias. Agora, a empresa percorre Baseco, perto do porto, localizado no mesmo bairro lotado e conhecido por seu ativismo de base. A fotógrafa local Hannah Reyes Morales documentou sua experiência de caminhar com o grupo em missão para a National Geographic Travel. “Eu tive permissão para fotografar esse passeio tanto da operadora quanto da comunidade, mas o passeio em si não tinha uma política de fotografia para os turistas”. Com a política difícil de se aplicar, alguns convidados tiraram fotos secretamente. “Observei como os turistas processavam diferentemente o que estavam vendo no passeio. Houve aqueles que eram respeitosos com o que os cercava e os que eram menos agradáveis”.

Apesar das tentativas sinceras dos operadores de turismo de mitigar a ofensa e dar um retorno aos moradores locais, o impacto do turismo nas favelas permanece isolado. As comunidades do gueto permanecem entrelaçadas no tecido das principais cidades do mundo, cada uma com suas preocupações políticas, históricas e econômicas individuais que não podem ser generalizadas. Da mesma forma, as motivações por trás do turismo dentro delas são tão diversas quanto os próprios participantes da excursão. Para todos os participantes envolvidos, operadores ou convidados, as intenções individuais são mais importantes.

As melhores conexões entre as cidades permitem que mais pessoas viajem do que nunca, com o número de turistas internacionais crescendo rapidamente a cada ano. Embora a prosperidade e a qualidade de vida tenham aumentado em muitas cidades, a desigualdade também aumentou. À medida que os viajantes buscam cada vez mais experiências únicas que prometem experiências autênticas em lugares antes proibidos, o acesso por meio de passeios ajuda a destacar algumas áreas.

A viagem conecta pessoas que, de outra forma, não se encontrariam e, em seguida, oferece potencial para compartilhar histórias significativas com outras pessoas em sua terra natal. Fabian Frenzel, que estuda o turismo da pobreza urbana na Universidade de Leicester, aponta que uma das principais desvantagens da pobreza é a falta de reconhecimento e voz. “Se você quer contar uma história, precisa de um público e o turismo fornece esse público”. Frenzel argumenta que até mesmo fazer a turnê mais exploradora é melhor do que ignorar completamente essa desigualdade.

Para o futuro a longo prazo dessas comunidades, as complexas questões econômicas, legais e políticas devem ser abordadas de forma holística, reorganizando a distribuição de recursos. Ao iluminar a questão em pequena escala, o turismo em favelas não é uma resposta suficiente para um problema global crescente.

Continuar a Ler