Animais

Canibalismo é mais comum entre focas-cinzentas do que se pensava

“Se houvesse polícia entre as focas, esse indivíduo canibal estaria atrás das grades", diz um pesquisador.quinta-feira, 2 de maio de 2019

Por Bethany Augliere
Uma foca-cinzenta (Halichoerus grypus) foi recentemente avistada atacando e comendo um membro mais jovem da própria espécie, como esse filhote, em Helgoland, Alemanha.

Na maior parte do tempo, as focas-cinzentas contentam-se em comer peixe. Mas uma nova pesquisa indica que, eventualmente, elas podem comer outros mamíferos — inclusive membros da própria espécie.

Um novo estudo publicado no periódico Journal of Sea Research dá detalhes do macabro caso de uma foca macho adulta que capturou, matou e começou a comer uma foca mais jovem, na área litorânea da ilha alemã de Helgoland.

A nova observação é apenas o terceiro artigo publicado que relata o canibalismo entre as focas-cinzentas. Contudo, é a primeira vez que os cientistas testemunharam o ato inteiro de perto, realizando uma necropsia após o fato, descrevendo os ferimentos causados.

O caso

No final de março de 2018, Abbo van Neer, da Universidade de Medicina Veterinária de Hannover, Alemanha, testemunhou o ataque canibal no litoral de Helgoland.

Van Neer e alguns colegas assistiram ao macho de cinco anos de idade, distinguido mais tarde por meio da etiqueta de identificação presa à nadadeira, agarrar-se numa foca jovem. O macho, em seguida, mordeu a garganta da vítima e empurrou o corpo dela para baixo d'água.

Embora tenha conseguido escapar do domínio do macho uma vez, a foca jovem não durou muito. Apenas 10 minutos depois, a água ficou vermelha e a jovem foca parou de se mexer. Logo depois, por cerca de 90 minutos, o macho começou a se alimentar, dilacerando a pele para chegar à gordura do animal, rica em energia.

Uma vez satisfeita a foca, van Neer coletou rapidamente a carcaça para documentar os ferimentos e danos, antes que os animais carniceiros chegassem. “Essa é a primeira vez em que temos a história completa", diz.

Isso permitiu que van Neer estabelecesse um padrão característico deixado pelas focas em seus ataques de canibalismo. Analisando um banco de dados de mortes de focas que reúne dados desde os anos 1990, ele acredita haver outros casos de canibalismo entre as focas.

Assista a focas-leopardo brincarem e caçarem na Antártica
Assista a focas-leopardo brincarem e caçarem na Antártica
Os hábitos da espécie estão mudando à medida que o gelo chega mais tarde e desaparece mais cedo.

Essas fatalidades eram antes atribuídas a ataques de tubarão ou colisões com hélices.

O espalhamento geográfico das carcaças surgidas nas praias sugere a existência de um pequeno número de focas canibais. “Nossa hipótese é de que provavelmente há alguns indivíduos especializados", diz. “Não se trata da maioria da população de focas-cinzentas”.

Mas qual é o motivo?

O canibalismo acontece na natureza por várias razões. “É algo empolgante de um jeito meio mórbido, porque, quando se começa a notar esses tipos de comportamentos, pode-se chegar a novas questões científicas", diz Amy Bishop, bióloga do Alaska SeaLife Center em Seward, que não participou no estudo.

Em 2014, Bishop testemunhou uma foca-cinzenta macho atacar e comer seis filhotes. As focas machos jejuam quando estão nas praias para acasalarem com as fêmeas, logo, talvez esse seja um jeito de poderem ficar na colônia por mais tempo e ter mais oportunidades de acasalamento, diz ela.

Van Neer ainda não pode provar por que as focas-cinzentas estão comendo outras focas em Helgoland, embora suspeite que tenha a ver com energia. Por exemplo, as focas-cinzentas precisariam comer cerca de 28 gramas de gordura de foca para ingerir a mesma quantidade de calorias que 100 gramas de arenque, diz. “Do ponto de vista energético, faz bastante sentido”.

Mas nem todos concordam.

“Custo a acreditar que ele tenha feito isso por estar com fome”, diz Andrew Trites, biólogo de mamíferos marinhos da Universidade de Colúmbia Britânica, que não participou do estudo. Caso se tratasse de ataque predatório, diz Trites, o animal teria comido mais da carcaça e até mesmo defendido a carcaça de outros predadores e carniceiros.

Para ele, esse macho aparenta ser o Hannibal Lecter das focas. Assim como os humanos apresentam uma gama de personalidades e distúrbios, o mesmo ocorre em outras espécies. “Se houvesse polícia entre as focas, esse indivíduo canibal estaria atrás das grades".

O estudo é mais um de um número crescente de relatos de focas se alimentando de outros mamíferos. Diversos estudos indicam que as focas-cinzentas às vezes atacam e comem toninhas-comuns e focas-comuns.

Um dos ataques, o assassinato de uma toninha por uma foca-cinzenta, ocorreu também na área de Helgoland, em 2013.

“Os mamíferos marinhos não são tão diferentes das pessoas no sentido de que também são mamíferos, têm cérebro e nem todos se comportam do jeito esperado o tempo todo", diz Trites.

Continuar a Ler