A pandemia da Covid-19 acabou?

O presidente Joe Biden disse que a pandemia acabou. Saiba o que os cientistas dizem.

Por Priyanka Runwal
Publicado 23 de set. de 2022 11:19 BRT
GettyImages-1242797314

Em 29 de agosto de 2022, no campo de refugiados palestinos de al-Shati, na Cidade de Gaza, um menino passa pedalando por um mural representando um vírus e uma mensagem pedindo às pessoas que tomem medidas preventivas contra a Covid-19.

Foto de Majdi Fath NurPhoto, Getty Images

Após mais de dois anos e meio de restrições contra a Covid-19, muitas pessoas anseiam por um aceno oficial que marque o fim da pandemia. E assistir às notícias na semana passada poderia ter levado muitos a concluir que finalmente chegamos a esse ponto.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse a repórteres em uma  entrevista coletiva que o fim da pandemia está à vista. Alguns dias depois, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, declarou durante uma entrevista no 60 Minutes: “A pandemia acabou”. Mas ele também reconheceu: “Ainda temos um problema com a Covid. Ainda estamos trabalhando muito nisso.”

Uma pandemia é um surto de doença que abrange vários países que afeta muitas pessoas. A OMS é responsável por declarar quando um surto se transforma em uma pandemia e decidir quando deixa de ser uma emergência de saúde pública de interesse internacional. Em todo o mundo, a Covid-19 ainda está causando quase 1600 mortes por dia, e os números de casos não atingiram um nível baixo, levando a cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan, a concluir: “Ainda é um pouco prematuro dizer que superamos isso.”

Um voluntário desinfeta uma rua em Chengdu, província de Sichuan, China, em 3 de setembro de 2022. A cidade de Chengdu está bloqueada por causa do vírus.

Foto de CFOTO Future Publishing, Getty Images

Nos EUA, o vírus está matando entre 400 e 500 pessoas diariamente. “Ainda são muitos”, alerta a epidemiologista Jennifer Nuzzo, diretora do Pandemic Center, da Brown University. Outros concordam com Nuzzo, acrescentando que declarar o fim da pandemia pode comprometer os esforços contínuos de testes e vacinação, pois a altamente contagiosa Omicron BA.5 continua a circular nos EUA e em muitas partes do mundo, e os casos podem aumentar à medida que mais pessoas se reúnem dentro de casa por causa do clima mais frio no Hemisfério Norte.

Para complicar, dizem alguns epidemiologistas, não há critérios estabelecidos – um nível aceitável de casos e mortes, por exemplo – para determinar se a pandemia acabou. Embora seja verdade que os humanos são mais resistentes ao Sars-CoV-2 – por meio de vacinação e/ou infecção por Covid-19 – diz Eric Topol, fundador e diretor do Scripps Research Translational Institute na Califórnia, “o vírus ainda está à nossa frente”. Para ele, o fim da pandemia não é iminente, e “isso é certo”.

Que fatores nos dizem quando a pandemia termina

Embora o número de mortes diárias seja uma métrica para avaliar se a pandemia está chegando ao fim, outras incluem números de casos, sazonalidade dos surtos, taxas de vacinação, disponibilidade de tratamentos eficazes e a transmissibilidade das novas variantes da Covid-19. Mas tirar tais conclusões será complicado, pondera Swaminathan. “Este é um novo vírus e não tivemos uma pandemia global de coronavírus antes.”

Outro elemento de confusão é a falta de dados de muitos países, diz ela. Descobrir quando a pandemia muda de sua fase aguda para uma endêmica, o que significa que a Covid-19 ainda está por aí, mas não causando grandes surtos, só pode ser determinado retrospectivamente. “Podemos olhar para trás e dizer que foi no verão de 2023, por exemplo, que o mundo saiu dos efeitos da pandemia.”

Uma criança da Kanishail Primany School em Sylhet, Bangladesh, recebe a vacina contra a Covid-19 durante o programa de vacinação, em 28 de agosto de 2022.

Foto de Md Rafayat Haque Khan Eyepix Group, Future Publishing, Getty Images

Para Topol, esse julgamento tem que ser baseado na trajetória da pandemia. “Olho para onde estávamos no verão de 2021 – caímos para 12 000 casos [diários] nos EUA e as mortes eram pouco mais de 200”, lembra. 

“Se nos mantivéssemos lá”, diz Topol, ele se sentiria confortável em declarar o fim da fase de pandemia. “Mas não estamos nem perto disso.” Topol também teme que novas variantes possam causar outra onda de casos e hospitalizações, permitindo que a pandemia se arraste.

Para Lone Simonsen, epidemiologista da Universidade Roskilde, na Dinamarca, a sazonalidade dos surtos, além de menos mortes, pode ajudar a indicar quando a pandemia pode terminar. Se o número de casos aumentar no verão, quando o vírus tem menos oportunidades de se espalhar, “ainda estamos na fase de pandemia”, alerta. Isso aconteceu em 2021, quando os casos foram conduzidos pela variante Delta, e no verão passado com a Omicron. Então, para Simonsen, é esperar para ver.

Mas a Dinamarca e outros países europeus com altos níveis de vacinação descartaram a maioria das restrições pandêmicas meses atrás, já que a Covid-19 não está causando doenças graves ou hospitais sobrecarregados. No entanto, por muito tempo, a Covid continua sendo uma preocupação, diz Simonsen.

(Artigo relacionado: Cientistas brasileiros buscam soluções para o combate ao coronavírus)

Amesh Adalja, especialista em doenças infecciosas do Johns Hopkins Center for Health Security, nos EUA, argumenta que a fase de pandemia global acabou, já que centenas de milhões de pessoas já foram infectadas pelo vírus, existem vacinas e tratamentos que podem prevenir doenças graves, e é improvável que a Covid-19 interrompa completamente o sistema de saúde como antes. “Isso não significa que de repente as coisas voltem a 2019. Não significa que a Covid-19 desapareça e todas as ações param”, destaca. “Isso significa que haverá um número básico de casos, hospitalizações e mortes”.

O que esses níveis aceitáveis ​de hospitalizações e mortes podem ser é uma decisão política, acredita David Heymann, epidemiologista de doenças infecciosas da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres e ex-chefe do grupo de doenças transmissíveis da OMS.

Pandemia: acabou ou não?

Nuzzo e outros temem que declarações sobre o fim da pandemia possam ser um desserviço. Com os EUA lançando um reforço específico da Omicron, “estou realmente preocupado que isso envie um sinal para milhões de americanos que correm o risco de doenças graves de que talvez não precisem de reforço”, destaca Nuzzo. “Isso é muito, muito lamentável.” 

Ela também está preocupada que tais declarações possam levar a uma maior redução no acesso a testes e tratamentos gratuitos para a Covid-19, especialmente para aqueles sem seguro.

Topol teme que isso também possa minar a motivação e o financiamento para acelerar o desenvolvimento de melhores vacinas e tratamentos para a Covid-19, colocando em risco a saúde de milhões de pessoas imunocomprometidas ou em risco de desenvolver a Covid.

Este não é o momento certo para fazer afirmações ousadas sobre o fim da pandemia, diz ele. “Mas é hora de ser ousado em acelerar a um ponto em que poderemos dizer: nós acertamos, conseguimos.”

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Ciência
Covid-19: Quem deve tomar novo reforço contra a variante Ômicron?
Ciência
Covid-19: Qual o papel do mercado úmido de Wuhan, na China, no início da pandemia?
Ciência
Por que as variantes BA.4 e BA.5 da Omicron estão causando novos surtos nos EUA?
Ciência
Perdeu o olfato por covid-19? Veja como retreinar seu cérebro
Ciência
Adoçantes de baixa caloria são saudáveis ou um perigo à saúde?

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados