Sílfio: planta milagrosa desaparecida há 2000 anos está mesmo extinta?

O sílfio (silphium) curava doenças e tornava os alimentos saborosos, mas, aparentemente, o imperador Nero consumiu o último talo. Hoje, um pesquisador turco acredita ter encontrado um sobrevivente botânico.

O professor Mahmud Miski mostra um punhado de ferula drudeana florida perto do Monte Hasan, no centro da Turquia. Letrado em medicina vegetal, ele acredita que a espécie seja o silphium, amada pelos antigos gregos e romanos e considerada extinta.

Foto de Alice Zoo National Geographic
Por Taras Grescoe
Publicado 29 de set. de 2022 09:49 BRT

De antes da ascensão de Atenas ao auge do Império Romano, um dos produtos mais procurados no mundo mediterrâneo era uma planta de flor dourada chamada sílfio (silphium). Para os antigos médicos gregos, o sílfio era uma cura para tudo, desde dor de estômago até a remoção de verrugas. 

Para os chefs romanos, era um alimento básico da culinária, crucial tanto para temperar um pote de lentilhas do dia-a-dia como para finalizar um extravagante prato de flamingo escaldado. Durante o reinado de Júlio César, mais de 450 kg da planta foram armazenadas ao lado de ouro nos tesouros imperiais de Roma, e as mudas de sílfio chegaram a valer tanto como a prata.

Mas sete séculos depois que a adorada planta foi documentada pela primeira vez crescendo ao longo da costa de Cyrenaica, no que hoje é a Líbia moderna (segundo um cronista, foi em 638 a.C. após uma "chuva negra"), o sílfio desapareceu do antigo mundo mediterrâneo.

"Somente um talo foi encontrado", lamentou o cronista romano Plínio, o Velho em sua História Natural, no primeiro século d.C., "e foi dado ao imperador Nero".

À esquerda: No alto:

O professor da Universidade de Istambul Mahmut Miski segura um talo florido de ferula drudeana nas encostas do Monte Hasan. Ele encontrou a planta pela primeira vez em 1983, mas só quase 20 anos depois começou a notar suas semelhanças com o antigo sílfio.

À direita: Acima:

A idade estimada destas plantas maduras de ferula drudeana é aproximadamente de 15 anos. Após uma abundante nevada, o derretimento em 2022 irrigou o local onde elas crescem no centro da Turquia, e teve como resultado uma florescência incontrolável de flores cativantes.

fotografias de Alice Zoo National Geographic

Desde a Idade Média, inspirados por relatos antigos, exploradores botânicos procuraram esta notável planta em três continentes, mas sempre em vão. Muitos historiadores consideram o desaparecimento do sílfio como a primeira extinção registrada de qualquer espécie, planta ou animal, e uma importante advertência sobre como o apetite humano pode apagar completamente uma espécie da natureza.

Mas será que o sílfio está verdadeiramente extinto? Graças a um afortunado encontro quase 40 anos atrás, e décadas de pesquisas subsequentes, um professor da Universidade de Istambul suspeita ter redescoberto os últimos resquícios da planta antiga mais de mil anos depois que ela desapareceu dos livros de história, e a quase mil quilômetros de onde ela uma vez cresceu.

Uma "mina de ouro"

Numa manhã ensolarada de outubro do ano passado, Mahmut Miski estava no sopé de rochas de um vulcão ativo na região da Capadócia, no centro da Turquia, caminhando em direção a uma mata de talos sulcados e cor de búfalo sombreados por pistache silvestres. "Bem-vindo à 'terra do sílfio'", disse o professor de 68 anos, enquanto se inclinava para puxar um talo e raiz nodosa do solo. 

Essa bola de raiz – onde se gestam todos os químicos da planta – invadiu o ar com um aroma agradável e ligeiramente medicinal, algo parecido com a seiva do eucalipto e a terebintina. "Para mim, o cheiro é estimulante, além relaxante", explicou Miski. "Você pode ver porque as pessoas que se deparam com esta planta se apegam a ela".

Mahmut Miski inspeciona as plantas ferula drudeana que ele propagou em colaboração com a equipe do Jardim Botânico Nezahat Gökyiğit, de Istambul. Antigos relatos descrevem tentativas sem sucesso de transplantar o sílfio do que é agora a costa da Líbia para a Grécia continental. A equipe de Miski também achou a ferula drudeana difícil de propagar, mesmo sob condições controladas em uma estufa.

Foto de Alice Zoo National Geographic
À esquerda: No alto:

Extratos e resinas coletadas da raiz de ferula drudeana, no laboratório de Mahmut Miski, na Universidade de Istambul. Análises dos extratos de raiz revelaram compostos para combater o câncer e anti-inflamatórios, bem como um que pode ser responsável pelo cheiro cativante da planta – uma característica do sílfio frequentemente notada por escritores antigos.

À direita: Acima:

Miski usa uma lupa para inspecionar as sementes coletadas de ferula drudeana, a planta que ele acredita ser o sílfio. Relatos antigos descrevem o desaparecimento da planta nos primeiros séculos d.C., com sua última menção em uma carta do bispo de Cyrenaica (Líbia moderna), no ano 406.

fotografias de Alice Zoo National Geographic

Miski, que trabalha com farmacognosia – o estudo de medicamentos derivados de fontes naturais – na Universidade de Istambul, tinha visto pela primeira vez a planta moderna que ele agora acredita ser o antigo sílfio enquanto fazia pesquisas pós-doutorais 38 anos atrás. Ele tinha recebido uma bolsa para coletar espécimes de ferula, um gênero de plantas floridas em uma família apiaceae, que inclui cenouras, funcho e salsa, e tem a reputação de produzir muitos compostos novos para combater doenças.

Em um dia de primavera em 1983, dois rapazes de uma pequena aldeia capadócia conduziram Miski por uma estrada de terra íngreme até as encostas do Monte Hasan, onde a família deles alimentava um cultivo vivo de cevada e grão-de-bico. Atrás das paredes empedradas que protegiam as plantas do pastoreio, os irmãos mostraram a Miski várias plantas ferula altas com caules grossos, que emanavam uma resina de sabor azedo. Finalmente, a pesquisa do professor revelou que apenas outro exemplar desta planta havia sido coletado em 1909, em um local a 240 km ao leste do Monte Hasan – e foi posteriormente identificado como uma nova espécie: ferula drudeana.

O palpite de Miski de que a ferula drudeana provaria ser uma mina de ouro química deu certo. As análises do extrato de raiz identificaram 30 metabolitos secundários – substâncias que, embora não contribuam para uma planta crescer ou se reproduzir, ainda assim conferem algum tipo de vantagem seletiva. Entre os compostos, muitos dos quais têm propriedades contraceptivas, anti-inflamatórias e anticancerígenas, está o shyobunone, que atua sobre os receptores de benzodiazepina do cérebro e pode contribuir para o cheiro cativante da planta. Miski acredita que futuras análises da espécie revelarão a existência de dezenas de compostos de interesse médico ainda não identificados.

"Você encontra os mesmos produtos químicos no alecrim, açoro, alcachofra, sálvia e gálbano, outra planta ferula", destaca o professor. "É ter combinado meia dúzia de plantas medicinais importantes em uma única espécie".

Ferula drudeana tinha claramente potencial médico, mas foi apenas em uma visita de retorno ao Monte Hasan, em 2012, que Miski começou a ponderar suas semelhanças à planta de sílfio mencionada em textos botânicos antigos. Os jovens cuidadores das plantas ferula contaram ao professor como as ovelhas e cabras adoravam pastar em suas folhas, o que o lembrou de uma descrição no livro História Natural, de Pliny, que relatava ovelhas sendo engordadas com sílfio. Miski também observou que depois de serem atraídos pela seiva cor de pérola, insetos voadores começaram a acasalar, o que o fez pensar em lendas que celebravam as qualidades afrodisíacas da planta antiga.

Em um artigo de 2021 publicado na revista Plants, Miski descreveu as semelhanças entre o sílfio e a ferula drudeana: raízes espessas e ramificadas, semelhantes ao ginseng, folhas como copas de árvores, um talo estriado que se ergue em direção a extravagantes cachos circulares de flores, folhas em forma de aipo e cálice fino como o papel (ou mericarpos) em forma de corações invertidos.

A semelhança na aparência não foi o único elo convincente. Dizia-se que o sílfio original apareceu de repente, após uma grande chuva torrencial. Miski observou que, quando as chuvas chegavam a Capadócia, em abril, ferula drudeana brotava do chão, crescendo até dois metros em pouco mais de um mês.

O ilustrador botânico e explorador da National Geographic Nirupa Rao trabalhou com fotografias e descrições de Mahmut Miski para ilustrar a ferula drudeana e sua particular raiz semelhante ao ginseng.

Arte de Nirupa Rao

"É honestamente uma das plantas mais difíceis que tive que pintar por causa de seu padrão de ramificação exponencial", diz Rao. "Cada uma das hastes floridas se ramifica entre três e nove umbelas laterais, por sua vez cada uma delas com 16 a 20 novas umbelas, cada uma culminando em 14 a 22 pequenas flores".

Arte de Nirupa Rao

Semelhanças convincentes

Ferula drudeana tinha claramente potencial médico, mas foi apenas em uma visita de retorno ao Monte Hasan, em 2012, que Miski começou a ponderar suas semelhanças à planta de sílfio mencionada em textos botânicos antigos. Os jovens cuidadores das plantas ferula contaram ao professor como as ovelhas e cabras adoravam pastar em suas folhas, o que o lembrou de uma descrição no livro História Natural, de Pliny, que relatava ovelhas sendo engordadas com sílfio. Miski também observou que depois de serem atraídos pela seiva cor de pérola, insetos voadores começaram a acasalar, o que o fez pensar em lendas que celebravam as qualidades afrodisíacas da planta antiga.

Em um artigo de 2021 publicado na revista Plants, Miski descreveu as semelhanças entre o sílfio e a ferula drudeana: raízes espessas e ramificadas, semelhantes ao ginseng, folhas como copas de árvores, um talo estriado que se ergue em direção a extravagantes cachos circulares de flores, folhas em forma de aipo e cálice fino como o papel (ou mericarpos) em forma de corações invertidos.

A semelhança na aparência não foi o único elo convincente. Dizia-se que o sílfio original apareceu de repente, após uma grande chuva torrencial. Miski observou que, quando as chuvas chegavam a Capadócia, em abril, ferula drudeana brotava do chão, crescendo até dois metros em pouco mais de um mês.

 

À esquerda: No alto:

Um tetra-dracma de prata e dracmas de ouro cunhadas no século 4 a.C. em Cyrenaica (Líbia moderna) com a imagem do sílfio. Cyrenaica era famosa como a fonte do antigo sílfio, e moedas com sua imagem, como estas das coleções da Sociedade Numismática Americana em Nova York, foram encontradas em todo o antigo mundo mediterrâneo e na Ásia.

À direita: Acima:

Amostras secas de ferula drudeana, coletadas em 1983 por Mahmut Miski. A espécie foi identificada pela primeira vez pelo renomado botânico russo Evgenii Korovin, depois que o único outro exemplar da planta foi encontrado nas montanhas de Taurus, na Turquia, em 1909. As duas populações turcas de ferula drudeana, separadas por 240 km, são geneticamente idênticas, levando Miski a acreditar que elas foram deliberadamente propagadas por mãos humanas.

fotografias de Alice Zoo National Geographic

Houve duas tentativas, sem sucesso, (relatadas por Hipócrates) para transplantar o sílfio para a Grécia continental. Miski também descobriu que a ferula drudeana é difícil de transplantar; sua equipe só conseguiu propagar a planta em uma estufa usando estratificação a frio, uma técnica em que as sementes são enganadas para germinar, expondo-as a condições úmidas, semelhantes ao inverno.

Desde o início do século 19, três espécies contemporâneas foram apresentadas como potenciais candidatas a serem o sílfio. O talo e os frutos da ferula tingitana, conhecidos como funcho gigante, são semelhantes à planta representada nas moedas cyrenaicas, e sua resina é utilizada como medicina popular no Marrocos, mas o alto teor de amoníaco da planta a torna praticamente não comestível. 

Cachrys ferulacea tem frutos em forma de coração e produz uma resina agradavelmente perfumada, mas suas folhas não correspondem às antigas descrições. É também uma planta comum na Itália e na Grécia, lugares onde as antigas fontes deixaram claro que o sílfio não crescia. A gomífera margotia se aproxima muito das imagens representadas nas moedas, mas o alcance da planta – que inclui o noroeste da África e a Península Ibérica – não corresponde. O talo dela é muito fino, e vários estudos concluíram que a planta tem pouco valor medicinal.

"Morfologicamente, ferula drudeana parece ser a candidata mais provável", diz Shahina Ghazanfar, uma associada de pesquisa especializada em taxonomia de plantas do Oriente Médio, que trabalha nos Jardins Botânicos Reais em Kew, em Londres. "Os caules estriados, os frutos e possivelmente a raiz parecem indicar que esta espécie de ferula poderia possivelmente ser um remanescente de uma planta cultivada na Anatólia que era conhecida como sílfio". Ghazanfar destaca a forma característica como as folhas estão dispostas em lados opostos do caule. "As folhas opostas, que não são encontradas nas outras espécies, são particularmente convincentes".

Um antigo sobrevivente?

Enquanto a ferula drudeana é a espécie que mais se encaixa nas antigas descrições do sílfio do que qualquer outra espécie ainda proposta, há um problema: descrições antigas eram unânimes que o melhor sílfio vinha exclusivamente de uma zona estreita ao redor da cidade de Cyrenaica, um local agora ocupado pelo moderno assentamento de Shahat, na Líbia. Os sopés do Monte Hasan se encontram a 1290 km em direção ao nordeste, em linha reta, através do Mediterrâneo. Quando Miski apresenta suas pesquisas em conferências, ele enfatiza o fato de que a planta foi registrada em dois locais na Turquia, ambos com populações gregas históricas que remontam à antiguidade.

Mehmet Ata (esquerda) era apenas um garoto em 1983 quando levou pela primeira vez Mahmut Miski (direita) a um cercado de pedra no centro da Turquia, onde cresce a ferula drudeana, e tem sido um zelador da planta desde então. A família Ata se instalou na região após a expulsão de comunidades gregas que viviam na região desde a antiguidade, em 1923.

Foto de Alice Zoo National Geographic
À esquerda: No alto:

Mehmet Ata planta uma ferula drudeana jovem, propagada por Mahmut Miski, em Istambul, em seu jardim no sopé do Monte Hasan, no centro da Turquia. Análises futuras da planta podem revelar a existência de dezenas de compostos de interesse médico ainda não identificados.

À direita: Acima:

Um olhar mais atento revela as delicadas folhagens de ferula drudeana propagadas no Jardim Botânico Nezahat Gökyiğit de Istambul. O gênero ferula de plantas floridas inclui cenouras, funcho e salsa. A Turquia é o lar de metade das aproximadas 200 espécies de ferula do mundo.

fotografias de Alice Zoo National Geographic

Em maio de 2021, Mehmet Ata desenterra uma madura ferula drudeana para utilizar em um experimento culinário com a historiadora de alimentos Sally Grainger. Enquanto os arqueólogos não encontrarem uma amostra do sílfio antigo para comparar com a ferula drudeana, os pesquisadores só podem comparar semelhanças e diferenças da planta viva com descrições antigas.

Foto de Alice Zoo National Geographic

Em outubro passado, Mehmet Ata – que quando menino levou Miski ao pomar onde a planta crescia – nos levou a uma aldeia próxima e nos apresentou sua casa de infância, agora abandonada, que consistia de um labirinto de quartos escuros esculpidos diretamente em rocha vulcânica. Ata hoje é avô e explicou que sua família havia tomado posse da casa algum tempo depois da expulsão dos gregos da região, em 1923. 

Antes disso, a aldeia havia sido habitada por gregos capadócios que moravam em aldeias no centro da Anatólia desde o tempo de Alexandre, o Grande. Miski especula que há cerca de 2000 anos, um comerciante ou fazendeiro grego tentou plantar sementes de sílfio que lhe haviam sido enviadas do norte da África.

"Como leva pelo menos dez anos para amadurecer, eles poderiam tê-lo plantado e depois esquecido. Mas a planta continuou crescendo na natureza, e acabou povoando esta pequena área", sugere. "Os descendentes dos agricultores originais não teriam como saber o que diabos era".

Erica Rowan, professora associada de arqueobotânica na Universidade Real Holloway. em Londres, considera plausíveis as especulações de Miski. "As sociedades antigas eram muito boas no transporte de coisas", aponta Rowan. "Não há razão para que as pessoas de Cyrenaica não pudessem ter trazido as sementes para Capadócia e plantá-las. As regiões são bastante semelhantes, com um clima mediterrâneo. E esta espécie ferula se parece com a que está representada nas moedas".

Alain Touwaide, um historiador especializado em plantas medicinais da antiguidade, é mais cético e questiona o raciocínio de que "isto é algo grego, porque os gregos moravam lá". Touwaide discute que a equipe de Miski conseguiria um argumento mais forte se isolarem os compostos achados na ferula drudeana que desempenham um papel médico semelhante àqueles para os quais foi prescrito o sílfio.

O problema é que as autoridades antigas pareciam prescrever a planta para quase tudo. Sílfio era uma cura para a calvície e dor dental, para pleurisia e epilepsia, e um bálsamo, de acordo com uma tradução lírica, tanto para a raiva quanto para picadas de escorpiões.

Uma vista geral dos sopés do Monte Hasan, na Turquia, captura as flores amarelas das plantas maduras da ferula drudeana na primavera de 2021. Miski acredita que os antigos gregos que já viveram na região podem ter trazido a planta do que é hoje a Líbia há milhares de anos.

Foto de Alice Zoo National Geographic
À esquerda: No alto:

Uma vista das ruínas da antiga cidade de Nora, nos sopés do Monte Hasan. Fundada durante o tempo de Alexandre, o Grande, Nora tornou-se uma das maiores cidades da região, ostentando mais de mil casas e dezenas de igrejas até o século 7 d.C. 

À direita: Acima:

As plantas crescem entre as ruínas da antiga Nora. Mahmut Miski acredita que o sílfio pode ter aparecido na região graças aos antigos agricultores gregos que uma vez lavraram o rico solo vulcânico da região.

fotografias de Alice Zoo National Geographic

A única maneira real que teríamos de confirmar se elas são a mesma planta é se tivéssemos restos do antigo sílfio para comparar e analisar, diz Lisa Briggs, pesquisadora de pós-doutorado do Museu Britânico e exploradora da National Geographic. Um trabalho recente que ela co-escreveu recomenda a cidade líbia de Susa, a ilha de Malta e o porto grego de Pireu como bons locais para arqueólogos procurarem os restos de naufrágios que podem ter afundado durante o transporte de sílfio.

Sílfio ou ferula drudeana? Tira-dúvidas pela culinária 

Na ausência de um possível frasco de sílfio que possa ser encontrado no fundo do mar, a maioria dos especialistas concorda que existe um meio promissor – embora não seguro – de apoiar a ideia de que ferula drudeana corresponde ao antigo sílfio: alguém teria que comê-lo. "Suas propriedades medicinais eram importantes para os antigos, mas a característica distintiva do sílfio é que ele era um tempero", destaca Rowan.

 Ao contrário dos textos médicos clássicos, que tendem a ser vagos nos detalhes, os livros de receitas que sobrevivem da antiguidade são geralmente explícitos sobre quantidades e técnicas. O mais famoso, um manual de 475 receitas que tomou sua forma final no século 4 d.C., é conhecido como Apicius

O livro é atribuído a um célebre gourmet que viveu sob o reinado do imperador romano Tibério (14-37 d.C.). Dezenas de receitas na compilação requerem sílfio em uma das três formas: resina pura de goma, chamada de laser vivum; resina misturada com farinha (laserpicium); ou a raiz seca (laseris radix), que geralmente é cortada em pedaços e esmagada em um pilão com outros temperos.

Para Sally Grainger, uma pesquisadora que coeditou a tradução inglesa de Apicius, "encontrar o sílfio original e experimentar receitas antigas novamente com ele é uma espécie de Santo Graal".

Grainger, que trabalhou como chefe de pastelaria no Hotel Atheneum de Londres por cinco anos antes de se formar em história antiga, demonstra técnicas de cozinha romana em seu canal de YouTube "A Taste of the Ancient World" (O sabor do Mundo Antigo, em português). Até agora, ela recriou receitas que requeriam o sílfio líbio usando um substituto de qualidade inferior mencionado no Apicius: parthian laser, que é considerada uma asafoetida, uma resina derivada de outra espécie de ferula que cresce no Afeganistão e é usada na culinária indiana contemporânea sob o nome de hing. Quando o sílfio original se tornou difícil de encontrar, os chefs romanos começaram a substituí-lo com a asafoetida, mais barata e mais abundante, e Apicius faz uma clara distinção entre a planta líbia de alta classe e sua prima oriental, mais azeda e sulfurosa.

Em uma manhã ensolarada de maio no Jardim Botânico Nezahat Gökyiğit, o mais importante repositório de biodiversidade vegetal da Turquia, Grainger e Miski se reuniram em uma cozinha improvisada ao ar livre para descobrir se ferula drudeana pode realmente ser o Santo Graal da história culinária.

 A célebre historiadora de alimentos Sally Grainger preparou um antigo prato romano usando ferula drudeana. "[Silphium] é uma planta fascinante, e eu posso entender porque os romanos a desejavam", diz ela.

Foto de Alice Zoo National Geographic
À esquerda: No alto:

A ferula drudeana está pronta para sere incorporada ao experimento de cozinha. Como método de controle, uma versão de cada prato foi preparada também com a planta asafoetida, uma resina derivada de outra espécie de ferula, que era considerada um substituto mais barato do sílfio pelos antigos cozinheiros.

À direita: Acima:

Grainger prepara isicia, bolinhos de "peixe" romanos feitos com camarão e servidos com molho de silphium, como parte do experimento culinário. Pratos preparados com asafoetida não tiveram muito apelo, enquanto aqueles feitos com ferula drudeana foram comidos com gosto. Para a historiadora culinária, a planta da Turquia central é uma boa candidata a ser a planta dos gregos e romanos perdida há muito.

fotografias de Alice Zoo National Geographic

O professor tinha acabado de voltar com amostras de plantas do sopé do Monte Hasan, onde Ata vinha monitorando o desenvolvimento da ferula. O derretimento da neve tinha irrigado abundantemente o local, e o campo era um motim de flores amarelas brilhantes – plantas de ferula em plena floração significava que as raízes estariam em seu ponto mais ativo farmacologicamente. 

Grainger tinha viajado do Reino Unido com seu almofariz e pilão, assim como todas as especiarias e condimentos necessários para recriar receitas do Apicius, incluindo vinhos doces, o molho de peixe fermentado garum, e ervas como arruda e levístico.

Enquanto as panelas de terracota cheias de lentilhas aqueciam sobre brasas de carvão, Miski entregou à chef um talo grosso e enrugado recém cortado de ferula drudeana, com a seiva cor de pérola escorrendo. Grainger deixou cair um pouco de resina endurecida extraída da planta em uma panela com azeite aquecido, o primeiro passo para fazer o laseratum, um molho simples à base de silphium. Um cheiro distinto encheu o ar.

"É intenso e delicioso", disse Grainger. "Quando você o cheira, fica com água na boca".

Uma multidão incluindo os diretores e funcionários do jardim botânico e os estudantes de Miski se reuniram em volta da mesa para provar as amostras. Várias receitas romanas foram servidas, cada uma com uma versão temperada com ferula drudeana e outra com o antigo substituto do sílfio, a asafoetida. 

Uma tigela de aliter lenticular, lentilhas feitas com mel, vinagre, coentro, alho-porro e ferula drudeana, foi considerada complexa e deliciosa, enquanto o mesmo prato feito com resina asafoetida provocou estranheza e ficou praticamente intocado. A abóbora salteada com a raiz ralada da planta também foi comida com gosto, assim como um delicado prato de bolinhos de camarão referido no Apicius como isicia, mergulhados no molho laseratum. O maior sucesso, porém, foi ius em ouifero fervens, um molho para cordeiro feito com vinho doce e ameixas temperadas com uma importante dose de ferula drudeana.

"É muito bom", disse Grainger, enquanto descansava na cadeira de jardim depois de um longo dia de pé. "Embora o molho seja rico e denso, o sabor do sílfio não é invadido pelas frutas e especiarias. Ele tem esse sabor 'verde' intenso que realmente realça as qualidades das outras ervas no molho". Uma versão feita com asafoetida era desagradavelmente azeda. Claramente Grainger acreditava que a ferula drudeana tinha grande mérito gastronômico e era uma boa candidata a ser a planta dos gregos e romanos, perdida há muito tempo.

Miski parecia satisfeito com os resultados dos experimentos de Grainger e surpreso com o sabor, embora confessasse estar preocupado com o que poderia acontecer em seguida. "Existem apenas 600 plantas individuais que conhecemos no mundo inteiro", apontou. Trezentas delas crescem na natureza. Um número igual está agora sendo cultivado a partir de sementes nos jardins botânicos, embora leve vários anos até que qualquer uma delas esteja madura o suficiente para produzir frutos. "Você ainda teria que cultivar mil vezes mais para produzir um suprimento comercial".

Dois mil anos depois que o fornecimento original de sílfio foi cortado, a legendária planta pode ter ressurgido apenas para enfrentar uma ameaça de seu antigo rival: o apetite humano. Por enquanto, os números são tão baixos que a ferula drudeana se qualifica oficialmente como uma espécie criticamente em perigo de extinção.

"Isso é o que me estressa", diz Miski, com uma nota genuína de alarme em sua voz. "Se todo mundo começar a fazer molho de silphium, não vamos ter o suficiente".

Taras Grescoe é o autor de Straphanger e de outros sete livros de não-ficção. Seu próximo livro, The Lost Supper: Why the Future of Food Lies in the Past", será publicado pela Greystone em 2023. Siga-o no Twitter e saiba mais sobre seus escritos em seu site.

Alice Zoo é uma fotógrafa documental cujo trabalho explora ideias de ritual e significado. Ela fotografou recentemente uma história para a National Geographic Magazine sobre Stonehenge e o boom da construção neolítica. Veja mais de seu trabalho em seu site e no Instagram.

A National Geographic Society está comprometida em iluminar e proteger a maravilha de nosso mundo, e tem financiado o trabalho do explorador Nirupa Rao como ilustrador botânico desde 2016. Veja mais de seu trabalho em seu site e no Instagram.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

História
Quem foram os maias? Conheça os segredos desta antiga civilização
História
Túnel secreto na Turquia revela procissão de deuses antigos
História
Este crânio de 4 mil anos acaba de receber um novo rosto
História
Arqueólogos tentam resolver mistério de ‘espetos de vértebras’ de 500 anos
História
'Cerveja' com alucinógenos pode ter selado relações políticas no Peru antigo

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados