Conheça os países que mudaram de nome ao longo da história

Saiba os motivos que levaram países a serem rebatizados — por exemplo a Suazilândia, que alterou recentemente seu nome para Essuatíni para celebrar sua independência.

Publicado 6 de dez. de 2021 07:00 BRT
macedonia-name-change

Em 2019, a República da Macedônia tornou-se oficialmente a República da Macedônia do Norte.

Foto de ROBERT HARDING PICTURE LIBRARY, Nat Geo Image Collection

Em abril de 2018, o último monarca absolutista da África celebrou o 50o aniversário de independência da Grã-Bretanha com uma mudança de nome: em vez de Suazilândia, a nação da região do sul da África passou a ser denominada Reino de Essuatíni.

“Os países africanos, ao obter a independência, retomaram os nomes antigos que possuíam antes de serem colonizados”, disse o rei Mswati III a uma multidão que se reunia para as celebrações do dia da independência daquele ano. “A partir de agora, o país será oficialmente conhecido como Reino de Essuatíni.”

O rei também reclamava há muito tempo que pessoas de outros continentes além da África confundiam seu país com a Suíça. E há semelhanças: Essuatíni, “a terra dos suazis”, também não possui litoral e é um tanto montanhoso. Mas é muito menor do que a Suíça e está localizado na fronteira leste da África do Sul, ao sul do Parque Nacional Kruger. E, ao contrário da democracia suíça, o rei Mswati herdou o trono em 1986 de seu pai, Sobhuza II, que reinou por 82 anos.

Mudar o nome de um país traz complicações: atualização do papel timbrado do governo e da assinatura oficial, placas de veículos, uniformes das forças armadas e de equipes esportivas nacionais e até mesmo a moeda oficial. Conheça a seguir outros países que mudaram de nome.

Por que os países mudam seus nomes

Macedônia é o país que mais recentemente mudou de nome. Em 2019, a nação anteriormente conhecida como República da Macedônia se tornou a República da Macedônia do Norte. O primeiro-ministro do país havia promovido a mudança como um passo fundamental para melhorar as relações com a Grécia e finalmente fazer parte da União Europeia e da OTAN. A decisão ocorreu após décadas de disputa com o governo grego em Atenas sobre o uso do nome Macedônia.

Por questões de marketing, e não de identidade, a República Tcheca agora quer ser conhecida como Chéquia. Autoridades disseram que ter um nome com apenas uma palavra tornaria mais fácil a promoção de sua identidade no cenário nacional. Afinal, a França é oficialmente “República Francesa”, argumentaram. A própria República Tcheca é relativamente nova: o país originou-se em conjunto com a República Eslovaca por meio da divisão da Tchecoslováquia em 1993. O uso do nome Chéquia foi oficializado em 2016.

Em outra mudança recente de nome de país, Cabo Verde, que em inglês era denominado Cape Verde — uma nação composta geograficamente por 10 ilhas, com meio milhão de habitantes, no Oceano Atlântico — passou a adotar oficialmente o nome português “Cabo Verde” em 2013, nome original que os navegadores portugueses deram às ilhas desabitadas em 1444.

Talvez o caso mais complexo de mudanças de nomes de países envolva um país da Europa Central que não existe mais. A Iugoslávia foi construída a partir dos destroços da Primeira Guerra Mundial e foi oficialmente chamada de Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos. Em 1929, foi renomeado como Reino da Iugoslávia. Após a Segunda Guerra Mundial, um governo comunista assumiu o controle e o renomeou como República Popular Federativa da Iugoslávia. Em 1963, o país foi novamente renomeado como República Socialista Federativa da Iugoslávia.

Após o colapso da União Soviética e uma série de conflitos internos brutais, a Iugoslávia se desfez em 1992. Após várias mudanças de fronteira e mais conflitos, o território da antiga Iugoslávia é hoje composto pelos modernos Estados da Sérvia, Croácia, Bósnia e Herzegovina, Eslovênia, Macedônia e Montenegro. A Província Autônoma de Cosovo e Metóquia, na Sérvia, declarou unilateralmente sua independência em 2008.

A República Democrática do Congo também passou por muitas mudanças de nome. De 1885 a 1908, o país africano foi chamado (sem ironia) de Estado Livre do Congo, embora brutalmente governado como uma propriedade pessoal do rei Leopoldo II da Bélgica. Mais tarde, tornou-se o Congo Belga, depois Congo-Leopoldville e, finalmente, após sua independência em 1960, República do Congo. Poucos anos depois, o nome do país foi alterado para República Democrática do Congo. Em 1971, o ditador Mobutu Sese Seko renomeou o país como República do Zaire, talvez pelo fato de que Zaire pudesse representar um nome alternativo para o rio Congo. Após a queda de Mobutu, o nome foi alterado novamente para “República Democrática do Congo”, em 1997.

Outras mudanças relevantes de nomes de países:

  • Reino do Camboja → República Khmer → Kampuchea → Camboja (1991);
  • Somalilândia Francesa → Território Francês dos Afares e Issas → Djibouti (1977);
  • Ilhas Gilbert → Kiribati (1979);
  • Timor Português → Timor Leste → Timor-Leste (2002);
  • Sudoeste Africano Alemão → Sudoeste Africano → Namíbia (1990);
  • Alto Volta → Burkina Faso (1984).
Continuar a Ler

Você também pode se interessar

História
Como a Pedra de Roseta ajudou a desvendar os segredos de antigas civilizações
História
Por que o Ramadã é o mês mais sagrado na cultura islâmica
História
Reconstrução deu esperanças de igualdade para população negra dos EUA. Por que não deu certo?
História
Como foram as transições presidenciais mais conturbadas da história dos Estados Unidos
História
Em quanto tempo o Congresso americano pode realizar o impeachment de um presidente?

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados