Viagem e Aventura

Encontros inspiradores na Nova Zelândia

Conheça os vinicultores, artistas e artesãos da região de Nelson, na Nova Zelândiasexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Por Carrie Miller
Uma convidativa praia de areia fina recebe os visitantes do Parque Nacional Abel Tasman.

Talvez seja o clima – a região de Nelson Tasman, na Nova Zelândia, no litoral norte da Ilha Sul, é um dos lugares mais ensolarados do país, recebendo quase 2,4 mil horas de luz solar por ano. Talvez seja a beleza – formando um V ao redor da baía turquesa de Tasman Bay, a área contém três parques nacionais (Kahurangi, Nelson Lakes e Abel Tasman) e quilômetros de praias arenosas, além de duas regiões vinícolas (incluindo Marlborough, a maior da Nova Zelândia). Talvez seja, então, os criadores – artistas, horticultores, vinicultores e fazendeiros que escolheram esse lugar para estabelecer um lar vibrante que acolhe visitantes a um modo de vida mais sereno. "No meu trabalho com argila, utilizo cores e imagens para capturar a essência do ambiente [à minha volta] da região de Nelson Tasman", diz a ceramista Katie Gold. "Crio fôrmas a partir de conchas e crustáceos e faço estampas inspiradas na flora e fauna do nosso meio ambiente". Seja qual for a inspiração, explorar Nelson Tasman é como curtir uma tarde de verão regada a muito sol. Relaxe e descubra suas maravilhas – você não se arrependerá.

Explorar

O Parque Nacional Abel Tasman é talvez o menor parque da Nova Zelândia (225 km²), mas é um dos mais populares. Margeando o oceano, ele oferece uma explosão de cores – areia dourada, mar cor de jade, céu azul-celeste e um dossel florestal verde brilhante. A vida nele também é abundante: lobos-marinhos, pinguins-azuis (os menores do mundo), golfinhos e aves como pardelas, corvos-marinhos, wekas e aves do gênero rhipidura.

É um dos locais selvagens mais fáceis de visitar na Nova Zelândia. A trilha Abel Tasman Coast Track, uma das       Grandes Trilhas do país, é uma caminhada de 59 km com chalés para pernoite ao longo da rota. Não está a fim de caminhar por tantos dias? Os viajantes podem embarcar num dos diversos táxis aquáticos, descer para percorrer um pequeno trecho da trilha e depois reembarcar na próxima parada.

O caiaque também é uma forma popular de explorar o parque, sendo as excursões guiadas uma ótima maneira de visitar as praias e angras protegidas por lei.

Uma taça de chardonnay nos jardins da Neudorf Vineyards, uma vinícula próxima a Nelson.

Comer e beber

Nelson Tasman é uma explosão de sabores. Qualquer carro ou bicicleta te leva por entre pomares (de kiwis, peras e maçãs), vinhas ou fazendas produtoras de lúpulo. Confira a Tasman’s Great Taste Trail, uma rede de percursos de ciclismo que corta o interior do país.

Muitas vezes colocada à sombra do apelo e da fama que tem a região de Marlborough, a região vinícola de Nelson se orgulha de ser compacta, com produtores já tradicionais como Neudorf e Seifried fabricando excelentes Pinot Noirs, Sauvignon Blancs e Chardonnays que refletem o sol e as brisas do mar da região.

Nelson é também a capital da cerveja artesanal na Nova Zelândia, com orgulhosa tradição que remete aos primeiros colonos alemães, nos idos de 1840, que descobriram que a terra era ideal para a produção de lúpulos. Siga a trilha Craft Beer Trail e encontre as cervejarias favoritas, como McCashin’s Brewery, Sprig & Fern Brewery e Hop Federation.

Os frutos do mar também existem em abundância, com pratos dos tradicionais mexilhões de lábios verdes da região, cozidos em cafés e bistrôs movimentados e inovadores. Visite o Boat Shed Café (clássico de Nelson), que fica sobre a água, ou se enturme com os locais no Urban Eatery.

Artes

Fundada em 1858, Nelson é um dos centros artísticos mais vibrantes do país. Abriga o Theatre Royal (o teatro de madeira mais antigo ainda em funcionamento do Hemisfério Sul), a Suter Art Gallery (a mais antiga da Nova Zelândia, fundada em 1899) e o Nelson Centre of Musical Arts (evoluída a partir dos primeiros colonizadores europeus, em meados de 1800), os três estabelecimentos culturais mais antigos da Nova Zelândia. Qualquer um deles é o marco inicial perfeito para explorar as galerias e butiques da cidade, repletas de trabalhos de marceneiros, produtores têxteis, artistas de vidro soprado, ceramistas e pintores. Confira os trabalhos em vidraria da Höglund Art Glass, as criações fantasmagóricas do World of WearableArt Museum, as obras de arte em paisagens da Craig Potton Gallery e o próprio "um anel para a todos governar" com Jens Hansen, o joalheiro que criou o famoso talismã dos filmes da série O Senhor dos Anéis.

A artista Hayley Richards com duas de suas três filhas na galeria Nelson (à esquerda). A cidade é um dos centros criativos da Nova Zelândia. Escultura de cerâmica de Katie Gold e Owen Bartlett no jardim da galeria Nelson (à direita).

Para se engajar

A arte e a comida que são o sangue vital de Nelson Tasman são apresentados com orgulho em mercados semanais. É aqui que você terá contato próximo com os moradores locais e também com outros viajantes. É uma oportunidade sem igual de fazer parte da comunidade, trocar histórias, provar comidas e experimentar um pouco do que torna esse lugar especial.

O Motueka Sunday Market já é uma tradição aos domingos há mais de 24 anos. Com mais de 50 barracas contendo criações e artes locais, frutos do mar, café, frutas e vegetais, artigos de segunda mão e delícias da cozinha, ele é mais que um mercado – é um ponto de encontro.

O Nelson Market, que funciona nas bordas da Montgomery Square há quase 40 anos, é dois mercados em um só. O Saturday Market, no sábado, oferece de tudo, desde artigos em cerâmica a joias e mudas e até queijos, geleias e manteigas de amendoim locais. O Sunday market, no domingo, é um tesouro aberto de artigos antigos e de segunda mão, com opções de café e comida para quando precisar de um descanso das compras.

Dica valiosa

A região de Nelson Tasman não é favorita somente entre os turistas – os neozelandeses também a adoram, sendo que, nos feriados e férias escolares, ela fica lotada de kiwis. Visite o local fora de temporada (de setembro a novembro ou entre março e maio) para tê-lo só para você. O clima não muda muito, a comunidade é sempre vibrante e você sempre achará um lugar para estacionar.

Continuar a Ler