Telescópio Webb da NASA faz história: esta é a primeira imagem mais profunda e nítida do Universo até hoje

As primeiras imagens do Telescópio Espacial James Webb foram apresentadas em um evento pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

Por Nadia Drake
Publicado 12 de jul. de 2022 16:52 BRT
A primeira imagem de campo profundo obtida pelo Telescópio Espacial James Webb mostra galáxias do universo ...

A primeira imagem de campo profundo obtida pelo Telescópio Espacial James Webb mostra galáxias do universo primitivo, ampliadas por um aglomerado galáctico em primeiro plano.

Foto de Image by NASA ESA (272113), CSA (272278), STScI (272279)

Depois de uma viagem de um milhão de quilômetros ao espaço, o mais novo observatório da Nasa, o Telescópio Espacial James Webb (JWST, na sigla em inglês), capturou seu primeiro conjunto de imagens coloridas do universo. Em um evento especial de pré-visualização em 11 de julho, o presidente dos EUA, Joe Biden, revelou um deles, no qual centenas – se não milhares – de galáxias distantes pintam um mar cósmico escuro.

“É uma nova janela para a história do nosso universo”, disse Biden durante o evento. “E hoje vamos ter um vislumbre da primeira luz a brilhar através daquela janela.”

A imagem é a primeira foto do JWST no que os astrônomos chamam de imagem de campo profundo, quando o telescópio dá uma longa olhada em um pequeno pedaço do espaço, coletando luz fraca e revelando objetos extremamente distantes. Como visto através do olho infravermelho afiado do instrumento, esse pequeno pedaço é povoado por galáxias giratórias, brilhantes e lindas, algumas das quais existiam há mais de 13 bilhões de anos, quando o universo ainda era uma criança.

“Você vê a visão mais profunda do universo, de todos os tempos, nessa foto”, diz Thomas Zurbuchen, da Nasa, administrador associado da diretoria da missão científica.

Pelo menos quatro imagens adicionais serão lançadas em 12 de julho, oferecendo novas visões de galáxias em colisão, as exalações finais de uma estrela moribunda, um enorme berçário estelar e o espectro de um mundo alienígena.

Em uma das primeiras imagens capturadas pelo Telescópio James Webb da Nasa durante sua fase de testes, um punhado de estrelas, distinguidas por seus picos de difração, brilham em meio a milhares de galáxias fracas, algumas no universo próximo, mas muitas mais no universo distante.

Foto de Image by NASA CSA (272278), FGS team (272280)

Lançado em 25 de dezembro de 2021, o JWST é o telescópio mais poderoso que já voou. Quando os cientistas o imaginaram pela primeira vez décadas atrás, eles pensaram em um telescópio que seria capaz de espiar os primórdios do universo, quando as primeiras estrelas e galáxias estavam emergindo da escuridão cósmica. Para fazer isso, o observatório de 10 bilhões de dólares vê o céu em luz infravermelha, ou comprimentos de onda ligeiramente maiores do que os olhos humanos podem perceber. Uma vez que as imagens estão no solo, elas são coloridas, usando uma paleta que corresponde aos diferentes comprimentos de onda do infravermelho.

Ao longo dos anos, vários atrasos, erros durante a montagem, estouros no orçamento e uma controvérsia contínua sobre o homem que deu nome ao telescópio atormentaram a jornada do JWST ao espaço. Mas uma vez lá, o telescópio realizou com sucesso uma rotina de implantação complexa com centenas de etapas complicadas. O espelho de 21 pés de diâmetro do observatório se desdobrou, assim como um protetor solar de várias camadas, e os instrumentos esfriaram até quase zero absoluto.

Agora, com essas primeiras imagens em mãos, fica claro que o JWST está funcionando talvez ainda melhor do que o esperado – e que seus próximos 20 anos de operações científicas serão recheados de surpresas.

Um olhar para trás no tempo

A imagem de campo profundo divulgada nesta segunda-feira, de certa forma, é análoga a viajar no tempo. Oferece um vislumbre do passado distante, quando as primeiras galáxias estavam apenas crescendo.

Zurbuchen a descreve como uma “tomada de ação” porque a luz dessas galáxias de fundo aparentemente incontáveis ​​é amplificada e distorcida pela imensa gravidade de um aglomerado galáctico – chamado SMACS 0723 – em primeiro plano. Esse aglomerado maciço, que está a quatro bilhões de anos-luz da Terra, age como uma lente de aumento, permitindo que a luz de galáxias extremamente antigas e muito mais distantes apareçam.

“Está claro que a luz encontra um caminho realmente complexo para nós”, diz Zurbuchen. “Acho que é quase esmagadoramente bonito, sabendo que os fótons que você está imaginando aqui estão no espaço, a caminho desta câmera, há mais de 13 bilhões de anos. Acho que isso tira o fôlego.”

Esta não é a primeira vez que os cientistas apontaram um telescópio para um pedaço do espaço. Em 1995, o Telescópio Espacial Hubble olhou para um pedaço de céu aparentemente vazio por cem horas. Esse esforço produziu uma das imagens mais revolucionárias da ciência: um bolsão de espaço repleto de galáxias que alterou profundamente as concepções de como o universo é povoado.

O Hubble continuou a produzir imagens cada vez mais profundas, ampliando a capacidade do telescópio de ver o universo primitivo. Da mesma forma, o JWST produzirá instantes cada vez mais profundos do cosmos, extraindo segredos da escuridão e revelando realidades que os humanos nunca viram antes – e talvez nunca tenham imaginado.

“Agora entramos em uma nova fase de descoberta científica. Com base no legado do Hubble, o Telescópio Espacial James Webb nos permite ver mais profundamente no espaço do que nunca e com uma clareza impressionante”, disse a vice-presidente Kamala Harris, presidente do Conselho Espacial Nacional, durante o briefing. “Isso melhorará o que sabemos sobre as origens do nosso universo, nosso sistema solar e, possivelmente, a própria vida.”

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Espaço
Novo telescópio espacial da Nasa conclui arriscado desdobramento
Espaço
Eventos astronômicos de julho de 2022: Lua dos Cervos e chuva de meteoros
Ciência
Buracos negros: tudo o que você precisa saber
Ciência
Foto do telescópio Hubble mostra estrela mais distante e antiga já vista
Espaço
Encontrada misteriosa camada roxa sobre rochas de Marte

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados