Como os elefantes órfãos podem superar as adversidades?

Viver com colegas pode ajudar os elefantes jovens a prosperar, de acordo com uma nova pesquisa – uma descoberta que pode ajudar os elefantes órfãos contra a caça ilegal e a seca.

Elefantes órfãos se reúnem em um bebedouro no Santuário de Elefantes de Reteti, no norte do Quênia. Um novo estudo descobriu que elefantes órfãos selvagens que vivem entre pares da mesma idade têm níveis de estresse mais baixos do que elefantes que não vivem.

Foto de Ami Vitale Nat Geo Image Collection
Por Natasha Daly
Publicado 12 de ago. de 2022 14:04 BRT

Quando um grupo de pesquisadores começou a estudar o bem-estar de jovens elefantes selvagens da savana africana, no centro do Quênia, eles tinham uma teoria: elefantes órfãos seriam mais estressados ​​do que não órfãos. 

Há muitas evidências de que o vínculo mãe-filho ajuda a amortecer o estresse em animais, o que foi demonstrado anteriormente em ratos, tentilhões e porquinhos-da-índia , cita a líder do estudo, Jenna Parker, pesquisadora de pós-doutorado da San Diego Zoo Wildlife Alliance e Universidade Estadual do Colorado. Os elefantes têm estruturas sociais sofisticadas e laços familiares profundos. 

Como os elefantes órfãos na mesma região morrem a uma taxa mais alta do que os elefantes com mães vivas, parecia óbvio que os órfãos sobreviventes ficariam estressados.

A equipe, no entanto, fez uma descoberta inesperada: realmente não havia diferença nos níveis de hormônio do estresse de elefantes órfãos e não órfãos, desde que vivessem com membros da família, como tias, primos ou irmãos. Os elefantes – mesmo os órfãos – que viviam em grupos com colegas de mesma idade acabaram sofrendo menos estresse do que aqueles que não viviam. Em suma, os elefantes podem sobreviver com uma pequena ajuda de seus amigos. 

“Esperávamos ver níveis mais altos [de hormônios do estresse] em elefantes órfãos”, diz Parker, “porque até os oito ou nove anos, os elefantes raramente estão a mais de 10 metros de sua mãe”. 

Com o conflito entre a vida selvagem e a seca ameaçando os elefantes na região, as descobertas publicadas na Communications Biology oferecem uma nova visão sobre como ter um grupo de pares forte pode contribuir para a sobrevivência dos elefantes. Em 2021, a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês) listou o elefante da savana africana como ameaçado de extinção. Cerca de 36 mil permanecem no Quênia, de acordo com um censo nacional de 2021.

Esta informação também pode ajudar as instalações de reabilitação que acolhem elefantes órfãos a preparar os animais para um futuro de sucesso na natureza – libertando-os em grandes grupos de pares, por exemplo.

Medindo o estresse através do esterco de elefante

Parker começou o estudo em 2015, quando a região da Reserva Nacional de Samburu sofreu vários anos de aumento da caça ilegal de elefantes. 

Na época, ela diz, seus colegas da Colorado State University perceberam que “não estávamos realmente entendendo o impacto total da caça ilegal. Quando um elefante é morto, há todas essas consequências para os elefantes aos quais ele está ligado.” Eles queriam analisar os impactos indiretos: como a caça furtiva de uma mãe afeta o bem-estar social e fisiológico de um órfão?

Primeiro, a equipe analisou as taxas de sobrevivência e descobriu que os elefantes órfãos em Samburu tinham taxas de sobrevivência mais baixas do que os elefantes não órfãos. Em seguida, eles queriam analisar os sobreviventes: os órfãos estavam sob estresse? 

Para descobrir, eles testaram o esterco dos elefantes em busca de concentrações de metabólitos glicocorticóides – uma substância produzida como resposta ao estresse no corpo. “É uma boa maneira de analisar os hormônios do estresse porque não é invasivo”, explica Parker. “Você apenas espera que eles façam cocô e coletem.” 

Geralmente, níveis mais altos estariam associados a mais estresse, mas uma amostra única que mostra níveis altos é inconclusiva, explica Parker, porque os elefantes “podem ter encontrado um leão no início do dia”. 

Entre 2015 e 2016, a equipe coletou e testou 496 amostras de esterco de 37 elefantes fêmeas juvenis: 25 das quais ficaram órfãs e 12 não. Os elefantes órfãos tinham uma idade média de cinco anos quando perderam suas mães. 

Veja a seguinte galeria de fotos de elefantes:

Embora a equipe tenha ficado surpresa com o fato de os elefantes órfãos não apresentarem níveis de estresse mais altos do que os elefantes que ainda viviam com suas mães, o fato de que os grupos de pares parecerem desempenhar um papel tão importante, não foi um choque. 

Parker lembra de dois órfãos no estudo, Frida e Rothko. “Frida tinha uma orelha esquerda flexível e Rothko tinha uma orelha direita flexível”, e eles eram inseparáveis, diz ela. “Era como se eles tivessem pelo menos um bom par de orelhas enquanto estivessem juntos!”

As descobertas também se encaixam em pesquisas sociais anteriores em elefantes africanos, diz Parker. “Os órfãos aumentam a interação com seus companheiros de idade após a morte da mãe.” 

Ela observa que a dominância é estruturada por idade nos elefantes: elefantes mais velhos podem superar elefantes mais jovens quando se trata de comida, por exemplo, mas os pares geralmente são iguais.

Preparando elefantes órfãos para a natureza 

Parker trabalha com elefantes órfãos no Reteti Elephant Sanctuary, um orfanato no norte do Quênia que reabilita e liberta elefantes jovens. 

Esses elefantes estavam no fundo de sua mente ao longo deste estudo, diz ela, porque as descobertas mostram que liberar órfãos reabilitados em grandes grupos com outros elefantes da mesma idade pode prepará-los para o sucesso inicial na natureza. 

Parker gostaria de ver um estudo semelhante com uma população mais específica de elefantes, como aqueles que enfrentaram caça ilegal mais pesada. 

Kathleen Gobush, bióloga da vida selvagem do Grupo de Especialistas em Elefantes Africanos da IUCN, que não esteve envolvida no estudo, diz que seria interessante acompanhar esse mesmo grupo de elefantes enquanto enfrentam um estressor agudo, como uma onda de seca intensa ou uma nova onda de caça furtiva.

“A conclusão aqui é que os elefantes precisam de elefantes”, diz Gobush. “E quando o pior acontece, como perder a mãe, alguns encontram novas maneiras de sobreviver e prosperar.”

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Animais
Dia Mundial dos Elefantes: 6 fatos sobre os maiores mamíferos terrestres
Animais
Dia Mundial do Leão: 5 fatos sobre o rei da selva
Animais
Um encontro espetacular com um leão de juba negra da Etiópia
Animais
Ursos de Utah saem da hibernação cedo. Isso pode ser um problema
Animais
Como as orcas passaram de odiadas a amadas, e agora estão ameaçadas de extinção

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados