Os homens estão se tornando inférteis?

Contagem de espermatozóides está caindo em todo o mundo. “Podemos cruzar um ponto de inflexão quando a maioria dos homens será subfértil”, diz um especialista.

Por Stacey Colino
Publicado 21 de nov. de 2022 10:33 BRT
P6240079-Coloured_SEM_of_human_sperm

Micrografia eletrônica de varredura colorida (MEV) de vários espermatozóides humanos maduros. Cada esperma tem cerca de 65 micrômetros de comprimento e é amplamente dividido em regiões de cabeça (vermelho), pescoço e cauda (azul).

Arte de DR TONY BRAIN SCIENCE PHOTO LIBRARY

Cinco anos atrás, um estudo descrevendo um declínio vertiginoso na contagem de esperma provocou preocupações extremas de que a humanidade estava no caminho da extinção. Agora, um novo estudo mostra que a contagem de esperma caiu ainda mais e a taxa de declínio está se acelerando, aumentando o medo de uma iminente crise global de fertilidade.

O estudo inicial, publicado em julho de 2017, revelou que a contagem de espermatozóides – o número deles em uma única ejaculação – despencou mais de 50% entre os homens na América do Norte, Europa, Austrália e Nova Zelândia, entre 1973 e 2011. Desde então, uma equipe liderada pelos mesmos pesquisadores explorou o que aconteceu nos últimos 10 anos.  

Em uma nova meta-análise, publicada recentemente na revista Human Reproduction Update, os pesquisadores analisaram estudos de amostras de sêmen publicados entre 2014 e 2019 e adicionaram isso aos dados anteriores. Os estudos mais recentes têm uma perspectiva mais global e envolveram amostras de sêmen de 14 233 homens, incluindo alguns da América do Sul e Central, África e Ásia. O resultado: não apenas o declínio na contagem total de espermatozóides continuou – atingindo uma queda de 62% – mas o declínio por ano dobrou desde 2000.

O relatório de 2017 também revelou que a concentração de esperma (o número de espermatozóides por mililitro de sêmen) caiu em média 1,6% ao ano, totalizando mais de 52% entre os homens nessas regiões nas quatro décadas anteriores.

Como parte da análise de sêmen, uma visão microscópica em grade permite aos técnicos estimar o número de espermatozóides. Aqui, são vistos de 60 a 70 milhões de espermatozóides por mililitro de ejaculação; uma contagem normal é de cerca de 113 milhões de espermatozóides por ml. Pesquisas mundiais sobre a fertilidade masculina sugerem que a contagem de espermatozóides em homens diminuiu desde os anos 1930 até hoje.

Foto de James King-Holmes SCIENCE PHOTO LIBRARY

“O declínio não está diminuindo – é acentuado e significativo”, diz a coautora do estudo Shanna Swan, epidemiologista reprodutiva e ambiental da Escola de Medicina Icahn em Mount Sinai, na cidade de Nova York (EUA). “No geral, a queda é semelhante em magnitude, mas quando olhamos para os últimos anos, vemos que está acelerando.”

O principal autor do estudo, Hagai Levine, epidemiologista médico da Escola de Saúde Pública Hadassah Braun da Universidade Hebraica de Jerusalém (Israel), considera os resultados “preocupantes, pois esperávamos que em algum momento o declínio se estabilizasse. O oposto pode ser verdade, e podemos cruzar um ponto de inflexão quando a maioria dos homens será subfértil ou quando as causas desse declínio também se manifestarão por outras tendências adversas à saúde”.

Aumento da infertilidade

Ao contrário da percepção comum, a infertilidade afeta igualmente homens e mulheres, pontua Amy ET Sparks, fisiologista reprodutiva e diretora dos Laboratórios de FIV e Andrologia do Centro de Saúde Reprodutiva Avançada da Universidade de Iowa. “Acho que a percepção de que a infertilidade é principalmente um problema da mulher pode ser devido à tendência de as mulheres procurarem inicialmente cuidados médicos para infertilidade, em vez dos homens.” 

Na comunidade científica, a visão predominante é que os problemas de fertilidade masculina e feminina são responsáveis ​​por cerca de um terço dos casos de infertilidade; os casos restantes são devidos a uma combinação de fatores masculinos e femininos.

Mas os novos dados sugerem um “aumento substancial na proporção de homens com baixa contagem de espermatozóides, o que leva a uma capacidade reduzida de fertilizar suas parceiras”, diz David M. Kristensen, toxicologista molecular da Universidade de Roskilde e do Hospital Universitário de Copenhague, na Dinamarca, que não está envolvido no estudo. “Isso é preocupante não apenas para as famílias afetadas, mas também para as sociedades em geral, já que muitos países, como Itália e Japão, já estão sofrendo com o encolhimento da população”.

Além das questões reprodutivas, também existe a preocupação de que a contagem reduzida de esperma esteja associada a uma variedade de problemas de saúde nos homens. “Existe uma associação entre a qualidade do sêmen e a saúde geral. Estudos sugerem que a qualidade prejudicada do sêmen está associada a um risco maior de câncer testicular, doença cardiovascular e mortalidade [prematura]”, observa Michael Eisenberg, diretor de medicina e cirurgia reprodutiva masculina, além de professor de urologia na Escola de Medicina da Universidade de Stanford, que não esteve envolvido em nenhuma das meta-análises.

“Pode-se ver o declínio na contagem de esperma como um biomarcador para a saúde masculina em geral”, alerta Kristensen.

De fato, um estudo publicado em uma edição de 2018 da revista Andrology descobriu um risco maior de hospitalização entre os homens que tinham concentrações de esperma mais baixas. Aqueles com concentrações de esperma abaixo de 15 milhões/mL – considerado baixo – tiveram um risco 53% maior de serem hospitalizados por qualquer motivo ao longo de 36 anos do que aqueles com concentrações de esperma mais robustas, entre 51 e 100 milhões/mL. Esse efeito persistiu mesmo depois que os pesquisadores controlaram o peso corporal, tabagismo e outros fatores.

Fatores complicadores 

É importante notar que o declínio na contagem de esperma não está acontecendo no vácuo. A baixa contagem de espermatozóides geralmente anda de mãos dadas com baixos níveis de testosterona e alterações no desenvolvimento genital masculino no útero, diz Swan, autor do livro Count Down: How Our Modern World Is Threatening Sperm Counts, Altering Male and Female Reproductive Development, and Imperiling the Future of the Human Race (Contagem regressiva: como nosso mundo moderno está ameaçando a contagem de esperma, alterando o desenvolvimento reprodutivo masculino e feminino e colocando em risco o futuro da raça humana – em português).

Em um homem, a produção de esperma requer um certo nível de testosterona, bem como a capacidade dos testículos de regular a temperatura do tecido no qual o esperma é produzido, explica Sparks. “Foi relatado que os níveis de testosterona estão diminuindo durante o mesmo período de tempo em que as taxas de produção de esperma foram medidas nesta meta-análise”.

Também é importante reconhecer que não é apenas uma questão de exposição de um homem durante sua vida que pode afetar a qualidade do esperma. O que uma futura mãe está exposta durante a gravidez pode afetar as concentrações de esperma de sua prole masculina. 

Durante o início da gravidez – o que é chamado de "janela de programação reprodutiva" – certos produtos químicos ambientais podem afetar as mulheres de maneiras que podem alterar permanentemente o desenvolvimento reprodutivo de seus bebês do sexo masculino, explica Swan. “Qualquer interrupção no desenvolvimento reprodutivo que ocorra no útero é permanente”, alerta.

Por outro lado, o dano causado ao esperma de um homem durante sua vida – como fumar ou ser exposto a pesticidas – pode ser revertido se a exposição ao produto químico prejudicial parar. Demora cerca de 75 dias para o esperma amadurecer, diz Swan, o que significa que os homens têm oportunidades regulares para refazer a qualidade do esperma a cada dois meses e meio.

O que está impulsionando o declínio da fertilidade? 

 Nem as meta-análises de 2017 nem as de 2022 examinaram o que está causando a queda na contagem de espermatozóides, mas outras pesquisas sugerem que fatores ambientais e de estilo de vida podem ser os culpados. Estes incluem a exposição a produtos químicos desreguladores endócrinos (que imitam ou interferem com os hormônios do corpo), tabagismo e obesidade. 

Por exemplo, um estudo em uma edição de 2022 da revista Toxicology  descobriu que a exposição ocupacional a pesticidas estava associada a espermatozóides encontrados em concentrações mais baixas, espermatozoides que nadavam mal e espermatozoides com mais danos ao DNA. E um estudo em uma edição de 2019 da revista Human Reproduction  descobriu que homens com excesso de peso tendem a ter concentração de esperma reduzida, menor contagem total de esperma e menos esperma móvel.

O fato de que o declínio da contagem de esperma também está ocorrendo em países da América do Sul e Central, África e Ásia, de acordo com a nova meta-análise, sugere que os fatores de estilo de vida e exposições ambientais que provavelmente são os culpados estão presentes globalmente, diz Swan.

Quanto ao que está acelerando o declínio da contagem de esperma encontrado na nova meta-análise, ninguém sabe ao certo. Levine sugere que pode ser devido a “efeitos de mistura” com produtos químicos – o que significa que, quando vários produtos químicos individuais são adicionados ao meio ambiente, eles podem ter um impacto maior e mais prejudicial, ampliando os efeitos negativos uns dos outros. Ou, diz ele, o declínio pode resultar de “exposição cumulativa ao longo do tempo”.

Dado que a última meta-análise incluiu dados de 50 anos, Swan suspeita que a aceleração decorre do impacto cumulativo de produtos químicos ambientais ao longo de gerações. Lembre-se: enquanto está no útero, um feto masculino é exposto aos mesmos produtos químicos e fatores de estilo de vida – como má alimentação, tabagismo e obesidade – aos quais sua mãe está exposta durante a gravidez.

 Mas a transmissão dessas exposições não para por aí – os efeitos epigenéticos dessas exposições podem ser transmitidos de uma geração para outra, não apenas da mãe, mas possivelmente também do pai. Pode ser devido a fatores no esperma do pai que interrompem o desenvolvimento reprodutivo de fetos masculinos no útero, observa Levine.

À medida que mais gerações são expostas a esses produtos químicos ambientais e fatores de estilo de vida nocivos ao longo do tempo, os efeitos podem se tornar aditivos.

A importância de hábitos saudáveis 

Mais pesquisas precisam ser feitas para determinar a diminuição na contagem de esperma. Nesse ínterim, homens e mulheres podem tentar proteger sua saúde reprodutiva – consumindo uma dieta saudável, exercitando-se regularmente, mantendo um peso corporal saudável e evitando fumar - todos os comportamentos que Eisenberg aconselha seus pacientes do sexo masculino a adotar.

Swan também recomenda reduzir a exposição a produtos químicos desreguladores endócrinos, sendo um consumidor experiente. Esses produtos químicos incluem: ftalatos (em plásticos e produtos de higiene pessoal, como esmaltes, xampus e sprays de cabelo), bisfenol A (em plásticos duros, adesivos e no revestimento de algumas latas de comida), retardadores de chama (em móveis e carpetes), substâncias perfluoralquil (em panelas antiaderentes e tapetes resistentes a manchas) e pesticidas (em alimentos à base de plantas e produtos para cuidar do gramado).

Em última análise, Levine e Swan dizem que ações locais e globais são necessárias para reduzir ou eliminar esses produtos químicos em nossos ambientes. “Devemos encontrar maneiras de evitar mais declínios e até mesmo reverter as tendências”, conta Levine. “Devemos evitar ser complacentes com isso e nos enganar pensando que a reprodução assistida é a solução.”

Stacey Colino é co-autora de Count Down, mas não teve nenhum envolvimento com a pesquisa discutida neste artigo.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Ciência
A Covid-19 pode arruinar o sono das pessoas?
Ciência
Covid longa: como as crianças são afetadas e quais os riscos?
Ciência
A Covid-19 pode desencadear depressão?
Ciência
O que virá depois da Ômicron? Novas variantes estão surgindo
Ciência
Por que as dores de cabeça causadas pela Covid-19 são diferentes?

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados