O que podemos aprender com as 3 mil mesquitas de Istambul?

Fé, arte e história convergem nestes locais islâmicos de culto. Aprendemos como as proezas arquitetônicas e detalhes de design narram a história da cidade.

A Mesquita Ortaköy, oficialmente Büyük Mecidiye Camii, foi concluída em 1854 no distrito de Beşiktaş, no Estreito de Bósforo. A lendária cidade de Istambul está repleta de mesquitas que contam histórias que datam dos impérios romano, bizantino e otomano até hoje.

Foto de Alba Cambeiro
Por Allie Yang
Publicado 8 de abr. de 2022 10:48 BRT

Histórias de devoção, orgulho e arte vivem dentro das paredes das mesquitas de Istambul. Existem mais de 3 mil locais de culto na maior cidade da Turquia, desde grandes edifícios em terrenos extensos até pequenas casas de madeira despretensiosos nas ruas da cidade.

Algumas foram originalmente construídas como igrejas bizantinas no século 4 d.C., e novas mesquitas continuam a ser erguidas regularmente. Sejam contemporâneas ou antigas, as mesquitas de Istambul demonstram uma enorme variedade: algumas apresentam cúpulas altas e são preenchidas com azulejos e caligrafias estampadas, enquanto outras são elegantes, minimalistas e modernas.

Construída pelo imperador bizantino Justiniano I no século 6 d.C., a Hagia Sophia originalmente serviu como a catedral cristã ortodoxa de Istambul (conhecida então como Constantinopla). Localizado no bairro de Sultanahmet, o edifício icônico também serviu como igreja católica, mesquita e museu em seus quase 1.485 anos de vida. 

Foto de Alba Cambeiro

As mesquitas da cidade estimulam suas comunidades, exibem arte e artesanato, e muitas delas honram a longa tradição de receber pessoas de fora para testemunhar as práticas dos fiéis do Islã. Esta reportagem é baseada em uma conversa com Ünver Rüstem, historiador da arte e arquitetura islâmica que escreveu extensivamente sobre as mesquitas de Istambul.

Mesquitas na sede dos impérios

Entrar em mesquitas pode transportar viajantes para eras passadas e contar histórias da ascensão e queda dos impérios romano, bizantino e otomano.

Antes da eletricidade, muitas mesquitas eram iluminadas por lâmpadas baixas, com chamas alimentadas a óleo que cobriam os quartos com uma luz dourada. Os espaçosos salões de orações teriam sido cobertos com tapetes tecidos à mão em uma variedade de cores, principalmente vermelho. Independentemente do tamanho do espaço, os fiéis oravam ombro a ombro. Antes do advento dos desodorantes, o cheiro de incenso queimando adoçava o ar. Ao contrário de algumas seitas do cristianismo, o incenso nunca foi necessário para a liturgia.

[Veja: 22 fotos fascinantes da arquitetura ao redor do mundo]

Hoje, as mesquitas são iluminadas com lâmpadas elétricas e geralmente apresentam um tapete azul bebê feito à máquina. O incenso não é mais queimado. No entanto, as orações dos devotos que enchem esses salões seguem rituais há muito estabelecidos.

Muezzins, cantores que realizam a tradição secular de chamar os fiéis para a oração, criam um dos sons mais onipresentes da cidade. Antes de cada uma das cinco orações diárias, as vozes dos muezzins podem ser ouvidas em camadas e entrelaçadas umas com as outras.

As formas circulares e modernas da Mesquita Yeşilvadi representam o universo, o infinito e a unidade. Foi construído em 2004.

Foto de Alba Cambeiro
À esquerda: No alto:

Concluída em 1755, a Mesquita Nuruosmaniye está localizada a leste do Grande Bazar, no bairro de Çemberlitaş, em Istambul. O complexo também contém uma madrassa (escola), imaret (cozinha de sopa), túmulo, biblioteca e sebil (quiosque para distribuição de água).

À direita: Acima:

Localizada perto do Bazar das Especiarias, no distrito de Tahtakale, a Mesquita Rüstem Pasha foi projetada pelo famoso arquiteto otomano Mimar Sinan. A estrutura se destaca entre as mesquitas de Sinan e outras da cidade por causa da extensa decoração de seu interior com azulejos de İznik.

fotografias de Alba Cambeiro

Hoje em dia, os chamados à oração (ezan em turco, adhan em árabe) são transmitidos por alto-falantes montados nos minaretes, torres que podem atingir centenas de metros de altura. No passado, você ouviria apenas o que a voz de um muezzin poderia carregar no vento. Os cantadores subiam às sacadas no topo dos minaretes e colocavam as mãos em concha em volta da boca para transmitir melhor seus chamados.

Famosamente abrangendo a Europa e a Ásia, Istambul foi palco de diferentes culturas e religiões poderosas. O imperador romano Constantino  fundou a cidade em 330 d.C.; a cidade foi batizada de Constantinopla em sua homenagem e conhecida como tal até 1930, quando foi oficialmente rebatizada de Istambul, o histórico nome turco da cidade. Quando o Império Romano se dividiu em 395, a cidade se tornou a capital do Império Romano do Oriente (Bizantino) e um centro do cristianismo – até que o sultão otomano Mehmed II capturou a cidade em 1453. Os turcos muçulmanos do império otomano passaram a converter igrejas em mesquitas ao redor da cidade e construir mesquitas próprias.

[Conteúdo relacionado: Do olho grego ao sagrado coração: amuletos da sorte em todo o mundo]

As mesquitas eram frequentemente batizadas em homenagem a quem que pagou por ela, e as construções tornaram-se uma expressão física do poder político ou status social do patrono. Havia regras não escritas sobre quão grandiosa uma mesquita poderia ser – por exemplo, apenas membros da família real otomana tinham permissão para construir mais de um minarete.

A Mesquita do Sultão Eyüp é uma das mesquitas mais sagradas e importantes de toda a Turquia, localizada fora das antigas muralhas da cidade, perto do Corno de Ouro. Abu Ayyub al-Ansari, porta-estandarte e amigo próximo do profeta Maomé, teria sido enterrado lá.

Foto de Alba Cambeiro

No início de 1600, o sultão Ahmed provocou um escândalo ao quebrar outra regra: apenas sultões que tivessem sucesso em guerra poderiam construir grandes mesquitas.

Ele propôs a construção de uma nova mesquita em frente à mesquita mais famosa da cidade, a convertida catedral de Hagia Sophia, sem uma conquista que a justificasse. Seus conselheiros desaconselharam, mas ele a construiu assim mesmo. Hoje, a Mesquita do Sultão Ahmed, ou Mesquita Azul, é um dos edifícios mais emblemáticos do mundo, com um total impressionante de seis minaretes. Quatro séculos depois, continua sendo o legado mais notável de Ahmed.

Exposições de arte e artesanato

Além de reunir os fiéis, as mesquitas de Istambul exibem obras de beleza e feitos de engenharia para pessoas de todo o mundo.

As cúpulas das mesquitas mais grandiosas de Istambul podiam simbolizar os céus e o reino de Deus, mas, como os minaretes, o tamanho também era uma forma de afirmar o poder. A cúpula principal da Mesquita Süleymaniye, construída em meados do século 16 pelo Sultão Süleyman, o Magnífico, tem 26 metros de diâmetro e 53 m de altura, 3,5 m mais alta que o Arco do Triunfo em Paris.

O arquiteto por trás da Mesquita Süleymaniye foi o famoso Mimar Sinan, que serviu mais dois sultões depois de Süleyman. Responsável por dezenas de mesquitas e outros edifícios de Istambul, Sinan é uma das figuras mais notáveis ​​da história arquitetônica da cidade.

[Você pode se interessar: Por que o Ramadã é o mês mais sagrado na cultura islâmica]

Com regras estritas no passado sobre como um patrono poderia construir suas mesquitas, os azulejos se tornaram uma maneira de contornar os códigos de decoro. Uma mesquita pequena e humilde que não pudesse usar enormes cúpulas e minaretes poderia deslumbrar os fiéis com artesanato intrincado. Um desses edifícios é a mesquita do final do século 16 do fabricante de tocas Takkeci İbrahim Agha, que, apesar de modesta, é coberta por magníficos azulejos multicoloridos trazidos de İznik.

O apelido da Mesquita do Sultão Ahmed, Mesquita Azul, vem da tonalidade azul dada pelos milhares de azulejos İznik em desenhos geométricos e florais que decoram suas paredes. A estrutura apresenta quatro meias cúpulas em torno de sua cúpula central principal, assim como centenas de painéis de vitrais.

Foto de Alba Cambeiro
À esquerda: No alto:

A Mesquita Süleymaniye foi projetada por Mimar Sinan na década de 1550 para Süleyman, o Magnífico. Sua localização na Terceira Colina da cidade proporciona uma vista expansiva da cidade em torno do Corno de Ouro. Durante 462 anos, a mesquita foi a maior mesquita da cidade, até ser superada pela mesquita Çamlıca em 2019.

À direita: Acima:

A Nova Mesquita, no extremo sul da Ponte Galata, tem 350 anos de idade. Safiye Sultan, a esposa do Sultão Murad III, comissionou o edifício no final do século 16. Entretanto, o projeto foi abandonado e não foi concluído até os anos 1660, quando Hadice Turhan, rainha mãe de Mehmed IV, assumiu o local. O arquiteto original era Davut Ağa, um aprendiz de Mimar Sinan.

fotografias de Alba Cambeiro

A cidade de İznik, 130 km a sudeste de Istambul, tornou-se famosa em 1500 por sua indústria de azulejos. Os ladrilhos de cerâmica vitrificada apresentavam motivos botânicos como tulipas, cravos e videiras, alguns dos quais influenciados pela porcelana chinesa, muito valorizada ao longo da Rota da Seda.

Passagens do Alcorão adornam os edifícios tanto por dentro quanto por fora em caligrafia pintada e esculpida. Eles não precisavam ser lidos para serem significativos – mesmo os fiéis incapazes de decifrar o idioma podiam admirar essas inscrições como belas representações da palavra sagrada de Deus.

Comunidade de boas-vindas

As mesquitas foram feitas para deixar os visitantes com uma lembrança da grandeza de um patrono, a magnificência da cidade de Istambul e a glória da religião do Islã. Historicamente, os visitantes não-muçulmanos podiam ter acesso às principais mesquitas da cidade sem muita dificuldade; hoje, os turistas são recebidos livremente .

As mesquitas costumavam ser o centro de complexos que continham banheiros, escolas, hospitais, bibliotecas e cozinhas para alimentar os pobres. Hoje, banhos e bebedouros em algumas mesquitas ainda funcionam. Outras estruturas foram convertidas para necessidades modernas, incluindo cafés e escritórios.

A Mesquita Mihrimah Sultan é um edifício do século 16 localizado no bairro Edirnekapı, perto do ponto mais alto da cidade. Em contraste com os vitrais das igrejas cristãs que muitas vezes retratam figuras e histórias, os vitrais islâmicos usam desenhos botânicos e geométricos.

Foto de Alba Cambeiro

Os patronos que financiavam esses complexos às vezes eram enterrados em um túmulo dentro do próprio complexo, onde visitantes podiam prestar suas homenagens.

Pode-se supor que essas mesquitas sejam silenciosas e reservadas, mas, na realidade, são espaços habitados – suas portas raramente se fecham. Você pode se surpreender ao ouvir os gritos das crianças e ver as pessoas tirando selfies, mas é exatamente isso que uma mesquita deve fazer – reunir as pessoas em um belo espaço que honra a Deus.

Alba Cambeiro é fotojornalista radicada em Istambul. Você pode encontrá-la no Instagram.

Ünver Rüstem é professor assistente de arte e arquitetura islâmica da Second Decade Society na Universidade Johns Hopkins. Ele é o autor de Ottoman Baroque: The Architectural Refashioning of Eighteenth-Century Istanbul.

Allie Yang é editora de viagens da National Geographic. Ela conversou com Ünver Rüstem para conhecer a história de Istambul como capital imperial e centro de arte e cultura islâmicas. Você pode encontrá-la no Twitter.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Viagem
Esta antiga cidade de sultões é uma maravilha do século 21
Viagem
A cidade belga onde surgiu a teoria do Big Bang
Viagem
Poluição ameaça algumas das gravuras rupestres mais antigas do mundo
Viagem
Ao longo da Muralha de Adriano, templos, torres e cultos da Roma Antiga ganham vida
Viagem
'Vilas brancas' da Andaluzia foram forjadas por epidemias passadas

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados