'Cápsula do tempo' é encontrada em estátua de Jesus, mas onde ninguém esperaria

Durante as restaurações em uma estátua do século 18 de Jesus, grupo encontra duas cartas de 240 anos em um local improvável.Tuesday, December 5, 2017

Por Sarah Gibbens

Ao restaurar uma estátua do século 18, historiadores espanhóis encontraram o que parece ser uma cápsula do tempo em um lugar improvável: nas nádegas de uma estátua.

A estátua retratava a imagem de Jesus Cristo durante a crucificação e estava pendurada na igreja de São Águeda, no norte da Espanha. A peça centenária começava a mostrar rachaduras e estava se soltando da cruz, como explica Gemma Ramírez.

Ramírez é uma preservacionista do grupo de Madri Da Vinci Restauro, que trabalha para manter a obra em boas condições. Quando os restauradores elevaram a estátua para a mesa de trabalho, ela conta, que notaram que havia algo dentro.

Ao remover uma seção da estátua esculpida na imagem de um pano, os historiadores descobriram que a obra de arte estava vazia e continha um documento que detalha a vida na Espanha no final do século 18.

Duas letras escritas à mão, amareladas pela idade, estavam no fundo oco da estátua. Elas são datadas de 1777 e assinadas por Joaquín Mínguez, um capelão da catedral de Burgo de Osma.

Em suas cartas, Mínguez pinta uma imagem da atividade econômica e cultural cotidiana. O capelão primeiro observa que a estátua foi criada por um homem chamado Manuel Bal, que criou outras estátuas de madeira para igrejas na região. Ele então descreve as colheitas bem-sucedidas de vários grãos como trigo, centeio, aveia e cevada e armazéns de vinho.

Mínguez também denomina doenças como malária e febre tifóide que assolaram a aldeia durante esse período, mas também acrescenta que jogos de cartas e bolas eram usados ​​para entretenimento.

Além da vida da aldeia, Mínguez detalha o clima político da Espanha. Ele escreve que o rei Carlos III está no trono, e que o tribunal espanhol está em Madri. A carta ainda contém uma menção à mortal inquisição espanhola, que durou de 1478 a 1834.

A natureza geral e abrangente da carta de Mínguez indica que ele provavelmente pretendia que ela fosse como uma cápsula do tempo para as gerações futuras, o historiador Efren Arroyo disse ao jornal espanhol El Mundo (blank). Arroyo acrescentou que é incomum que estas estátuas de igreja sejam ocas, e mais incomum ainda encontrar artefatos escondidos dentro delas.

É uma das descobertas mais surpreendentes feitas pelo grupo de restauração. O grupo com sede em Madri já trabalhou na restauração de pinturas antigas, estátuas e móveis antigos.

As cartas recuperadas foram enviadas à Arquidiocese de Burgos, onde serão arquivadas. Uma cópia foi feita e colocada de volta às nádegas para preservar a intenção de Mínguez.

Continuar a Ler