A verdadeira história por trás das cabras que sobem em árvores no Marrocos

É instinto ou espetáculo? Seca, desespero e turismo se combinam para criar um quadro surpreendente.

Por Erika Hobart
Publicado 27 de jun. de 2022 16:19 BRT
Alguns fazendeiros no Marrocos colocam cabras em árvores há anos para atrair turistas.

Alguns fazendeiros no Marrocos colocam cabras em árvores há anos para atrair turistas.

Foto de Alfredo Caliz Panos Pictures

ESSAOUIRA, MARROCOS | É uma manhã de sexta-feira desafiadora para Jaouad Benaddi. Ele está tentando fazer com que suas cabras subam em uma árvore de argan e se acomodem em seus galhos retorcidos e espinhosos. Nenhuma das 12 estão cooperando.

Ansioso para ajudar, o filho de 13 anos, Khalid, pega um saco de grãos e vai até a árvore. Uma cabra bale começa a segui-lo. Khalid sobe mais alto nos galhos amplamente espaçados segurando um saco de grãos para incentivar o animal a se juntar a ele. Ele faz uma pausa longa o suficiente para a cabra alcançá-lo e comer por um momento. Então, Khalid a agarra pelo pescoço. A cabra resiste e salta da árvore.

À esquerda: No alto:

Khalid Benaddi, 13 anos, usa um saco de grãos para persuadir uma das cabras de sua família a subir em uma árvore de argan.

À direita: Acima:

As cabras gostam de comer fruta argan, com sua casca grossa e polpa carnuda de cheiro adocicado.

fotografias de Erika Hobart

Menino e cabra repetem o processo três vezes, até que Khalid a coloca em uma pequena plataforma de madeira, onde ela reajusta o pé e para de se mover. É preciso perseverança para fazer o resto das cabras obedecer. Algumas devem ser manobradas como carga em suas plataformas. Eventualmente, uma dúzia de cabras ficam estranhamente imóveis, exibidas como ornamentos vivos no dossel do argan.

As cabras arborícolas do Marrocos ganharam as manchetes nos últimos anos. Muitas vezes descrito como um fenômeno natural exclusivo da nação do norte da África, a escalada dos animais é instintiva até certo ponto: as cabras são atraídas pela fruta de argan e, ágeis como são, escalam para alcançar as guloseimas polpudas.

Defensores do bem-estar animal e ecologistas dizem que fazer cabras ficarem em árvores de argan por horas é ruim para os animais e para as árvores.

Foto de Wolfgang Kaehler LightRocket, Getty Images

Mauro Belloni, um estudante visitante da Itália que parou na árvore de Benaddi, parece ao mesmo tempo atordoado e perplexo ao observar a cena. “É incrível. Eu pensei que as cabras eram falsas quando vi fotos delas. Mas elas são reais, na verdade estão posando", admirou-se.

Marrocos está passando por sua pior seca em décadas, tornando cada vez mais difícil para os agricultores cultivarem nesta região ocidental de Marakesh-Safi. A partir do início dos anos 2000, alguns começaram a colocar cabras em árvores para ganhar gorjetas de turistas. A fonte de renda diminuiu após a pandemia de coronavírus no início de 2020. Mas depois que o bloqueio do país terminou, no início deste ano, o negócio de exibição de cabras foi retomado — e com isso, críticas de defensores do bem-estar animal, como Liz Cabrera Holtz, gerente de campanha de vida selvagem da World Animal Protection, uma organização global sem fins lucrativos sediada no Reino Unido.

“Esses animais estão sendo manipulados e explorados. Eles não estão se movendo livremente, não têm acesso à comida, água ou mesmo sombra. Ser forçado a ficar em árvores por horas não é um comportamento normal", destaca Holtz.

'Cabras voadoras'

As cabras empoleiradas nas árvores do Marrocos são “treinadas para fazer isso como um espetáculo”, diz o guia turístico de Marrakech Mohamed Elaamrani. “Elas podem escalar árvores e até montanhas, e são muito boas nisso. Alguns dos meus convidados se referem a elas como “cabras voadoras”. Eles querem vê-los porque não há nada como isso em nenhum outro lugar do mundo”, acrescenta.

Ás vezes, as cabras escalam árvores de argan por conta própria para comer sua fruta polpuda.

Foto de Fadel Senna AFP, Getty Images

Nove rebanhos separados, incluindo o de Benaddi, podem ser vistos adornando árvores ao longo da estrada de cerca de 150 quilômetros da antiga Marrakech a Essaouira, uma cidade brilhante e arejada na costa atlântica que é popular entre os turistas. As cabras geralmente ficam de pé do final da manhã até o meio da tarde, quando o tráfego é mais intenso entre as duas cidades. Os animais nas árvores também podem ser vistos mais ao sul, perto de Agadir, na região de Souss-Massa.

“Eles são como cogumelos, estão em toda parte”, diz Elaamrani.

A árvore de argan de Benaddi é a segunda na fila da estrada de Marrakech. Ele espera que, quando os motoristas encostarem, deixem uma gorjeta generosa. “Algumas pessoas pagam 10 dirhams [cerca de um dólar]”, conta. Alguns até dão 10 dólares. “Não é como vender batatas, não há um preço fixo”, acrescenta. Benaddi diz que o dinheiro é crucial para cuidar de sua esposa, cinco filhos e dos animais — duas ovelhas e um burro, além das cabras.

Ele diz que começou a colocar cabras na árvore em 2019, depois que sua colheita de trigo falhou. Naquela época, em um bom dia, pelo menos 10 veículos paravam e ele levava para casa cerca de 20 dólares. Então, durante o bloqueio pandêmico, todas, exceto uma de suas 13 cabras, morreram de fome. Desde fevereiro, quando o Marrocos reabriu, Benaddi adquiriu um novo rebanho — a dúzia de animais que ele e Khalid estavam bajulando na árvore naquela manhã de sexta-feira. Mas ele diz que tem sorte agora se três carros pararem para os turistas ficarem boquiabertos.

Leva até seis meses para treinar as cabras, diz Benaddi. “Elas são muito inteligentes, são como pessoas. A única coisa que não podem fazer é falar”, acrescenta, com um sorriso. “Mas algumas delas são muito teimosas. Eles gostam de passear.” 

O treinamento envolve atrair as cabras para a árvore com frutas e grãos de argan, e empurrá-las com uma vara. Os cabritos são muitas vezes amarrados ao tronco das árvores para que os turistas possam pegá-los e tirar fotos com eles.

Mustapha Elaboubi, outro pastor na estrada de Marrakech para Essaouira, diz que não se preocupa em treinar suas cabras. Ele e seus ajudantes simplesmente carregam os animais para cima da árvore. “Elas tentam pular no começo, então, continuamos pegando e colocando de volta”, diz Elaboubi. “Eventualmente, elas aprendem que não adianta resistir”, acrescenta.

As cabras nunca se machucam?

Elaamrani diz que os turistas que pedem para visitar as cabras trepadeiras muitas vezes descobrem que a experiência não atende às suas expectativas. “Algumas pessoas ficam desconfortáveis. Eles se preocupam e perguntam como as cabras sobem e descem das árvores. Eles querem saber se algum dia elas se machucam”, explica.

Miloud Banaaddi abandonou a agricultura por causa da seca severa na região da costa atlântica do sul do Marrocos e está treinando suas oito cabras para posar para turistas. “Não há empregos, não há outras soluções”, justifica-se

Foto de Erika Hobart

Adnan El Aji, veterinário em Essaouira, diz que as cabras são resistentes e podem lidar com estressores como calor e escassez de água. Mas fazê-las ficar nas árvores por horas durante os verões do Marrocos, quando as temperaturas podem ultrapassar os 40ºC, pode levá-las ao estresse térmico e à desidratação. E os animais podem cair das árvores e se machucar. Ele se lembra da vez em que um turista trouxe uma cabra que havia caído e precisava de tratamento para uma perna quebrada. “O turista pagou por isso”, recorda.

De volta à árvore de argan de Benaddi, quando é hora de suas cabras irem para casa, 11 descem facilmente. Khalid sobe para persuadir a desgarrada, uma fêmea, enquanto seu irmão mais velho, Abdelmajid, joga pequenas pedras nela, depois usa uma vara para agitar o galho em que ela está. A cabra balança e cai no chão, uma queda de cerca de 3,6 metros. Depois de algumas tentativas, ela luta para ficar de pé e, enquanto os outros caminham para o cercado, ela fica atrás, mancando.

Embora Marrocos seja membro da Organização Mundial de Saúde Animal — o órgão responsável por avaliar a saúde e o bem-estar animal globalmente — o país carece de leis fortes de proteção animal, diz Cabrera Holtz.

Em 2021, quando a organização sem fins lucrativos World Animal Protection classificou 50 países com base em suas leis e compromissos políticos relativos aos animais, o Marrocos foi um dos sete que receberam nota baixa.

A organização avalia o bem-estar animal de acordo com cinco pontos: nutrição (acesso a comida e água), meio ambiente (conforto), saúde (livre de dor e lesões), comportamento (liberdade para expressar hábitos naturais) e estado mental (bem-estar psicológico). A prática de forçar cabras a subir em árvores para o prazer dos turistas foi condenada em todos os cinco quesitos, revela Cabrera Holtz.

“Embora a atividade possa parecer benigna, é crueldade animal”, destaca. Os turistas, acrescenta ela, “estão essencialmente tirando fotos de adereços vivos. O que está acontecendo aqui não é natural. É coagido, e sempre que você introduz um elemento de coerção, não é relevante se seus corpos conseguem ficar em pé em árvores”.

Asma Kamili, chefe da Divisão de Saúde Animal do Marrocos para a Organização Mundial de Saúde Animal, diz que não sabe que cabras na região de Essaouira são colocadas em árvores para ganhar dinheiro com o turismo. Ela diz que subir em árvores é “um comportamento natural” dos animais e é bom para os argans, porque se as cabras comem a fruta e espalham fezes com sementes, isso aumenta o número de árvores.

Jose Fedriani, ecologista do Centro de Pesquisas de Desertificação, instituto na Espanha dedicado ao estudo da degradação ambiental em terras secas, concorda que a dispersão de sementes é uma coisa boa. Mas ele diz que as cabras não estão apenas comendo frutas; elas estão devorando folhas e mudas. Leva de sete a 15 anos para que os argans atinjam a maturidade e produzam frutos, portanto, colocar várias cabras em uma área onde possam destruir as mudas — especialmente durante as secas — na verdade evita o rejuvenescimento das árvores.

Usar cabras como colírio para os olhos é bom “para atrair turistas, mas não é bom para as árvores”, ressalta Fedriani. 

Cerca de 800 metros ao longo da estrada do argan de Benaddi, Miloud Banaaddi — que também teve que desistir da agricultura e está treinando suas oito novas cabras para empoleirar-se em sua amendoeira — descarta qualquer noção de que o que está fazendo é cruel. “As cabras ficam nas árvores apenas por três a quatro horas de cada vez. Imagine se eu as mantivesse dentro de casa. Elas seriam presas e passariam fome”, justifica-se. “De onde viria o dinheiro para alimentá-los? Não há mais nada a fazer. Não há empregos. Não há outras soluções. Este é o único”, complementa Miloud.

'Tem que haver um sistema'

As condições de seca no Marrocos devem se intensificar até meados do século, de acordo com o Ministério da Agricultura local.

“Isso tudo deveria estar verde agora, mas você pode ver que está completamente seco”, diz Benaddi, gesticulando para a paisagem seca ao redor do argan. “Não precisávamos gastar dinheiro para alimentar as cabras antes. Elas tinham comida em todos os lugares”, complementa.

As cabras de Mustapha Elaboubi estão em plataformas de madeira em uma árvore de argan na estrada de Marrakech para Essaouira. “Elas são como cogumelos, estão por toda parte”, diz Mohamed Elaamrani, um guia turístico de Marrakech, sobre as “cabras voadoras” de seu país.

Foto de Erika Hobart

Ele diz que não tinha interesse em usar suas cabras como atrações à beira da estrada até que o clima ficou seco demais para cultivar trigo. “Estou fazendo um trabalho, as cabras estão fazendo um trabalho. O dinheiro que ganhamos é usado para comprar comida para todos nós – minha família e as cabras”, explica.

Daniel Bergin, diretor associado da Globescan, uma empresa de consultoria em sustentabilidade, estudou bem-estar animal no Marrocos e é solidário com Benaddi e outros agricultores como ele. “Obviamente, você não pode simplesmente tirar o sustento de alguém”, diz, referindo-se a pedidos de defensores do bem-estar animal para fechar o negócio de cabras em árvores. “Tem que ter um sistema. O governo precisa trabalhar com o povo”, complementa.

Veja a dança do urso na Índia, cita Bergin. Antigamente, os filhotes eram caçados na natureza e treinados para dançar nas ruas para os turistas. Em 2012, o governo da Índia condenou a prática como cruel e possibilitou que os donos de ursos aceitassem empregos em santuários para os animais.

“Envolveu pelo menos as pessoas que estariam sem meios de subsistência e permitiu que continuassem trabalhando enquanto melhoravam a vida dos animais”, destaca Bergin.

Elaamrani, cujo sustento depende dos grupos de turismo que ele lidera, diz que prefere ver as cabras vagando livremente e escalando para pegar frutas quando quiserem. Mas depois de dois anos de bloqueio pandêmico, ele diz que não pode recusar seus clientes. “Eles estão pagando para ver alguma coisa. Mas eu tento explicar a situação de uma maneira honesta. Não é uma questão em preto e branco. É difícil para as cabras, mas também é difícil para as pessoas que cuidam delas”, pondera.

Benaddi diz que em um mundo ideal, a terra voltaria a ser verde. Ele voltaria à lavoura e poderia cuidar de sua família e de suas cabras sem ficar na beira da estrada todos os dias esperando que as pessoas parassem para lhe dar gorjetas.

“Esperamos o melhor. Mas só Deus conhece o futuro”, conclui.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Animais
África do Sul planeja acabar com controversa indústria de leões cativos
Animais
Como matar vida selvagem tornou-se um jogo nos Estados Unidos
Animais
Novo aplicativo busca salvar tartarugas-marinhas ameaçadas de extinção
Animais
Como o México revolucionou a ciência do soro antiofídico
Animais
O heróico esforço para resgatar a ursa Masha da Ucrânia

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados