Animais

Metade macho, metade fêmea: raro cardeal-do-norte encontrado nos EUA

Os ginandromorfos são raros, mas nem sempre incomuns: fenômeno provavelmente ocorre em todas as espécies de aves.quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Por Maureen Seaberg
Esse cardeal-do-norte ginandromorfo foi visto se alimentando no quintal de Shirley e Jeffrey Caldwell, dois amantes de pássaros. Shirley fotografou um raro pássaro através da janela de sua cozinha, que havia pousado em uma árvore no fundo do seu quintal.

JEFFREY E SHIRLEY Caldwell atraem pássaros há 25 anos com alimentadores cuidadosamente espalhados pelo quintal. Mas esses antigos moradores de Erie, no estado da Pensilvânia, estados Unidos, nunca tinham visto uma criatura tão maravilhosa quanto esse cardeal-do-norte meio vermelho, meio cinza-claro — a cor muda exatamente na metade do corpo da ave —, observado pela primeira vez há algumas semanas em uma sequoia a 9 metros da casa deles, no romper do dia.

Na verdade, eles ficaram na dúvida até chegarem mais perto. "Nunca pensamos que veríamos algo assim em todos esses anos que alimentamos pássaros", diz Shirley Caldwell.

A anomalia é conhecida como ginandromorfia bilateral. Traduzindo: metade do corpo representa um macho e a outra metade uma fêmea. "Esse incrível pássaro é uma verdadeira quimera macho/fêmea", escreveu Daniel Hooper por e-mail, estudante de pós-doutorado no Laboratório de Ornitologia da Universidade de Cornell.

Ginandromorfos, conhecidos como "meio a meio" entre os ornitologistas, são raros, mas nem sempre incomuns. O fenômeno provavelmente ocorre em todas as espécies de aves, afirma Hooper, mas é mais provável que o notemos em espécies nas quais os machos e as fêmeas assumem aparência distinta na fase adulta, uma característica conhecida como dimorfismo sexual. "Os cardeais-do-norte são conhecidos como um dos pássaros que mais apresentam dimorfismo sexual na América do Norte. A plumagem vermelho-sangue dos machos é icônica, então as pessoas percebem quando eles têm uma aparência diferente", afirma Hooper.

Como isso ocorre?

Hooper explica que a determinação do sexo nas aves é um pouco diferente em comparação com os mamíferos. Nos mamíferos, afirma ele, os machos têm uma cópia de cada cromossomo sexual (X e Y), ao passo que as fêmeas têm duas cópias do cromossomo X.

Nas aves, é o contrário. Os cromossomos sexuais são chamados de Z e W, e são as fêmeas que possuem uma única cópia de cada (ZW), ao passo que os machos têm duas do mesmo (ZZ). Os núcleos das células sexuais, incluindo os espermatozoides e os óvulos, normalmente contêm apenas uma cópia de um dos dois cromossomos—os machos produzem apenas espermatozoides com o cromossomo Z e as fêmeas produzem óvulos com o cromossomo Z ou o W.

A ginandromorfia, como a observada nesse cardeal-do-norte, ocorre quando o óvulo da fêmea se desenvolve com dois núcleos—um com um cromossomo Z e outro com um W—e é "fertilizado duas vezes" por dois espermatozoides com um cromossomo Z.

A ave quimérica se desenvolve tendo metade de seu corpo como macho ZZ e a outra metade como fêmea ZW. Se fôssemos analisar uma célula do lado macho vermelho-vivo, ela teria células com cromossomos ZZ. Se analisarmos uma célula do lado esquerdo, ela teria células com cromossomos ZW. Esse fenômeno acontece nas aves, em muitos insetos e nos crustáceos. (Não deixe de saber mais sobre essa borboleta que é metade macho, metade fêmea com cores divididas ao meio e essa lagosta metade laranja, metade marrom).

Em parte, o que faz Hooper se interessar tanto por esse cardeal-do-norte em especial é que ele é capaz de se reproduzir. "A maior parte dos ginandromorfos é infértil, mas esse pode realmente ser fértil, pois o lado esquerdo é fêmea, e apenas o óvulo esquerdo é funcional nas aves".

Logo descobriremos. Shirley Caldwell diz que o cardeal-do-norte está sempre na companhia de um macho. "Ficamos contentes em ver que ele não é sozinho", conta ela. Pesquisadores da região oeste de Illinois observaram outro cardeal ginandromorfo há diversos anos e disseram nunca o terem visto na companhia de outro cardeal (e ele também nunca cantava—tampouco o cardeal-do-norte dos Caldwell).

Enquanto isso, os Caldwell conseguem observar esse raro visitante da janela da cozinha deles. Eles dizem que o passarinho gosta de se alimentar de porções generosas de semente de girassol e sebo em um alimentador não muito distante de um galho de lilás onde normalmente descansa.

"Quem sabe, talvez tenhamos sorte de ver uma família no verão!" Afirma Shirley Caldwell.

Continuar a Ler