Animais

Cães são mais inteligentes do que gatos? A ciência tem uma resposta

Uma equipe de pesquisadores contou o número de neurônios em cérebros de cães e gatos e descobriu que um tinha o dobro do outro.

Por Sarah Gibbens
Brewster, uma mistura de akita e pitbull, posa para a câmera

Um dos nossos debates mais contenciosos pode agora ter uma resposta.

Os cães, afinal das contas, têm cerca de duas vezes mais o número de neurônios em seus córtexes cerebrais do que o que os gatos, o que sugere que eles poderiam ser aproximadamente duas vezes mais inteligentes.

Esta descoberta foi provisoriamente aceita para publicação e em breve será publicada no periódico Frontiers in Neuroanatomy. Uma equipe de pesquisadores de seis universidades diferentes nos EUA, Brasil, Dinamarca e África do Sul contribuiu para a pesquisa.

Uma das autoras do estudo é a neurocientista brasileira  Suzana Herculano-Houzel. Durante a última década, a agora professora da Vanderbilt estuda a função cognitiva em humanos e animais. Para obter uma medida tão precisa quanto possível, ela começa contando neurônios, um tipo especial de célula nervosa encontrada no cérebro e que transmite mensagens.

"Você pega o cérebro e transforma-o em uma sopa", ela explica, com naturalidade, como o primeiro passo para encontrar esses neurônios. A partir daí, ela disse, você acaba com uma série de núcleos suspensos de células neuronais que permitem aos pesquisadores estimar o número de neurônios presentes.

Por que usar neurônios?

"Os neurônios são as unidades básicas de processamento de informações", diz Herculano-Houzel. "Quanto mais unidades você encontra no cérebro, mais cognitivamente o animal é capaz".

Para fazer a sua "sopa cerebral" de resultados, como ela chama, a equipe de pesquisa usou apenas uma parte do cérebro chamada de córtex cerebral, a camada externa que se encaixa em outras partes do cérebro. Enquanto diferentes partes do processo cerebral estão fora dos estímulos, como visão e toque, o córtex cerebral coloca esses estímulos em conjunto para impulsionar a tomada de decisões e a resolução de problemas, entre outras funções.

"O córtex é a parte do cérebro que dá complexidade e flexibilidade", comenta Herculano-Houzel.

Para ter uma ideia de quantos neurônios cães e gatos podem normalmente ter, a equipe usou três cérebros - um de um gato, um de um golden retriever e um de um cão pequeno de raça mista. Dois cérebros foram usados ​​para estudar cachorros porque os caninos variam muito em tamanho.

Em cada um dos cérebros dos cães, apesar do tamanho variável, os pesquisadores encontraram cerca de 500 milhões de neurônios, mais do dobro dos 250 milhões encontrados no cérebro do gato.

Com base no número de neurônios encontrados, eles especularam que os cães têm aproximadamente a mesma inteligência que os guaxinins e os leões, enquanto que os gatos domésticos têm inteligência equivalente à de ursos.

Para comparação, os seres humanos têm, de longe, o maior número de neurônios em nossos córtex cerebrais, até 16 bilhões por pessoa. Entre nossos primos mais próximos, os orangotangos e os gorilas têm cerca de oito a nove bilhões de neurônios, enquanto os chimpanzés têm cerca de seis a sete bilhões de neurônios.

Um dos animais não-primatas mais inteligentes que a equipe de pesquisa estudou são os elefantes, que possuem 5,6 bilhões de neurônios. Apesar disso, a neurocientista nota que eles também têm contagens de neurônios superiores aos típicos em seus cerebelos, a parte do cérebro que controla as habilidades motoras. Isso pode ajudá-los a usar suas trombas pesadas.

A medida da inteligência

Embora os pesquisadores tenham adicionado influência científica a um debate familiar sobre gatos e cães, seu trabalho faz parte de um esforço maior para usar os neurônios como uma medida quantificável de inteligência.

O trabalho anterior e às vezes controverso para quantificar a inteligência mediu o tamanho do cérebro e sua complexidade estrutural (em inglês).

Sarah Benson-Amram é cientista do Laboratório de Comportamento e Cognição Animal da Universidade da Wyoming. Ela disse que ela e seus colegas encontraram algum apoio de que o grande tamanho do cérebro em animais carnívoros leva a uma melhor solução de problemas. Mas ela disse que há poucas evidências para dizer que o tamanho maior do cérebro leva universalmente a uma maior inteligência.

"Certamente, precisamos de mais pesquisas sobre esse tópico antes de definir que o tamanho do cérebro é significativo como uma medida de inteligência em diferentes grupos de animais", disse ela.

Herculano-Houzel argumenta que contar neurônios é apenas um, embora, em sua opinião, seja o mais efetivo até a data, maneira de medir a inteligência.

"Não é um corpo maior que explica o número de neurônios que você tem", afirma. "Você pode ter animais com cérebros de tamanho semelhante, e eles têm números completamente diferentes de neurônios".

A equipe de pesquisa até agora se concentrou no estudo de animais terrestres carnívoros, mas esperam um dia estudar mamíferos marinhos.

Continuar a Ler