Cultura

Estes homens arriscam-se diariamente extraindo enxofre de um vulcão ativo

A vista deslumbrante do Monte Ijen, na Indonésia, cativou turistas durante séculos, mas, nos últimos anos, sua mina de enxofre se tornou uma atração controversa. Terça-feira, 8 Maio

Por Gulnaz Khan
Fotos de Andrea Frazzetta

Um denso véu de fumaça bloqueia o céu sobre o Monte Ijen, o cheiro de fósforos queimados satura o ar.

O material nocivo que escapa das entranhas do vulcão ativo de Java Oriental é incongruente com a vida humana, arde nos olhos, queima os pulmões e corrói a pele. Mas, desde 1968, os mineradores de enxofre do Monte Ijen se aventuram neste labirinto imprevisível de nuvens de gás e fumarolas superaquecidas para extrair o "ouro do diabo" e levá-lo de volta montanha abaixo, um retrato do trabalho físico exaustivo.

O Monte Ijen abriga uma das últimas minas de enxofre existentes no mundo, e enquanto suas vistas sobrenaturais têm cativado cientistas e viajantes por mais de dois séculos, nas últimas décadas, os próprios mineradores se tornaram uma atração turística controversa.

O ouro do Diabo

Todos os dias, os mineradores fazem a árdua caminhada pelas encostas de 9 mil pés do Ijen sob a escuridão antes de descerem mais de 2,7 mil metros na cratera, onde uma rede de tubos de cerâmica sintetiza os gases responsáveis pela precipitação de enxofre elementar.

Envoltos em fumaça tóxica e calor, eles trabalham nos blocos endurecidos e carregam cargas de 150 a 200 libras de volta à cratera duas vezes por dia, ganhando uma média de cinco dólares por viagem.

Por volta das 2h da manhã, quando os primeiros mineradores começam a escalar, centenas de turistas já estão correndo pelos flancos do Ijen para testemunhar suas icônicas chamas azuis, que só podem ser vistas à noite. Seu lago turquesa na cratera de 800 metros ganha um brilho sinistro na escuridão. Perigosamente bonito, ele tem um pH mais baixo que o ácido de bateria, o maior lago ácido da Terra, cáustico o suficiente para dissolver o metal.

Voyeurismo

Considerado uma forma de turismo de patrimônio cultural, os passeios em minas podem ser encontrados em todo o mundo, da África à Austrália. Ao contrário do Monte Ijen, poucos ainda estão ativos e muitos foram “museificados”.

Alguns pesquisadores propõem que os turistas sejam atraídos para esses locais porque provocam o que os filósofos chamam de “o sublime”, uma sensação de prazer em ver um objeto perigoso, mas inspirador, como um ato violento da natureza. Victor Hugo definiu-o como "uma combinação do grotesco e belo em oposição ao ideal clássico de perfeição".

O Monte Ijen é sublime.

Durante a alta temporada, a montanha pode ver mais de mil turistas por dia. Eles costumam pedir aos mineradores que posem para fotografias em troca de pequenas gorjetas, o que os críticos argumentam ser uma forma de “turismo da pobreza”, a mercantilização do sofrimento humano.

"Os turistas parecem gostar de narrar suas histórias de sobrevivência em situações aparentemente perigosas, uma atitude não muito diferente da encontrada em outras recreações potencialmente arriscadas e esportes 'extremos'", explica o professor de geografia Michael Pretes da University of North Alabama no Annals of Tourism Research.

Por outro lado, o turismo também pode ser uma ferramenta poderosa para o desenvolvimento econômico e expor condições desfavoráveis de trabalho, independentemente das motivações para a visita. A indústria do turismo em Java Oriental, em geral, emprega cerca de 200 mil pessoas. A mineração é uma das profissões mais bem remuneradas da região, e os trabalhadores são membros respeitados de suas comunidades. Muitos se orgulham de sua aptidão física e papel em atrair visitantes para a ilha.

“Os turistas são vistos como o novo minério a ser extraído e, como os metais, têm o potencial de gerar ascensões e quedas econômicas”, segundo Pretes, que estudou as minas de prata em Potosi, na Bolívia. Ele argumenta que o turismo de mineração pode ter um "efeito multiplicador", trazendo renda para hotéis, restaurantes, lojas, transportes e locais históricos próximos.

Apesar dessas vantagens potenciais, os riscos permanecem altos. Muitos mineradores não podem comprar equipamentos de proteção, como luvas e máscaras, ou preferem abandoná-los, porque isso dificulta o trabalho deles. A exposição a curto prazo a níveis altamente concentrados de dióxido de enxofre pode ser mortal, e a exposição crônica pode levar a dificuldades respiratórias, obstruções das vias aéreas e função pulmonar prejudicada, de acordo com os Centros para Controle de Doenças.

Para evitar a objetificação das pessoas que vivem em condições de pobreza, os especialistas em viagens éticas recomendam que os turistas se abstenham de tirar fotografias ou solicitem permissão aos sujeitos que estão sendo fotografados.

Círculo de fogo

O futuro do Monte Ijen como um local turístico e de mineração, no entanto, não está claro. A Indonésia está situada no Círculo de Fogo, um cinturão de vulcões sismologicamente ativo de mais de 40 mil km e limites de placas tectônicas que emolduram a bacia do Pacífico. Estima-se que 75 por cento de todos os vulcões ativos e 90 por cento dos terremotos em todo o mundo ocorram nesta região.

Cerca de cinco milhões de indonésios vivem e trabalham perto de vulcões ativos, onde a agricultura é mais fértil. Java, sozinha, é o lar de 141 milhões de pessoas - uma das ilhas mais densamente povoadas da Terra.

A erupção registrada mais significativa de Ijen ocorreu em 1817, quando uma série de explosões violentas persistiu por várias semanas. De acordo com relatos de testemunhas oculares, as cinzas eram grossas o suficiente para bloquear o sol, a liberação de ácido contaminou bacias hidrográficas e detritos esmagaram cabanas de bambu.

Hoje, cientistas indonésios e internacionais monitoram continuamente a atividade vulcânica e estão tentando encontrar maneiras de mitigar riscos futuros. Não apenas as comunidades próximas estão sob ameaça de terremotos e magma explosivo carregado de gás, a liberação do lago ácido pode ser catastrófica.

Em março de 2018, centenas de pessoas ao redor do Monte Ijen foram forçadas a evacuar suas casas e 30 foram hospitalizadas depois que o vulcão expeliu gases tóxicos. "Devido a esse incidente, o público - turistas ou mineradores - não é permitido perto da cratera até novo aviso", disse Sutopo Purwo Nugroho, porta-voz da agência nacional de mitigação de desastres, em um comunicado..

Não é a primeira vez que o vulcão é fechado aos visitantes e é improvável que seja a última. Mas mesmo de longe, a cratera latente de Mount Ijen - tóxica, bonita, indomável - é uma visão notável.

Andrea Frazzetta é um fotógrafo baseado em Milão. Siga-o no Instagram.

Continuar a Ler