Covid-19: qual variante da Ômicron é a mais contagiosa até agora?

Os especialistas temem que a nova variante, que se espalha rapidamente, provoque uma onda de inverno no hemisfério norte e mude o curso da pandemia.

Por Sanjay Mishra
Publicado 9 de jan. de 2023 12:57 BRT
52467746511_a14c504fe4_o

Micrografia eletrônica de varredura colorida de uma célula (roxo) infectada com a cepa Ômicron de partículas do vírus SARS-CoV-2 (laranja) que foram isoladas de um paciente.

MICROGRAFIA POR Niaid NIH

Uma subvariante altamente contagiosa da Ômicron é agora a cepa dominante que se espalha nos Estados Unidos. Os primeiros dados sugerem que a XBB.1.5 é mais invasiva do que outras variantes, esquivando-se com eficiência da imunidade adquirida anteriormente e levantando preocupações entre as autoridades de saúde pública sobre uma possível onda de inverno no hemisfério norte.

Somente em dezembro, a XBB.1.5 passou de menos de 1% dos casos confirmados de Covid-19 em todo os Estados Unidos para mais de 40% , superando rapidamente outras variantes. Nos estados do nordeste, causou mais de 75% de todos os casos na semana iniciada em 25 de dezembro, embora ainda não haja dados que indiquem se houve casos mais graves.

“É a subvariante mais transmissível já detectada”, disse Maria Van Kerkhove, líder técnica de resposta à Covid-19 na Organização Mundial da Saúde (OMS), durante uma coletiva de imprensa . Os cientistas estimam que alguém infectado com XBB.1.5 pode causar 60 por cento mais infecções do que uma pessoa infectada com suas cepas originais. 

A XBB.1.5 foi detectada pela primeira vez em Nova York e Connecticut (EUA) no final de outubro, mas desde então foi detectada em pelo menos 29 outros países. Embora represente menos de 5% dos casos atuais em todo o mundo, o número de infectados parece estar dobrando em oito a 15 dias, tornando-se a variante do SARS-CoV-2 de disseminação mais rápida até o momento. 

Na verdade, a XBB.1.5 pode ser muito mais difundida, de acordo com Kerkhove. É difícil dizer, pois os esforços de sequenciamento genômico para monitorar o SARS-CoV-2 diminuíram em todo o mundo.

De onde veio a XBB.1.5?

XBB.1.5 descende da variante XBB.1, que surgiu da XBB – a fusão de duas variantes Ômicron BA.2. Sua cepa avô, XBB, e sua cepa parental XBB.1 foram responsáveis por um aumento de casos de Covid-19 em partes da Ásia entre outubro e novembro de 2022. 

Elas conseguiram escapar da imunidade conferida por infecções anteriores e pelos reforços bivalentes especificamente projetados para bloquear variantes Ômicron, de acordo com um relatório publicado na Nature em dezembro. Em Cingapura, as subvariantes XBB causaram um grande número de infecções e reinfecções, embora as taxas de hospitalização permanecessem baixas.

Como a nova variante é diferente?

A variante XBB.1.5 apresenta uma nova mutação na posição 486 da proteína spike, que é a que o vírus usa para se ligar à proteína do receptor ACE2 nas células do trato respiratório humano. Modelos matemáticos previram que uma mudança na proteína spike nesta posição permitiria que uma variante escapasse de anticorpos anteriores. Essas previsões parecem estar corretas.

"A mutação aumenta a ligação do ACE2 enquanto mantém a capacidade de evasão imunológica extremamente alta do XBB.1", disse Yunlong Cao, da Universidade de Pequim na China, com base em sua pesquisa preliminar explorando a capacidade de contágio aprimorada do XBB.1.5, que ainda não foi revisada por pares.

A pesquisa preliminar de Cao também mostra que algumas terapias com anticorpos monoclonais, como Evusheld e Bebtelovimab, não bloqueiam a XBB.1.5, embora o Sotrovimab forneça uma proteção fraca.

O reforço bivalente protege contra XBB.1.5?

É muito cedo para saber como o atual reforço bivalente – que tem como alvo as cepas anteriores de Ômicron BA.4 e BA.5, bem como o coronavírus original, protegeria contra a XBB.1.5. No entanto, uma pesquisa recente sobre as cepas parentais de XBB.1.5 liderada por Mehul Suthar, um imunologista da Emory University School of Medicine, mostra que as pessoas que receberam o reforço bivalente, bem como aquelas que foram recentemente infectadas com uma variante Ômicron, tiveram ligeiramente níveis mais altos de anticorpos protetores.

“Os reforços bivalentes parecem estar funcionando da maneira que deveriam”, destaca Suthar, mudando nossa imunidade para as variantes Ômicron. Ele especula que o reforço bivalente forneceria alguma proteção contra XBB.1.5, com base em sua semelhança com outras variantes Ômicron. Mas sua pesquisa também sugere que mesmo o reforço bivalente pode não bloquear infecções graves por XBB.1.5.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) estimam que os reforços bivalentes reduziram as hospitalizações por Covid-19 em mais de 90% até novembro, que são os dados mais recentes disponíveis. Isso significa que, mesmo que os reforços não previnam infecções, eles ainda podem salvar vidas.

"É difícil dizer algo sobre a patogenicidade da XBB.1.5", pondera Kei Sato, virologista da Universidade de Tóquio, já que ainda não há dados. No entanto, o trabalho preliminar de Sato, ainda não revisado por pares, na cepa parental XBB mostrou que o vírus se liga mais firmemente às células humanas do que outras variantes de Ômicron, como BA.2.75 e BA.2, o que sugere que pode causar doenças mais graves. Mas quando hamsters foram infectados com XBB, os sintomas da doença não foram piores do que os causados ​​por BA.2.75. "Ainda não temos ideias para explicar essa discrepância", diz Sato.

A XBB.1.5 prolongará a pandemia?

As hospitalizações devido à Covid-19 aumentaram 17% na última semana, de acordo com os dados mais recentes dos CDC, levando os cientistas a temer que, mesmo sem causar uma doença mais grave, a XBB.1.5 altamente contagiosa possa piorar o curso dos agora três anos de pandemia. O grande número de casos de Covid-19 ainda pode sobrecarregar os hospitais, onde os recursos já estão esgotados com o alto número de infecções respiratórias por RSV e gripe.

Pessoas com 65 anos ou mais são as mais vulneráveis ​​às complicações devido à Covid-19. No entanto, pouco mais de um terço desses americanos receberam o reforço bivalente, deixando-os vulneráveis à XBB.1.5. Quando se trata da população dos EUA, quase 85% dos elegíveis não receberam a injeção bivalente.

"Quando as infecções são altas, muitas pessoas são afetadas", diz Marc Veldhoen, imunologista do Instituto de Medicina Molecular de Lisboa, Portugal. “Mais infecções trazem mais riscos, mais probabilidade de sintomas e, infelizmente, a alta circulação significa que muitas [pessoas] vulneráveis ​​serão infectadas e veremos mais pessoas nos hospitais”.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Ciência
Como microcoágulos podem ajudar a revelar mistérios da Covid longa?
Ciência
Conheça como o açúcar e a gordura afetam o nosso cérebro
Ciência
A Covid-19 pode arruinar o sono das pessoas?
Ciência
Covid-19: Quem deve tomar novo reforço contra a variante Ômicron?
Ciência
Covid-19: Qual o papel do mercado úmido de Wuhan, na China, no início da pandemia?

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados