Animais

Conheça o adorável marsupial australiano que quase foi extinto

Os últimos desses animais, que possuem o tamanho de um gato, foram vistos no continente há 50 anos e agora voltam para casa passando de ilha em ilha.Monday, August 13

Por Liz Langley
Os quolls-orientais foram extintos da Austrália, mas sobreviveram na Tasmânia e hoje, pesquisadores estão tentando reintroduzi-los em partes de seu antigo habitat.

A beleza pode estar nos olhos de quem vê, mas todos reconhecem uma "fofura" quando avistada.  É impossível não perceber isso nos quolls-orientais, pequenos marsupiais adoráveis com pintas nativos da Austrália.

Em março de 2018, 20 quolls foram transportados da Tasmânia para o continente da Austrália, local onde foram extintos há 50 anos.

Conheça esses nativos da Austrália que são tão destemidos quanto cativantes. 

Queridinhos perversos

Com orelhas parecidas com as dos lêmures, rosto de rato, corpo de gato com pintas brancas na pele grossa, os quolls possuem uma aparência marcante.

Seu charme não é tão visível na natureza. Os quolls são animais noturnos que passam a maior parte do dia dormindo em suas tocas e saem à procura de comida durante a noite.

Os quolls foram levados à extinção na Austrália devido a uma mistura de doenças e predadores como raposas e gatos-selvagens.

E eles não têm um paladar exigente. Os quolls comem insetos ou carniça e caçam ratos, coelhos, pássaros e lagartos -  inclusive animais maiores do que eles.

Os quolls são conhecidos por roubar comida do diabo-da-Tasmânia, afirma Wade Anthony, fundador do santuário de animais Devil’s Cradle na Tasmânia, local onde foram criados os quolls recentemente soltos na natureza.

"Eu vi um quoll conduzir uma dança com um dos diabos em volta de uma carcaça - o diabo tentou afugentá-lo - somente para fazê-lo voltar com comida para roubar algumas mordidas por vez" ele diz.

E por que não?  É divertido brincar com seus primos e os quolls são parentes dos diabos-da-Tasmânia. Ambos são marsupiais carnívoros da família Dasyuridae.

Os quolls também são parentes distantes dos extintos Thylacinus ou lobos-da-Tasmânia, diz Nicolas Dexter, diretor de projetos sênior do Booderee National Park em Nova Gales do Sul, local onde os quolls foram recentemente reintroduzidos.

Os quolls-setentrionais também estão ameaçados, tendo sido vítimas de suas presas. A população de quolls caiu para 95% após 1935, quando sapos-boi venenosos foram levados à Austrália.  Alguns quolls, no entanto, não gostam de comer sapos e um estudo recente descobriu que essa é possivelmente uma característica hereditária. Sapos com dois progenitores apresentando um comportamento "inteligente" tinham menos propensão para tentar atacar os sapos de forma letal do que outros quolls. Mesmo os híbridos, com apenas um progenitor com tal inteligência, apresentaram o mesmo comportamento.

Três dos 20 quolls introduzidos na Austrália procriaram indicando um sinal de esperança para a espécie.

Os pesquisadores também soltaram uma mistura de quolls-setentrionais de raça pura e híbridos nativos na Indian Island, que está repleta de sapos, e depois de um ano, alguns dos filhotes ainda se desenvolveram entre os sapos, apesar do declínio populacional, sugerindo que o gene pode ter sido transmitido.

Quolls na natureza

Com todas as suas habilidades, como os quolls-orientais foram extintos do continente da Austrália? As raposas foram mais espertas.

Trazidas pelos britânicos no início do século 19, as raposas "se espalharam por todo o sudeste do continente, exceto na Tasmânia", diz Dexter. Vários mamíferos foram extintos da natureza, incluindo espécies de boodies, wallabies nailtail orientais e quolls-orientais.

A Tasmânia "funcionou como a Arca de Noé para algumas dessas espécies, tais como os quolls-orientais", ele diz.

Também não foi fácil para os 20 quolls-orientais trazidos ao Booderee em março.  Somente quatro deles sobreviveram, sendo que seis deles foram mortos por predadores, incluindo raposas e quatro deles foram atropelados por carros.

Algumas mortes eram esperadas, diz Anthony, mas teremos de fazer mudanças no programa existente.  O santuário Devil’s Cradle já expandiu o espaço na natureza para seus quolls antes de serem soltos.

Espera-se que as futuras gerações de quolls nascidas em Booderee sejam mais destemidas dos perigos como humanos, tráfego e cachorros domésticos, diz Dexter.

E a próxima geração já está aqui. Este mês, três das fêmeas quolls reintroduzidas procriaram, cinco filhotes cada.

Os quolls-orientais podem ter até 20 filhotes por vez, cada um "do tamanho de um grão de arroz", diz Anthony.  As mamães quolls têm somente seis mamas, portanto, a vida já se inicia competitiva, inclusive durante as oito semanas em que os filhotes estão na bolsa das fêmeas.

Todos se apaixonam instantaneamente pelos quolls?

"Sim", diz Dexter, "principalmente quando eles se equilibram sobre as patas traseiras e olham para você como suricatos vestindo pijamas pintados".

É difícil não se apaixonar.