Conheça estes animais agrícolas que já "cultivavam" antes dos humanos

Esquilos de bolso fertilizam e colhem campos de raízes subterrâneas. Alguns dizem que esta é uma forma de agricultura.

Por Sofia Quaglia
Publicado 15 de jul. de 2022 16:45 BRT
Um esquilo de bolso encontra um lugar para despejar o solo durante a escavação.

Um esquilo de bolso encontra um lugar para despejar o solo durante a escavação. As raízes que os esquilos encontram enquanto cavam não fornecem comida suficiente. Mas, ao acumular as raízes, eles obtêm energia suficiente para continuar cavando e sobreviver no subsolo.

Foto de Houston Wells

Os humanos não são os únicos animais que praticam a agricultura. As formigas cortadeiras, por exemplo, carregam meticulosamente as folhas de volta ao ninho para cultivar um fungo do qual se alimentam. Alguns besouros também criam fungos dentro de árvores podres. O peixe-rei tende a áreas onde suas algas favoritas crescem e erradicam os tipos indesejáveis.

Agora, os pesquisadores encontraram evidências de que pequenos mamíferos chamados esquilos de bolso também gerenciam, fertilizam e colhem raízes para alimentação. Isso atende à definição de agricultura, de acordo com os pesquisadores de um estudo publicado em 11 de julho na revista Current Biology.

“Os esquilos estão moldando as plantas, assim como o solo”, diz Francis (Jack) Putz, professor de biologia da Universidade da Flórida e pesquisador por trás deste projeto. “Então, eles estão administrando as colheitas. Se a agricultura é o manejo das colheitas, é isso que eles estão fazendo.”

Embora seja necessário mais trabalho para provar definitivamente que esse comportamento equivale a um tipo de agricultura, a descoberta levanta questões fascinantes sobre o papel ecológico dessas criaturas e sugere que as interações animal-planta são muitas vezes muito mais complexas do que se pensava. Também mostra que os esquilos são engenheiros ecológicos, não apenas pragas.

Especialistas subterrâneos

Os esquilos de bolso do sudeste (Geomys pinetis) passam a maior parte de sua vida sozinhos, cavando no subsolo. Embora sejam comuns nas pastagens da América do Norte e Central, é improvável que você veja um – sua presença geralmente só é perceptível graças aos montes de solo arenoso que eles deixam para trás ao cavar sistemas de túneis subterrâneos que se estendem por mais de 150 metros, geralmente cerca de 50 centímetros abaixo do solo.

Sua anatomia se adapta a essa vida: eles podem fechar a boca atrás dos incisivos, usando os dentes para cavar sem engolir sujeira. Dentro de suas bochechas, eles carregam sementes e material vegetal enquanto aram. Pesquisas recentes descobriram que eles também brilham no escuro, outra habilidade que é útil quando se vive nas profundezas – talvez para se comunicar ou fugir de predadores.

Anteriormente, pensava-se que os esquilos se alimentavam principalmente mastigando as raízes que encontravam enquanto construíam novos sistemas de túneis. No entanto, cavar túneis é energeticamente caro – até 300 a 3.000 vezes mais cansativo do que caminhar sobre uma superfície – e os pesquisadores mostram que apenas comer as raízes encontradas durante a escavação não compensa a energia gasta.

“Se eles estivessem cavando um metro e encontrassem tantas raízes, ganhariam energia suficiente dessas raízes para compensar o custo de cavar nessa escala?”, pergunta Veronica Selden, estudante pesquisadora da Universidade da Flórida por trás deste estudo. “Em todos os casos que analisamos, exceto em um, a resposta é não.”

Pesquisando os esquilos 

Para entender de que outra forma esses mamíferos têm acesso a raízes suficientes para sobreviver, Putz e Selden observaram o comportamento de esquilos em uma savana de pinheiros no norte da Flórida. Os pesquisadores excluíram manualmente os esquilos de partes de seus sistemas de túneis usando um barril aberto como uma pequena barragem, cortando o acesso a partes dos túneis por períodos variados de tempo. Eles observaram que, no local escuro e úmido que os esquilos cavaram, raízes novas, macias e digeríveis cresciam como estalactites e estalagmites, cobrindo as superfícies.

Os esquilos parecem estar cuidando ativamente das raízes para garantir que cresçam, afirmam os cientistas. Ao manter e defender essas longas redes de túneis, esses animais estão criando o ambiente úmido perfeito para as raízes prosperarem, causando aeração do solo ao afrouxá-lo, em que as plantas crescem em primeiro lugar.

É importante ressaltar que os esquilos espalham e distribuem suas fezes e urina pelos túneis. Esses resíduos fertilizam o solo e as raízes, diz Selden. Isso é bastante diferente de outras espécies de esquilo, que tendem a ter áreas de resíduos designadas, e as diferencia de outros herbívoros na superfície, que podem acidentalmente fertilizar trechos de grama ou escovar com seus excrementos.

“Os esquilos parecem estar empregando uma versão de um sistema de produção de alimentos, fornecendo esse espaço ideal para o crescimento das raízes”, diz Selden.

Ao mordiscar as raízes, os esquilos também parecem encorajar um novo crescimento. “Você é um pequeno mamífero caminhando e encontra uma raiz grande, e você a morde, mas não é muito digerível porque tem muita lignina ou celulose, e é dura”, conta Putz. “Mas em resposta ao corte, essa raiz fará muitas raízes pequenas, e elas serão realmente saborosas e mais digeríveis”.

O estudo descobriu que a colheita diária de tubérculos dos esquilos pode suprir de 21 a 62 por cento de suas necessidades calóricas – compondo o restante das calorias que os animais precisam para continuar cavando sistemas de túneis.

“Eles têm esses longos túneis que [não podem] ser explicados. É arriscado cavar túneis... energeticamente caro”, destaca Putz. Então, por que fazer isso? Se não é para cultivar”, ele diz, “não consigo pensar em nenhum outro motivo”.

O debate 'agricultura' 

“Muitas vezes pensei em esquilos como 'agricultores'”, comenta Brittany Brito, bióloga de habitat do Departamento de Caça e Pesca de Wyoming, que não esteve envolvida no estudo. “Acho que esse é um argumento convincente de que os esquilos podem ser considerados agricultores porque arejam o solo, aumentam a mineralização de nutrientes e fertilizam o solo. Essas atividades são, de certa forma, o cultivo de culturas [que] eles consomem”.

Mas outros pesquisadores se perguntam se “agricultura” é um termo apropriado para as atividades dos esquilos.

“Não tenho certeza se eles estão ativamente 'cuidando' ou apenas colhendo com o efeito de estimular o crescimento. É uma diferença sutil”, diz James Demastes, professor de biologia da Universidade do Norte de Iowa que estuda esquilos de bolso, mas que não esteve envolvido no artigo.

Ele comenta que as observações de fertilização são interessantes e “definitivamente incomuns” para essa família de animais, mas a ideia de que os esquilos de bolso poderiam estar praticando a agricultura ressoa com o que se sabe sobre os esquilos em geral. “Acho muito legal”, diz Demastes.

No entanto, os esquilos de bolso não estão semeando ou capinando suas plantações, dois elementos tradicionalmente entendidos como necessários para a agricultura, e que alguns outros animais “agrícolas”, como formigas e besouros inoculadores de fungos, fazem.

“Descrever a atividade de esquilo como agricultura parece um exagero”, acredita Kimberly Asmus Hersey, da Divisão de Recursos de Vida Selvagem do Coordenador de Conservação de Mamíferos de Utah, que não esteve envolvida no estudo. “Eu não vejo isso como tão diferente de muitas outras interações entre plantas e herbívoros.”

Há muitos casos em que o pastoreio pode estimular a produtividade das plantas, acrescenta ela, e é por isso que ela acha isso não muito diferente de um cervo podando um arbusto.

É controverso afirmar que os esquilos estão cultivando porque as pessoas têm diferentes definições do termo agricultura, de acordo com Putz. “Eles certamente são engenheiros agrícolas porque estão fazendo tudo o que podem para melhorar o crescimento das plantações.”

Obviamente, os pesquisadores observam que existem várias outras maneiras pelas quais os esquilos podem saciar suas necessidades de energia que ainda não foram exploradas em profundidade. Eles podem estar forrageando em áreas com mais raízes do que as testadas; estar confiando fortemente nos tubérculos para sua nutrição, além das raízes; ou eles podem ocasionalmente estar comendo acima do solo também, ou puxando plantas subterrâneas por suas raízes e comendo-as inteiras.

Embora os esquilos sejam geralmente considerados pragas, estudos mostraram que eles são frequentemente engenheiros de ecossistemas inestimáveis ​​para os habitats deles. Por exemplo, eles demonstraram ajudar a manter pradarias e prados montanhosos, impedindo a entrada de um número significativo de mudas de árvores invasoras, e até ajudaram as plantas colonizadoras a se firmarem na paisagem árida após a erupção do Monte Santa Helena, em maio de 1980.

“Aprender que os próprios esquilos são fazendeiros… esperamos mudar a narrativa de serem pragas agrícolas para parceiros agrícolas com os quais podemos aprender”, diz Selden.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Animais
Esses ratos cegos conseguem “enxergar” com os ouvidos, algo inédito entre roedores
Animais
Esses animais se sacrificam a favor da espécie
Animais
Animais se acasalam de várias formas – conheça as mais raras e surpreendentes
Animais
Salamandras 'paraquedistas' sobrevivem a saltos das árvores mais altas do mundo
Animais
Como os predadores superam as defesas mais complicadas

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados