Duas novas variantes da Ômicron podem causar mais uma onda de covid-19

As subvariantes BA.4 e BA.5 burlam a imunidade, especialmente de pessoas não vacinadas, com possibilidade de causar aumento nas infecções em todo o mundo.

Publicado 11 de mai. de 2022 17:34 BRT
Uma mulher passa por um mural do ex-presidente da África do Sul, Nelson Mandela, em Katlehong, ...

Uma mulher passa por um mural do ex-presidente da África do Sul, Nelson Mandela, em Katlehong, a leste de Johanesburgo, África do Sul. O ministro da Saúde da África do Sul diz que é provável que o país tenha entrado em uma nova onda de covid-19 mais cedo do que o esperado, pois novas infecções e hospitalizações aumentaram rapidamente nas últimas duas semanas.

Foto de Themba Hadebe /AP PHOTO

Novas versões do Ômicron estão novamente causando um aumento de casos de covid-19 na África do Sul, e estudos mostram que essas novas subvariantes são tão diferentes da versão original do Ômicron que a imunidade gerada a partir de uma infecção anterior pode não fornecer muita proteção.

Batizadas de BA.4 e BA.5, as novas subvariantes são quase idênticas entre si, e ambas são mais transmissíveis do que a subvariante Ômicron BA.2. Na África do Sul, elas substituíram a cepa BA.2 em menos de um mês. As mutações agora são responsáveis ​​por um aumento nos casos de covid-19 na África do Sul, que triplicaram desde meados de abril.

“Se você não foi vacinado, você não tem ​​quase nenhuma imunidade contra a BA.4 e BA.5”, diz Alex Sigal, virologista do Instituto de Pesquisa em Saúde da África e da Universidade de KwaZulu-Natal, na África do Sul. “Pode haver alguma imunidade que pode ser suficiente para proteger contra doenças graves, mas não suficiente para proteger contra infecções sintomáticas.”

A África do Sul é o país mais atingido do continente, com mais de 100.523 mortes oficiais por covid-19 – e isso é, provavelmente, um número grosseiramente subestimado, de acordo com um estudo recente publicado na revista científica The Lancet. Com BA.4 e BA.5 agora em ascensão, é provável que o número de mortos cresça, pois apenas um terço da população sul-africana recebeu a vacina contra o novo coronavírus; a taxa de vacinação é ainda mais baixa no resto da África 

[Você pode se interessar por: Mesmo casos leves de covid podem encolher o cérebro]

No Brasil, os casos de covid-19 estão em tendência de alta. O boletim de ontem (10/05) do consórcio dos veículos de imprensa a partir de dados das secretarias estaduais de saúde indicou uma alta de 30.590.994 casos e média móvel de 16.053 – 29% a mais do que há duas semanas.

Hoje (11/05) o CT-Vacina, centro de pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais, divulgou que identificou a subvariante BA.2.12.1 pela primeira vez no Brasil.

Essa subvariante é a dominante nos EUA neste momento e provocou um aumento de 17% nas hospitalizações no país – e até 28% em regiões como os Grandes Lagos e Washington DC. e região metropolitana.

0Mas as novas subvariantes se espalharam para mais de 20 países na América do Norte, Ásia e Europa, e já foram identificados 19 casos de BA.4 e seis de BA.5 nos EUA.

Como BA.4 e BA.5 são diferentes de outras variantes da Ômicron? 

A África do Sul tornou-se um ponto importante na África para o sequenciamento de amostras de Sars-CoV-2. Esse mapeamento rápido foi fundamental para alertar o mundo em dezembro de 2021 sobre a descoberta e o aumento da cepa Ômicron original, chamada BA.1. Agora, a mesma equipe descobriu BA.4 e BA.5.

“As subvariantes BA.4 e BA.5 foram identificadas porque a África do Sul ainda está fazendo o sequenciamento genético, algo vital que muitos outros países pararam de fazer”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, em coletiva de imprensa. “Em muitos países, estamos essencialmente cegos para a forma como o vírus está sofrendo mutações. Não sabemos o que vem a seguir.”

Esse sequenciamento revelou que, para BA.4 e BA.5, a proteína spike é semelhante à da BA.2, exceto por seis mutações. A proteína spike é a parte do vírus Sars-CoV-2 que se ancora em receptores nas células respiratórias humanas e permite que o vírus infecte a célula.

“As três modificações presentes na proteína spike da BA.4 e BA.5, em comparação com BA.2, provavelmente estão associadas à capacidade de burlar anticorpos e à melhoria da aptidão viral e à ligação ao receptor ACE2”, diz Olivier Schwartz, chefe da Unidade de Vírus e Imunidade no Instituto Pasteur, na França.

Duas das mudanças nas subvariantes podem tornar esses vírus mais infecciosos, diz Ravindra Gupta, imunologista e especialista em doenças infecciosas da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, como mostrado em sua pesquisa anterior. A vantagem é que essas mesmas mutações tornam mais fácil para os pesquisadores distinguir rapidamente as novas subvariantes de BA.2 em um teste de PCR padrão.

Outra mutação presente em BA.4 e BA.5 também é encontrada em outras variantes preocupantes, incluindo Delta, Kappa e Epsilon. Ela aumenta a ineficácia e enfraquece a imunidade dos anticorpos existentes, de acordo com um estudo preliminar da China.

O estudo chinês também mostra que uma rara alteração vista antes apenas 54 vezes entre 10 milhões de sequências virais ajuda BA.4 e BA.5 a evadir anticorpos específicos de BA.1. Essa mesma mutação também permitiu que o Sars-CoV-2 infectasse martas e furões durante os surtos de abril de 2020 em fazendas de martas.

Além dessas mutações de proteínas spike, BA.4 e BA.5 também apresentam pequenas alterações em proteínas virais cujas funções exatas não são bem conhecidas.

Onde BA.4 e BA.5 evoluíram? 

Uma análise genética preliminar estima que as novas subvariantes podem ter se originado na África do Sul, na mesma época que outras variantes da Ômicron, em meados de dezembro de 2021 e início de janeiro de 2022, respectivamente. Mas os cientistas ainda não sabem exatamente a origem.

“BA.4 e BA.5 podem muito bem ter se originado do mesmo tipo de fonte comum que BA.1, BA.2 e BA.3, mas não é certo”, diz Richard Lessells, médico de doenças infecciosas da Universidade de KwaZulu-Natal em Durban, África do Sul. Ele faz parte da equipe sul-africana de sequenciamento que descobriu todas essas variantes da Ômicron.

De acordo com possíveis rotas de evolução, a origem da subvariante pode ter sido em um hospedeiro animal, como um camundongo, ou gestada em alguns pacientes imunocomprometidos, como ocorrido por meio do acúmulo de mutações durante uma infecção crônica.

“Outra possibildade é que BA.4 e BA.5 podem ter evoluído da BA.2”, diz Lessells.

BA.4 e BA.5 evitam a imunidade anterior 

No primeiro estudo, ainda não revisado, de BA.4 e BA.5 sobre imunidade, cientistas liderados por Sigal, do Instituto de Pesquisa em Saúde da África, isolaram vírus vivos de coleta de amostras nasais. Os cientistas realizaram testes para ver se os anticorpos de pessoas não vacinadas e vacinadas que haviam sido infectadas há apenas alguns com a cepa original Ômicron BA.1 meses foram capazes de neutralizar essas novas variantes. A equipe de Sigal descobriu que esses anticorpos não eram capazes de proteger contra infecções sintomáticas.

Isso é preocupante, porque em países de baixa e média renda, menos de uma em cada seis pessoas recebeu pelo menos uma dose de vacina contra a covid-19. Mesmo nos Estados Unidos, quase 23% da população não se vacinou.

No Brasil, 86% recebeu uma dose, 77% duas e 42% recebeu dose de reforço.

“Os dados da BA.4 e 5 são interessantes e um tanto surpreendentes”, diz Gupta, referindo-se ao declínio acentuado da imunidade observado nos estudos até agora. “É maior do que eu teria previsto”, diz. “Pode ser que a biologia desse vírus tenha mudado completamente em termos de velocidade de evolução.”

Proteção com as vacinas

O estudo sul-africano traz algumas boas notícias para as pessoas vacinadas. “Descobrimos que você obtém muita proteção com as vacinas, mesmo que tenha sido infectado com a Ômicron apesar de ter sido vacinado – muito mais proteção do que se você não fosse imunizado daqui para frente.”

O estudo de Sigal também sugere que BA.4 e BA.5 podem causar doença menos grave, especialmente entre pessoas vacinadas, em comparação com variantes anteriores da Ômicron. Isso pode explicar por que menos pessoas parecem estar contraindo doenças graves, apesar do aumento das hospitalizações por covid-19 na África do Sul. A duração média da hospitalização também parece ser mais curta, mas as mortes pelo novo coronavírus estão aumentando mais rapidamente em pacientes com idade mais avançada.

“Os dados BA.4 e 5 reforçam a necessidade de reforços em pessoas vulneráveis ​​para manter os níveis de anticorpos altos”, diz Gupta.

Enquanto isso, a Moderna publicou dados sobre sua nova vacina de reforço candidata mRNA-1273.211 – que mistura a proteína spike ancestral com uma imitação da variante beta. Embora ainda não revisados, os resultados parecem mostrar proteção superior por até seis meses, mesmo contra a variante Ômicron.

“As vacinas são projetadas para prevenir doenças graves, para nos manter fora do hospital e da intubação”, diz Lessells. “E eles ainda estão fazendo isso extremamente bem, diante de todas essas variantes diferentes.”

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Ciência
Teremos vacinas mais poderosas? Imunizantes que ativam células T prometem
Ciência
Vacina universal contra o coronavírus está chegando?
Ciência
A Ômicron é realmente menos severa? O que diz a ciência
Ciência
9 grandes dúvidas sobre a Ômicron explicadas
Ciência
Variantes da covid-19 surgirão até que o mundo seja vacinado

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados