Por que as variantes BA.4 e BA.5 da Omicron estão causando novos surtos nos EUA?

Mais infecciosas do que as cepas anteriores, essas sub variantes também podem escapar mais facilmente de anticorpos de vacinas e infecções anteriores.

Por Sanjay Mishra
Publicado 5 de jul. de 2022 13:27 BRT
Trabalhadora da saúde administra um cotonete nasal a um paciente em um centro de testes Covid-19 ...

Trabalhadora da saúde administra um cotonete nasal a um paciente em um centro de testes Covid-19 em Les Sorinieres, perto de Nantes, França, em junho.

Foto de Stephane Mahe Reuters (265831)

Duas sub variantes Omicron estão causando mais da metade das novas infecções por coronavírus nos Estados Unidos – e ambas são muito boas em evitar anticorpos em pessoas que foram vacinadas e reforçadas, bem como em pessoas que tiveram uma infecção anterior por Covid-19.

Identificadas pela primeira vez por cientistas na África do Sul em janeiro e fevereiro deste ano, as sub variantes BA.4 e BA.5 tornaram-se dominantes nos EUA em menos de dois meses, de acordo com as estimativas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA. Na penúltima semana de junho, BA.4 foi responsável por 15,7% dos novos casos, enquanto BA.5 foi responsável por 36,6%.

“BA.4/BA.5 certamente é mais infecciosa em comparação com as variantes anteriores da Omicron”, diz Yunlong Richard Cao, imunologista do Centro de Inovação Biomédica Pioneira da Universidade de Pequim, na China. A pesquisa de Cao mostra que uma das características mais preocupantes dessas variantes é sua capacidade de escapar do sistema imunológico e romper a imunidade de rebanho.

Isso é particularmente preocupante porque quase um quarto da população elegível dos EUA não recebeu nenhum tipo de vacina. E mesmo quem completou o ciclo vacinal não parece bloquear suficientemente as novas variantes.

“Duas doses não oferecem muito em termos de proteção contra BA.4 e BA.5”, diz Shan-Lu Liu, virologista da Universidade do Estado de Ohio, em Columbus. Um pouco mais da metade dos adultos dos EUA recebeu a primeira dose de reforço, mas mais de 30% daqueles com mais de 65 anos não receberam e correm alto risco de infecção ou reinfecção por Covid-19.

Apesar dessa preocupação, os especialistas enfatizam que vacinas e reforços não são completamente ineficazes: “A imunidade das vacinas atuais ainda deve fornecer proteção robusta contra doenças graves, hospitalização e morte”, diz Dan Barouch, imunologista da Faculdade de Medicina de Harvard, em Boston.

Quanto essas sub variantes evitam a imunidade?

Além do trabalho de Cao, vários estudos estão mostrando que BA.4 e BA.5 são excelentes para evitar anticorpos.

“Após [mesmo uma] terceira dose da vacina da Pfizer, BA.4 e BA.5 escaparam de anticorpos induzidos por vacina e por infecção de forma mais eficaz do que variantes Omicron anteriores”, diz Barouch. Sua pesquisa também mostra que BA.4 e BA.5 podem efetivamente se esquivar de anticorpos criados após infecções por Omicron em pessoas vacinadas.

A pesquisa de Liu mostra que as pessoas que receberam apenas duas doses de qualquer vacina de mRNA não produziram anticorpos suficientes para bloquear qualquer sub variante Omicron, incluindo BA.4 e BA.5. Embora uma dose de reforço tenha melhorado significativamente a proteção, ainda foi menos eficiente contra BA-4 e BA-5.

E em um estudo que ainda não foi revisado por pares, Alex Sigal, virologista do Instituto de Pesquisa em Saúde da África e da Universidade de KwaZulu-Natal, em Durban, África do Sul, descobriu que anticorpos de uma infecção anterior com a Omicron BA.1 original não protegem contra a infecção BA.4 e BA.5 em pessoas parcialmente vacinadas ou não vacinadas.

Veja a galeria de fotos a seguir sobre o Coronavírus:

O que diferencia BA.4 e BA.5?

Enquanto BA.4 e BA.5 são quase idênticas entre si, BA.5 se espalha ainda mais rápido do que sua “gêmea” e todas as outras variantes da Omicron, de acordo com os dados do Reino Unido.

As duas variantes diferem da sub variante Omicron BA.2 por apenas seis mutações na proteína spike – a parte do vírus Sars-CoV-2 que se ancora em receptores nas células respiratórias humanas e permite que o vírus entre no organismo.

Kei Sato, virologista da Universidade de Tóquio, mostrou que uma dessas mutações ajuda o vírus a se ancorar nas células humanas e a se replicar melhor.

“É um tipo bastante útil de mutação para o vírus”, diz Ravindra Gupta, imunologista e especialista em doenças infecciosas da Universidade de Cambridge, no Reino Unido. O trabalho de Sato e Gupta mostrou que essa mutação enfraquece a potência dos anticorpos existentes.

A pesquisa não publicada de Sato também indica que em hamsters, BA.4 e BA.5 atingem os tecidos pulmonares de forma mais eficiente do que as variantes anteriores da Omicron. Mas é muito cedo para dizer se BA.4 e BA.5 podem causar doenças mais graves em humanos, esclarece Olivier Schwartz, virologista e imunologista do Instituto Pasteur, na França.

Na África do Sul, o aumento no número de infecção causada por BA.4 e BA.5 não levou a tantas hospitalizações quanto a onda Omicron original, diz Túlio de Oliveira, bioinformático da Universidade Stellenbosch, na África do Sul, que descobriu as variantes Omicron.

“Sabemos que realmente não gerou uma onda de gravidade na África do Sul, o que é um pouco reconfortante”, destaca Gupta, “embora sejam uma população muito mais jovem”.

Em Portugal, por outro lado, onde BA.5 representa agora quase 90 por cento das infecções, as internações aumentaram nas últimas seis semanas, principalmente entre pessoas com 60 anos ou mais.

O que vem a seguir para as vacinas?

Tanto a Moderna quanto a Pfizer desenvolveram novos tipos de reforços “bivalentes” baseados na sub variante Omicron BA.1 e na versão original do Sars-CoV-2 usada nas vacinas aprovadas.

Não está claro como o reforço bivalente atualizado sairá contra BA.4 e BA.5, uma vez que doses de reforço da Moderna e da Pfizer geraram uma resposta de anticorpos mais fraca a essas sub variantes do que a BA.1. A Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA, na sigla em inglês) admitiu que o reforço bivalente "já está um pouco desatualizado ".

Independentemente disso, um painel consultivo da FDA recomendou recentemente começar a usar as vacinas de reforço da Covid-19 atualizadas no outono.

Juntamente com as melhorias nas vacinas, estratégias preventivas como distanciamento social, evitar locais fechados lotados e utilizar máscaras permanecem muito eficazes para reduzir o risco de infecção e diminuir a probabilidade de evolução de novas variantes que evadem a imunidade.

“A diminuição da imunidade da vacina e a diminuição na utilização de máscaras também são os principais contribuintes para a circulação contínua do vírus”, diz Barouch.

"Só temos que ter um pouco de cuidado no nosso dia a dia", alerta Sigal. "A Covid-19 não acabou."

Esta história foi atualizada para descrever com mais precisão as descobertas de Shan-Lu Liu sobre as respostas da vacina às sub variantes BA.4 e BA.5.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Ciência
Perdeu o olfato por covid-19? Veja como retreinar seu cérebro
Ciência
Mesmo casos leves de covid podem encolher o cérebro
Ciência
Quais são as vacinas mais promissoras contra a covid-19?
Ciência
Quanto tempo a Covid-19 permanece no corpo humano?
Ciência
Teremos vacinas mais poderosas? Imunizantes que ativam células T prometem

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados