Por que o Ramadã é o mês mais sagrado na cultura islâmica

O avistamento da lua crescente marca o início do Ramadã, momento de piedade e autorreflexão para os muçulmanos.

Por Eslah Attar
Publicado 14 de abr. de 2021 11:30 BRT
01-ramadan-690946736

Um palestino ora na Grande Mesquita de Gaza durante o mês sagrado do Ramadã na Cidade de Gaza.

Foto de Ali Jadallah, Anadolu Agency/Getty

TODOS OS ANOS, MUÇULMANOS do mundo inteiro esperam pelo avistamento da lua crescente, que estabelece o primeiro dia oficial do Ramadã, o nono mês do calendário islâmico e o mês mais sagrado da cultura islâmica.

O início do Ramadã varia a cada ano porque o calendário lunar islâmico segue as fases da lua. O início e o fim do Ramadã são definidos por uma comissão de avistamentos lunares na Arábia Saudita. O mês sagrado começa no dia seguinte ao avistamento da lua crescente, que nem sempre está acessível, pois sua aparição é bem sutil e dura apenas cerca de 20 minutos. Se a lua não fica visível a olho nu devido à neblina ou às nuvens, são realizados cálculos lunares para prever se ela está no céu. Este ano, o Ramadã foi iniciado em 13 de abril e irá terminar em 12 de maio com celebrações do Eid al-Fitr.

MESQUITA AZUL

Construído no início do século 17, o edifício mais fotogênico de Istambul recebe esse nome por causa dos azulejos azuis que adornam seu interior.

Foto de Keith Arnold, Getty Images

Origem do Ramadã

O Ramadã, um dos meses do calendário islâmico, também fazia parte dos antigos calendários árabes. O nome do Ramadã deriva da raiz árabe “ar-ramad”, que significa “calor escaldante”. Os muçulmanos acreditam que, em 610 d.C., o anjo Gabriel apareceu ao profeta Maomé e revelou a ele o Alcorão, o livro sagrado do Islã. Acredita-se que essa revelação, Laylat Al Qadar — ou a “Noite do Poder” — tenha ocorrido durante o Ramadã. Os muçulmanos jejuam durante esse mês como forma de comemorar a revelação do Alcorão.

O Alcorão possui 114 capítulos e é considerado como a palavra vinda diretamente de Deus, ou Alá. Já o Hádice, um livro que contêm relatos dos companheiros de Maomé sobre sua filosofia e suas obras, complementa o Alcorão. Juntos, Alcorão e Hádice formam os textos religiosos do Islã.

O mês de observância

Durante o Ramadã, os muçulmanos têm como objetivo crescer espiritualmente e fortalecer a comunhão com Alá. Para isso, os fiéis praticam oração e recitação do Alcorão, ações conscientes e altruístas e a renúncia de qualquer tipo de difamações, mentiras e discórdias. 

Adoradores muçulmanos oram perto da Cúpula da Rocha na Mesquita Al-Aqsa de Jerusalém durante o Ramadã.

Foto de Muammar Awad Xinhua, eyevine/Redux

Ao longo do mês, os muçulmanos jejuam, evitando beber e ter relações sexuais entre o nascer e o pôr do sol. O jejum é obrigatório para todos os muçulmanos, exceto para mulheres grávidas ou em período menstrual, pessoas doentes, viajantes ou idosos. Os dias de jejum que não tiverem sido cumpridos durante o Ramadã, podem ser cumpridos durante o restante do ano, tanto seguidamente como em dias avulsos.

As refeições são oportunidades para os muçulmanos se reunirem com outras pessoas da comunidade e realizarem o jejum juntos. O chamado Suhur é uma refeição feita de madrugada, geralmente às 4h, antes da oração do Fajr, que é a primeira oração do dia. O Iftar, refeição da noite, pode começar assim que a oração do pôr do sol, Maghrib, terminar — normalmente por volta das 19h30. Como o profeta Maomé quebrou seu jejum com tâmaras e um copo d'água, os muçulmanos comem tâmaras tanto no Suhur quanto no Iftar. Alimento básico do Oriente Médio, a tâmara é rica em nutrientes, tem fácil digestão e fornece açúcar ao organismo após um longo dia de jejum.

Após o último dia do Ramadã, os muçulmanos celebram seu fim com o Eid al-Fitr - o “festival de quebra de jejum” - que começa com orações comunitárias ao amanhecer. Durante três dias de festa, os participantes se reúnem para orar, comer, trocar presentes e prestar homenagem aos parentes falecidos. Algumas cidades também recebem eventos festivos e grandes reuniões de oração.

Esse ano, a pandemia de coronavírus prejudicará a observância do Ramadã em todo o mundo, fazendo com que mesquitas fechem e interrompendo os planos de reuniões tradicionais de Suhur e Iftar. Mas, embora as celebrações devam ser moderadas esse ano, o espírito dessa tradição com séculos de história permanecerá o mesmo para muitos como um momento de piedade e autorreflexão.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

História
Reconstrução deu esperanças de igualdade para população negra dos EUA. Por que não deu certo?
História
Como foram as transições presidenciais mais conturbadas da história dos Estados Unidos
História
Em quanto tempo o Congresso americano pode realizar o impeachment de um presidente?
História
O que acontece se um presidente dos Estados Unidos se recusar a deixar o cargo?
História
Veja como a Rainha Vitória reconstruiu a monarquia britânica

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2017 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados