Por que os animais adoram tomar sol? Dica: não é apenas para se aquecerem

Os répteis são bem conhecidos por esse comportamento, mas papa-léguas, lêmures e outros animais também absorvem raios para economizar energia e proteger contra doenças.

Por Jani Hall
Publicado 22 de ago. de 2022 17:42 BRT
Um dragão-barbudo-central se aquece em um tronco nas colinas de Adelaide

Um dragão-barbudo-central se aquece em um tronco nas colinas de Adelaide, no sul da Austrália. Os dragões-barbudos são famosos amantes do sol. Quando ficam muito quentes, abrem a boca para ajudar a esfriar.

Foto de Brooke Whatnall Nat Geo Image Collection

Todo verão, as praias de todo o mundo se enchem de banhistas esparramados, mas os humanos não são os únicos que fazem questão de aproveitar o sol. Em todo o reino animal, criaturas grandes e pequenas atendem às necessidades biológicas aquecendo-se nos raios da estrela mais próxima da Terra.

Isso inclui amantes do sol como lagartos e outros répteis, bem como inúmeras espécies menos conhecidas por seus hábitos de banho de sol: de sapos a borboletas monarcas e hipopótamos. Até os pássaros gostam de uma boa sessão de sol: aves de pelo menos 50 famílias periodicamente empoleiram-se ou voam para o chão, estendem as asas e se bronzeiam como turistas na praia.

Os cientistas continuam a desvendar pistas sobre por que os animais ficam ativamente expostos ao sol, uma prática demorada que pode deixar alguns vulneráveis ​​à predação. Aqui está o que se sabe sobre esse comportamento intrigante.

Para manter a temperatura

Muitas criaturas se aquecem ao sol para controlar a temperatura do corpo, um processo conhecido como termorregulação. Esse é o motivo de muitos ectotérmicos de sangue frio, como répteis e anfíbios, muitos insetos e pelo menos dois peixes – carpa e o peixe-lua, que passa quase metade do tempo perto da superfície da água – tomarem banho de sol.

Um lêmure de cauda anelada toma sol na Reserva Berenty, Madagascar. Embora esses mamíferos possam gerar seu próprio calor corporal, eles buscam o calor do sol para que seu metabolismo não tenha que fazer todo o trabalho.

Foto de Frans Lanting Nat Geo Image Collection

Ao contrário dos mamíferos e aves endotérmicas, as criaturas ectotérmicas não conseguem manter uma temperatura corporal estável através do calor criado pelo seu metabolismo. Portanto, sua temperatura varia com o ambiente.

Quando o ambiente de um ectotérmico esfria, sua temperatura também diminui. Isso retarda as reações químicas do corpo, controlando tudo, desde a função imunológica até o desempenho muscular – o que pode funcionar para um animal adormecido ou em repouso, mas não para um que precisa fazer coisas como caçar presas e fugir de predadores.

Para impulsionar seus corpos, os ectotérmicos procuram calor. Alguns podem rastejar para uma rocha quente ou nadar para águas mais quentes, por exemplo, enquanto outros se aquecem ao sol por períodos de tempo que dependem de suas necessidades, tamanho e quão bem a cor da superfície absorve a luz solar, diz Tracy Langkilde, bióloga evolutiva na Universidade Estadual da Pensilvânia (EUA), que estuda répteis e anfíbios. “À medida que a temperatura aumenta, a taxa de todos esses processos geralmente acelera”, explica. “É fundamental para a sobrevivência deles.”

Como poupar energia

O mesmo pode ser dito para alguns banhistas endotérmicos. Embora esses animais possam gerar calor internamente, graças ao seu metabolismo acelerado, alguns tomam banho de sol para que seu metabolismo não tenha que fazer todo o trabalho.

Isso é o que os cientistas concluíram que desencadeia os hábitos de busca do sol  de lêmures de cauda anelada e papa-léguas, por exemplo, bem como o íbex alpino, um tipo de cabra selvagem que captura raios para economizar energia nas manhãs frias de montanha no inverno, quando há pouca grama para alimentar seus corpos.

Borboletas-monarcas abrem suas asas para pegar alguns raios de sol em Michoacan, México. O aquecimento é fundamental para a migração da borboleta, pois a luz do sol aquece seu corpo para que ela possa voar.

Foto de Frans Lanting Nat Geo Image Collection

O dunnart-de-cauda-grossa, um pequeno marsupial encontrado nos desertos australianos, também utiliza a mesma estratégia. Ele é um dos poucos mamíferos conhecidos por se banhar no brilho quente do sol quando se despertam do torpor, um estado temporário em que seu metabolismo e temperatura caem para conservar energia quando a comida acaba. Em um estudo, os pesquisadores descobriram que os dunnart-de-cauda-grossa que entram em torpor e depois mergulham na luz do sol podem sobreviver com cerca de um quarto da comida e água diárias que normalmente precisam.

Destruidor de vírus e reforço de vitaminas

Embora os animais geralmente tomem sol para o funcionamento básico do dia-a-dia, pesquisas sugerem que eles também procuram a luz solar para tratar problemas de saúde específicos.

Por exemplo, há evidências crescentes de que os pássaros tomam banho de sol para fritar parasitas escondidos entre suas penas. Essa teoria ganhou força pela primeira vez em 1993, quando pesquisadores observaram um grupo de andorinhas verde-violeta que passavam mais tempo tomando sol do que outras andorinhas que haviam sido tratadas por infestações de ácaros e piolhos. Estudos mais recentes mostraram que os piolhos nas penas podem morrer quando expostos a raios curtos de luz solar, reforçando ainda mais o palpite de controle de pragas.

Da mesma forma, os ectotérmicos podem buscar a luz do sol para destruir invasores, como vírus e bactérias. Embora isso seja difícil de testar em campo – “assim que você vai até um animal, eles fogem”, diz Langkilde – estudos de laboratório com sapos verdes infectados por patógenos, moscas domésticas e outras criaturas sugerem que eles aquecem voluntariamente além de seu nível preferido, induzindo a chamada “febre comportamental”. Essa adaptação notável mostrou curar alguns sujeitos do estudo, presumivelmente da mesma forma que uma febre natural dá o pontapé inicial no sistema imunológico.

Os leões-marinhos da Califórnia cochilam ao sol na Ilha Ano Nuevo, na Baía de Monterey. Eles dependem do sol para se aquecerem – e depois se resfriam mergulhando uma nadadeira na água e levantando-a no ar.

Foto de Frans Lanting Nat Geo Image Collection

Uma espécie – o inseto boxelder – parece se esticar ao sol para evitar completamente uma infecção. Quando este inseto alado toma banho de sol, ele aciona um composto químico que envolve esporos de fungos em seu corpo, fornecendo proteção contra germes.

Enquanto isso, os camaleões-pantera procuram a luz do sol para algo que pode adicionar ao seu corpo: vitamina D. Quando esses animais não absorvem o suficiente da vitamina de suas dietas, pesquisas mostram que eles compensam expondo suas escamas vibrantes aos raios UV do sol, permitindo a produção de vitamina. Os cientistas não entendem completamente como os camaleões sabem fazer isso – ou se outros animais fazem o mesmo – mas suspeitam que um receptor de vitamina D no cérebro do animal indica a deficiência.

Dúvidas sobre os animais que tomam sol

Apesar do progresso que os cientistas fizeram para entender os animais que tomam sol, ainda há muito o que desvendar.

Os motivos das tartarugas de água doce têm sido de particular interesse, uma vez que as noturnas assumem posições semelhantes quando se aquecem à noite. Um estudo descobriu que algumas delas não aumentam a temperatura corporal enquanto tomam sol, descartando a termorregulação como justificativa. Em 2021, outro artigo vetou a remoção de sanguessugas como uma possibilidade provável para seu comportamento, deixando a pergunta sem resposta.

Também é desconhecido como o banho de sol ajuda os pássaros a matar pragas e o escopo completo de benefícios que o sol oferece aos animais.

“O banho de sol não foi bem estudado [em mamíferos], particularmente em grandes mamíferos”, escreve Thomas Ruf, professor de fisiologia animal da Universidade de Medicina Veterinária em Viena, Áustria, em um e-mail. Ele suspeita que tenha a ver com o desafio de ter que analisá-los em campo, algo que ele e seus colegas fizeram para estudar o ibex alpino.

No entanto, os pesquisadores observam que entender essa prática – em mamíferos, bem como em amantes do sol em geral – pode ajudar de várias formas, desde melhorar o cuidado de criaturas em cativeiro até auxiliar os esforços de conservação de animais selvagens. Estudos futuros, portanto, terão implicações importantes além de apenas desvendar um comportamento peculiar.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Animais
Esses animais se sacrificam a favor da espécie
Animais
Como os predadores superam as defesas mais complicadas
Animais
Animais com sede se hidratam por meio de estratégias inteligentes
Animais
Muitos animais simulam a própria morte — e não apenas para evitar serem devorados
Animais
Dia Mundial dos Elefantes: 6 fatos sobre os maiores mamíferos terrestres

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados