Por dentro da conspiração para matar Júlio César

Relatos dos Idos de Março poupam poucos detalhes sobre como o ditador vitalício de Roma teve um fim sangrento em 44 a.C.

PUNHAIS EM RISTE: Diante de espectadores horrorizados, assassinos começam a atacar Júlio César em 15 de março de 44 a.C., em uma pintura de 1805 de Vincenzo Camuccini. Está alojado no Museo di Capodimonte em Nápoles, Itália.

Foto de SCALA, FLORENÇA. CORTESIA DO MINISTERO BENI E ATT. CULURALI E DEL TURISMO
Por Josep Maria Casals
Publicado 24 de mar. de 2022 16:43 BRT, Atualizado 24 de mar. de 2022 18:24 BRT

O primeiro golpe aconteceu ao meio-dia de 15 de março de 44 .C. Os conspiradores "de repente desembainharam suas adagas e correram sobre ele", escreve Nicolau de Damasco, um historiador do primeiro século antes de Cristo. "Primeiro, [Públio] Servilius Casca o esfaqueou no ombro esquerdo, um pouco acima da clavícula, onde tinha mirado, mas errou por nervosismo."

Após o golpe de Servilius Casca, Júlio César "pegou sua toga de [Tillius] Cimber, agarrou a mão de Casca, saltou de sua cadeira, virou-se e empurrou Casca com grande violência", segundo conta o historiador grego Apiano de Alexandria. Suetônio, um biógrafo romano e antiquarista, oferece um relato ligeiramente diferente: "César pegou o braço de Casca e o executou com sua caneta", uma ferramenta afiada usada para escrever em tábuas de cera que poderia rasgar a carne.

AFIADA E CURTA: As adagas que mataram Júlio César eram lâminas compactas e ideais para combate corpo a corpo, como a encontrada em um quartel de gladiadores em Pompéia.

Foto de Scala, Florence

"Quase no mesmo instante, ambos gritaram", escreve Plutarco, o biógrafo e historiador grego, revelando como César e Casca reagiram. César perguntou, em latim: "Cascata Amaldiçoada, o que você faz?" Casca, falando em grego, chamou seu irmão próximo, Caio: "Irmão, socorro!"

O ataque letal progrediu rapidamente. Appian escreve que "Cássio feriu [César] no rosto, Brutus o feriu na coxa, e Bucolianus entre as omoplatas". Em resposta ao pedido de ajuda de Servilius Casca, escreve Nicolau, seu irmão Caio "jogou sua espada ao lado de César".

A maioria do Senado romano, que não estava a par do plano de assassinato, ficou em silêncio horrorizado, com muito medo de fugir, embora alguns se precipitassem na multidão do lado de fora. A cena frenética que se desenrolou naqueles fatídicos idos de março foi um borrão de sangue.

CENA DO CRIME: O ex-aliado de César encomendou o Teatro de Pompeu, que foi concluído em 55 a.C. Uma estátua de Pompeu, o Grande, ficava na cúria do complexo, onde o Senado se reunia nos Idos de março, em 44 a.C.

Foto de ILUSTRAÇÃO: VALOR-LLIMÓS ARQUITECTURA

Os detalhes do assassinato de Júlio César

A compreensão moderna do ataque depende dos relatos de várias fontes antigas. Cada versão termina da mesma maneira – com César morto e o futuro de Roma incerto – mas eles diferem ligeiramente em suas perspectivas e análises.

Plutarco, por exemplo, diz que o governante revidou quando atacado. César, cercado por todos os lados, seja qual for a maneira como ele se virou, confrontando golpes de armas apontadas para seu rosto e olhos, conduzidos para lá e para cá como uma besta selvagem, estava preso nas mãos de todos; todos tinham que participar do sacrifício e do gosto do assassinato.

RETRATO DE UMA QUEDA: Esta estátua de Júlio César foi criada após sua morte em 44 a.C.

Foto de Bridgeman, ACI

Como morreu Júlio César

A conta de Appian é semelhante. Depois de ser esfaqueado várias vezes, "com raiva e gritos César se voltou uma vez sobre um e outra sobre outro como um animal selvagem". Na versão de Suetônio, no entanto, César parou de lutar após os dois primeiros golpes.

Com a mão direita, ele puxou a toga para cobrir a cabeça; com a esquerda, afrouxou suas dobras para que elas caíssem e mantivessem as pernas cobertas quando ele caísse. César morreu "proferindo não uma palavra, mas apenas um gemido no primeiro golpe". Dio Cássio, um historiador romano escrevendo no século 3, diz que César foi pego de surpresa pelo ataque e não poderia armar uma defesa. "Em razão do número, César era incapaz de dizer ou fazer qualquer coisa, mas, velando seu rosto, foi morto com muitas feridas."

"Sob a massa de feridas", escreve Nicolau, "[César] caiu ao pé da estátua de Pompeu. Todo mundo queria ter um papel nesse assassinato e não houve um que não conseguiu atingir seu corpo enquanto César estava lá."

No entanto, quando um perito forense reconstruiu o crime, em 2003, ele concluiu que apenas de cinco a dez agressores poderiam ter realmente esfaqueado César durante a briga. Teria sido impossível que mais homens tivessem atacado simultaneamente uma única pessoa dada a logística e as dimensões do local – um espaço que ocasionou também fogo amigo durante o ataque, com Cássio cortando a mão de Brutus, e Minúcio esfaqueando Rubrius na coxa.

O próprio César foi esfaqueado 35 vezes, na narrativa de Nicolau; Appian, Plutarco e Suetônio colocaram o número em 23. Suetônio descreve como Antístius, um médico, examinou o corpo (em uma das primeiras autópsias registradas no mundo) e descobriu que um ferimento sozinho havia sido fatal: "o segundo no peito" – um golpe creditado a Caio Casca, no relato de Nicolau.

Marcus Junius Brutus, visto aqui em um busto de cerca de 1539-1540 feito por Michelangelo, liderou a trama do assassinato.

Foto de Erich Lessing/Album

Assassinato do César: o que aconteceu a seguir

Uma vez que César estava morto, Brutus caminhou até o centro da cúria para falar, mas ninguém ficou para ouvir. Os senadores restantes fugiram aterrorizados, com medo de serem perseguidos.

Naquele momento não estava claro que ele era um conspirador, e se o ataque se estenderia a qualquer um dos partidários de Júlio César.

Plutarco descreve o sentimento de euforia dos assassinos quando eles também deixaram a casa do Senado, "não como fugitivos, mas com rostos alegres e cheios de confiança". Eles correram para transmitir ao povo que Roma estava livre de seu tirano. Na cúria – de repente silenciosa –, apenas um cadáver ensanguentado permaneceu.

A Roma do tempo do Júlio César

Quando Júlio César entrou na frente do Senado naquele dia fatídico, a República Romana estava doente há anos. A desigualdade econômica, o impasse político e as guerras civis enfraqueceram a república de quase 500 anos no século anterior à ascensão de César.

No entanto, César era extremamente popular entre o povo de Roma – um líder militar bem-sucedido, que derrotou um aliado que se tornou adversário após uma guerra civil de quatro anos; subjugou o Egito e se aliou a Cleópatra (seu filho, Cesarão, também conhecido como Ptolomeu César, mais tarde governou aquele país com sua mãe); e expandiu a república para incluir partes das atuais Alemanha moderna, Bélgica, Suíça, Espanha e França.

Ele também aprovou leis (sobre a objeção do Senado) que ajudaram os pobres e foi um autor amado, que escreveu frequentemente sobre suas viagens, teorias e filosofia política.

CÉSAR GOVERNA O MUNDO: Cunhada pouco antes dos Idos de Março, em 44 a.C., uma moeda mostra duas mãos unidas – um sinal de confiança entre César e seu exército – e um globo, símbolo do domínio mundano de Roma.

Foto de British Museum/Scala, Florence

Quem queria matar Júlio César?

Muitos membros do Senado – um grupo de líderes políticos nomeados (não eleitos), que incluíam os Optimates, um pequeno núcleo conservador de elite com inimigos de César que apoiaram Pompeu – se ressentiam da popularidade de César e de sua arrogância.

Como eles viram, o reinado cada vez mais autocrático de César ameaçou a república. Ele frequentemente ignorava o Senado na decisão de assuntos importantes, controlava o Tesouro e comprava a lealdade pessoal do exército, comprometendo-se a dar aos soldados aposentados terras públicas como propriedade. Ele carimbou sua imagem em moedas, reservou o direito de aceitar ou rejeitar resultados eleitorais para magistrados e outros cargos inferiores e – talvez o pior de tudo – havia rumores de estar pronto para se declarar rei.

República ou monarquia

Roma tinha sido estridentemente anti-monarquista desde 509 a.C., quando Lucius Tarquinius Superbus foi derrubado, e se orgulhava muito de sua liberdade. Ser acusado de cobiçar um trono foi uma flagrante afronta. Os opositores temiam que César quisesse restaurar a monarquia, com ele mesmo no controle.

Embora o imperador tivesse recusado publicamente uma coroa de ouro simbólica oferecida a ele no festival pastoral Lupercalia, dada por seu primo e aliado próximo Marco Antônio, o comportamento de Júlio César parecia corroborar esse pensamento.

Ele instalou seus amigos em posições de poder, colocou suas estátuas em templos e reagiu com fúria quando um diadema colocado em um deles foi removido. Ele também usava as botas vermelhas altas dos reis italianos e vestia roupas triunfais (simbolizando a vitória marcial) sempre que quisesse.

Mesmo seu hábito de conceder clemência aos oponentes poderia ser visto como um reflexo do pensamento soberano: para mostrar misericórdia, era preciso estar em posição de ter poder sobre outra pessoa – era preciso ser rei.

Essa foi a situação em 44 a.C. Após suas impressionantes vitórias nas batalhas de Pharsalus, Thapsus e Munda, entre 48 e 45 a.C., César agiu de uma maneira que era em grande parte sem precedentes entre os vencedores das guerras civis: ele deixou os perdedores viverem, porque esperava unir o poder deles com o seu.

Foi assim que Brutus, que lutou contra César sob Pompeu, e Cássio, que comandou a frota de Pompeu contra César em Farsália, foram perdoados em vez de executados. César nomeou os dois homens para o cargo de pretor em 44 a.C. – uma benevolência que irritou a muitos. Eles viam a clemência do ditador como humilhante e arbitrária, contrária aos princípios da lei – a marca de um tirano.

Por que matar César?

Uma vez que César se tornou ditador para a vida – cargo que colocou o máximo de poderes civis e militares em suas mãos –, a carreira política de cada romano ficou com ele. Foi uma amarga afronta aos Optimates, que tinham sido perdoados por César, mas agora se encontravam dependentes de seus caprichos.

Esses oficiais decidiram dar o golpe final contra o poder de César. Todos os assassinos nos Idos de Março pertenciam ao círculo íntimo de Júlio César – inimigos que ele havia perdoado e amigos que havia promovido. O que uniu esses "libertadores" foi o medo de que a concentração do poder absoluto em um único homem ameaçasse as instituições democráticas da República.

FÓRUM E FUNÇÃO: Quando morreu, César estava no meio da construção de duas grandes estruturas no Fórum – a Basílica Júlia e o Templo de Vênus, mostrado aqui nesta reconstrução.

Foto de Illustration: Valor-Llimós Arquitectura

Ruínas da Rostra, uma plataforma para discursos públicos, ainda visíveis sob o Arco de Septímio Severo no Fórum Romano. Júlio César o trasladou aqui no ano 44. a.C.

Foto de Gunter Kirsch/Alamy/ACI

Ambições perigosas

Para ganhar apoio para sua trama, os conspiradores inventaram histórias sobre a arrogância e o desejo de poder de César. Eles fizeram circular alegações de que ele havia desrespeitado o Senado – César estava sentado no Fórum quando os senadores vieram diante dele para conferir novas honras, mas César não ficou para encontrá-los, o que foi considerado um grave insulto. De acordo com Plutarco, César percebeu seu erro e tentou culpar sua saúde precária, mas poucos acreditaram nele, vendo seu comportamento como pura arrogância.

Conspiradores dos Idos de Março

Pelo menos 60 pessoas, e talvez mais de 80, estavam envolvidas no complô contra César. O mentor da conspiração era Cássio, que entendia que precisava colaborar com alguém que emprestasse seriedade política para um ataque futuro, elevando-a acima do nível de vingança pessoal mesquinha.

Ele escolheu seu cunhado Marcus Junius Brutus, um respeitado Optimate. Sua família alegou descender, por linha paterna, de Lúcio Junius Brutus, que teria fundado a República Romana.

Com Cassius planejando em segundo plano e Brutus agindo como a figura principal, a aliança foi forjada. Entre este último grupo, dois homens se destacam: Caio Trebonius e Decimus Junius Brutus Albinus, ambos generais que lutaram ao lado de César na Gália e na guerra civil. Este último era um primo distante de Brutus e um amigo próximo de César.

Quando os conspiradores souberam que Marco Antônio, retratado neste busto de 69-96 d.C., não participaria do assassinato de César, eles agitaram para matá-lo também, mas Brutus se opôs.

Foto de Oronoz/Album

Por que escolheram esse dia para matar Júlio César

Plutarco relata que um ano antes, após a vitória de César em Munda, Trebonius havia falado a Marco Antônio sobre a possibilidade de se juntar a um assassinato. Nada mais se sabe sobre a trama, exceto que Marco Antônio se recusou a se juntar a ela, mas ele também não informou César que um esquema estava sendo armado contra ele.

Quando Trebonius disse aos conspiradores que Marco Antônio não participaria, eles se agitaram para matar o general romano também, mas Brutus se opôs. Ele acreditava que se livrar de César era um ato de justiça universal, enquanto matar Marco Antônio seria visto como um ato partidário. Em vez disso, eles decidiram que, no dia do assassinato, manteriam Marco Antônio distraído fora do Senado – ele era senador e general – caso tentasse ajudar César durante o ataque.

César deveria partir para uma longa campanha contra os partos dois dias após os Idos de Março – idos era o nome dado ao meio-dia de cada mês –, mas havia convocado o Senado para se reunir mais uma vez antes de partir. Segundo Suetônio, havia rumores de que nessa reunião seria feita uma proposta para proclamar César rei das províncias não-italianas, uma ideia que os conspiradores não queriam aprovar. Eles também sabiam que uma vez que César deixasse Roma com suas legiões, ele estaria fora do alcance.

De acordo com Cícero – um senador na época, e muito bem informado –, a reunião do Senado havia sido convocada para finalizar uma decisão sobre quem substituiria César como cônsul quando ele deixasse Roma. Naquele ano, César e Marco Antônio eram cônsules conjuntos; com César desaparecido, Marco Antônio e o novo nomeado constituiriam a mais alta autoridade em Roma.

De certa forma, o palco foi montado. Embora César tivesse ouvido rumores de conspirações de assassinato contra ele (alguns dos quais mencionavam expressamente Brutus), ele decidiu ignorá-los na crença de que Brutus e os outros nunca agiriam contra ele por medo de que uma nova guerra civil pudesse ser desencadeada caso ele morresse.

César também tinha acabado de demitir sua escolta oficial de guarda-costas, depois que os senadores juraram protegê-lo com suas próprias vidas em uma promessa de lealdade política. No entanto, ele estaria longe de estar desprotegido nos Idos. Vinte e quatro lictores – servidores públicos encarregados de proteger os magistrados – caminhavam diante dele onde quer que fosse. Ele também foi acompanhado pela cidade por amigos e seguidores fortes – alguns buscando favores, outros apenas um vislumbre do grande homem.

Depois de considerar várias opções, os conspiradores decidiram fazer o movimento durante a sessão do Senado, onde a comitiva de César seria reduzida (apenas senadores poderiam comparecer) e o imperador estaria desarmado (armas eram proibidas dentro do Senado, então os conspiradores tinham que carregar a deles cuidadosamente escondidas).

PROTETORES DOS PODEROSOS: Uma estatueta do primeiro século retrata um lictor, um guarda-costas oficial que teria atendido a Júlio César e outros oficiais romanos.

Foto de Alamy, ACI

Júlio Cesar: presságios sobre sua morte

Na noite de 14 a 15 de março, a esposa de César, Calpúrnia, de 15 anos, teve pesadelos vívidos em que viu seu marido coberto de sangue. Na manhã seguinte, ela implorou-lhe para que ele não fosse ao Senado.

O imperador alegou não ser supersticioso, mas ficou perturbado com as visões de Calpúrnia – e por seus próprios sonhos naquela noite, nos quais havia subido acima das nuvens, deixando Roma a seus pés, tremendo enquanto Júpiter o levava pela mão. Então, pela manhã, ele levou o sonho a sério e ordenou vários sacrifícios de animais para discernir o futuro.

Todos os presságios eram desfavoráveis. Um mês antes, um adivinho, ou arúspice, chamado Spurinna, havia avisado César do perigo que ele corria. Em 15 de fevereiro, escreve Suetônio, Spurinna tinha "lido" entranhas de animais sacrificados que diziam que César enfrentava “perigo, que não viria depois dos Idos de Março”.

Além de tudo, César estava fisicamente doente. De acordo com Nicolau de Damasco, os médicos de César tentaram impedi-lo de ir ao Senado naquele dia "por causa de vertigens às vezes a que ele estava sujeito, e do qual ele estava naquele momento sofrendo". (A teoria de longa data é que César tinha epilepsia. Também é possível que ele tenha sofrido um mini derrame.)

A esposa de César, Calpúrnia, retratada aqui na pintura a óleo do século XIX de Abel de Pujol " O Desespero da Calpúrnia", teve pesadelos vívidos em que viu seu marido coberto de sangue. Na manhã seguinte, ela implorou-lhe para não ir ao Senado.

Foto de Bridgeman, ACI

A manhã do dia da conspiração contra César

Quando os Idos amanheceram, César sentiu-se exausto e enjoado. Segundo Suetônio, ele decidiu ficar em casa e mandar Marco Antônio ao Senado para dissolver a sessão.

PRESSÁGIOS DA FORTUNA: Na Roma antiga, os adivinhos derivavam presságios de entranhas de animais ou fac-símiles, como este fígado de ovelha de bronze de 100 a.C.

Foto de Dea, Album

No entanto, naquele momento crítico, Decimus Junius Brutus Albinus apareceu e convenceu seu "amigo" César a ir ao Senado como planejado, dizendo ao ditador que ele pareceria ridículo se mudasse seus planos por causa do sonho de sua esposa. Se o ditador se sentisse genuinamente doente, ele poderia evitar ofender os senadores, aparecendo brevemente no Senado e, em seguida, adiando a sessão.

O raciocínio de Decimus Brutus funcionou, e César saiu de sua casa às 11h, em uma liteira suportada por quatro escravos, precedida pelos lictores. César estava indo para o Teatro de Pompeu, um enorme complexo construído por seu rival nos arredores de Roma. Dentro dela ficava a Cúria (casa do Senado), onde a reunião ocorreria.

No caminho, uma multidão cercou a liteira e oprimiu César com petições. Em meio ao barulho, César esqueceu um bilhete que alguém lhe entregou avisando-o da trama. Pode ter sido oferecido por Artemidorus de Damasco, um professor grego do círculo de Brutus. De acordo com Nicolau de Damasco, o bilhete foi encontrado perto do corpo de César entre os outros papéis.

A residência de César ficava na Via Sacra, a principal rua que atravessava Roma através do Fórum. César deve ter percorrido este caminho até o Teatro de Pompeu nos Idos de Março.

Foto de Francesco Iacobelli/AWL Images

A cena do crime

Plutarco escreveu "[os conspiradores] todos se apressaram no pórtico de Pompeu e aguardaram lá, esperando que César viesse direto para a reunião".

Como era proibido portar armas no Senado, a adaga de Brutus estava escondida sob seu roupão. Outros senadores esconderam suas armas nas caixas de documentos que jovens escravos, chamados capsarii, haviam levado ao complexo.

César chegou. Enquanto ele caminhava pela porta, os senadores se levantaram. A câmara não era muito maior do que uma quadra de tênis moderna, e pelo menos 200 homens tinham que estar presentes para compor o quórum. Havia pouco espaço para manobrar.

O assassinato de Júlio César

Nem todos os conspiradores eram membros do Senado e não está claro quantos senadores queriam ver César morto. Diante de seus assentos, erguia-se a plataforma da qual César presidiria a sessão de um trono de ouro. Os conspiradores correram para se reunir ao redor do trono.

Assim que César estava sentado – e enquanto o resto dos senadores ainda estavam de pé como uma demonstração de respeito – os assassinos, escreve Plutarco, "cercaram-no com o corpo, colocando Tillius Cimber para fazer seu apelo em nome de seu irmão, que estava no exílio. Os outros todos se juntaram em seus apelos e, apertando a mão de César, beijaram-lhe o peito e a cabeça.

PRONTO PARA ATACAR: Públio Servilius Casca levanta sua adaga enquanto Tillius Cimber distrai Júlio César agarrando sua toga nesta pintura a óleo de 1865, feita por Karl von Piloty e alojada no Landesmuseum em Hannover, Alemanha.

Foto de Akg, Album

No início, César evitou os pedidos. Mas quando os senadores não o deixaram sair, ele tentou levantar-se à força. Foi então que Tillius, que pode ter se ajoelhado diante de César, agarrou sua toga nos ombros em um gesto de súplica. Isso impediu César de se levantar e deixou o pescoço exposto. De acordo com Suetônio, César então gritou: "Ora, isto é violência!"

Appian diz que Tillius então gritou: "O que você está esperando?" A resposta, é claro, não foi nada. O resto, como dizem, era história.

O que aconteceu após a morte de Júlio César

Após a morte de César, Marco Antônio organizou um grande funeral para o imperador. A popularidade do governante foi tal que um motim se criou, levando à cremação improvisada de César no Fórum. Alguns dos assassinos, incluindo Brutus e Cássio, tomaram isso como um motivo para deixar Roma, embora nenhum deles tenha desistido de suas posições oficiais. Os assassinos restantes fizeram uma espécie de reviravolta positiva nos eventos, celebrando-os como o fim da tirania.

Uma anistia foi negociada – através de um acordo do Senado para ratificar todas as decisões de César. Uma nova moeda foi cunhada, mostrando dois punhais e o pileus, o boné da liberdade usado pelos escravos romanos libertados, com a data mostrada como os Idos de Março. Foi uma celebração da liberdade, segundo a historiadora Mary Beard, que ressoou em Roma, assim como o Dia da Bastilha, na França moderna.

Cunhada por Brutus em 43-42 a.C., uma moeda traz a inscrição “Eid Mar” (“Idos de março”) e comemora o assassinato de Júlio César.

Foto de British Museum/Scala, Florence

Em última análise, a morte de Júlio César teve o impacto oposto ao que os assassinos esperavam. Os punhais enfiados nele naquele dia de março deram um golpe fatal na já ferida República Romana e abriram caminho para o império. Grande parte do público se voltou contra os assassinos e guerras civis se seguiram. O sentimento popular voltou-se para César. Um cometa visível durante o dia, por uma semana, apareceu no céu durante os jogos realizados em sua homenagem – um sinal certo de que ele estava se tornando divino. Dentro de dois anos, na verdade, ele seria totalmente deificado.

A morte de César abriu caminho para Otávio, seu herdeiro de 19 anos e filho adotivo, emergir como o primeiro imperador de fato de Roma (o futuro Augusto). Otávio passaria os próximos anos caçando os assassinos de César: os líderes Brutus e Cássio caíram em 42 a.C., e o último pereceria oito anos depois.

O historiador Josep Maria Casals é especialista em história do início da Roma Imperial.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

História
No passado, o ‘ano novo’ começava em março — entenda por quê
História
Rua construída por vilão bíblico é descoberta em Jerusalém
História
Deserto do Saara encobriu antiga cidade romana, preservando-a por séculos
História
Túnel secreto na Turquia revela procissão de deuses antigos
História
Um cargo, vários representantes? Nova ideia política decola no Brasil

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados