Por que o canibalismo entre animais é tão comum?

Muitos animais comem pais, irmãos e filhos deles por diferentes razões.

Por Liz Langley
Publicado 16 de jan. de 2023 13:34 BRT
Girinos de sapos comuns consomem outro girino. O comportamento é mais comum quando os recursos são ...

Girinos de sapos comuns consomem outro girino. O comportamento é mais comum quando os recursos são escassos.

Foto de Georgette Douwma Nature Picture Library

O canibalismo tem uma má reputação, mas quanto mais os cientistas aprendem sobre isso, mais eles descobrem que é uma parte vital da natureza.

A prática de comer a própria espécie é “extremamente comum em todo o reino animal”, diz o biólogo Bill Schutt, autor de Cannibalism: A Perfectly Natural History  (Canibalismo: uma história perfeitamente natural, em tradução livre) e professor emérito de biologia na Universidade de Long Island, Estados Unidos. O canibalismo é mais frequentemente observado em invertebrados e peixes, diz ele. Mas essa prática ocorre em todos os principais grupos de animais.  

“Durante muito tempo, a sabedoria convencional entre os ecologistas era que o canibalismo era um comportamento aberrante”, devido ao estresse do cativeiro ou condições de laboratório não naturais, acrescenta Jay Rosenheim, entomologista e nematologista da Universidade da Califórnia (EUA).

“Apenas nas últimas décadas a prática foi vista como uma estratégia adaptativa de sobrevivência e reprodução.”

Canibalismo na família

Muitas espécies canibalizam seus próprios filhotes, geralmente quando um bebê está doente, deformado ou nascido em condições em que a mãe não pode produzir leite ou fornecer outros alimentos. Se um bebê morre ou não consegue sobreviver, o corpo dele pode se tornar uma fonte valiosa de nutrientes para os pais. Isso é geralmente conhecido como canibalismo filial. Espécies que se envolvem em canibalismo filial incluem leopardos, leões africanos, macacos tonkeanos e muitas espécies de peixes.

Essa forma de canibalismo também pode acontecer muito antes, quando os filhotes ainda são ovos. O canibalismo de ovos pode ser fácil, nutritivo e requer pouco esforço.

“Se você é um bacalhau e está botando cinco milhões de ovos, bem ali na sua frente está uma fonte de alimento que não é ameaçadora e é nutritiva”, diz Schutt.

Os peixes ciclídeos fêmeas da África Central, chamados de chocadeiras de Burton, carregam seus ovos na boca. Surpreendentemente, um estudo recente mostrou que essas mães, às vezes, consomem mais de três quartos de seus próprios ovos e filhotes de peixe.

Rivalidade e infanticídio canibal 

Em outras espécies, os machos matam bebês não relacionados a eles, um ato conhecido como infanticídio. Nesses casos, como no esquilo-vermelho norte-americano, os machos matam e comem filhotes que não são seus ou cuja paternidade é incerta. 

Isso coloca a fêmea de volta no cio e pronta para acasalar novamente rapidamente. O macho pode então protegê-la contra outras cópulas, garantindo que os filhotes sejam dele. O infanticídio também ocorre em leões e chimpanzés.

Imagens raras mostram leopardo em ato de canibalismo
Um cientista que passava a lua de mel na Tanzânia gravou o vídeo no Parque Nacional Serengeti.

Em outras espécies, os irmãos se voltam uns contra os outros por uma chance na vida. Os sapos de Spadefoot, por exemplo, são conhecidos por botar ovos em lagoas que podem secar rapidamente. Em resposta, alguns girinos crescem com cabeças maiores, bocas mais largas e dentes mais afiados do que seus irmãos onívoros. Então, esses morfos canibais comem seus parentes, o que os ajuda a amadurecer em alta velocidade. É mais provável que a superlotação estimule o comportamento canibal, acrescenta Rosenheim.

“Quando uma espécie está em uma densidade relativamente baixa, há comida suficiente para todos. Eles não estão esbarrando uns nos outros, têm seu próprio espaço e não há muitas doenças sendo transmitidas. Neste caso, não há muitos canibais”, explica.

Algumas espécies não esperam até nascerem para começar a comer seus irmãos.

Os tubarões fêmeas carregam centenas de ovos em seus dois úteros. Eles acasalam com vários machos e carregam descendentes de vários pais. Dentro do útero, os tubarões em desenvolvimento comem os ovos não fertilizados restantes e, eventualmente, seus irmãos embrionários, um comportamento chamado canibalismo intrauterino. Eventualmente, restam apenas dois tubarões não nascidos, um em cada útero.

Isso os torna, em outras palavras, caçadores natos.

Outros tipos de canibalismo

As aranhas empregam outra forma de canibalismo, conhecida como matrifagia, na qual os recém-nascidos comem a mãe.

Em seu ato final de maternidade, uma aranha de veludo dissolverá seus próprios órgãos e os vomitará para que seus filhos comam antes que eventualmente consumam todo o seu corpo.

Os últimos órgãos que se liquefazem são o coração e os ovários, uma proteção contra falhas para garantir que, se uma aranha macho comer sua ninhada, ela possa acasalar com ele e tentar novamente. 


Muitos pais insetos ou aracnídeos não vivem para ver seus filhos. Em um ato de canibalismo sexual,  as fêmeas consomem a totalidade ou parte de seus parceiros masculinos durante ou após o acasalamento.

Espécie de gafanhoto torna-se canibal quando fica sem comida
As locustas andam em enxames de até 740 km² e são conhecidas em quase todo o mundo.

As aranhas vermelhas australianas machos são frequentemente canibalizadas por fêmeas maiores e mais maduras. Alguns até torcem seus corpos para acabar empalados em suas presas, o que não apenas fornece uma refeição saudável para a futura mamãe, mas também aumenta a chance de a prole sobreviva.

Não menos famintos são os grilos-da-artemísia fêmeas, que mordem as patas traseiras dos machos durante o acasalamento e bebem o sangue deles rico em nutrientes, ato conhecido como hemolinfa. Esta é uma tentativa de tornar o macho incapaz de acasalar com outra fêmea novamente. 

Famosamente, as fêmeas europeias de louva-a-deus arrancam a cabeça de um macho antes mesmo de ele começar a acasalar. Mas os machos adaptaram uma maneira de contornar isso. Mesmo sem cabeça, os movimentos sexuais de um louva-a-deus macho são controlados pelo tecido em seu abdômen. O sacrifício do macho contribui para a saúde da fêmea e para o número de descendentes que ele gera com ela.

Para muitos animais, o canibalismo traz benefícios. Mas Rosenheim observa que também há desvantagens, como a disseminação de doenças. E comer um parente não é a maneira ideal de transmitir genes.

“Em igualdade de condições, evitar o canibalismo é uma boa ideia”, diz ele.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Animais
Confira estes extraordinários “animais professores”
Animais
Por que os animais adoram tomar sol? Dica: não é apenas para se aquecerem
Animais
As aranhas sonham? Novo estudo sugere que sim
Animais
Esses animais se sacrificam a favor da espécie
Animais
Como os predadores superam as defesas mais complicadas

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados