Como cientistas encontraram Nemo, a mais nova aranha dançarina da Austrália

O aracnídeo, que leva o nome do peixe-palhaço do desenho animado, é a grande novidade de uma onda de descobertas de aranhas-pavão.

Publicado 25 de abr. de 2021 17:00 BRT
maratus-nemo

Aranha-pavão Nemo sobre uma folha, na Austrália. Ela recebeu o nome do peixe-palhaço do desenho animado, que também é laranja e branco.

Foto de Joseph Schubert

Em um pântano próximo ao Monte Gambier, na Austrália Meridional, Sheryl Holliday se agachou na parte rasa do lago com a lente da câmera apontada para orquídeas roxas que estavam florescendo, a poucos metros de distância. No momento em que Holliday se preparava para tirar a foto, viu, em uma fração de segundos, algo minúsculo saltando para fora do enquadramento.

Ela ainda não sabia, mas naquele dia claro de novembro, tinha acabado de descobrir uma nova espécie de aranha-pavão, um grupo de aranhas-saltadoras australianas conhecidas por suas cores vibrantes e suas elaboradas danças de acasalamento.

“Eu pesquiso as aranhas-pavão há três ou quatro anos, mas essa parecia diferente” afirmou Holliday, oficial do setor ecológico da Nature Glenelg Trust e cientista cidadã. O abdômen do animal era acinzentado e ele tinha padrões faciais peculiares em laranja e branco.

Curiosa, Sheryl compartilhou suas fotos com uma página de apreciadores da aranha-pavão no Facebook, que chamou a atenção do administrador da página e aracnólogo, Joseph Schubert, que nunca tinha visto uma aranha como aquela antes.

Sheryl e Joseph se conectaram através do Facebook e a cientista cidadã coletou e enviou espécimes vivos da aranha para Melbourne, para que o aracnólogo e seus colegas identificassem formalmente o aracnídeo como Maratus nemo, por causa do Nemo, o conhecido peixe-palhaço da Disney. (The Walt Disney Company é proprietária majoritária da National Geographic Partners.)

A aranha-pavão Nemo descrita recentemente na revista científica Evolutionary Systematics, é a mais nova entre diversas outras descobertas de aranhas-pavão, que em 2011 eram apenas 15 e hoje já são 92 espécies conhecidas.

Schubert, biólogo da organização Museums Victoria, acredita que o aumento significativo de descobertas esteja acontecendo devido à facilidade de se tirar fotografias nos dias de hoje, pois qualquer pessoa pode tirar uma foto instantaneamente em seu smartphone e enviar suas descobertas para as redes sociais.

Claro, ser popular também ajuda. A encantadora dança de acasalamento desses aracnídeos, que têm o tamanho de grãos de arroz, viralizou por meio de memes, fazendo com que a aranha-pavão se tornasse uma sensação da internet.

Remexe e sacode

Isso não significa que sejam fáceis de encontrar. Na maior parte do ano, as aranhas-pavão são marrons; somente os machos ganham suas cores marcantes após realizarem a muda na primavera. Tudo isso somado ao seu tamanho microscópico torna desafiador estudar esses aracnídeos não peçonhentos.

É por isso que, ao identificar uma nova espécie, Schubert se concentra nas colorações do macho, bem como em sua dança de acasalamento, que é única para cada espécie e ocorre com o macho flexionando o corpo e girando para exibir sua aptidão. Quando Schubert estimulou uma Nemo macho a dançar para uma fêmea no laboratório, ele ficou surpreso com o que observou.

O aracnídeo, como lembra Schubert, “não levantou seu abdômen completamente, como fariam as outras espécies, e também não apresentou as bordas do opistossoma (que dão à aranha sua famosa aparência colorida) abaixo do abdômen, apenas ficou com o traseiro na cor marrom”, explica Schubert.

Em vez disso, o macho impressionou a fêmea levantando seu terceiro par de pernas e vibrando seu abdômen no chão, o que produziu um som audível. O aracnólogo afirma que ainda “não se sabe se essa dança é uma marca registrada da aranha-pavão Nemo”.

Schubert observou que o lar das aranhas-pavão Nemo também é “bem peculiar”, já que a maioria das outras aranhas-pavão conhecidas prefere morar em arbustos secos.

Mas as aranhas-pavão sempre o surpreendem. Em 2020, os cientistas encontraram uma espécie, Maratus volpei, vivendo em um lago salgado. “Aprendemos que devemos estar mais abertos a novos tipos de habitat onde podem estar as aranhas-pavão”, diz Schubert.

“Embora as aranhas-pavão desempenhem uma função muito importante como predador no controle de populações de insetos, ainda se sabe muito pouco sobre seu papel no ecossistema e no status de conservação”, acrescenta Schubert.

Uma teia emaranhada 

“As aranhas-pavão são excelentes porque desafiam o senso comum de que as aranhas são grandes, peludas e perigosas”, diz Michael Rix, curador principal de aracnologia e pesquisador do Queensland Museum da Austrália, que não esteve envolvido no estudo de Schubert.

“Este é um excelente exemplo de como a fauna de aranhas australianas é interessante, diversa e ainda pouco estudada”, diz Rix.

Apenas cerca de 30% dos invertebrados da Austrália foram catalogados e pode haver até 15 mil espécies de aranhas a serem identificadas.

Descobrir novas espécies de aranhas também pode beneficiar a humanidade, tanto no controle de pragas agrícolas como no desenvolvimento de novos tratamentos médicos, afirma Rix. Proteínas tiradas do veneno da aranha-teia-de-funil já estão sendo utilizadas para desenvolver medicamentos analgésicos, bem como tratamentos para epilepsia, derrame e, possivelmente, para alguns tipos de câncer.

“Ao mesmo tempo, populações de aracnídeos e insetos estão reduzindo em todo o mundo. Na Austrália, a perda de habitat, incêndios florestais e pesticidas podem exterminar espécies inteiras de aranhas antes de termos a chance de descobri-las”, adverte Rix.

E então conclui que “não podemos conservar nossa biodiversidade para as gerações futuras se nem mesmo soubermos que ela existe”.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Animais
Primeiro milípede de verdade descoberto: espécie possui 1.306 pernas
Animais
As 12 descobertas mais intrigantes do reino animal em 2021
Animais
Espécie de lula surpreende cientistas após evidência de 'cuidado paterno'
Animais
Aranhas podem comer cobras? Sim – e em todo o planeta
Animais
Descobertas duas novas espécies de esquilo-voador do tamanho de gatos no Himalaia

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados