Como um satélite encontrou uma pequena ilha e tornou o Canadá um pouco maior

Descoberta há apenas cerca de 50 anos, a Ilha Landsat, na costa atlântica do país, leva o nome do primeiro programa de satélite de observação da Terra do mundo.

Por Nadia Drake
Publicado 5 de ago. de 2022 14:46 BRT
Landsat_1

O Landsat 1, lançado em julho de 1972, foi o primeiro satélite projetado para estudar a Terra em órbita. A espaçonave é vista aqui em configuração de voo com seus painéis solares implantados na antiga fábrica da GE em Valley Forge, Pensilvânia.

Arte de Ng Staff

Olhe atentamente para um mapa do Atlântico Norte, na costa leste da província canadense de Terra Nova e Labrador. Você verá... bem, nada. A ilha desabitada que deveria estar lá é muito pequena para o Google Maps exibir.

 

 

Arte de Ng Staff

Mas há quase 50 anos, o primeiro satélite de observação da Terra da Nasa, um projeto conjunto com o Serviço Geológico dos EUA (USGS, na sigla em inglês), captou um sinal espectral da ilha a mais de 800 quilômetros de altura. A descoberta aumentou a área territorial do Canadá em 67 quilômetros quadrados – uma expansão modesta que, no entanto, anunciou uma conquista emocionante para o programa hoje conhecido como Landsat. Em 1979, o afloramento foi oficialmente chamado de Landsat Island, em homenagem ao revolucionário olho-no-céu que o avistou.

“Isso mudou totalmente o campo da cartografia”, diz Terry Sohl, pesquisador do USGS Earth Resources Observation and Science Center, sobre o programa.

A Nasa pode ser mais conhecida por olhar para as estrelas, mas os satélites da agência espacial também estão olhando para nosso mundo natal há meio século. Inspirado nas imagens espaciais da Terra retornadas durante os voos Mercury e Gemini, o Earth Resources Technology Satellite decolou em 23 de julho de 1972. Alguns anos depois, ficaria conhecido como Landsat 1. Ainda administrado pela Nasa e pelo USGS, o programa Landsat tornou-se o empreendimento de observação da Terra mais antigo da história.

Ilha Landsat, fotografada de um helicóptero da Guarda Costeira Canadense, em 1997.

Foto de David Gray

“Se você pensar em meados dos anos 1960, a corrida espacial estava acontecendo. O público dos EUA estava encantado, e foi uma ideia única usar essa tecnologia não apenas para aplicações militares, mas para transformar essas câmeras. E veja o que está acontecendo na superfície da Terra”, cita Sohl. “As pessoas realmente não sabiam o que esperar.”

Desde 1972, nove satélites Landsat povoaram os céus da Terra (embora um – Landsat 6 – não tenha alcançado a órbita). Hoje, três deles circulam ao redor do planeta em órbitas polares, olhando para faixas de terra de 185 quilômetros de largura e fazendo medições altamente detalhadas. 

A cada 16 dias, os mesmos pontos são vistos novamente pelos mesmos satélites. Assim, ao longo de cinco décadas de observação da Terra, o Landsat compilou o registro mais detalhado de todos os tempos sobre a mudança da face do nosso planeta.

“Foi um grande programa de descoberta”, diz James Irons, da Nasa, líder do programa Landsat há décadas. “Na época do lançamento do Landsat 1, nem toda a Terra estava bem mapeada – os dados eram bastante escassos.”

E isso preparou o terreno para a cartógrafa e piloto Elizabeth Fleming usar os dados do Landsat para deixar uma marca incomum na história.

O pixel que expandiu o Canadá

Em 1973, uma pesquisa costeira canadense decidiu usar os dados do Landsat para mapear melhor as costas do norte do país, escassamente mapeadas. Enquanto inspecionava os dados do satélite, Fleming detectou um sinal revelador no espectro de luz refletindo na superfície da Terra. Ela concluiu que vinha de uma ilha, não de um iceberg.

Medindo apenas  24 metros de largura por 45 metros de comprimento, o atol rochoso refletia a luz infravermelha em vez de absorvê-la como a água do mar circundante. A ilha era muito pequena para ser vista adequadamente, mas alterou significativamente a refletância média do pixel que ocupava.

“Para esse pixel, é uma mistura de água e terra”, explica Sohl. “Então, você vê um nítido contraste com a área circundante.”

Em 1976, uma equipe do Serviço Hidrográfico Canadense subiu aos céus sobre o norte de Labrador para verificar a existência da ilha e fixar sua posição no mapa; afinal, ele só havia sido visto em um pixel de dados de satélite. A cerca de 20 quilômetros da costa, o desolado pedaço de rocha se projetava da espuma em uma área conhecida como orla – um conjunto traiçoeiro de recifes, baixios e rochas submarinas que os marinheiros evitam. A descoberta de Fleming se manteve: a ilha existia.

Conforme relatado ao Parlamento canadense, quando o hidrógrafo Frank Hall foi baixado de um helicóptero para a ilha coberta de gelo, ele escapou por pouco de um golpe letal de um urso polar que estava escondido.

“Ainda me lembro de ouvir rádio quando menino e ouvir com certa empolgação, porque eu sonhava em ser um explorador quando crescesse, com a descoberta da nova ilha na costa leste do Canadá”, disse em 2001 Scott Reid, membro do Parlamento.

“Foi uma descoberta de importância prática para o Canadá porque permitiu que o país expandisse suas águas territoriais.”

Qual o legado do satélite Landsat?

Os mais novos membros da frota Landsat – Landsat 9, lançado em setembro de 2021 – são iterações mais avançadas do Landsat 1. Eles estudam nosso planeta em mais comprimentos de onda de luz. Suas lentes são mais nítidas e têm imagens térmicas a bordo.

De seus locais em órbita, esses satélites medem áreas costeiras, caracterizam ilhas de calor urbanas, vigiam uma corrida do ouro na Amazônia e até rastreiam a quantidade de água consumida em 8 mil hectares de uma região vinícola da Califórnia.

“As aplicações para sensoriamento remoto, seja em vinhedos ou agricultura, ou ajudar as pessoas a combater incêndios no Ocidente – é muito legal de estar envolvido”, comenta Sohl.

Hoje, Landsat é acompanhado por centenas de satélites de observação da Terra, tanto governamentais quanto comerciais. Essa constelação faz observações cruciais que ajudam a orientar as decisões sobre o gerenciamento dos recursos cada vez mais escassos do nosso planeta.

“Em todas as nossas observações da Terra, estamos acompanhando os impactos de uma população crescente”, revela Irons. Quando o Landsat 1 foi lançado, menos de quatro bilhões de humanos viviam no planeta Terra, um número que desde então dobrou.

“Torna-se cada vez mais difícil para os recursos da Terra nos sustentar nessas condições”, comenta ele. “Mas tento ser otimista, e minha esperança é que, com informações precisas, as pessoas estejam melhor posicionadas para tomar decisões sábias.”

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Espaço
Conheça esses misteriosos asteroides que podem ameaçar a Terra
Ciência
Covid-19: Qual o papel do mercado úmido de Wuhan, na China, no início da pandemia?
Ciência
Tesouro paleontológico brasileiro ‘perdido’ é reencontrado após 70 anos
Ciência
Distúrbio do espectro alcoólico fetal: o que é e quais são suas consequências
Ciência
Por que o câncer de mama se espalha mais agressivamente durante o sono?

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados