Já somos 8 bilhões de pessoas no mundo!

Adicionamos um bilhão de pessoas em apenas 12 anos. As implicações para o planeta – e nosso próprio bem-estar – dependem de como lidamos com as mudanças climáticas.

Na véspera do Diwali, o festival hindu das luzes, as pessoas lotam um mercado em Bangalore, na Índia. Ainda neste ano, o país se tornará o mais populoso do mundo, substituindo a China, que ocupou o primeiro lugar por dois milênios. À medida que a população mundial chega a 8 bilhões de pessoas, alguns países, como a Nigéria, estão experimentando um rápido crescimento, enquanto outros, como o Japão, estão diminuindo.

Foto de Manjunath Kiran AFP, Getty
Por Craig Welch
Publicado 17 de nov. de 2022 10:37 BRT

Desde o surgimento do Homo sapiens, passaram-se cerca de 300 000 anos até que um bilhão de nós povoasse a Terra. Isso foi por volta de 1804, ano em que a morfina foi descoberta, quando o Haiti declarou independência da França e quando Beethoven tocou pela primeira vez sua Terceira Sinfonia, em Viena.

Acrescentamos nosso mais recente bilhão desde o primeiro mandato do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. Apenas 12 anos depois de atingir sete bilhões, o planeta provavelmente ultrapassará oito bilhões de pessoas em meados de novembro, estimam as Nações Unidas, com base em suas melhores projeções demográficas.

O momento real, no entanto, é incerto. Em algumas partes do mundo, os dados do censo têm décadas. Durante a Covid-19, era praticamente impossível para alguns países registrar todas as mortes. Até mesmo modelos de computador sofisticados podem estar errados em um ano ou mais. Não é como se alguém tivesse feito uma contagem global de pessoas.

Mas a ONU declarou o 15 de novembro como o “Dia dos Oito Bilhões”, porque não há dúvidas sobre a importância deste momento. Os seres humanos em todos os lugares estão vivendo mais, graças a melhores cuidados de saúde, água mais limpa e melhorias no saneamento, que reduziram a prevalência de doenças. Fertilizantes e irrigação aumentaram o rendimento das colheitas e melhoraram a nutrição. Em muitos países, mais crianças estão nascendo e muito menos estão morrendo.

Fumie Takino, 89 anos, é a fundadora e membra mais antiga de uma equipe de torcida sênior, em Tóquio, chamada Japan Pom Pom. Em 2010, a população do Japão atingiu sua marca alta de 128 milhões de habitantes. Agora é de 125 milhões, e está previsto um declínio para as próximas quatro décadas. A população do país é a mais antiga do mundo.

Foto de Kim Kyung-Hoon Reuters

Claro, os desafios que enfrentamos à medida que a população mundial continua a crescer também são significativos. A poluição e a sobrepesca estão degradando muitas áreas dos oceanos. A vida selvagem está desaparecendo em um ritmo alarmante, à medida que os humanos destroem florestas e outras terras selvagens para o desenvolvimento, agricultura e produtos comerciais feitos de árvores. 

Um clima em mudança, impulsionado por um sistema de energia global que ainda é predominantemente alimentado por combustíveis fósseis, está rapidamente se tornando a maior ameaça da história à biodiversidade, segurança alimentar e acesso à água para beber e cultivar. E isso com o número de pessoas que já temos.

Os riscos e oportunidades de nosso boom populacional e crise de recursos paralela dependem, em grande parte, de decisões que ainda não tomamos. O que controlará mais nosso futuro – os bilhões de bocas que teremos que alimentar ou os bilhões de cérebros a mais que poderíamos empregar para isso?

“Os impactos exatos na vida humana futura, eu acho, ainda precisam ser determinados”, crê Patrick Gerland, que supervisiona as estimativas populacionais do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas.

“Até agora, a experiência geral é que o mundo tem sido bem sucedido em se adaptar e encontrar soluções para nossos problemas”, diz Gerland. “Acho que precisamos ser um pouco otimistas.”

Mas ele rapidamente admite que a mudança climática é uma ameaça poderosa. “Simplesmente manter o status quo e não fazer nada não é uma opção”, acredita. “Gostemos ou não, as mudanças vão acontecer, e a situação não vai melhorar por si só. Há uma necessidade de intervenções atuais e futuras.”

Enquanto isso, nossa explosão populacional geral desmente tipos muito diferentes de mudanças demográficas que estão se formando em todo o mundo. E os principais demógrafos do mundo não concordam sobre para onde nossa população está indo a partir daqui.

À esquerda: No alto:

Em Lagos, Nigéria, Emmanuel e Nwakaego Ewenike vivem em um único quarto com seus quatro filhos há 11 anos. Eles não têm água corrente e eletricidade intermitente, uma situação que Emmanuel chama de "muito ruim". Mais de um terço da população da Nigéria vive em extrema pobreza, a mais alta taxa do mundo. A população do país pode quadruplicar até o final do século.

Foto de Yagazie Emezi National Geographic
À direita: Acima:

A taxa de natalidade da China tem continuado a cair. Com o aumento das oportunidades de educação e carreira, as mulheres estão optando por ter menos filhos. Embora seu povo viva mais tempo, em média, do que os da maioria dos países, a população chinesa de 1,4 bilhões de habitantes já pode ter começado a diminuir.

Foto de Justin Jin National Geographic

Mudanças na população variam drasticamente 

O mundo está enfrentando a probabilidade de enormes explosões e colapsos populacionais ao mesmo tempo. O mais significativo está em lados opostos do planeta. Talvez neste ano, pela primeira vez em dois milênios, a China não seja mais o país mais populoso da Terra, pois a Índia finalmente o supera. 

Mesmo antes da política do filho único da China, que entrou em vigor em 1980, “os nascimentos no país têm diminuído quase continuamente”, diz Gerland. Somente na década de 1970, a taxa de natalidade caiu pela metade. Com o aumento das oportunidades de melhor educação e carreira, mais mulheres estão atrasando o parto e já há menos em idade fértil.

Essas tendências se aceleraram durante a pandemia. Havia 45% menos crianças nascidas em 2020 do que em 2015. A taxa de natalidade da China é agora muito menor do que a dos Estados Unidos.

Mesmo com uma das maiores expectativas de vida de qualquer país, aos 85 anos, espera-se que a população chinesa de 1,4 bilhão comece a diminuir em breve – na verdade, esse declínio já pode ter começado. A força de trabalho vem diminuindo há uma década.

Do jeito que está, mal há dois trabalhadores sustentando cada aposentado ou criança. No próximo quarto de século, o país provavelmente verá 300 milhões de pessoas com mais de 60 anos, sobrecarregando os recursos do governo, de acordo com um relatório da Nature. Os custos com saúde devem dobrar.

Na África, por outro lado, as tendências estão se movendo rapidamente em outra direção. Em todo o Sahel (grande parte do deserto do Saara e cinturão que divide o continente em dois), a população está se expandindo rapidamente. A idade média da Nigéria é de apenas 17 anos, menos da metade da China. As taxas de natalidade também estão caindo, mas continuam 20 vezes mais altas do que na China.

A segurança alimentar já é uma preocupação. Mais de um terço do país vive em extrema pobreza, um número maior do que qualquer outro país, incluindo a Índia, que tem taxa seis vezes menor. Um terço de todas as famílias inclui um adulto que precisa pular refeições, às vezes, para a família sobreviver.

Atualmente, em 216 milhões, a população da Nigéria, segundo algumas estimativas, pode quadruplicar até o final do século. Até então poderia ter mais pessoas do que a China, que tem 10 vezes mais terra. Mas tudo isso depende das taxas de parto. Todas essas projeções são movidas por suposições, e a realidade pode ser muito diferente.

O maior impulsionador da queda das taxas de natalidade é a educação, especialmente para as meninas. Há uma década, pesquisadores determinaram que o aumento do acesso à educação poderia retardar o crescimento da população global em um bilhão até meados do século. Quanto e com que rapidez expandiremos essas oportunidades educacionais nas próximas décadas estão entre as importantes questões não respondidas que determinarão quantos de nós viveremos na Terra ao nos aproximarmos de 2100.

Prever a população mundial é complexo

Medir a população no curto prazo não é muito controverso. “A maioria das pessoas que estarão vivas em 2050 já estão vivas hoje”, diz Gerland.

A ONU, um grupo de pesquisadores da Universidade de Washington, em Seattle, e outros especialistas em Viena, na Áustria, tendem a concordar principalmente sobre o que o próximo quarto de século reserva. Com base em eventos passados, pelo menos, poucos esperam outra pandemia global mortal tão cedo. 

Apesar de crises como a guerra na Ucrânia, os demógrafos também não prevêem a migração em massa em todo o planeta até meados do século. A maioria dos especialistas vê a população chegando a cerca de nove bilhões até então.

Depois disso, as projeções variam muito. Alguns anos atrás, a ONU estimou que, em 2100, a população do globo poderia aumentar para 11 bilhões. No início deste ano, revisou essas estimativas para baixo, para cerca de 10,4 bilhões, graças ao progresso na redução do número médio de filhos nascidos por família.

No Instituto Internacional de Análise de Sistemas Aplicados (Iiasa), em Viena, pesquisadores, em 2018, projetaram que a população poderia subir para 9,7 bilhões, em 2070, e depois cair para cerca de 9 bilhões no final do século. Eles usaram suposições diferentes, em grande parte pedindo a especialistas globais que opinassem. “A história principal não é apenas sobre fertilidade, mas sobre o progresso no combate à mortalidade infantil e infantil”, diz Anne Goujon, diretora do programa populacional do Iiasa.

Enquanto isso, o Instituto de Métricas de Saúde de Seattle vê a população atingindo um pico de aproximadamente 9,7 bilhões em 2064, mas caindo para 8,8 bilhões, possivelmente menos, no final do século. As populações podem cair pela metade em quase duas dúzias de países, incluindo a Bulgária e a Espanha. Grande parte da diferença é baseada em um método complexo que os pesquisadores usam para estimar as taxas de natalidade futuras.

Além das diferenças entre os modelos, todos os pesquisadores concordam que os esforços até agora para incorporar as mudanças climáticas nas projeções populacionais futuras foram inadequados. Em parte porque o efeito potencial depende, em grande parte, da rapidez com que o mundo reduz as emissões de gases de efeito estufa. 

Mas parte da dificuldade reside também na avaliação dos impactos climáticos. O calor extremo pode tornar partes do Oriente Médio, África subsaariana e Índia inabitáveis. Tempestades podem piorar a segurança alimentar. Como as pessoas responderão ao aumento do nível do mar nas regiões costeiras densamente povoadas?

“Ninguém está fazendo isso da maneira certa no momento”, alerta Stein Emil Vollset, que supervisiona as estimativas populacionais do IHME.

Além das estimativas da população global, as mudanças climáticas e a política provavelmente também influenciarão muito a migração entre os países. A população nos Estados Unidos e na Europa Ocidental tem sido sustentada, em grande parte, pela imigração, mas ela se tornou um ponto quente político. Outros países com populações em declínio, como o Japão, relutam ainda mais em receber imigrantes.

No entanto, as tendências desiguais entre populações em expansão e declínio, exacerbadas pelas mudanças climáticas, quase certamente aumentarão a pressão migratória em quase todos os lugares.

“A única maneira de sair desse desequilíbrio demográfico”, diz Vollset, “é uma colaboração internacional bem administrada”.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Meio Ambiente
Fusão nuclear: o que é e como ela pode ajudar o planeta
Meio Ambiente
Por que está cada vez mais difícil encontrar conchas do mar no litoral?
Meio Ambiente
China tenta transformar 'capital do carvão' em meca da energia limpa
Meio Ambiente
O que causa o aquecimento global?
Meio Ambiente
O que é a COP27 e por que ela é relevante para a agenda climática?

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados