Fotos do México após o grande terremoto de 7 de setembro

O sismo foi o mais forte sentido pela região em quase um século e há alerta de tsunami

Publicado 8 de nov. de 2017 20:35 BRST, Atualizado 5 de nov. de 2020 03:22 BRT

Durante a noite de quinta-feira, 7, o Serviço Geológico dos Estados Unidos mediu um terremoto de magnitude 8.1 que atingiu o México perto do estado do sul de Chiapas. É o tremor mais forte sofrido pelo país em 85 anos.

O Centro de Alerta do Tsunami do Pacífico (em inglês) confirmou ondas medindo três metros da costa do México após o sismo, juntamente às réplicas de magnitude 5,0.

De acordo com o Serviço Nacional de Sismologia do México (em espanhol), que relatou o abalo de magnitude de 8,2, o último terremoto dessa magnitude atingiu o país em 3 de junho de 1932 e deixou 400 pessoas mortas.

Já na manhã de sexta-feira, dezenas de mortes haviam sido relatadas, mas o país continua a vigiar as ameaças consequentes. Um sistema automatizado administrado pelo US Geological Survey chamado PAGER estima danos causados ​​por terremotos com base no número de pessoas que vivem em regiões afetadas e na escala do desenvolvimento da região. Para o terremoto do México, estima-se que cerca de mil pessoas e um bilhão de dólares americanos podem ser perdidos como resultado combinado de tremores (em inglês), tsunamis e deslizamentos de terra.

Ainda é esperado que ondas do tsunami sejam formadas e atinjam em regiões distantes. O deslocamento repentino de águas oceânicas por desastres como terremotos, erupções vulcânicas, deslizamentos de terras e ataques de meteoros são capazes de desencadear ondas que viajam milhares de quilômetros. Para preparar a população, o sistema de alerta de tsunami do Serviço Meteorológico Nacional (em inglês) emitiu avisos para regiões da América Central e do Sul, bem como do Pacífico Sul.

Chiapas é uma das áreas sísmicas mais ativas no México, pois situa-se na convergência da Placa de Cocos, que é empurrada sob a Placa norte-americana.

As placas finalmente convergiram após anos de movimento, liberando uma tremenda energia no terremoto. O presidente da Sociedade Geológica de Washington, Callan Bentley, explicou em uma postagem no blog no site da American Geophysical Union. Vulcões próximos são formados a partir desta área, onde uma placa mergulha abaixo de outra, chamada zona de subducção.

"O grande terremoto ocorrido ontem à noite não foi um evento atípico ou único. A área é conhecida por ter muitos terremotos sobre sua longa história de habitação humana ", escreveu Bentley.

Os militares do México foram mobilizados para ajudar os necessitados, de acordo com a CNN. A eletricidade já voltou para quase três quartos do milhão de casas que perderam energia durante a noite, mas danos aos edifícios ao longo da costa foram mais devastadores.

A perspectiva é de que os danos totais sejam conhecidos conforme os esforços de resgate continuem ao longo do fim de semana.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Vídeos
Poderoso terremoto de magnitude 7.1 atinge o México
Meio Ambiente
Estranho terremoto abre rachadura na França
Meio Ambiente
Risco oculto de terremoto revelado por antigos registros astecas
Meio Ambiente
Enxame sísmico faz supervulcão de Yellowstone tremer
Animais
Como fotografar um gavião açor em pleno voo

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2017 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados