O que acontece durante a menopausa de acordo com a ciência?

Todas as mulheres que chegam aos 50 anos inevitavelmente passam pela menopausa. Especialistas compartilham as mais recentes descobertas e as melhores maneiras de lidar com isso.

“Lembro-me de uma onda de calor particularmente forte, meu coração disparou”, disse Lisa Davis, 44 anos, enquanto posava para uma foto em Berkhamsted, Reino Unido. “Uma onda de calor subiu da minha área pélvica através do estômago até minhas bochechas… Eu tinha mudanças de humor e um cérebro confuso”. Uma visita ao médico confirmou que ela estava na perimenopausa e que poderia levar uma década até que seus sintomas diminuíssem. “Isso coloca uma enorme pressão sobre você, como indivíduo, e sua família. Não quero colocar minha vida em espera por 10 anos”.

Foto de Elizabeth Dalziel
Por Meryl Davids Landau
Publicado 13 de fev. de 2023, 10:26 BRT

Toda mulher que chega à meia-idade acaba passando pela transição hormonal que é a menopausa. No entanto, esse evento biológico significativo há muito está envolto em segredo, falado em termos sussurrados ou referenciado com eufemismos como “a mudança”. Apenas nos últimos anos a menopausa foi discutida mais abertamente entre as mulheres e a mídia, diz Nanette Santoro, presidente de obstetrícia e ginecologia da Escola de Medicina da Universidade do Colorado (EUA) e pesquisadora de longa data da menopausa.

Muito do que se sabe sobre a menopausa vem do Estudo de Saúde da Mulher em todo o país (Swan, na sigla em inglês), uma investigação epidemiológica que acompanhou cerca de 3 mil mulheres nos Estados Unidos desde 1994. É um bom começo, mas estudos de coorte muito maiores são necessários para responder às muitas perguntas que permanecem, pondera Santoro. (Em contraste, o famoso Framingham Heart Study rastreou mais de 14 mil indivíduos.) 

Foi o Swan, por exemplo, que descobriu que mulheres com ondas de calor frequentes e persistentes correm maior risco de doenças cardiovasculares. E foi o Swan que confirmou as antigas observações das mulheres de que a massa magra do corpo diminui e a gordura aumenta durante a transição, mesmo que o peso total não mude.

Outras pesquisas levaram a uma melhor compreensão da biologia por trás do principal sintoma da menopausa: as ondas de calor. Pesquisadores da Universidade do Arizona, da Universidade da Carolina do Norte e de outros lugares descobriram que o declínio do estrogênio no hipotálamo do cérebro faz com que certos neurônios aumentem, o que agita seções dessa região cerebral envolvida na regulação da temperatura. Espera-se que esta importante descoberta leve a novas terapias não hormonais direcionadas. 

Então, o que exatamente desencadeia a menopausa?

Tudo começa com a perimenopausa.

Uma menina nasce com todos os óvulos dentro de seus ovários que ela precisará durante sua vida. Ao redor desses ovos estão as células da granulosa que produzem hormônios, principalmente o estrogênio. Na meia-idade, à medida que os óvulos se tornam menos numerosos e menos viáveis, a produção de estrogênio diminui.

Isso, combinado a liberações de óvulos menos frequentes, leva a ciclos menstruais irregulares. Quando vários ciclos atrasam uma semana ou mais ao longo de vários meses, diz-se que a mulher entrou na perimenopausa.

Esse estágio geralmente começa em meados dos 40 anos, embora uma década antes ou depois seja normal, e dura entre dois e oito anos. (A perimenopausa em estágio avançado ocorre quando alguns ciclos são adiados por pelo menos 60 dias.) São os níveis hormonais variáveis, e não uma queda absoluta, que causam os sintomas associados à menopausa, esclarece Santoro.

A fertilidade diminui durante esse estágio, embora a ovulação – e a gravidez – ainda sejam possíveis, de acordo com a North American Menopause Society (Nams), razão pela qual o grupo recomenda o uso contínuo de contraceptivos.

O que é a menopausa?

Embora muitas mulheres rotulem todo o processo como menopausa, esse termo tecnicamente denota o momento em que os níveis de estrogênio caíram tanto que a ovulação e a menstruação cessam permanentemente.

Alguns médicos medem os níveis do hormônio folículo estimulante (FSH) – que aumenta conforme a ovulação diminui – para determinar se uma mulher está na menopausa. Mas, como os níveis flutuam, esse não é um marcador preciso, diz Jackie Thielen, diretora da Clínica Especializada em Saúde Feminina da Mayo Clinic.

Nos Estados Unidos, a idade média das mulheres que chegam à menopausa é de 52 anos, embora qualquer idade entre 40 e 60 anos seja considerada normal. Após este ponto, e para o resto de suas vidas, as mulheres estão no estágio pós-menopausa.

A menopausa pode ocorrer precocemente?

 

Um pequeno número de mulheres passa naturalmente pela menopausa antes dos 40 anos, o que é considerado “prematuro”.

Outras que se submetem a tratamentos médicos que removem ou danificam gravemente ambos os ovários, como cirurgia de câncer, quimioterapia e radioterapia, entram imediatamente na menopausa. Por causa de suas mudanças hormonais abruptas, os sintomas da menopausa induzida são geralmente mais graves, de acordo com o Nams.

Quais são os sintomas comuns da menopausa?

Ondas de calor: até 80% das mulheres experimentam esses sintomas vasomotores (VMS), quando uma sensação intensa e repentina de calor aumenta na parte superior do corpo, enquanto os vasos sanguíneos dilatados provocam um rubor na pele.

Os flashes geralmente duram de um a cinco minutos e podem ocorrer várias vezes ao dia, de acordo com o Nams. Aqueles que ocorrem durante a noite e são acompanhados de transpiração profusa são chamados de suores noturnos. Os flashes podem terminar quando a mulher atinge a menopausa, mas também podem continuar por uma década ou mais.

Algumas mulheres mal se incomodam com as ondas de calor, enquanto outras as consideram debilitantes. “Esses sintomas não são triviais. Eles estão afetando a vida, os relacionamentos e a capacidade de muitas mulheres para funcionar no trabalho”, cita Stephanie Faubion, diretora do Mayo Clinic Center for Women's Health e diretora médica do Nams.

Problemas de sono: Níveis de mudança do hormônio reprodutivo progesterona podem impedir a capacidade de adormecer e permanecer dormindo, de acordo com o Escritório de Saúde da Mulher do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA. Os suores noturnos também tornam o sono um desafio.

Alguns anos após ter terminado todo o tratamento do câncer, o que provavelmente a empurrou para a perimenopausa, dormir tornou-se mais difícil, disse Rachel Woods, 49 anos, em sua casa em Berkhamsted, Reino Unido. "O impacto da falta de sono em seu corpo e seu cérebro continua durante todo o dia, você não consegue se concentrar, sente-se exausta e não tem paciência, o que afetou minha família". Como seu câncer não era sensível ao estrogênio, seu oncologista foi capaz de prescrever terapia de reposição hormonal. "Eu ainda acordo, mas com a terapia hormonal estou tendo novamente um sono mais sólido, que não tenho há cinco anos, provavelmente".

Foto de Elizabeth Dalziel

Mudanças de humor:  As taxas de depressão em mulheres durante a perimenopausa ou menopausa são quase o dobro daquelas que ainda não estão nesta fase, mostraram pesquisas.

Se isso se deve diretamente aos hormônios, à tristeza pela perda de fertilidade ou a outras questões. As mulheres que não conseguem dormir devido a flashes e suores também são mais propensas a ficar deprimidas, descobriram os pesquisadores.

Outras mulheres que não estão deprimidas podem se sentir irritadas ou ter crises de choro inexplicáveis. Aquelas que experimentaram mudanças de humor semelhantes mais cedo, em torno de seu ciclo menstrual mensal ou após o parto, são especialmente propensas.

Alterações vaginais: dor e desconforto durante a relação sexual resultam do tecido afinado à medida que o estrogênio diminui. Juntamente com secura semelhante na bexiga e na uretra, isso é conhecido como síndrome geniturinária da menopausa (SGM). A maioria dos sintomas da menopausa acaba desaparecendo, mas a SGM traz mudanças fisiológicas duradouras, observa Santoro.

Quando os sintomas atacam?

A maioria dos sintomas aparece ou aumenta durante o estágio tardio da perimenopausa, segundo o estudo Swan. Mas eles também podem atacar cedo, mesmo antes de um único período menstrual mudar, de acordo com os resultados de uma pesquisa online publicada em 2021. “Esse estudo validou a sensação de muitas mulheres de que algo está acontecendo, embora ainda estejam menstruando regularmente”, diz Faubion, que não participou da pesquisa.

Quais são os tratamentos eficazes?

Mudanças básicas no estilo de vida ajudam muitas mulheres a lidar com isso. As ondas de calor são melhor toleradas vestindo-se em camadas e respirando lenta e profundamente, bebendo água fria assim que começar. Como o aumento da gordura corporal está associado a flashes piorados, as pessoas com sobrepeso ou obesas podem se beneficiar da perda de peso. Fumar também está ligado à intensidade das ondas de calor.

Melhorar o sono requer seguir uma programação regular, evitar cochilos no final da tarde e evitar cafeína e álcool no final do dia.

Vários métodos mente-corpo têm se mostrado eficazes, incluindo a hipnoterapia, que diminui significativamente os flashes intensos e a terapia cognitivo-comportamental (TCC), que reduz sua frequência.

Vários estudos mostraram que ervas e outros remédios promovidos para o alívio da menopausa são “improváveis ​​de aliviar as ondas de calor”, de acordo com o Nams.

Os sintomas que afetam gravemente a vida de uma mulher requerem tratamento médico, especialmente os hormônios estrogênio e progesterona. Para as mulheres que ainda estão na perimenopausa, são prescritos contraceptivos, porque elas precisam de níveis mais altos de hormônios para também prevenir a gravidez. As mulheres após a menopausa recebem prescrição de terapia hormonal da menopausa, geralmente em adesivos ou pílulas, diz Faubion, da Nams.

Muitos médicos têm medo de prescrever terapia hormonal para a menopausa por causa dos resultados amplamente divulgados em 2002 da Iniciativa de Saúde da Mulher (WHI, na sigla em inglês), que descobriu riscos aumentados de doenças cardíacas, câncer de mama e derrame para mulheres que tomam estrogênio e progesterona, especialmente após a menopausa, diz Faubion. Mas esse estudo não foi projetado para determinar se as mulheres mais jovens com sintomas se beneficiam do tratamento, e apenas uma pequena porcentagem delas foi incluída, observa ela. Reavaliações subsequentes dos achados do WHI rejeitaram a conclusão de que a terapia hormonal não é segura para este grupo, diz ela.

“Se uma mulher tem menos de 60 anos e 10 anos após o início da menopausa, os benefícios da terapia hormonal tendem a superar os riscos”, destaca Faubion. Esse pode não ser o caso daquelas com histórico de câncer de mama, câncer uterino, doença hepática, doença cardíaca, derrame, coágulos sanguíneos ou tabagismo, que devem ter uma conversa franca com seu médico.

Outros medicamentos prescritos para a menopausa que mostraram algum benefício incluem a clonidina (um medicamento usado para tratar a hipertensão) e a gabapentina. Com a descoberta dos neurônios do cérebro como causa das ondas de calor, um medicamento direcionado e não hormonal chamado fezolinetant está atualmente sendo revisado pela Food and Drug Administration dos EUA. Na pesquisa inicial, a droga reduziu os flashes semanais em 45%.

Os sintomas da SGM podem ser tratados com um hidratante vaginal ou com estrogênio administrado por via vaginal, o que parece ser mais seguro do que os hormônios sistêmicos, diz Thielen, da Mayo. Fisioterapia na região pélvica e tratamentos a laser vaginal (para estimular o fluxo sanguíneo) também valem a pena, de acordo com o MyMenoPlan, um site com o objetivo de personalizar o aconselhamento de tratamento desenvolvido por uma rede de pesquisadores da menopausa e financiado pelos Institutos Nacionais de Saúde.

Como os sintomas da menopausa podem durar anos, o enfrentamento eficaz também envolve abraçar um novo normal, diz Thielen. “A experiência da menopausa significa aprender a viver com níveis erráticos e baixos de estrogênio”, conclui.

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados