Saiba o que esta onça-parda fez para chegar a uma ilha desabitada

Conhecidos na América do Norte como leões da montanha, esses felinos podem nadar longas distâncias, o que pode ter grandes implicações para a conservação do animal.

Por Douglas Main
Publicado 2 de mar. de 2023, 10:15 BRT
Uma onça-parda salta sobre um riacho da floresta. Estes animais evitam água às vezes, mas também ...

Uma onça-parda salta sobre um riacho da floresta. Estes animais evitam água às vezes, mas também podem nadar longas distâncias em certas circunstâncias.

Foto de JIM AND JAMIE DUTCHER NatGeo Image Collection

As onças-pardas (também conhecidas como pumas e leões da montanha) não são consideradas animais que nadam bem ou que são capazes de nadar longas distâncias. Mas, pelo menos para um felino aventureiro, isso está longe de ser verdade.

Um novo estudo registrou um jovem macho puma nadando pouco mais de um quilômetro, do continente do estado de Washington para uma ilha desabitada em Puget Sound, ambos nos Estados Unidos. O felino com uma coleira GPS conhecido como M161, ou Nolan, tomou um caminho sinuoso através dos arredores de Olympia, e ao longo da costa, antes de chegar ao mar.

Isso fez com que os pesquisadores se perguntassem quantas ilhas poderiam ser habitáveis pelas onças-pardas. Se os animais podem nadar regularmente até aqui, então eles podem provavelmente habitar mais da metade das 6513 ilhas da área, acreditam os cientistas.

Eles também pesquisaram os registros históricos e encontraram evidências de leões da montanha habitando mais quatro ilhas fora da cordilheira de onde nadou esta jovem onça-parda, todas a mais de um quilômetro da costa ou da ilha mais próxima. Isto sugere que, às vezes, os animais podem nadar ainda mais longe, talvez mais de 1,5 quilômetro. Os jovens machos leões da montanha frequentemente fazem viagens difíceis e longas em busca de novos territórios, como foi o caso de Nolan.

"Estamos redefinindo o leão da montanha em nossas mentes como um animal que sabe nadar e que está disposto a nadar", diz o co-autor do estudo Mark Elbroch, que lidera o programa de puma para Panthera, uma organização global de conservação de felinos selvagens. O artigo foi publicado na revista Northwestern Naturalist.

As descobertas foram feitas como parte do Projeto Olympic Cougar, uma ampla coalizão de pesquisadores, tribos nativas norte-americanas, fundos terrestres e outros comprometidos com a conservação e pesquisa dos leões da montanha, bem como com a identificação e proteção dos corredores de vida selvagem.

Vídeo raro: leão da montanha ataca cervo
Leões da montanha são solitários e evitam humanos, e sua atividade predatória é raramente vista em vídeo.

A Interstate 5 (I-5), uma rua movimentada que vai do sul de Seattle a Portland, Oregon, ambos nos EUA, está cortando o acesso dos pumas do estado e de muitas outras espécies à Península Olímpica, uma grande extensão de habitat florestal que está cercada por água em três lados.

"A I-5 está nos matando", diz Elbroch. "Está matando a península. Precisamos tratar disso imediatamente". Há dois pontos onde as passagens de vida selvagem poderiam ser construídas, mas o tempo está se esgotando para proteger estes corredores à medida que o desenvolvimento e a expansão continuam, alerta o pesquisador.

Nolan, que os cientistas acompanharam sua mãe em janeiro de 2020, partiu sozinho em abril do mesmo ano. Ele percorreu um pequeno trajeto, encontrando seu caminho em várias cidades ao norte de Olympia. Os pesquisadores temiam que ele pudesse se meter em problemas, pois tais felinos jovens e ainda sem experiência "estão tentando se mover com segurança por uma paisagem sem saber o que poderão encontrar", diz Elbroch.

Então, entre 2h e 6h de 14 de julho, ele deu um mergulho na Ilha Squaxin, uma parcela de terra desabitada em Puget Sound, de propriedade de uma tribo indígena local. Infelizmente, Nolan foi baleado duas semanas depois durante uma caçada legal.

Um puma nadador (Felis concolor) em British Columbia, Canadá. Os leões da montanha, ou onças-pardas, podem ...

Um puma nadador (Felis concolor) em British Columbia, Canadá. Os leões da montanha, ou onças-pardas, podem ser capazes de nadar um quilômetro ou mais em certas circunstâncias.

Foto de Tim Melling

Por esta razão, os ilhéus no habitat do puma não devem deixar o gado sem vigilância, diz Rich Beausoleil, biólogo do Departamento de Pesca e Vida Selvagem de Washington.

As descobertas foram "não muito surpreendentes para mim, mas ainda assim muito interessantes e importantes. Nem sempre devemos ver a água como uma barreira ao movimento de qualquer grande carnívoro", diz Beausoleil.

Atravessando a água

Os leões da montanha, que têm o maior habitat do que qualquer outro felino selvagem, do Canadá ao Chile, atravessam regularmente rios pequenos e de tamanho moderado.

No Pantanal brasileiro, onde são chamados de onças-pardas, os felinos também nadam regularmente no vasto pantanal durante a estação chuvosa. Em 2010, Elbroch e colegas documentaram um puma nadando repetidamente através de um grande lago na Patagônia chilena para comer ovelhas em uma ilha, nadando até quase um quilômetro.

Quanto à natação, "eles provavelmente não se importam tanto quanto pensamos", diz Dave Onorato, um pesquisador da Florida Fish and Wildlife Conservation Commission, que não estava envolvido neste estudo.

Mesmo assim, durante décadas, as panteras da Flórida – reconhecidas federalmente como uma subespécie de leão da montanha – raramente foram vistas ao norte de Caloosahatchee, uma hidrovia que se estende do Lago Okeechobee até a Costa do Golfo, uma vez considerada uma barreira potencial para a dispersão. Mas em 2016, uma fêmea foi avistada ao norte do rio, sugerindo que ela nadou através da via navegável.

Incrível adaptação na água

Como o número de leões da montanha é muito menor do que antes e os animais evitam as pessoas, comportamentos como a natação permanecem subvalorizados e anedóticos, dizem os especialistas.

A exploradora da National Geographic Audra Huffmeyer, que estuda pumas na área de Los Angeles e mais além, concorda. Embora ela não tenha se surpreendido com o fato de os pumas poderem ir de ilha em ilha no mar, "as distâncias percorridas são bastante incríveis, e a capacidade dos grandes felídeos de se adaptarem a habitats extremos é bastante surpreendente".

A viagem de Nolan e todos os dados produzidos pelo Projeto Puma Olímpico ajudarão os administradores de terras a entender para onde os leões da montanha viajam e ajudarão a identificar corredores que precisam ser protegidos, diz Jim Williams, um biólogo da Heart of the Rockies Initiative, um grupo de conservação.

A Península Olímpica certamente precisa de tal orientação e proteção, já que seus pumas têm a menor diversidade genética do estado, mostram os registros. Os felinos também são uma “espécie guarda-chuva”, e proteger estes animais poderia ajudar outros animais com quem dividem o habitat, acrescenta Williams.

Para Elbroch, a jornada de Nolan representa "o engenhosidade da natureza – encontrar um caminho em torno de um obstáculo intransponível".

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados