Entrevista com Antonio Banderas

National Geographic conversa com o ator protagonista de Genius: Picassosexta-feira, 4 de maio de 2018

Por Redação National Geographic Espanha

NG: Qual foi o seu primeiro contato com o artista? Qual é a relação que você teve com ele durante toda a sua vida?

AB: O primeiro contato com Picasso foi durante muitos anos de minha juventude. Em 1960, a cidade de Málaga ainda estava imersa na ditadura de Franco. Nós não temos muitos heróis nacionais, e muito menos um de carácter internacional. Naquele tempo a figura de Pablo Picasso foi muito proeminente, mesmo que o regime não tinha relações com o pintor que, obviamente, não poderia viver na Espanha, especialmente desde que entrou para o Partido Comunista.

Ainda assim, Picasso foi um sol muito difícil de tapar, tinha de colocar um guarda-chuva muito grande para isso. Era tanto poder nos meios de comunicação, houve uma época quando já nem se tentava esconder sua influência, mas para controlar o brilho que tinha Picasso. Deve-se levar em conta nós dois nascemos no mesmo lugar, eu me lembro quando minha mãe me disse: "Olhe, filho, Pablo Picasso nasceu lá." Era um herói invisível que viveu na França.

Conhecendo sua admiração por ele, como você reagiu quando recebeu a ligação?

Já houve algumas abordagens para eu interpretar Picasso ao longo da minha carreira. Em termos gerais, os primeiros que ocorreram me oprimiram, já que o senso de responsabilidade entrou em cena quando interpretamos um personagem tão admirado. No começo, eu estava recuando, eu estava com muito medo.

Não dei um passo à frente até a proposta de Carlos Saura, que também foi uma proposta muito infeliz. Descobriu-se que o roteiro ficou preso em um concurso de financiadores, um segundo foi escrito, mas eu não estava satisfeito e tentamos recuperar o primeiro. E aí eles passaram muitos anos em diferentes tentativas.

Finalmente, apareceu Ron Howard e Ken Biller, que me procuraram diretamente em Londres para oferecer a possibilidade de assumir a vida de Picasso em uma parte do personagem por volta de 1926. Isto é, tinha que interpretar o gênio de 40 anos até que sua morte, aos 92 anos de idade.

A proposta foi muito interessante porque também veio de mãos dadas com a National Geographic, uma instituição que me ofereceu as garantias de que o que nós íamos fazer era baseado em fatos. Em última análise, é a vida do personagem. Quando séries ou filmes biográficos são feitos, sabemos o que o personagem disse ou o que ele fez, mas o que não sabemos é por quê, e esse é o aspecto chave.

Nós tentamos destrinchar muitas das coisas que aconteceram na vida de Picasso, que levou uma vida muito colorida e cheia de drama intimamente ligada à sua produção artística. O trabalho de Picasso não pode ser entendido sem analisar sua vida pessoal e sua relação com as mulheres, um mundo muito problemático e complexo para analisar.

Conte-nos sobre o relacionamento de do gênio com as mulheres.

Praticamente todas as mulheres que faziam parte da vida de Picasso eram suas musas. Elas abrem novos períodos dentro de sua pintura. Há algo um pouco "draculino" no Picasso. O pintor precisava de alguma forma da emoção desse novo amor para continuar criando.

Ele estava procurando por essa entrega emocional que ocorre no começo de um relacionamento. Mas, ao mesmo tempo, há um fato muito curioso: ele não quer que suas mulheres o deixem. Ele quer mantê-las de alguma forma em uma "vitrine" muito injusta. Eu não acho que ele fez isso por maldade, acho que ele realmente as amava porque ele sempre se importava com cada uma delas até o fim de seus dias.

Temos, por exemplo, o caso de Dora Maar, que acabou em um convento aos 90 anos, ou o caso de Olga e um divórcio que não ocorreu. Franco proibira o divórcio na Espanha e, como Olga era russa, também não podiam se divorciar na França. Pode ser que o gênio tenha resistido em deixar que as musas que inspiraram metade de seu trabalho artístico fossem por algo tão insignificante quanto um divórcio. É tudo muito bizarro, mas é assim que é.

Há algo de infantil no Picasso que interpretamos conforme a lemos e pesquisamos. Picasso tem um sucesso muito cedo, ele se torna rico e famoso muito rápido, o que, de alguma forma, lhe dá uma certa permissão para fazer o que quer, e ele faz isso. Picasso é um planeta com uma enorme gravidade que prende as pessoas que entram em sua órbita. 

Esse é o grande pecado de Don Pablo Picasso, sua própria gravidade. Era muito difícil terminar, mesmo para Françoise Gilot, a mulher que sempre disseram ter sido a única que deixou Picasso. Mas se você fizer uma pesquisa rápida na Internet, descobrirá que o fato mais relevante é que ela foi uma mulher de Picasso. Mesmo ela, que insistentemente tentou se separar dele, e que até escreveu um livro cheio de críticas ao gênio de Málaga, foi pega em seu campo gravitacional.

O que Antonio Banderas e seu personagem têm em comum além de serem ambos de Málaga?

Pouquíssimas coisas. Pablo Picasso tem pouco a ver com a maioria dos artistas, é um ser mais especial. Ele é um homem com uma tremenda capacidade de expressar as coisas com sua pintura e que também visita um grande número de estilos dentro do seu trabalho, sendo esta uma das suas características. Desde ter pintado como Velázquez, aos 19 anos, e passado pelo mundo de Toulouse Lautrec quando chegou a Paris, demonstrando a versatilidade artística.

Os acontecimentos trágicos, como a morte de Carlos Casagemas, abriram seu período azul - que já sai no período rosa. Inaugurou seu período cubista depois de uma partilha com Braque e Juan Gris. Também participamos da exploração, juntamente com María Teresa Walter, do estilo neoclássico. Passou por tudo.

Há uma anedota que diz que os grandes artistas de seu tempo, quase todos seus amigos, escondiam suas novas obras quando Picasso chegava ao estúdio, porque se o malaguenho desse uma olhada, poderia facilmente imitar e superar o estilo de seus colegas. Pode-se dizer que as visitas de Picasso eram uma espécie de "ameaça contínua" [risos] aos seus colegas.

Continuar a Ler